Em 1º de maio, encerra-se o XXIII Sínodo Luterano

Em 1º de maio, encerra-se o XXIII Sínodo Luterano

foto CELI

Catânia (NEV/CS11), 30 de abril de 2023 – A 4ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) termina amanhã, segunda-feira, 1º de maio. Um rico programa, acompanhado pelo versículo retirado do Evangelho de Mateus: “Vós sois o sal da terra”.

Vários relatos foram discutidos nos dois primeiros dias de trabalho. O trabalho do Consistório, após relato do Reitor, pároco Carsten Gerdesrecebeu a aprovação do Sínodo.

Hoje prevê a aprovação de várias moções, entre elas as de diaconia e compromisso social, rede de mulheres, meio ambiente através de ecocomunidades, que promovem temas e práticas para a sustentabilidade. Entre eles, os corredores para insetos polinizadores, em colaboração com a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além disso, no que diz respeito ao compromisso eclesial, o CELI continua a manter elevada a sua atenção e o seu papel de apoio nos territórios e através de várias colaborações inter-religiosas, tanto a nível nacional como internacional.

Durante o Sínodo, foi apresentada a nova campanha Otto per mille do CELI, que retoma o versículo de Mateus 5 com a hashtag #siamosale e que começará oficialmente no dia 5 de maio.

Para mais informações, é possível acompanhar as atualizações do Sínodo Luterano no site do CELI em Esta página.

Em particular, destacamos as intervenções de Michael Chalupkabispo da Igreja Evangélica na Áustria; Olaf Wassmuth, representante da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD); Vestir Antonino De Mariadelegado regional para o ecumenismo e o diálogo da CEI, que também trouxe as saudações fraternas do Bispo de Palermo, Mons. Conrado Lorefice; mons. Cesare Di Pietro, Bispo Delegado Regional para o Ecumenismo e Diálogo e Bispo Auxiliar de Messina. Um foco no 50º aniversário do Acordo de Leuenberg foi tratado diretamente pelo Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mário Fisher. Entre as inúmeras saudações e mensagens, também a do presidente da FCEI, pároco Daniele Garrone.


Fundado em outubro de 1949, o CELI é um caso único no âmbito das congregações luteranas fora da Alemanha. Independente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), o CELI reúne 15 comunidades na Itália. Comunidades que surgiram nos séculos passados: desde a mais antiga, Veneza, nascida em 1650, até Turim em 2006. A Comunidade Siciliana, que reúne as realidades de Messina, Taormina, Catania, Siracusa, Vittoria e Palermo, foi estabelecida como uma realidade autônoma desde 1996. A Igreja Luterana está entre os membros fundadores da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).


FORMA. A Igreja Evangélica Luterana na Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ísquia.  Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Ísquia. Compromisso concreto e espiritual, com o Exército de Salvação

Foto EdS tirada de armyofsalvezza.org/donations Roma (NEV), 28 de novembro de 2022 – Ischia está em estado de emergência após o deslizamento de terra de 26 de novembro em Casamicciola. 7 vítimas confirmadas, 5 desaparecidos, centenas de deslocados, este é o balanço provisório. O Exército de Salvação (SE) está presente na ilha com uma instalação. declara o major Cinzia Walzer-Carpagnanotambém em nome do Chefe do Comando EdS Itália & Grécia, Tenente Coronel André Morgan: “Assim que recebemos a informação sobre o deslizamento, entramos em contato com o Tenente Auxiliar Ilaria Castaldoa nossa referência na ilha”. “A ilha está em estado de choque – diz a própria Castaldo, que também é responsável pela Casa Concordia em Forio d'Ischia – Nossa estrutura não foi danificada, mas esta tragédia preocupa a todos nós. Como os edifícios são declarados inabitáveis, o número de pessoas deslocadas está aumentando. As pessoas que ficaram em casa tiveram que abandoná-las. As pessoas são acomodadas em hotéis e pousadas, mas nem todos podem fornecer refeições. Uma rede de solidariedade já está sendo ativada, e mensagens de pedidos de ajuda continuam chegando”. Exército de Salvação – Casa Concordia em Forio d'Ischia A major Cinzia Walzer-Carpagnano continua: “À primeira vista, a gente se sente desarmado. Agradecemos à Protecção Civil e ao Governo por terem acionado de imediato. Queremos fazer a nossa parte, principalmente no médio prazo, quando a atenção será menor, mas as situações incômodas permanecerão. Podemos contar com contactos e redes já activadas anteriormente, com igrejas, paróquias, associações locais. Já estamos presentes na ilha há algum tempo e isso possibilita uma ajuda mais concreta”. E acrescenta: “Agradecemos também a disponibilidade e perspicácia do nosso Tenente no local. Ajudar meninos e meninas, tentando oferecer apoio às famílias, é a nossa pequena forma de ajudar a superar o trauma vivido”. O espírito é o do projeto internacional "Angel Tree", que envolve o Exército de Salvação há anos. “É um projeto para presentear meninos e meninas de famílias carentes com presentes de Natal. Exige uma longa preparação, e neste caso não há tempo para a realizar como habitualmente, mas ainda assim tentaremos contactar as famílias da zona, através das nossas redes, para saber a idade das crianças e trazer um presente de Natal para eles, mesmo nessas condições difíceis. Novas portas se abrirão e o Exército de Salvação, como potência nacional, apóia financeiramente esse tipo de emergência com a ajuda das igrejas locais. Devemos pensar imediatamente nas necessidades das pessoas”, continua Walzer-Carpagnano. Assim como o Exército de Salvação, Castaldo continua: “Pretendemos focar no que não é considerado essencial, portanto brinquedos, giz de cera, fraldas. Como já fizemos no passado, juntamente com a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Estamos orientados a trazer um presente tangível para quem não tem mais nada do que tinha, principalmente quando se pensa na infância”. Oração para Ischia A corrente de solidariedade está ativa, assim como a proximidade e as condolências às vítimas. Entre as mensagens dessas horas, o convite à oração do pároco batista Abril Máximo, que compartilhou nas redes sociais uma espécie de proposta litúrgica "pessoal e ecumênica". Inicia com a seguinte invocação: “Obrigado, Senhor, pela extraordinária riqueza desta magnífica ilha. Na sua particular constituição morfológica, foi e continua a ser muito generoso, oferecendo a quem lá vive muitas oportunidades de trabalho, e a quem vem visitar, para refrescar o corpo e a alma, com as suas inúmeras termas, com a beleza do seu mar , e com muitas oportunidades para excursões históricas e cênicas. Obrigado por esta terra que carrega paixão e fogo em suas veias, mas que também é frágil e, portanto, carente de proteção e respeito. Obrigado pelos jardins de La Mortella e pelo castelo aragonês, pelo Monte Epomeo e pelo Lacco Ameno, por Casamicciola e Ischia Porto, por Forio e pelos muitos spas". Na confissão do pecado, lemos: "Confessamos a você que cometemos um grave pecado contra esta terra: estupro em série". A liturgia continua com palavras de consolo e perdão, de esperança e consciência, de bênção. ...

Ler artigo
O amor pela Criação dá notícia?

O amor pela Criação dá notícia?

Foto NEV Roma (NEV), 2 de agosto de 2023 – "Acreditamos que é urgente combater a campanha de difamação em curso contra as demandas do ambientalismo". Isso é apoiado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Nas últimas semanas, de fato, nos meios de comunicação italianos, mas não só, temos assistido a mais uma polarização sobre o tema "clima", com lados, negações e afirmações, sobre o quanto os fenômenos atmosféricos e climáticos são ou não causados ​​por comportamento humano. Uma pressão mediática sempre orientada para as emergências que rebaixa, segundo a GLAM, as três vertentes ecológicas do clima, poluição e biodiversidade. Para a GLAM seria necessário “chamar a atenção para a natureza dos processos”, com “ações para a sustentabilidade, enquadradas nos 17 Objetivos de Desenvolvimento da Agenda 2030 das Nações Unidas, passadas às escondidas. Ações concebidas precisamente como processos, talvez urgentes, mas fora da retórica de emergência que geralmente envolve situações de amortecimento em vez de dar-lhes um endereço diferente. Um processo coerente com o compromisso cristão de salvaguardar a criação, cujo sofrimento cresce tanto nos equilíbrios vitais como nos ecossistemas”. GLAM continua: “Desde que a UE começou a pedir uma crescente cogência das medidas econômicas, com as diretivas sobre a economia circular, uma campanha começou na imprensa italiana para minar seus fundamentos. Alguns exemplos: a mudança climática não aceleraria e de qualquer forma teria um componente antrópico desprezível (para o que os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - IPCC - estariam incorretos). A poluição requer medidas de adaptação (portanto, a mitigação pode ficar em segundo plano). Dadas essas teorias, as medidas de prevenção e precaução podem ser ainda mais relegadas. O impacto humano na biodiversidade é negado. As consciências estão cada vez mais adormecidas, também por causa dos meios de comunicação de massa". Contra isso, a GLAM sublinha a importância da "capacidade crescente de organização dos jovens", que no entanto "recebe vários níveis de estigma de acordo com as suas gradações de 'alarmismo': pense nas sextas-feiras para o futuro - cujos slogans segundo alguns se traduzem em conselhos à economia (na esteira do ambientalismo histórico)”. Sem contar aqueles movimentos que “se opõem às crescentes intervenções nos territórios que insistem em modelos de desenvolvimento com balanço negativo para os ecossistemas, às vezes com ações que parecem contraproducentes para a causa”. O ambientalismo é, portanto, fragmentado e pouco autoritário, mas, afirma GLAM, "a política e a economia, mesmo na Itália, não podem ignorar completamente a sustentabilidade como parâmetro de escolhas, começando pelos setores mais controversos do momento, ou seja, energia, agricultura, pecuária e água". “A pesada campanha de mídia em andamento pelos lobbies químicos, fósseis e nucleares dá a medida de resistência e oposição a um possível caminho 'transitório' que é considerado irrealista (quando não tingido também com paganismo ou milenarismo) ” continua GLAM. As questões de sanções econômicas introduzidas pela UE, o ímpeto para a energia fóssil e nuclear, o intervencionismo de guerra fecham o quadro. Como pessoas de fé, de acordo com GLAM, devemos continuar a amar a criação em palavras e ações. Como? Só para dar uma ideia, já há alguns anos, a European Christian Network for the Environment (ECEN) e GLAM têm chamado a atenção não apenas para “boas práticas ecocomunitárias, mas também para pesquisas em andamento em empresas e universidades. Da mobilidade privada, pública ou partilhada (com modelos pequenos e leves equipados com duplo motor elétrico para as rodas e a gasolina para recarregar a bateria), às renováveis ​​(que procuram substituir o lítio e trazer a energia eólica de menor impacto), às aquecimento, à produção industrial que visa a curto prazo reduzir os combustíveis fósseis com eficiência, à redução drástica do consumo de plástico”. ...

Ler artigo
Os corredores humanitários estão na moda?

Os corredores humanitários estão na moda?

Na ocasião, destacamos como ações como as dos corredores humanitários não devem ser entendidas como gestos de caridade de almas piedosas, a serem aprovadas e possivelmente incentivadas, mas como têm a ver com os princípios de nossa república democrática constitucional e com uma visão da União Europeia fundada na proteção e promoção dos direitos humanos. Como tal, são uma "boa prática", como dizem, que também poderia ser adoptada pelos Estados e, pensamos, deveria substituir as devoluções violentas que ocorrem na chamada rota dos Balcãs e a externalização da mesma prática quando confiada a Estados de qualidade democrática duvidosa ou inexistente. No entanto, a crescente aclamação pelos corredores humanitários parece ter um lado preocupante: pode ser o lado nobre de uma moeda, que por outro tem características de fechamento: limitação ao trabalho de busca e salvamento de ONGs, contraposto a uma retórica de crescente condenação e estigmatização como um fator de atração da imigração “ilegal”, apesar do fato de que noventa por cento dos resgates marítimos são realizados por forças estatais; continuação da política de bloqueio, prosseguida apoiando na operação de contra partida os Estados de onde os migrantes se dirigem para a Europa, financiando em troca de bloqueios, contando talvez com o facto de alguns destes parceiros não terem uma marcada propensão para os bons costumes … A Europa fez isso com a Turquia, Itália (não agora!) Com o apoio da Guarda Costeira da Líbia e, mais recentemente, com a Tunísia. Sabemos por fontes confiáveis ​​o que isso significa, por exemplo, para aqueles que são trazidos de volta à Líbia: serem mantidos em centros de detenção ou simplesmente serem empurrados para trás em um macabro "jogo do ganso". Ninguém se pergunta o que poderia ser feito de mais razoável e humano com o dinheiro investido em operações de blindagem de fronteira, especialmente no mar. Eu uso os dois adjetivos “razoável” e “humano” de propósito. Muitos pensam que falar de humano significa se render à areia movediça de um sentimentalismo irrealista e que ser razoável requer uma certa dose de cinismo. É aqui que se sente dramaticamente a falta de política, já há muito suplantada pela propaganda perene, orientada para os humores e não para os projetos, jogada nas emergências imediatas e desprovida de análises que vão além do contingente e sem programas prospectivos . Diante de um fenômeno epocal como os movimentos populacionais causados ​​por guerras, ditaduras, fome e mudanças climáticas, cujas linhas de desenvolvimento os especialistas já podem nos descrever nas próximas décadas, precisamos de análises documentadas e não de percepções; precisamos de raciocínios, projetos realistas e baseados naqueles valores aos quais o Ocidente chegou depois de ter praticado e sofrido (há sempre um perpetrador e uma vítima) tudo o que ainda hoje em muitas partes do mundo obriga milhões de seres a fugir dos humanos, forçados a buscar em outro lugar o que lhes é negado; valores aos quais o Ocidente chegou depois de sofrer intolerância religiosa, ditaduras, duas guerras mundiais, escravidão, exploração… O patamar democrático e constitucional a que chegámos depois deste passado sangrento foi vivido e apresentado como uma descoberta que não só nos tirou do túnel do obscurantismo e da opressão, que não só resolveu os nossos problemas, mas que tinha em si o potencial para ser universalizáveis, a serem implementados globalmente. O verdadeiro desafio que o fenómeno migratório coloca à Europa é este: que política está à altura dos princípios que a Europa colocou na base do seu projeto? Qual é a postura que corresponde à sua visão? Para responder, precisamos de realismo e visão juntos, paciência e ousadia, cultura e coração. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.