Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Fotos Juntos pela Europa

Roma (NEV), 11 de maio de 2023 – A oração ecumênica pela paz aconteceu ontem em Roma. A mensagem que emergiu é: a guerra nunca é a solução. A oração, que contou com a presença de autoridades religiosas e institucionais, comunidades e movimentos, aconteceu na igreja de S. Maria in Campitelli por ocasião do “Dia da Europa”. Entre os representantes das Igrejas, o pastor valdense Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o pastor batista Luca Maria Negrorepresentantes do Exército de Salvação (EOS), da Igreja Ortodoxa Romena, da Igreja Ortodoxa Grega, membros das comunidades pentecostais e do arcebispo anglicano Ian Ernestdiretor do Centro Anglicano de Roma.

“Repudiemos verdadeiramente a guerra, que nunca é a solução para as disputas”, disse o pastor metodista Mirella Manocchio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entre a presença protestante. E acrescentou: “que se acabe com a fabricação de armas e outros instrumentos de morte”, e que todos juntos, governantes e cidadãos, entendamos que só a justiça e a paz podem erguer as nações”.

“A guerra é a mãe de toda a pobreza. Destrói o que foi conquistado ao longo dos anos, aniquila o presente reduzindo-o à sobrevivência, impede o futuro”, afirmou. Maria Attias da Comunidade de Sant’Egidio.

Leia o artigo da Agência SIR.


“Juntos pela Europa” é uma rede de mais de 300 comunidades e movimentos cristãos espalhados por todo o continente.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Caim e Abel juntos em nós

Caim e Abel juntos em nós

No texto bíblico que fala de Caim e Abel, o tema de "Voz do sangue de seu irmão." Em hebraico, literalmente, falamos de "sangues", no plural, talvez em tom de reforço, e certamente no sentido de "ssangue derramado". Os “sangues” de Abel “geles riem do céu. é um sponto perturbador. Nós sabemos – continua Garrone -. Hoje o sangue de Abel é exibido ao vivo. Vemos isso diariamente nos noticiários e na imprensa. Às vezes mais modestamente, mas mais frequentemente não. o Padosso diz respeito à pergunta: que emoções este grito de hoje desperta em nós? O risco é o de umhabituação, que é de fato uma reação defensiva, mas corre o risco de não nos fazer compreender a extensão deste grito". Sobre a culpa de Caim, novamente, ele diz: “Se for muito grande, a lEttore Cristiano poderia dizer isso Deus pode 'levantar' o pecado. Caim nunca partiu, e nem Abel. O Vo problema somos nós que, em média, não somos nem Caim nem Abel, pois não matamos ninguém e não somos torturados ou exterminados. Temos que descobrir como para se posicionar com responsabilidade no mundo, entre os perpetradores e as vítimas. Estamos nesta zona intermédia, que poderíamos definir como zona cinzenta, onde, no entanto, existe o risco de esquizofrenia, como a que em Shoah levou à atrocidade do anti-semitismo nazista. E onde, ao mesmo tempo, havia aqueles que se matavam para se opor a ela e aqueles que, em vez disso, compartilhavam as medidas antijudaicas. estamos nessa tbTemo que possa me tornar Caim ou Abel. como cristiani vamos fazer um rA teoria de Abel, impulsionada por uma espécie de atração pelas vítimas. Se você é uma vítima, você é bom. Mas se quando Caim se aproximasse de Abel, Abel se virasse e escapasse, ou se vingasse, ele não seria mais Abel. Assim acontece hoje, em cconflitos em curso, nas migrações. Não podemos resolver a questão por meio de dicotomias ou sem reconhecer que estamos em meio às ambiguidades do mondo”. Yassine Lafram, Presidente da União das Comunidades iMuçulmanos na Itália (UCOII), falou de diálogo como experiência, e reafirmou aimportância do encontro, além das diferenças, na clareza dem suas respectivas posições. “Se Deus quisesse fazer de nós uma única comunidade, ele o teria feito, ao invés disso, ele nos fez diferentes – disse citando o Alcorão -. Deus criou Povos e tribos para que 'se conheçam', está escrito”. Lafram também sublinhou a necessidade de “tornar o diálogo pandêmico, não só na esfera religiosa, mas também levando-o para outro lugar, onde não seja considerado necessário, onde pareça anômalo. Por exemplo, em um festival de cinema como o TMFF”. Lafram também lembrou como, no Alcorão, pe.O primeiro pecado cometido pela humanidade é o de Satanás. Deus pede que Adão e Satanás fiquem consternados, este se recusa dizendo que vindo do fogo é melhor do que a terra, o barro do qual Adão é feito. “Uma pena de sarrogância, a de se sentir melhor do que os outros. Então – continua Lafram – vem o primeiro crime da humanidade, na primeira família da humanidade, e esse crime ocorre entre irmãos”. existem dopiniões e interpretações divergentes dos exegetas, mas no texto seguinte, ao falar dos filhos de Adão, o Alcorão reconhece a sacralidade da vida humana. O rabino Benedetto Carucci Viterbi em seu discurso falou dos laços de fraternidade na Bíblia, desde Ismael e Isaque, um Esaú e Jacó, um José e seus irmãos. é "rcontribuições concretas, de uma humanidade que nasce de um fratricídio". Bom e mau, no texto como noexegese, são difíceis de desemaranhar para o judaísmo. “No entanto, em algumas interpretações judaicas Caim é o primeiro ser humano que se arrepende. Quando ele diz 'o mEu peco é muito pesado para suportar (?)', como uma pergunta ou como uma afirmação, pode-se dizer que Deus seja capaz de perdoar até mesmo essa falha. é um vers chave. Uma espécie de confissão." Relegar Caim sozinho na esfera do mal é uma simplificação, argumenta o rabino. Também, quando o padre questiona Caim, que diz “Eu me arrependi e fiz um acordo. Uma mediação”, Adam percebe que é possível e diz que tentará se arrepender. “Caim ensina seu pai. O pai segue o que o filho ensina”, disse Carucci Viterbi. “Conhecer é misturar – acrescentou, citando Adão e Eva que, misturando o bem e o mal, mesmo na metáfora da união, introjetaram ambos -. Constitutivamente, o ser humano é, portanto, constituído por dois instintos. Em nós existem Caim e Abel juntos". Swamini Shuddhananda Ghiri, freira hindu e referente da União Hindu Italiana (UII) começou falando de como esta história de Caim e Abel pode ser percebida comosugestão e como provocação. Encontrar um "semelhança simbólica” que, sem forçar paralelos, indica um diálogo possível. É a figura do filho de Prajapati que dá origem a toda a manifestação viva. “The Bright and the Dark, traduzido do sânscrito. Eles representam boas forças e forças egoístas. No hinduísmo não há palavra para o mal. Onde falamos do mal, na verdade estamos falando da afirmação de uma individualidade contra a empatia. Diga simSomos todos bons ou maus é uma simplificação”. Para Shuddhananda Ghiri a humanidade vive em um “umdesejo constante de voltar ao um, ao absoluto. A dualidade que caracteriza a existência humana na Terra é a mesma com que fnos enfrentamos em uma luta contínua”. Outro exemplo dessa dualidade tentando integrar está presente no miti, em escrituras e representações iconográficas. “A figura feminina de Durga, aquela que é difícil de destruir, e carrega dentro de si não só o maternal que acolhe, mas também a forma do tridente que mata o búfalo, uma espécie de demônio que tem a característica de mudar de forma continuamente . Representa simbolicamente nossas mentes e impulsos. Como seres humanos somos levados a males mortais, como a insatisfação no micro e macro cosmo social, e isso está na raiz do conflito. Conforme declarado no Veja, temos que reconhecer este aspecto, dentro e fora de nós mesmos”. no tRaízes indianas e hindus em particular, explicou a religiosa, não há palavra para dizer "demônio", no sentido maniqueísta ou como uma realidade ontológica. “O Pe.arola Dharma, no sentido de harmonia, bem comum e justiça, tem o oposto a-Dharma, no sentido privativo. Isso marca a polaridade, como aquela entre umtração e repulsão. Queremos dizer o dual como um desafio a ser superado para alcançar a unidade. Este é um conceito no qual se encontram as religiões”, concluiu Shuddhananda Ghiri. Chapéus William Doryu do Anshin Zen Center e membro da União Budista Italiana (UBI), conectado remotamente, reafirmou o valor do “mescola". Mesmo no budismo não existe um termo para "mal", mas existe um termo indicando situações insalubres. “Saber cousa fazer para evitar as más ações - disse Doryu Cappelli -, nos apoiamos nas religiões, em busca de respostas, ou caminhos espirituais precisos. Como se quiséssemos entrar para um clube, ter uma identidade precisa e nos identificarmos em determinados caminhos. Também no budismo temos Pe.receptivos, que procuramos seguir, como em outras religiões. No entanto, não há nada tão certo e definido. PARA Às vezes, o mal vem de tentar derrotar outro mal. não existe eudeusa absoluta do 'mal' e do 'bem'. Veja o conto zen da rocha azul, caso 41. Ele diz 'Onde o direito é o mistura errada, nem mesmo eu ensaios pode Sei; […] nem mesmo os Budas podem saber.[…] Ele caminha no gelo sutil E corre sobre a lâmina de uma espada'. Também no dNos discursos de Buda, encontramos aforismos simples, como 'Pare de fazer o mal, pratique o bem, cultive o bem, purifique o coração'. Às vezes, para fazer isso, temos que ir contra certas indicações, parair além das dicotomias. O puro entra na terra sem caminhos em uma dimensão além. Mas o que isso significa?urness? Minimizando o mal? continuou Doryu Cappelli, questionando-se sobre como evitar a absolutização do mal, como compreender sua impermanência e como analisar as interconexões. E concluiu com um convite a despertar no intercâmbio de culturas e geografias. A conferência foi aberta com saudações de David Milani (presidente da Fondazione Ente dello Spettacolo que organiza o Tertio Millennio Film Fest) e do Juliano Savina (diretor do Departamento de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana e coordenador da Mesa de Diálogo Inter-religioso que promoveu a conferência e escolheu o tema da festa). ...

Ler artigo
não à violência e exploração da religião

não à violência e exploração da religião

Refugiados rohingya deslocados de Mianmar - foto da Wikimedia Roma (NEV), 30 de dezembro de 2019 – Após a resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas condenando a República da União de Mianmar pelas violações dos direitos humanos da minoria muçulmana Rohingya, a União Budista Italiana (UBI) divulgou um comunicado à imprensa. emitido no último sábado. “A União Budista Italiana reafirma a sua firme condenação de qualquer forma de violência e qualquer exploração da religião para interesses políticos, ideológicos ou nacionais que nada tenham a ver com os ensinamentos do Buda – lê-se no comunicado de imprensa -. A UBI recorda ainda que os ensinamentos budistas visam diminuir o sofrimento de todos os seres vivos, sem distinção de religião, cultura ou origem. Pelo contrário, qualquer comportamento que cause dor ou discriminação está em total contradição com o que é a mensagem do próprio budismo e, portanto, não pode ser aceito”. A UBI, referindo-se à tradição de respeito pelos direitos humanos e à proteção de cada comunidade expressa nos valores da coexistência democrática da cultura europeia, também declara: "é uma responsabilidade precisa como budistas italianos e europeus se distanciar de qualquer forma de exploração de toda expressão religiosa, assim como de toda forma de violência". Os budistas italianos expressam “mais uma vez sua mais profunda proximidade com a comunidade islâmica, convencidos da firme necessidade de potencializar o diálogo entre religiões e culturas como oportunidade de paz, respeito e convivência e compreensão recíproca, além de preconceitos e divisões” . ...

Ler artigo
Sondrio.  educação para a paz

Sondrio. educação para a paz

Detalhe do cartaz da conferência "Educação para a paz", 4 de junho de 2022, Sondrio Roma (NEV), 1 de junho de 2022 - A conferência intitulada "Educação para a paz" será realizada em 4 de junho em Sondrio. O dia representa uma oportunidade para refletir juntos sobre a escola secundária inferior e fazer um balanço dos aspectos pedagógicos, sociais, educativos e culturais do nosso tempo. A conferência é organizada pelo Centro Cultural Evangélico de Sondrio juntamente com a Ópera Nacional Montessori e o Milanese Comprehensive Institute "Ricardo Massa”. “2022 é um excelente ano para falar de escola – escreve o presidente do Centro Evangélico, Emanuele Campagna –, pois são 60 anos da extensão da escolaridade obrigatória ao ensino médio”. Falaremos sobre inovação na escola e também sobre o método Montessori. É uma oportunidade, continua Campagna, “de falar da reforma escolar concebida por Maria Montessori (cf. O Erdkinder. Os filhos da terra – para uma reforma do ensino secundário), dado que este ano marca o 70º aniversário da sua morte”. O presidente conclui: “A nossa intenção é muito ambiciosa porque queremos propor uma forma de identificar a função educativa da idade desenvolvimentista (11-13 anos) na construção da personalidade e na autoconfiança”. Eles conversam sobre isso juntos Milena Piscozzo (Nas dobras da história escolar). Gianpaolo Bovio (O mundo claro-escuro da escola). Elizabeth Nigris (Escola e atualidades). Antonella Binago (Educação para a paz na escola). Às 12 horas, o debate foi aberto. Conclusões do Diretor de Sondrio Fábio Molinari. Marcação a partir das 9h45 na sala "Fabio Besta", gentilmente cedida pela Banca Popolare di Sondrio. Ao vivo, acesse pelo link abaixo: Leia AQUI as biografias dos oradores. Para mais informações, clique aqui. Baixe o FLYER. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.