De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

Roma (NEV), 4 de março de 2023 – Será um verdadeiro engarrafamento ecumênico, em termos inequívocos. Dentro de três anos, nada menos que seis organismos ecumênicos internacionais e grandes famílias confessionais realizarão suas Assembléias Gerais em todo o mundo. As agendas, já cheias de compromissos, tornam-se inviáveis; passam a estudar as rotas aéreas ou ferroviárias para chegar à Estônia, aos Estados Unidos ou à Tailândia, tentando (desnecessariamente) buscar aquelas com menor impacto ambiental. E, é claro, os tesoureiros suam frio ao pensar nos custos de participação que, para algumas igrejas, envolvem mais de um evento.

Esta é a imagem, entre o entusiasmado e o dramático, que Mário Fisher, secretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), delineado perante os representantes dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias (ENCC), reunidos em Bruxelas de 27 de fevereiro a 1º de março passado. O culpado deste engarrafamento é facilmente identificável: é a pandemia de Covid19 que tem impedido os vários Assisies de cumprirem os seus horários, suficientemente distanciados uns dos outros.

Porém, por mais exigente que seja o calendário, o que prevalece é a vontade de restabelecer relações e continuar raciocínios que só fazem sentido olhando-se nos olhos, pessoalmente. Esperando que daqui a seis ou sete anos, quando as mesmas assembleias forem convocadas novamente, o gargalo não se repita e as diversas entidades adotem uma estratégia de sobrevivência para tornar sustentáveis ​​os grandes encontros de fé. De qualquer forma, aqui está a programação.

XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Karlsruhe, Alemanha, 31 de agosto a 8 de setembro de 2022Lema: O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade É o único evento já concluído. A Assembléia do CMI voltou à Europa 50 anos depois da última vez, trazendo 4.000 pessoas de todos os continentes para a Alemanha. Um encontro dedicado à inclusão para caminharmos juntos em um mundo dividido e sem paz. Da Itália, participaram delegados e observadores da Igreja Evangélica Valdense, da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália, da União Cristã Evangélica Batista da Itália e da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Para saber o que aconteceu, clique aqui.


XVI Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) Tallinn, Estônia, 15 a 20 de junho de 2023Lema: Sob a bênção de Deus – moldando o futuro A Assembleia Geral da CEC será um momento de oração, fraternidade e reflexão pela vida e testemunho das igrejas do continente. Haverá um espaço de escuta e discussão dedicado às igrejas em “áreas de conflito”. Entre os oradores, o ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams e o patriarca de Constantinopla Bartolomeu. As igrejas italianas membros da CEC são a Igreja Evangélica Valdense, a Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, a União Cristã Evangélica Batista da Itália, a Igreja Evangélica Luterana na Itália e a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália.


XIII Assembléia Geral da Federação Luterana Mundial (WLF) Cracóvia, Polônia, 13 a 19 de setembro de 2023 Lema: Um Corpo, um Espírito, uma Esperança Na Polônia, são esperados 355 delegados de igrejas luteranas de todo o mundo, incluindo a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI). O programa pretende refletir sobre a unidade na fé dos luteranos do mundo e sobre seu compromisso de dar testemunho do evangelho por meio do serviço, da missão e da ação diaconal profética. Uma visita ao Museu e Memorial Auschwitz-Birkenau faz parte do programa.


Conferência geral da Igreja Metodista Unida (UMC) Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 23 de abril a 3 de maio de 2024 Lema: …e reconhecer que eu sou Deus Já adiada para 2020 e 2022, a Conferência UMC trará entre 5.500 e 7.000 pessoas de todo o mundo para Charlotte. A UMC está sediada nos Estados Unidos, mas é uma igreja internacional com 12 milhões de membros em quatro continentes. Na Europa, os metodistas austríacos, sérvios e alemães são afiliados à UMC, só para citar alguns. Um dos tópicos da Conferência será a discussão sobre a sexualidade humana, que há muito está em andamento nas igrejas da UMC em todo o mundo.


VI Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Sibiu, Romênia, 27 de agosto a 2 de setembro de 2024 Lema: À luz de Cristo – Chamados à esperança A Assembleia será também uma ocasião para celebrar o 50º aniversário da acordo de Leuenberg (1973-2023) em torno do qual nasceu o CPCE. O CPCE inclui a Igreja Evangélica Valdense, a Sociedade para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália e a Igreja Evangélica Luterana na Itália.


Conselho Geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR)Chiang Mai, Tailândia, 2025 Lema: Persevere em seu testemunho A Igreja Evangélica Valdense faz parte da CMCR.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

Torre Pellice (nev/sv06), 24 de agosto de 2023 – O direito à saúde para todos, de Norte a Sul, sem desigualdades, com maior atenção às pessoas mais vulneráveis, às novas formas de pobreza, aos cidadãos marginalizados. Isto foi discutido hoje no Sínodo Valdense em curso em Torre Pellice (TO), numa conferência de imprensa sobre os temas da agenda dos deputados reunidos nos vales valdenses. O órgão de decisão das igrejas Metodista e Valdense aprovou de facto uma lei intitulada "Para uma igualdade saudável", que sublinha a importância do serviço nacional de saúde. Ao mesmo tempo, para os valdenses é essencial proteger a saúde pública como elemento fundador da democracia. Diante, portanto, dos cortes previstos para este setor, as igrejas valdenses pedem uma inversão de tendência e uma relação entre Regiões e Estado que possa reduzir e não aumentar o fosso entre Norte e Sul, como poderia fazer a autonomia diferenciada. “Segundo o Sínodo, a questão da relação entre público e privado precisa ser revista – disse Daniel Massa, membro da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD - Diaconia Valdense) - no sentido de que cerca de 10 milhões de pessoas neste país têm uma 'sociedade mútua externa' não é apenas um elemento impróprio porque o acesso deveria ser a um sistema universal, mas também enfraquece o próprio sistema de serviço público. O sistema público universalista deve permanecer no centro”. “Até no assunto da saúde física e mental das pessoas – declarou Ciuffreda Grátisoncologista, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, deputado ao Sínodo Valdense - estamos comprometidos como leigos com uma sociedade aberta e inclusiva, que não deixa ninguém para trás e fazemos isso em nome de Jesus Cristo que menos se importava e interpretou a sua ação terapêutica em sentido amplo como sinal e contribuição eficaz para o advento do reino de Deus aqui e agora“. Amanhã, último dia do Sínodo, o Serviço Nacional de Saúde (SSN) como bem a preservar e valorizar estará também no centro de uma agenda ad hoc, ontem apresentada, que volta a falar do direito à saúde, no face a um desmantelamento contínuo do SSN e à sua privatização. Este texto refere-se também ao carácter universal desta área da vida das pessoas e sublinha a importância do serviço público de saúde, que aliás deveria ser ainda mais apoiado pelas instituições, em termos económicos e não só, também para uniformizar os serviços e o desempenho cuidados de saúde em diferentes regiões. Para rever a conferência de imprensa de hoje e todos os materiais do Sínodo: www.nev.it; www.rbe.it; www.riforma.it; www.chiesavaldese.it ...

Ler artigo
#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – por don Carmelo la Magra E marta bernardini – “Há alguns anos em Lampedusa, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com a paróquia de San Gerlando, celebra a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) com uma vigília ecumênica que acontece na própria paróquia. Desde que o Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, chegou a Lampedusa em 2014, a amizade e colaboração com a Igreja Católica local sempre foi marcada pela espontaneidade, beleza e fraternidade. No entanto, este ano, tal como noutros locais, esta nomeação não pôde ocorrer devido às restrições impostas pela Covid-19. Mais uma importante ocasião de encontro e união espiritual que perdemos em um ano difícil. As comunidades de fé estão sofrendo muito com as limitações impostas pela pandemia. Por definição, uma comunidade assenta no estar junto, mas a crise do Covid-19 coloca-nos perante o risco do isolamento, da solidão e da desintegração. Em um lugar como Lampedusa, já uma ilha em si, essas oportunidades de testemunho evangélico são um dom que pudemos desfrutar com gratidão ao longo dos anos. Neste último período nos acostumamos com os rostos de sempre, os cômodos de sempre, as paredes de sempre e muitas vezes sentimentos de desânimo, desorientação e preocupação caracterizaram dias longos e lentos. Quantas vezes uma sensação de profundo tédio e inutilidade nos dominou? Quantas vezes a necessidade e impossibilidade de sair, passear, ter relacionamentos mais ou menos profundos nos trouxe frustração e peso? O verso escolhido para o SPUC deste ano foi “Permanecei no meu amor: dareis muito fruto” (Jo 15, 5-9). Encontra-se no Evangelho de João, capítulo 15, com Jesus a dirigir-se aos seus discípulos e parece querer dar as suas últimas palavras, os seus últimos conselhos antes de se separar deles. Quase palavras de despedida antes de uma partida importante. Esses versos propõem a imagem da videira e seus ramos, dos quais um lavrador cuida. Aqui diante de nós está esta árvore, uma videira, com raízes bem plantadas e muitos ramos, pequenos e grandes ramos, alguns cheios de vitalidade, outros secos. Não há muito mistério no fato de que Jesus é a videira, sólida, bem enraizada, cheia de seiva, que o lavrador é Deus e que os ramos somos todos nós. Os ramos podem ser secos, estéreis ou cheios de frutos. Quantas vezes ultimamente nos sentimos e sentimos galhos secos, inúteis, incapazes de expressar vitalidade e focar em objetivos frutíferos? Quantas vezes carregamos o peso da esterilidade, da aridez das emoções, das ideias e das relações? Mas aqui a imagem que nos é apresentada é a de uma planta viva, capaz de produzir em abundância! 'Sozinhos não podeis dar fruto meus irmãos e irmãs, se permanecerdes em mim, se permanecermos unidos entretanto estes frutos nascerão' parece-nos dizer Jesus no texto. Não se esconde o fato de haver galhos secos, mas temos diante de nós a esperança, ou melhor, a certeza de que, ao contrário, a linfa continua a correr mesmo nos galhos mais frágeis, pequenos e periféricos para dar frutos em abundância. Com efeito, na videira os primeiros rebentos surgem precisamente nos ramos mais afastados do tronco. Não sabemos exatamente como serão os frutos que vão nascer, quão grandes, suculentos e doces, nem estamos falando de frutos perfeitos. Provavelmente estes frutos não serão como imaginávamos, mas sabemos que serão muitos, abundantes, nascidos de diferentes ramos mas da mesma planta e cuidados pelo mesmo agricultor. Esta imagem definitivamente nos inspira a pensar sobre a unidade das igrejas cristãs ao redor do mundo. Diferentes ramos podem ser frutíferos e abundantes se permanecerem unidos a Deus e à mesma fonte de vida. Vida recebemos, vida espalhamos, vida criamos juntos em unidade. Aqui está, uma imagem da vida a transbordar, do amor que chega até aos lugares mais marginais, desde as raízes, ao longo do tronco, passando por cada ramo, chegando ao céu. Não há mais medo da estagnação, da esterilidade, da inutilidade, mas da vida, da abundância e do amor. Esta é a indicação que talvez Jesus nos queira dar antes de se despedir. Permaneçamos juntos no amor de Deus, aprendamos a ser ramos de uma mesma planta capazes de dar frutos em abundância. Gozamos da beleza de ver algo crescer de nós, libertos e liberados pela Palavra e pelo amor de Deus, um agricultor cuidadoso que sabe cuidar de suas plantas, com proximidade e ao mesmo tempo dando espaço para o crescimento. Num ecossistema bem conectado todos temos o nosso papel, o nosso espaço, a nossa responsabilidade uns para com os outros com as nossas diversidades, sensibilidades, origens, localizações geográficas, posições centrais ou periféricas. Unidos e unidos pelo amor de Deus, compartilhamos o compromisso e a beleza de dar frutos vivos neste mundo e neste tempo”. ...

Ler artigo
Dignidade do idoso dependente.  a lei continua

Dignidade do idoso dependente. a lei continua

Foto tirada de Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 – O Conselho de Ministros aprovou ontem o Projeto de Lei proposto pelo Ministro do Trabalho e Políticas Sociais, André Orlandosobre assistência a idosos não autossuficientes. O aguardado projeto de lei introduz poderes ao Governo sobre políticas a favor dos idosos. Ele fala sobre isso nesses termos Riforma.it. “Depois será possível fazer uma análise criteriosa do texto aprovado. No entanto, deve-se notar que – como também exige o 'pacto de não autossuficiência' ao qual a Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) adere – um sistema nacional foi previsto para a população idosa não autossuficiente . Bem como acesso unificado e avaliação multidimensional unificada”. O projeto de lei foi aprovado preliminarmente, também na implementação do Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (PNRR). Os próximos passos são a Conferência Unificada e, a seguir, o novo Governo para exame definitivo e envio às Câmaras. A aprovação final está prevista para 31 de março de 2023. “O projeto de lei tem recursos inalterados. Esta é evidentemente uma limitação para um setor que precisa fortalecer as intervenções – escreve Riforma -. Considerando que devem também ser reforçadas as intervenções sobre a RSA, no que respeita às quais “existe uma superação positiva e definitiva das posições que as queriam superadas, mas que carecem de um estudo aprofundado do seu papel em perspetiva”. O projeto de lei, em resumo O ministro Orlando falou em “uma oportunidade de progresso civil para o nosso país e uma prioridade para a agenda política”. O projeto de lei trata dos aspectos de envelhecimento ativo, acesso simplificado aos serviços de saúde e sociais, moradia adequada e mobilidade. Além disso, fala-se de socialização e solidariedade intergeracional, de reforço dos cuidados domiciliários e de contraposição a "formas impróprias de institucionalização". Além disso, está prevista a criação de uma Comissão Interministerial de Políticas em Favor da População Idosa (CIPA) na Presidência do Conselho de Ministros. O objetivo é encontrar uma abordagem integrada e coordenada a nível nacional para melhorar todos os serviços, em nome da qualidade e respeito pela privacidade. Por último, mas não menos importante, a lei deve abordar a questão dos recursos econômicos. Desde a questão dos subsídios à das contribuições para a segurança social, até à promoção do trabalho de qualidade no sector dos serviços de assistência social e à melhoria das condições de vida dos cuidadores membros da família. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.