Conselho Mundial de Igrejas.  Reunião do Comitê Central na Suíça

Conselho Mundial de Igrejas. Reunião do Comitê Central na Suíça

O Comitê de Referência de Política, um dos grupos de trabalho permanentes do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) – junho de 2023 – foto Albin Hillert (CEC)

Roma (NEV), 26 de junho de 2023 – A reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está em andamento em Genebra, Suíça. Esta é a primeira reunião “completa” desde a 11ª Assembleia realizada no ano passado em Karlsruhe. “Cada reunião do Comitê Central é uma oportunidade única para fortalecer o testemunho do CMI como comunhão viva” diz o site do CMI – oikoumene.org

Da Itália vem o pastor valdense Michael Charbonnierque nos contou sobre o início das obras:

Reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra – junho de 2023 – de preto para as quintas-feiras de preto, a campanha por um mundo livre de estupro e violência – foto Albin Hillert (CEC)

“É uma reunião especial e particularmente complexa, até porque todo o trabalho do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas deve ser organizado para os próximos oito anos. Precisamos rever as prioridades expressas pela Assembléia de Karlsruhe, precisamos decidir e aprovar as estratégias. Assim, é necessário construir um plano estratégico para implementar os vários programas do Conselho, é necessário nomear e organizar os vários grupos de trabalho do Comitê Central. Grupos que irão então exercer os vários sectores, com base nas diferentes funções. É um trabalho complexo também porque você tem que fazer com muitas pessoas novas. De fato, 75% dos membros do Comitê Central eleitos em setembro do ano passado em Karlsruhe estão em sua primeira experiência. Isso obviamente gera a necessidade de dar tempo para explicar, para trazer as pessoas para as questões maiores, e tudo isso deve ser feito sem esquecer o hoje. Sem esquecer todas as questões que já estão sobre a mesa e que já fazem parte do trabalho diário do Conselho. Um tema acima de tudo: a questão da guerra na Ucrânia, tanto do ponto de vista “político” quanto do ponto de vista das relações entre as várias igrejas envolvidas no conflito. Sem esquecer todos os outros conflitos em curso, por exemplo, o de Mianmar. E com atenção ao que ainda não está no trabalho do Concílio, mas que se apresenta no horizonte da vida das igrejas do CMI. Um exemplo entre muitos é a questão do desenvolvimento descontrolado da inteligência artificial e como isso afeta a vida das pessoas e comunidades de fé. Diante de tudo isso, sete dias para uma reunião parece muito tempo, mas provavelmente será apenas o suficiente”, disse Michel Charbonnier.

Além dos 150 membros e 8 presidentes eleitos em Karlsruhe, o Comitê Central reúne diversos conselheiros de parceiros ecumênicos e outras igrejas.

A agenda inclui o desenvolvimento da direção estratégica, questões programáticas e financeiras, comunicação. Entre os temas indicados à Comissão pela Assembleia: peregrinação da justiça, reconciliação e unidade, missão da Igreja.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os quartos do silêncio

Os quartos do silêncio

Roma (NEV), 15 de maio de 2018 - "Secularismo, espiritualidade e instituições: a sala do silêncio e/ou do culto como ferramenta de integração entre instituições e comunidades" é o título da conferência que será realizada na quinta-feira, 17 de maio de 2018, às Palazzo Marino, na Piazza della Scala em Milão. A linha comum é o significado dos lugares dentro de estruturas públicas onde uma pessoa pode se retirar em meditação ou oração. Salas de silêncio estão presentes, por exemplo, em hospitais e aeroportos. A conferência é organizada pelo grupo de trabalho nacional "A sala do silêncio e/ou cultos" e contará com a participação, entre outros, da pastora valdense Daniela DiCarlo com uma intervenção sobre o diálogo entre as fés. A partir das 9 da manhã e até à hora de almoço falaremos de espiritualidade, espaços de despedida entre tradição e novas necessidades rituais, liberdade religiosa em locais de cuidado, perspetivas estéticas e arquitetónicas, com alguns testemunhos como o da “Estância” de Ferrara e o Panteão da Certosa do Cemitério de Bolonha. A origem da "Sala do Silêncio" deve-se ao Secretário Geral da ONU Dag Hammarskjoeld, político e economista luterano sueco que ocupou o cargo de 1954 a 1961. Foi o próprio Hammarskjoeld quem montou uma "Sala Silenciosa" ou "Sala do Silêncio" na sede da ONU em Nova York. Como ele mesmo explicou, “num edifício inteiramente dedicado ao trabalho e ao debate, deve existir uma sala dedicada ao silêncio, no sentido externo, e à quietude, no sentido interno. Um lugar aberto a pessoas de todas as fés e desprovido de qualquer símbolo, porque é dever de quem entra preencher o vazio com o que encontra no centro do seu coração”. (mup) Faça o download do programa: A sala do silêncio Cartaz da conferência 17 de maio de 2018 ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Roma (NEV), 14 de abril de 2021 – A campanha Otto per mille deste ano da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense será um vídeo de animação exclusivamente feminino. O diretor de arte da campanha é o cartunista e jornalista gráfico Takoua Ben Mohamedque desenvolveu um storyboard com "as mulheres protagonistas", partindo de uma ideia da agência Web&com de Sérgio Veludo. Um spot animado com cerca de um minuto será, assim, o instrumento da campanha de comunicação oito por mil, da qual podemos antecipar alguns dos conteúdos e que será lançada nas próximas semanas. Objetivo: explicar como são utilizados os recursos do Otto per mille (OPM) da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense e porque é cada vez mais importante escolher a quem destinar, na hora de preencher a declaração de imposto de renda. “É um projeto – explica o autor – no qual trabalhei com um animador e outro designer, Lorenzo Zanotti E Federica Franceschini, tentando contar meu ponto de vista, em uma narrativa exclusivamente feminina, sobre como os recursos do OPM são usados. Falamos, pois, de social mas não só, também, indirectamente, de cidadania e de novas gerações. Uma história coral, também ambientada durante o confinamento, que vê as mulheres como protagonistas da esperança e da mudança”. E mudança é justamente a palavra de ordem da campanha OPM 2021. “Sentimos a necessidade de mudar – explica Manuela Vinay, chefe da Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense (OPM) – . Talvez a pandemia tenha nos levado a nos questionarmos mais sobre o que podemos e devemos fazer e 'mudar' foi a primeira palavra-chave. Daí também a escolha das bandas desenhadas, de que gostamos de imediato também porque associámos de imediato à obra do Takoua que tanto apreciamos. O outro termo que tem nos guiado é 'responsabilidade', só podemos dar uma contribuição maior para melhorar o mundo em que vivemos com um forte senso de responsabilidade compartilhada. E a partilha é a outra chave de compreensão: não estamos sozinhos, a nossa força não vem só da fé, mas também das pessoas que acreditam em nós. Cada um deve fazer a sua parte, quem assina o 8×1000, quem repassa o dinheiro, quem gasta. Juntos podemos continuar a fazer muito, e melhor. Espero que a pandemia possa “despertar” um sentimento de cidadania ativa em muitas direções, incluindo a vontade de expressar uma escolha, uma assinatura para o 8×1000 mas não só”. Takoua Ben Mohamed é um cartunista e jornalista gráfico nascido em Douz, Tunísia, e criado em Roma. Ela é a autora das obras “História de Mulher” (2015), "Sob o Véu" (2016), "A Revolução de Jasmim" (2018), “Outro caminho para o Camboja” (2020), os três últimos lançados pela editora BeccoGiallo. Em 2019 produziu o documentário Estilo Hejab para o Canal de Documentários Al-Jazeera, veiculado pela emissora em 2020. Há mais de dois anos colabora com a revista e centro de estudos Confronti. Próximos compromissos profissionais do autor, "em meados de maio um novo livro intitulado"Meu melhor amigo fascista” e uma campanha europeia contra a islamofobia, com particular enfoque nas mulheres muçulmanas”. Para todas as informações sobre como assinar e como os fundos OPM valdenses e metodistas são alocados: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Roma (SSSMV04), 23 de agosto de 2021 – O trabalho do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses ganhou vida. O corpo decisório máximo de valdenses e metodistas está ocorrendo de forma mista (presencial e online), após um ano de paralisação por conta da pandemia. Ao todo, foram convocados 180 deputados e deputadas, 50 dos quais reunidos na Torre Pellice, no coração dos vales valdenses na província de Torino. Na mesa de debate, os temas que mais debatem são a vida da Igreja e o seu futuro, a pandemia como oportunidade de renascimento e reprogramação, os direitos humanos, a proteção das minorias, o compromisso social de luta contra a pobreza. Além disso, foram discutidas as relações com o Estado, corredores humanitários e migrações, a situação no Afeganistão. E ainda: de Next Generation (esta noite às 20:45 da noite pública) e do protagonismo europeu, sem descurar os temas da pastoral, das vocações, da teologia e do ecumenismo. As igrejas metodista e valdense mantêm vivo o seu papel no espaço público: desde o financiamento de projetos sociais, culturais e assistenciais, na Itália e no exterior, até os serviços diaconais e o cuidado das almas. O Sínodo expressa assim a vida das Igrejas, em resumo: oração, ação, partilha. Terça-feira, 24 de agosto e quarta-feira, 25 de agosto, às 18h30, resumo imprensa web ao vivo do Sínodo. Conectar www.rbe.it Explore o Sínodo 2021 (NEVCS/21) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.