Rosarno Film Festival, a segunda edição está chegando

Rosarno Film Festival, a segunda edição está chegando

Roma (NEV), 12 de julho de 2023 – O festival de cinema de Rosarno retorna ao Piana di Gioia Tauro. E quer ser, explicam os promotores, “um olhar sobre a sociedade em que vivemos a partir da terra. De quem a trabalha para se alimentar e de quem a defende, de quem a viola e saqueia por fome de lucro”. No ano passado, prosseguem, “propusemos a um júri de trabalhadores rurais lançar um novo olhar, aquele de quem nesta sociedade pode no máximo ser filmado como testemunha mas nunca se tornar protagonista da sua própria vida. Queremos continuar a manter este olhar também este ano, organizando um festival que terá como elemento central a resistência das populações que lutam pela defesa da terra, das suas comunidades e dos direitos sociais”.

Esta segunda edição do festival de cinema sobre as temáticas do trabalho e dos direitos será “um festival “ecossocial” no qual procuraremos fazer um elo entre as práticas de solidariedade, entreajuda, defesa dos direitos e meio ambiente, mostrando e tecendo entre seus vários pontos de vista”.

Também este ano, como na primeira edição realizada em 2022, o Festival de Cinema de Rosarno será organizado como “uma resenha de curtas que, após a seleção, serão exibidos em momento público e avaliados por um júri ‘sem fronteiras’ , da qual também participarão os operários da Piana di Gioia Tauro”.

A competição é reservada para curtas-metragens “que tratem do tema da resistência ecossocial, lutas ambientais, mobilizações, testemunhos, terras envenenadas ou resgatadas”.

Primeiros membros:

Ass Coopisa Cooperação em saúde (Reggio Calabria), Ass. Culturale Terra dei Morgeti (San Giorgio Morgeto), Ass. Santa Barbara (San Ferdinando). Equo Sud (Reggio Calabria), The Blanket of Memory Piana di Gioia Tauro, Faro Fabbrica dei Saperi (Rosarno), Valarioti Foundation (Rosarno), Coop Sankara (Gioiosa Ionica), ResQ People Saving People, Comune Info, Confronti, Volere la Luna , Imprensa Internacional.

Para participar: [email protected]

Especificações técnicas para os participantes:

Os filmes devem ser enviados em formato Mpg4 com tamanho máximo de 2 GB. Aconselha-se o envio de filmes em formato 1920×1080, com wetransfer.

Duração máxima 20′.

A seleção das obras fica sob o inquestionável julgamento da direção artística. Ao final da pré-seleção, os autores serão informados do resultado por telefone ou e-mail.

Os trabalhos devem ser enviados para o endereço de e-mail [email protected] até 1 de setembro de 2023.

Prêmios:

Dada a particularidade, originalidade e experimentação da revista, que leva em consideração o trabalho árduo e mal remunerado dos trabalhadores, os prêmios – Primeiro, Segundo e Menção – não serão pagos em dinheiro, mas em produtos agrícolas e alimentícios da Piana di Gioia Touro.


Para saber mais:

na primeira edição da revista, atendida por Sara Manisera Para protestantismo

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Uma história valdense de Salvo Cuccia.  Em outubro na Netflix, prévia

Uma história valdense de Salvo Cuccia. Em outubro na Netflix, prévia

Roma (NEV), 21 de março de 2022 - "Uma história valdense" por Exceto Cuccia estará disponível na Netflix a partir de outubro, por 5 anos, em pelo menos 18 idiomas. Com seus 221 milhões de assinantes, a Netflix é a maior plataforma de streaming do mundo. O documentário de Cuccia conta a história de Gustavo Alabiso, um fotógrafo que mora em Karlsruhe, na Alemanha, que decide depois de muitos anos rastrear seus colegas de escola no Monte das Oliveiras. Foi no Monte das Oliveiras que, na década de 1960, Tullio Vinay (pastor valdense, teólogo e senador da República) fundou junto com o arquiteto Leonard Ricci o Serviço Cristão de Riesi. Estamos no interior da Sicília, na província de Caltanissetta. Para combater a máfia, a pobreza e o analfabetismo, são necessárias escolas, saúde, economia e internacionalidade. Nascem a fábrica de cortadores de aço “Meccanica Riesi” e uma cooperativa de bordados. Nascia a escola frequentada por Gustavo Alabiso. O documentário é uma viagem entre passado e presente, onde imagens e histórias se entrelaçam a partir de Riesi. O projeto também conta com a colaboração da Valdensian Cultural Center Foundation e do pastor metodista Pedro Ciacciocomo consultor histórico-teológico. Pedimos ao diretor Salvo Cuccia que nos contasse sobre seu trabalho. “Uma História Valdense” chega à Netflix. É uma bela conquista. Estou muito feliz com este resultado. Apresentaremos o documentário em prévia no dia 24 de março no cinema Rouge e Noir de Palermo, cidade onde se encontra, entre outras coisas, o local de produção, o centro regional de inventário, catalogação e documentação (CRID) Como surgiu esta ideia? Essa história nasceu com Gustavo Alabiso. Do projeto de fotografar seus ex-companheiros nasceu um livro, depois o filme, que reconstrói a jornada de Gustavo entre Riesi, na Sicília, Gênova, Torre Pellice e Prali, no Piemonte, até a Bélgica. A aldeia Monte degli ulivi. Foto Emanuele Piccardo cortesia Christian service O documentário conecta o trabalho valdense e Riesi, a partir do período histórico do trabalho nas minas (aqueles da Trabia Tallarita contados por Vittorio De Seta em "Surfarara" de 1955). Depois, a máfia, a emigração e os olhares das crianças que se tornam adultos. Saídas e retornos. O que você pode nos dizer mais? Eu já tinha trabalhado nesse tipo de reconhecimento antes, vamos lá Vitório de Seta precisamente, com “Détour De Seta”, um projeto que apelou Martin Scorsese e foi amplamente divulgado. As minas descritas por De Seta na década de 1950 estão ligadas à história. Não só para a história do serviço cristão, mas também para o "contexto", como você diria Leonard Sciascia. Falamos da máfia, da emigração, do trabalho. Partindo de um lugar na profunda província do sul da Sicília, chegamos além do Estreito e além da fronteira, seguindo outras escolhas e perspectivas de vida. Deste ponto de vista, podemos dizer que "falamos glocal". Já no trailer é possível apreciar a sobreposição de imagens, épocas e narrativas, numa atmosfera que conecta espaço, tempo e pessoas. Como você fez? Trabalhamos em vários níveis narrativos. Por exemplo, o diretor do Serviço Cristão Gianluca Fiusco colocou à nossa disposição duas bobinas de filme dos anos 1960, onde encontramos imagens Video8 tanto da construção da escola quanto vídeos de Riesi daqueles anos. A filmagem foi feita por um valdense suíço, Pierre Vollichardque se localizava na Sicília na época. São materiais extraordinários e belos que nos permitiram reconstruir um pedaço da história. Há também vídeos em que aparecem algumas dessas crianças, agora homens, ex-colegas de escola de Gustavo, cujas histórias de crianças se confundem com a história geral do grande intelectual e pastor Tullio Vinay. Você pode nos falar sobre as oliveiras? O projeto idealizado para o Serviço Cristão pelo arquiteto Ricci (que, aliás, era avô de Elena Sofia Ricci) é futurista. Eles não cortam nem uma oliveira, mas constroem ao redor das árvores. Eles deixam o território intacto. Esse era o pensamento moderno e voltado para o futuro de Vinay e Ricci. Além disso, fiquei surpreso que tal estrutura, no coração da Sicília, onde não havia água todos os dias, mesmo na aldeia, pudesse sempre ter água. Eles eram muito organizados. Em seguida, há o tema dos valdenses como testemunhas do compromisso civil, a partir de sua posição como minoria religiosa e cultural. Os pais de Gustavo eram colaboradores de Vinay. Isso também aparece no documentário. A ligação profunda entre a abertura à história e a dinâmica pessoal. Quando criança, Gustavo pensava que este mundo era o único mundo. Já adulto, porém, ele descobre que os valdenses são uma minoria. E essa comparação é um dos principais temas do documentário. aqui o trailer [embed]https://www.youtube.com/watch?v=4yzqQZB6SBk[/embed] UMA HISTÓRIA VALDENSE. Um documentário de Salvo Cuccia (75', 2020) Túlio Vinay Tullio Vinay foi teólogo, pastor valdense e senador da República. Antifascista convicto, ajudou a salvar uma família judia da deportação, escondendo-a num apartamento em Florença. Em março de 1974, o pastor Vinay testemunhou em Paris sobre os métodos de tortura usados ​​em prisioneiros políticos no Vietnã, onde ele havia ido como observador internacional em nome de uma organização ecumênica. Acesse o CARD. ...

Ler artigo
Corredores humanitários da Líbia, Garrone: “A Constituição nos ensina. Acolher a todos”

Corredores humanitários da Líbia, Garrone: “A Constituição nos ensina. Acolher a todos”

Foto de Benedetta Fragomeni Roma (NEV), 1º de julho de 2022 - "As Constituições comprometem nossas nações a uma postura precisa: honrar a vocação civil e cultural contida em nossas Cartas" é o significado de projetos como os corredores humanitários, que, portanto, "não devem ser considerados como a atividade de pessoas dispostas, ou almas piedosas”. Ele disse isso esta manhã Daniele Garrone, presidente da FCEI, que através do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, e juntamente com o ACNUR, Tavola Valdese e S. Egidio, promoveu e implementou corredores humanitários. Teve lugar ontem à noite, 30 de junho, a chegada do segundo voo da Líbia ao aeroporto de Fiumicino, no âmbito de um protocolo assinado com os Ministérios dos Negócios Estrangeiros e do Interior. “Porque a seca, a crise climática, as guerras vão continuar. Portanto, esta é uma resposta razoável e sensata a uma tendência em andamento. E é algo a dizer à política, em particular à Europa”, acrescentou Garrone. Por fim, uma referência à Ucrânia e à solidariedade demonstrada nos últimos meses para com a população que foge da guerra: "conseguimos acolher milhões deles, porque há evidentemente refugiados que nos mobilizam mais do que outros... Se forem" de nossas", se estiverem um pouco menos distantes”, comentou o presidente das igrejas protestantes. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=pSW3fn5dhz0[/embed] "Pedimos ao Parlamento italiano que restabeleça com urgência a figura do Fiador da Imigração cancelada por Bossi-Fini - disse Marco eu vou recheado, presidente do S.Egídio – : precisamos mobilizar as forças da sociedade civil para ampliar os caminhos humanitários e jurídicos. Pedimos para estender o instrumento de corredores humanitários também aos migrantes econômicos, que aumentarão devido à guerra na Ucrânia; pedimos para alargar o conceito de reagrupamento familiar, que é essencial para a integração. Por fim, pedimos ao governo que amplie o decreto de escoamento, que ainda é insuficiente. O sistema italiano está com déficit de pessoal”. Charlote Sami, porta-voz do ACNUR na Itália, sublinhou que "formas seguras de proteção são mais necessárias do que nunca em um mundo que em junho deste ano ultrapassou o limiar trágico e terrível dos 100 milhões de pessoas que foram forçadas a deixar suas casas, entre os deslocados e refugiados. Um número recorde que nunca havia sido registrado antes. Cerca de metade das pessoas que chegaram ontem, maioritariamente de origem eritreia e sudanesa, serão acolhidas por igrejas protestantes: nove serão acolhidos na Sicília, em Scicli, pela Casa das Culturas da FCEI, e 34 no Piemonte e outras regiões do norte, pela Diaconia Valdense. O programa de corredores humanitários implementado pelas igrejas evangélicas é financiado pelo Otto per mille da Igreja Valdense e Metodista. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

Roma (NEV), 17 de setembro de 2019 - Paz sem fronteiras é o título do encontro internacional anual pela paz promovido pela Comunidade de Sant'Egidio. Muitos expoentes evangélicos e várias igrejas protestantes de todo o mundo também participaram do encontro sobre o diálogo inter-religioso, nascido de uma ideia de Wojtyla em 1986, que está acontecendo em Madri nestes dias, de 15 a 17 de setembro. Em particular, ontem, 16 de setembro, um dos 27 painéis da cúpula participou de uma mesa redonda sobre o tema da migração, Paulo Nasocoordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, e pastor valdense Eugênio Bernardiniex-moderador da Mesa Valdense. “Acreditamos em um amor que nos impulsiona a servir os outros – explicou Bernardini -, um amor inclusivo que não deixa ninguém sozinho e abandonado e por isso nos impulsiona a um compromisso com fronteiras cada vez mais avançadas, como as dos refugiados e migrantes, para os "marginais" e aqueles que o sistema tende a expulsar. E gostaríamos que tudo isso fosse feito invertendo a ideia atual: não “primeiro nós e nosso clã”, mas primeiro os últimos”. Iniciando seu discurso com uma citação do pastor batista Martin Luther Kingde um sermão de 1957, em plena crise racial – “É meia-noite na ordem moral” E “Você perdeu o senso de certo e errado” – O professor Paolo Naso denunciou “A avalanche de falsidades e hipocrisias que tem caracterizado o debate sobre a imigração nos últimos anos. Um inimigo foi construído, assim como um muro de medo e preconceito foi construído, diante de um fenômeno que pode ter soluções sustentáveis ​​e viáveis. Isso é demonstrado pela experiência dos corredores humanitários, que os evangélicos iniciaram com Sant'Egidio em 2016. Mas agora temos um novo desafio pela frente: transformar uma boa prática em uma política estrutural. É por isso que pedimos um corredor humanitário europeu da Líbia para 50.000 refugiados”. O evento em Madri terminará esta noite, terça-feira, 17 de setembro, quando, após a oração de cada religião de acordo com sua própria tradição, os líderes religiosos eles se reunirão na Plaza de la Almudena para lançar um apelo pela paz. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.