De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

Roma (NEV), 4 de março de 2023 – Será um verdadeiro engarrafamento ecumênico, em termos inequívocos. Dentro de três anos, nada menos que seis organismos ecumênicos internacionais e grandes famílias confessionais realizarão suas Assembléias Gerais em todo o mundo. As agendas, já cheias de compromissos, tornam-se inviáveis; passam a estudar as rotas aéreas ou ferroviárias para chegar à Estônia, aos Estados Unidos ou à Tailândia, tentando (desnecessariamente) buscar aquelas com menor impacto ambiental. E, é claro, os tesoureiros suam frio ao pensar nos custos de participação que, para algumas igrejas, envolvem mais de um evento.

Esta é a imagem, entre o entusiasmado e o dramático, que Mário Fisher, secretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), delineado perante os representantes dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias (ENCC), reunidos em Bruxelas de 27 de fevereiro a 1º de março passado. O culpado deste engarrafamento é facilmente identificável: é a pandemia de Covid19 que tem impedido os vários Assisies de cumprirem os seus horários, suficientemente distanciados uns dos outros.

Porém, por mais exigente que seja o calendário, o que prevalece é a vontade de restabelecer relações e continuar raciocínios que só fazem sentido olhando-se nos olhos, pessoalmente. Esperando que daqui a seis ou sete anos, quando as mesmas assembleias forem convocadas novamente, o gargalo não se repita e as diversas entidades adotem uma estratégia de sobrevivência para tornar sustentáveis ​​os grandes encontros de fé. De qualquer forma, aqui está a programação.

XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Karlsruhe, Alemanha, 31 de agosto a 8 de setembro de 2022Lema: O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade É o único evento já concluído. A Assembléia do CMI voltou à Europa 50 anos depois da última vez, trazendo 4.000 pessoas de todos os continentes para a Alemanha. Um encontro dedicado à inclusão para caminharmos juntos em um mundo dividido e sem paz. Da Itália, participaram delegados e observadores da Igreja Evangélica Valdense, da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália, da União Cristã Evangélica Batista da Itália e da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Para saber o que aconteceu, clique aqui.


XVI Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) Tallinn, Estônia, 15 a 20 de junho de 2023Lema: Sob a bênção de Deus – moldando o futuro A Assembleia Geral da CEC será um momento de oração, fraternidade e reflexão pela vida e testemunho das igrejas do continente. Haverá um espaço de escuta e discussão dedicado às igrejas em “áreas de conflito”. Entre os oradores, o ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams e o patriarca de Constantinopla Bartolomeu. As igrejas italianas membros da CEC são a Igreja Evangélica Valdense, a Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, a União Cristã Evangélica Batista da Itália, a Igreja Evangélica Luterana na Itália e a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália.


XIII Assembléia Geral da Federação Luterana Mundial (WLF) Cracóvia, Polônia, 13 a 19 de setembro de 2023 Lema: Um Corpo, um Espírito, uma Esperança Na Polônia, são esperados 355 delegados de igrejas luteranas de todo o mundo, incluindo a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI). O programa pretende refletir sobre a unidade na fé dos luteranos do mundo e sobre seu compromisso de dar testemunho do evangelho por meio do serviço, da missão e da ação diaconal profética. Uma visita ao Museu e Memorial Auschwitz-Birkenau faz parte do programa.


Conferência geral da Igreja Metodista Unida (UMC) Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 23 de abril a 3 de maio de 2024 Lema: …e reconhecer que eu sou Deus Já adiada para 2020 e 2022, a Conferência UMC trará entre 5.500 e 7.000 pessoas de todo o mundo para Charlotte. A UMC está sediada nos Estados Unidos, mas é uma igreja internacional com 12 milhões de membros em quatro continentes. Na Europa, os metodistas austríacos, sérvios e alemães são afiliados à UMC, só para citar alguns. Um dos tópicos da Conferência será a discussão sobre a sexualidade humana, que há muito está em andamento nas igrejas da UMC em todo o mundo.


VI Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Sibiu, Romênia, 27 de agosto a 2 de setembro de 2024 Lema: À luz de Cristo – Chamados à esperança A Assembleia será também uma ocasião para celebrar o 50º aniversário da acordo de Leuenberg (1973-2023) em torno do qual nasceu o CPCE. O CPCE inclui a Igreja Evangélica Valdense, a Sociedade para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália e a Igreja Evangélica Luterana na Itália.


Conselho Geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR)Chiang Mai, Tailândia, 2025 Lema: Persevere em seu testemunho A Igreja Evangélica Valdense faz parte da CMCR.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Encerramento do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Encerramento do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Torre Pellice (TO), 25 de agosto - O Sínodo das igrejas Valdenses e Metodistas fechará suas portas amanhã, sexta-feira, 26 de agosto, com o habitual culto de encerramento, marcado para as 17h30. O conteúdo do debate vai desde compromissos sociais e de saúde até cultura e hospitalidade humanitária. O foco de hoje foram os temas de trabalho e relações ecumênicas e internacionais, especialmente em vista da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) agendada para Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro. Forte é o compromisso no terceiro setor e na cooperação internacional graças aos fundos Otto por mil das igrejas metodistas e valdenses. A confiança no Otto per mille Valdensian está crescendo: as assinaturas dos contribuintes estão de fato aumentando, o que levou ao financiamento 1557 projetos na Itália e no mundo, com um aumento de 34% em relação ao ano passado. Eles eram foram atribuídos cerca de 45 milhões de euros, graças às 570.000 assinaturas dos contribuintes que escolheram alocar os oito por mil para os valdenses. Com os recursos alocados, a Igreja Valdense (União das Igrejas Valdense e Metodista) financia projetos sustentáveis ​​e transparente, criado por centenas de associações de diferentes orientações culturais e religiosas, cujos resultados podem ser avaliados e verificados por qualquer pessoa. Anualmente é publicado um relatório dos recursos recebidos e dos projetos financiados. Também estão marcadas para amanhã, sexta-feira, 26 de agosto, as eleições dos 7 membros do Conselho Valdense - o órgão executivo máximo das igrejas metodista e valdense composto por 7 membros eleitos pelo Sínodo ano a ano, incluindo o Moderador - e dos principais metodistas. Por volta das 16h00 está agendado o discurso de encerramento do Moderador eleito, seguido da conferência de imprensa de encerramento. Os colegas jornalistas estão convidados a participar presencialmente, em Torre Pellice (TO), ou ao vivo nos canais protestantes e em especial na página do Nev no Facebook e no rbe.it. Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Detalhe da capa do relatório "Lei de ecocídio para uma economia dentro dos limites planetários", janeiro de 2023 Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ele votou com uma maioria esmagadora e sem objeção para o reconhecimento do ecocídio. Foi relançado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A postura histórica é um avanço para os movimentos que há muito clamam por uma resposta global à questão da destruição da natureza e dos ecossistemas. A decisão de adotar o resolução 2477 e a recomendação 2246 vem após a análise de um relatório recente da Comissão de Assuntos Sociais, Saúde e Desenvolvimento Sustentável sobre o impacto ambiental dos conflitos armados. Sobre stopecocide.earth lê-se: “Apresentado pelo orador John Howell (Reino Unido, Conservadores Europeus), o relatório afirma que os danos ambientais múltiplos, graves, duradouros e principalmente irreversíveis causados ​​por conflitos armados afetam não apenas os ecossistemas, mas também a saúde humana fora da área de conflito e muito depois do fim do conflito. Os direitos humanos à vida e a um meio ambiente saudável ficam assim comprometidos”. Ecocídio é crime A resolução exorta os Estados membros do Conselho a "construir e consolidar um quadro jurídico para uma maior protecção do ambiente em conflitos armados a nível nacional, europeu e internacional", inter alia, "melhorando o seu arsenal jurídico para criminalizar e processar eficazmente ecocídio e tomar medidas concretas para alterar o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, a fim de incluir o ecocídio como um novo crime”. O Conselho da Europa também se pronunciou sobre as lacunas legais na matéria e sobre a falta de um "mecanismo internacional permanente para monitorar violações legais e lidar com pedidos de indenização por danos ambientais". O contexto imediato da resolução, segundo pare com o ecocídiodiz respeito à Ucrânia, que "sofreu altos níveis de danos ambientais de várias formas no ano passado devido aos ataques russos, desde 'grandes incêndios florestais' até 'campos agrícolas contaminados por petróleo e rios onde os peixes são sufocados sob as manchas de óleo' ( fonte: Horário, 18/10/22). Outros danos vêm do uso de "produtos químicos, munições e equipamentos militares", mas também de armazenamento de combustível, infraestrutura industrial, água, energia e sistemas de gerenciamento de resíduos, áreas urbanas, áreas agrícolas e naturais. “A avaliação de tais danos exigirá uma infinidade de métodos complexos para estabelecer impactos e planejar atividades de recuperação”, diz o documento “O impacto ambiental do conflito na Ucrânia: uma análise preliminar” (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, outubro de 2022). Os impactos ambientais existem na guerra e na paz, na Ucrânia e em outros lugares. ele ainda escreve pare com o ecocídio: isso pode ser visto "desde os resultados ainda perceptíveis do uso do Agente Laranja no Vietnã na década de 1960 (ao qual se referia a cunhagem original da palavra 'ecocídio') até a poluição de urânio no sul do Iraque após a Guerra do Golfo de 1991" . A expectativa agora é que essa decisão afete as discussões em curso na UE sobre a revisão da diretiva de proteção ambiental por meio do direito penal. De realçar ainda a recente aprovação pelo Conselho do European Law Institute (ELI) de um lei modelo sobre ecocídio, desenvolvido para o contexto da UE. A lei modelo será votada em fevereiro. Vários movimentos convergem em todo o mundo sobre a questão do ecocídio. Assuntos seculares e religiosos, incluindo a Igreja da Suécia e, na Itália, a própria GLAM, que tem traduzido e divulgado os conteúdos aqui relatados em sua rede. Para saber mais: ...

Ler artigo
Mais devagar, mais fundo, mais suavemente

Mais devagar, mais fundo, mais suavemente

Camaldoli (AR) Roma (NEV), 26 de julho de 2021 – A 57ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (Sae) começou com uma oração inter-religiosa ontem, segunda-feira, 25 de julho, no Mosteiro de Camaldoli, na província de Arezzo, prevista até 31 de julho, sobre o tema “Dirás a teu filho (Ex 13,8) as palavras da fé na sucessão das gerações. Uma busca ecumênica (I)”. As jornadas de Camaldoli, para as mais de cento e trinta pessoas de várias confissões cristãs e de fé judaica, vindas de todas as partes da Itália, foram colocadas sob o lema de Alex Langer “Mais devagar, mais fundo, mais suavemente”. Na abertura da reunião, o Presidente Piero Stefani, em transmissão ao vivo, relembrou as saudações e votos de sucesso da Moderadora della Tavola Valdese, Alessandra Trottae do presidente da Comissão Episcopal Ecumenismo e diálogo da CEI, o bispo de Pinerolo Derio Olivero, que destacou a importância para todas as Igrejas de transmitir as palavras de fé. O relatório de Stefani, ao final de seu mandato presidencial, delineou o contexto em que a sessão está ocorrendo: um novo momento em que a Covid e os procedimentos emergenciais empreendidos pelas autoridades civis mudaram o plano de comunicação e tiveram repercussões econômicas e psicológicas com forte diferenças do ponto de vista geracional e de trabalho. “Dizer, como se disse em 2020, “estamos todos no mesmo barco” é uma ilusão. O vírus é universalista, mas esse fato não é suficiente para criar igualdade efetiva. Estamos no mesmo navio com grandes diferenças entre primeira classe, segunda classe, espera, funções de comando, posições subordinadas. Há cada vez mais diferenças claras, por exemplo na forma de obtenção de rendimentos”, afirmou. A primeira intervenção dos convidados foi Silvana Di Nepi, professor da Universidade Sapienza de Roma, interveio via streaming com o estudo "Mi dor le-dor" (De geração em geração). O historiador, especialista da era moderna, analisou a resistência dos judeus nos guetos da Itália ao longo dos séculos e a importância da educação comunitária aqui desenvolvida pelas irmandades que permitiu a transmissão às novas gerações da língua, do estudo da Torá, orações e conhecimento do mundo exterior para também saber responder às instruções convertíveis. Seguiu-se o relato do filósofo, presidente da Associação "Lech Lechà", Davi Assael sobre o tema "Comunicar-se, compreender-se: vida e linguagem". À tarde o encontro a duas vozes "Você vai contar aos seus filhos e filhas" com Enzo Biemmi E Ulrich Jourdan. Para mais informações e para acompanhar os procedimentos via streaming, consulte o site www.saenotizie.it. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.