Proteger a criação construindo a paz.  Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Proteger a criação construindo a paz. Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

Roma (NEV), 19 de junho de 2023 – A convocação para o XXII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, tradicionalmente celebrado em 27 de outubro, tem como título “Guardar a Criação Construindo a Paz”.

Os promotores convidam “todas as mulheres e os homens de boa vontade a organizar iniciativas no dia 27 de outubro para celebrar o XXII Dia Ecumênico do diálogo cristão-islâmico”, diz o comunicado divulgado hoje. Já em 2022 a comissão promotora havia sublinhado a necessidade do desarmamento para alcançar a paz. Este ano, à luz das Escrituras
sagradas religiões islâmica e cristã, a encíclica Laudato si’ e a Declaração de Abu
Dhabi, o Comitê “propõe uma reflexão sobre a guarda humana da criação. Mudanças
correntes ecológicas – aumento das temperaturas e dos mares, desertificação, eventos
condições climáticas extremas – mostram o impacto negativo das ações humanas – guerras,
poluição, exploração extrema de recursos – no planeta”. E convida «a um desarmamento dos corações, a uma conversão ecológica que renove a nossa vocação a ser guardiões da obra de Deus. As religiões, assim como a política, a escola e os meios de comunicação de massa são responsáveis ​​pela educação para a paz e o cuidado». Opomo-nos à bênção dos exércitos em nome de Deus, à transferência de fundos da saúde e da educação para o setor militar. Por fim, nos opomos à linguagem da guerra que vê o outro como inimigo. Pedimos uma reconversão da indústria de armas”.

Também este ano o Dia é comemorado em memória de John Sarubbientre
promotores desta iniciativa e fundador do periódico online ildialogo.org.

Nascido após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, na esteira da preocupação com um “choque de civilizações” no conceito desenvolvido pelo cientista político Samuel Huntingtono Dia do Diálogo Cristão-Muçulmano reuniu homens e mulheres desde o seu início
religião cristã e islâmica. “O diálogo é o único futuro possível da humanidade e do cosmos” repetem os organizadores.
Na celebração do primeiro dia, na última sexta-feira do Ramadã em 2002, ne
outros vinte se seguiram – a partir de 2008 celebrados na data fixa de 27 de outubro para
recordar o encontro inter-religioso de Assis em 1986 – e a iniciativa ano após ano
envolveu grupos, comunidades e associações que praticam localmente o “diálogo da vida”.

Leia o Apelo para o XXII Dia do Diálogo 2023

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 - Lei de Lídia Poëtcom o protagonista Matilda DeAngelischega em 15 de fevereiro à Netflix. A série conta a história da mulher valdense Lídia Poeta, o primeiro advogado italiano inscrito na Ordem Profissional. Nascida em 1855 em Traverse di Perrero, na província de Turim, só em 1920, após uma vida de batalhas, conseguiu obter a inscrição no Registo. Aqui está o trailer da série: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=g_9laHOQOkg[/embed] Para saber mais: aqui é possível ouvir o episódio do ciclo "Vidas que não são tuas - Espíritos livres", realizado pela revista e centro de estudos Confronti para a Rádio Rai Tre, editada pela Marzia Coronatique conta a história da valdense Lidia Pöet. Lídia Poët, de família valdense, nasceu em Traverse, povoado de Perrero em Val Germanasca (TO), em 1855. Formou-se professora em 1878 e matriculou-se, contra a vontade do pai, na Faculdade de Direito da Universidade de Turim. Formou-se em 1881 com uma tese sobre a condição da mulher na sociedade, com especial atenção à questão do voto feminino. Ela é a primeira mulher na Itália a se formar em direito. Ele passa nos exames para se tornar procurador-geral e se inscreve para ser admitido na Ordem dos Advogados. A Ordem dos Advogados de Turim se divide, mas permite que Poët se registre. Decisão impugnada pelo procurador do Rei no Tribunal da Relação, que, invocando razões legais devido à falta de regras sobre o exercício da profissão pelo sexo feminino, bloqueia tudo. O recurso de Poët foi indeferido, mas ela exerceu a profissão, mais ou menos informalmente, em Pinerolo com o irmão advogado, dedicando-se sobretudo à defesa dos menores e nunca deixando de travar as batalhas pela emancipação feminina. Os anos passam, a Grande Guerra estoura, os homens deixam suas casas vazias e os deveres públicos descobertos. Para as mulheres, esta trágica circunstância torna-se uma oportunidade para afirmar a sua centralidade na sociedade e, em 1919, a lei que abre as carreiras profissionais às mulheres fotografa uma realidade já em curso. Em 1920, Lidia Poët, agora com sessenta e quatro anos, tornou-se a primeira advogada da Itália. ...

Ler artigo
Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Igrejas protestantes na Alemanha, Annette Kurschus à frente do EKD

Roma (NEV), 11 de novembro de 2021 – Annette Kurschus ela é a nova presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), as igrejas protestantes alemãs. A mulher de 58 anos é vice-presidente do Conselho da EKD desde 2015 e, como o foco evangélico explica neste artigo, ela é a segunda mulher a liderar a EKD em sua história após Margot Kässmann. Ele sucede o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohmque ocupa o cargo desde 2014. Bedford-Strohm é conhecido na Itália e na Europa por seu compromisso com os direitos dos migrantes, ao lado de ONGs como Sea Watch e tem se manifestado repetidamente a favor dos corredores humanitários e da atividade das igrejas evangélicas na Itália nesta área. Ela estava vindo em 2017 para #Lampedusa para conhecer o projeto @Medhope_FCEI – parabéns #Kurschus — Gaëlle Courtens (@gaelle14juillet) 10 de novembro de 2021 Na sessão de ontem, 10 de novembro, em Bremen, o Sínodo da EKD e a Conferência da Igreja elegeram Annette Kurschus, presidente da Igreja da Igreja Evangélica da Vestfália, presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) com uma maioria de 126 votos de 140. “Estamos muito satisfeitos porque, com Annette Kurschus, elegemos uma excelente teóloga que tem experiência de liderança e é muito acessível”, disse o presidente do Sínodo EKD, Anna-Nicole Heinrich. "Juntamente com os membros do Conselho, Annette Kurschus, como presidente, fará ouvir a voz da Igreja Protestante nas questões sociais mais prementes", acrescentou Anna-Nicole Heinrich. Annette Kurschus nasceu em 1963 em Rotenburg an der Fulda e cresceu em uma casa pastoral em Obersuhl (Hesse) e Siegen (North Rhine-Westphalia). Ele estudou teologia desde 1983 em Bonn, Marburg, Münster e Wuppertal. A partir de 1989 ela recebeu treinamento ministerial e depois serviu como pastora em várias igrejas locais em Siegen. Em 2005, ela se tornou superintendente distrital da igreja de Siegen. Desde 2012, Präses Annette Kurschus é a presidente da Igreja Evangélica da Vestfália, a quarta maior igreja regional da Alemanha. Em 2019, a Universidade de Münster concedeu-lhe o doutorado honorário de sua Faculdade de Teologia Protestante. Desde novembro de 2015 é vice-presidente do Conselho EKD e desde 2016 também seu representante especial para as relações com as igrejas polonesas. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=SN42BabbROk[/embed] O Sínodo da EKD, com o Conselho e a Conferência da Igreja, é um dos três órgãos dirigentes da EKD. Reúne-se de 7 a 10 de novembro em Dresden. De acordo com a constituição da EKD, o XIII Sínodo tem 120 membros. As tarefas do Sínodo incluem redigir declarações e decisões sobre questões contemporâneas e acompanhar o trabalho do Conselho EKD através da emissão de diretrizes. O Sínodo também discute e adota o orçamento e as leis eclesiásticas. O Sínodo é presidido por um corpo de moderadores (presidium), sob a presidência de Anna-Nicole Heinrich. Ele também é membro do Conselho EKD de 15 pessoas. A presidente do Conselho EKD é Annette Kurschus. A EKD é uma comunidade de 20 igrejas regionais luteranas, reformadas e unidas na Alemanha. 20,2 milhões de protestantes pertencem a uma das 13.200 igrejas locais. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Testemunhe e sirva a Cristo em justiça e aceitação

Montagem CEC. Testemunhe e sirva a Cristo em justiça e aceitação

O pão doce partilhado, segundo a tradição ortodoxa, no final do serviço de encerramento da Assembleia. Foto CEC/A. Hilert. Roma (NEV), 7 de junho de 2018 – “Reunimo-nos num período de incerteza para a Europa em que muitos experimentam uma diminuição da sua dignidade, exploração, pobreza e abuso de poder”. Esta é uma das afirmações iniciais da mensagem final da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), realizada em Novi Sad (Sérvia) de 31 de maio a 5 de junho de 2018. O documento, elaborado por uma comissão de assembléia que também incluiu a pastora valdense Letizia Tomassone, foi aprovado no último dia de trabalho e abordou os três grandes temas do encontro: hospitalidade, justiça e testemunho. Um apelo às igrejas membros da CEC "para moldar uma Europa na qual seja possível construir pontes para o bem de todos no nosso continente e no mundo". Abaixo estão alguns dos compromissos assumidos no documento, que pode ser lido aqui na íntegra em inglês. Uma das “Fotos de Família” dos participantes da Assembleia; foto KEK/A. Hilert. “Temos o compromisso de ser testemunhas de Cristo proclamando ao mundo seu amor e graça salvadores; em ser comunidades inclusivas, que promovem a plena realização do homem e da mulher e defendem a dignidade humana de cada pessoa; em ser uma comunidade intergeracional que valoriza a voz dos jovens, que são o nosso presente e não apenas o nosso futuro”. "Nos estamos comprometidos em servir a Cristo na busca e prática da justiçaatravés da reconciliação e resolução pacífica de conflitos; em apoiar, reconhecer e ouvir aqueles em nossas igrejas, sociedades e em nosso mundo que se sentem marginalizados e sem voz; na salvaguarda da criação de Deus e no trabalho pela justiça climática e ecológica". "Nos estamos comprometidos em servir a Cristo em mútua hospitalidade, dado e recebido, oferecendo um acolhimento generoso aos refugiados e estrangeiros de todas as fés ou credos; em fazer ouvir nossas vozes para superar a divisão, exclusão e marginalização e promover os direitos humanos e a justiça econômica para todos; em reconhecer a hospitalidade oferecida a nós por Deus em sua criação e em trabalhar juntos pela integridade da criação”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.