Religiões diante da pandemia

Religiões diante da pandemia

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 – Que respostas as diferentes religiões deram à pandemia? Como têm reagido os cultos à emergência e à sua gestão, à doença, ao medo, à morte de tantas pessoas?

A reunião de apresentação do volume “As religiões e a pandemia na Itália. Doutrina, comunidade e cuidado”, ed. Emanuela Claudia Del Re e Paolo Naso (Editora Rubbettino).

Após a saudação do senador Luciano Malan, Mariangela Fala, ex-presidente da União Budista Europeia, vice-presidente da União Budista Italiana e presidente da Fundação Maitreya, sublinhou como a Covid mostrou “nossa fragilidade e, diante disso, a responsabilidade de todos e dos cultos em particular, o que significa compaixão, ajuda”.

José Contepresidente do Movimento 5 Estrelas, ex-presidente do Conselho de Ministros da República Italiana durante o período da pandemia, depois de relembrar a estratégia implementada por seu governo durante esse período, comentou: “Descobrimos a vulnerabilidade como indivíduos e sociedades”.

À frente das comunidades de fé, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, destacou como a pandemia tem sido uma lupa até mesmo para problemas pré-existentes que são substanciais para as comunidades de fé.
Yassine Lafram, Presidente Nacional da UCOII (União das Comunidades Islâmicas Italianas), falando das dificuldades, lembrou que “na Itália existem apenas cinco mesquitas arquitetonicamente reconhecíveis e 1217 salas de oração”. O tema dos locais de culto, portanto: “é preciso uma lei ad hoc, porque não sabemos como construir uma mesquita na Itália, no momento temos que negociar com os administradores locais”.

A integração dos muçulmanos, segundo o representante da UCOII, “passa pelo respeito e dignidade dos locais de culto”. O mesmo se aplica à questão dos enterros, mais complexos para as áreas islâmicas em cemitérios. “Para nós, a pandemia ainda não acabou”, concluiu Lafram.

Os hindus também vivem uma situação semelhante no que diz respeito aos locais de culto. ele explicou Swamini Shuddhananda Ghiri, Monja hindu que representa a União Hindu Italiana, aludindo ao “sentido de responsabilidade e sentido de união” vivido durante o período da crise sanitária. Além disso, a sociedade tem passado “pelo tema da morte muitas vezes vivenciado como um tabu. Os ritos fúnebres, por outro lado, são de grande importância, esta foi uma ferida para as comunidades hindus – explicou -, a dificuldade de não poder acompanhar os mortos, como também aconteceu a muitas pessoas, a começar pelos médicos e enfermeiras” . Daí a necessidade de “não perder a empatia” com os outros e com o mundo.
Paulo Nasoprofessor de ciência política da Universidade Sapienza de Roma, um dos editores do texto apresentado hoje no debate moderado por Ilaria Valenzida revista e centro de estudos Confronti, questionou-se no final da consulta se “será possível que, do pós-pandemia, surja um novo olhar muito pragmático para as comunidades religiosas?”.

O Representante Especial da UE para o Sahel Emanuela Claudia Del Reo outro editor do volume sobre religiões e pandemias, espera por fim que cheguemos a “uma sociedade justa, de direitos, um mundo em que haja a capacidade de se reconhecer nas diferenças”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Copa do Mundo do Catar, entre a lavagem esportiva e o silêncio

Copa do Mundo do Catar, entre a lavagem esportiva e o silêncio

O logotipo da copa do mundo de futebol 2022 Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) fez duras acusações contra a organização da Copa do Mundo no Catar por meio do presidente e comissário de esportes da Igreja Evangélica na Renânia, Thorsten Latzel: “A Fifa acredita que essas Copas do Mundo estão unindo o mundo. No entanto, em muitos países, os direitos dos trabalhadores, das mulheres, das minorias sexuais, da liberdade de imprensa, de religião e de opinião não são realmente respeitados”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) o relança em um artigo. A Igreja alemã, informa o CELI, denuncia uma espécie de “lavagem esportiva” com a qual, por meio da competição esportiva, pretende reabilitar a imagem de regimes que são tudo menos tolerantes com as minorias, a diversidade e os direitos das pessoas. Estes Campeonatos do Mundo, preparados e iniciados no meio de polémica, já estão no Twitter com quase um milhão de tweets, um dia após o "pontapé inicial". Nestas primeiras vinte e quatro horas de Copa do Mundo,A seleção iraniana não cantou o hino em protesto, a inglesa se ajoelhou contra o racismo e, com outras seis seleções europeias, teve que abrir mão da banda arco-íris da campanha "One Love" em apoio à comunidade LGBTQIA+. É sobre Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Holanda e Suíça, conforme consta na fanpage, que recuaram por medo das sanções da Fifa. Na Itália, o semanário das igrejas evangélica batista, metodista e valdense "Riforma" optou pelo silêncio, como afirma o editorial assinado pela redação: “Milhares de trabalhadores mortos no trabalho, direitos humanos negados, corrupção não pode ser varrida para debaixo do tapete”. A escolha de não falar sobre a Copa do Mundo no Catar, lemos no Riforma, é “uma forma modesta e limitada de denunciar essas injustiças, das quais continuaremos falando. Como escreveu o editor do jornal francês 'Christianisme aujourd'hui' David Metreauque anunciou uma escolha semelhante, 'o tempo economizado por não assistir a esses jogos poderia ser gasto rezando e pedindo justiça por esses 'desgraçados oprimidos' e 'pobres que gemem', porque, diz o Senhor 'Pela opressão dos pobres, por o clamor do necessitado, agora me levantarei' (Salmo 12:5)”. #InglaterraIrã – A lição de Alex Scott para jogadores de futebol em campo #QatarWorldCup2022 — Fanpage.it (@fanpage) 21 de novembro de 2022 A Copa do Mundo no Catar. O Irã contra o regime não canta o hino. Inglaterra de joelhos contra o racismo, mas com outras seis seleções europeias deve abrir mão da faixa do arco-íris pic.twitter.com/0i28JoG6DK — Tg3 (@Tg3web) 21 de novembro de 2022 ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo
Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um 'inverno ecumênico'. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem. Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça. Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati) “Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou", disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade. “No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”. A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano. O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.