Teóloga batista Valérie Duval-Poujol recebe Medalha de Honra

Teóloga batista Valérie Duval-Poujol recebe Medalha de Honra

Valérie Duval-Poujol – quadro do vídeo da Federação Protestante da França (FPF)

Roma (NEV), 29 de junho de 2023 – “Enquanto houver discriminação entre homens e mulheres, lutaremos. Enquanto houver vítimas de violência doméstica, abuso espiritual e sexual, lutaremos. E até que a palavra libertadora de Jesus seja sufocada e distorcida, lutaremos”. Com estas palavras inspiradas por William Booth, o fundador do Exército de Salvação, o teólogo batista Valerie Duval-Poujol ele concluiu seu discurso por ocasião de sua nomeação como “Cavaleiro da Ordem Nacional Francesa”.

O teólogo, atual vice-presidente da Federação Protestante da França (FPF), foi de facto agraciado com a Medalha deOrdem Nacional do Mérito (Ordem Nacional do Mérito) em reconhecimento ao seu compromisso com o bem comum e em particular com a defesa dos direitos da mulher.

A medalha foi entregue ontem pela Irmã Veronique Margronpresidente da Conferência dos religiosos e religiosas da França, nas salas da Maison du Protestantisme de Paris.

A teóloga batista aproveitou o prêmio para agradecer aos parceiros ecumênicos e protestantes pelo apoio às suas iniciativas, como a revisão da Nova Bíblia da Corrente Francesa, sua participação no Grupo Orsay (local de encontro de um grupo de mulheres protestantes para reflexão e abertura a outras histórias, questões, crenças e esperanças) e na associação “Une place pour elles” (Um lugar para eles), da qual é fundadora, e na redacção de relatório sobre a violência sexual e espiritual no protestantismo.


Para saber mais:

A entrevista nev/Riforma.it sobre famílias plurais e ecumenismo (ano 2014)

O vídeo da cerimônia de reconhecimento de Valérie Duval-Poujol:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

Milão (NEV), 28 de maio de 2019 – “O fato histórico é que nenhum movimento migratório jamais foi reversível. […] Não só isso: além de irreversíveis, os processos migratórios nunca foram decorrentes, mas apenas interpretáveis. E sua interpretação mudou seu significado e destino”, escreve o professor de História do Cristianismo Alberto Melloni no prefácio do livro "O Deus dos Migrantes". Três pesquisas sobre a experiência e a prática religiosa dos imigrantes em nosso país estão no centro do volume, publicado por Il Mulino, que será apresentado amanhã, quarta-feira, 29 de maio, às 18h, na Biblioteca Claudiana, em Milão. “Quantos imãs existem na Itália? Como eles se preparam? Como vivem as diferentes igrejas cristãs em nossa metrópole? Quais são as atividades e ações realizadas pela Igreja Ortodoxa Romena, que na Itália tem uma população de mais de um milhão de pessoas?” – lê-se na contracapa – Três caminhos até agora inexplorados, que mostram como a imigração constitui um dos vetores mais incisivos de um processo de pós-secularização e de um novo movimento de efervescência religiosa”. Os três curadores da obra participarão do encontro amanhã à tarde, na via Francesco Sforza 12/A, Maurizio Ambrosini, Paulo Naso E Cláudio Paravati do Centro de Estudos Comparados, com Júlio Giorelloprofessor da Universidade de Milão, conselheiro de políticas sociais, saúde e direitos do município de Milão, recém-eleito para o Parlamento Europeu, Pierfrancesco MajorinoE Madalena ColomboUniversidade Católica do Sagrado Coração de Milão. ...

Ler artigo
Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Para as igrejas protestantes as coisas são diferentes. Como bem explicou o pastor Luca Baratto durante episódio do Culto Evangélico transmitido pela Rádio Uno Rai “A palavra Quaresma não faz parte do vocabulário dos protestantes italianos. As igrejas evangélicas de nosso país - pelo menos aquelas que seguem o ano litúrgico - preferem chamar esse período de 'Tempo da Paixão'. Corresponde à história dos Evangelhos que, depois do início na Galileia, veem Jesus a caminho de Jerusalém: uma viagem difícil, pontuada por desentendimentos com os discípulos e, sobretudo, pelo anúncio de que Jesus será preso e morto naquela cidade. É tempo de refletir sobre o que significa seguir aquele Jesus que convida todos a carregar a sua cruz”. O pastor Baratto especifica ainda: “No entanto, também deve ser dito que os protestantes italianos não usam a palavra Quaresma porque a ela está ligada uma espiritualidade que não lhes pertence. Para um evangélico parece estranho que haja uma determinada época do ano para se dedicar à contrição e ao arrependimento; na realidade, toda a vida de um crente é a confirmação de que ele é um pecador perdoado. Da mesma forma, a obrigação religiosa de renúncia ou penitência não pertence à mentalidade protestante. O profeta Isaías escreve que o verdadeiro jejum não é dedicar um dia à abstinência alimentar, mas saber repartir o pão com quem tem fome”. (para ler o discurso completo de Luca Baratto clique aqui: Quaresma da Paixão. A Reforma não rejeitou a Quaresma, mas deu um passo atrás nas práticas penitenciais. Estes permaneceram muito rígidos na Ortodoxia, mas tornaram-se menos rigorosos no Catolicismo. “No século 16, as críticas dos reformadores se concentravam naquelas coisas que alguém tinha que fazer para ser digno da salvação, como indulgências ou jejuns”, lembra ele. Nicolas Cockand, professor de teologia prática no Instituto Protestante de Teologia, em Paris. Hoje, do ponto de vista protestante, a Quaresma é antes de tudo um tempo de solidariedade com os mais pobres, um tempo de abstinência, por exemplo do álcool, e um tempo de busca de uma busca espiritual contemporânea, de uma vida mais simples. Essa ideia de sobriedade feliz pode muito bem ser rastreada até Calvino. É a tradição luterana que dá mais espaço à Quaresma nas suas liturgias, sobretudo através da celebração da Quarta-feira de Cinzas. Para os muçulmanos, o atual mês do Ramadã é aquele em que Deus deu o Alcorão ao Profeta. É o momento da oração, da meditação, mas principalmente do jejum, do nascer ao pôr do sol, juntamente com a proibição do fumo e da prática de sexo.O Ramadã e a Quaresma estão ligados a duas revelações: o início da vida pública de Jesus e o início da revelação da vontade de Alá ao profeta Maomé. O jejum no Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, as cinco obrigações fundamentais estabelecidas pela lei religiosa para todo crente muçulmano de qualquer gênero, juntamente com a declaração de fé, oração, esmola e peregrinação a lugares sagrados. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
O G20 das religiões – Nevada

O G20 das religiões – Nevada

Foto de Joshua Eckstein, unsplash Roma (NEV), 13 de setembro de 2021 - O "G20 das religiões", o Fórum Inter-religioso, está em andamento em Bolonha, no qual numerosos líderes políticos, ministros, membros de igrejas e, entre eles, também vários representantes das comunidades protestantes de todo o mundo. Qual é o significado desta nomeação – que o NEV lhe contará mais nos próximos dias, através de entrevistas a alguns dos protagonistas? “Esse G20 de religiões – explica o professor Paulo Naso, coordenador da comissão de estudos de diálogo e integração da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que moderou esta tarde uma sessão temática sobre migrantes e refugiados – confirma a ideia de que o diálogo inter-religioso vai além das fronteiras das religiões. Ou seja, torna-se pré-requisito essencial para a construção de políticas de inclusão, integração e proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, pede-se também um novo empenho às comunidades de fé, chamadas a sair de seus particularismos para dar vida a projetos concretos de acolhida e integração, como, por exemplo, os corredores humanitários. Mas numa época em que os direitos fundamentais são violados em tantas partes do mundo e grupos inteiros são perseguidos por motivos de natureza política, religiosa ou de gênero, seria realmente importante um compromisso compartilhado pelas várias comunidades de fé para, ao contrário, afirmar a importância da uma plataforma comum para defender os direitos de todos os homens e mulheres”. Paulo Naso #FCEI @Medhope_FCEI apresentar agora @Marco_europa @santegidionews à sessão temática intitulada “Um imperativo do G20: apoiar #refugiados e forçado #migrantes" para o @IF20org #G20InterfaithForum sobre a #corredores humanitários #direitos humanos #refugiados #migrantes pic.twitter.com/z3czc5F5J2 — Agência NEV (@nev_it) 13 de setembro de 2021 A cerimônia de encerramento do fórum está marcada para amanhã, terça-feira, 14 de setembro, às 16h, no Palazzo Re Enzo, na capital da Emilia. Participará o Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghiserá presidido por Romano Prodiex-presidente da Comissão Europeia, com as saudações finais, entre outras, do Cardeal e Arcebispo de Bolonha, Mateus Maria Zuppi. eles vão intervir Elly Schlein, Vice-presidente da Região Emilia-Romagna; Rav Richard Di SegniRabino Chefe de Roma; Mohamed Abdel-SalamSecretário Geral da Comissão Superior da Fraternidade Humana; Najla Kassab AbouusawanPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; Bernard SpitzPresidente dos Assuntos Europeus e Internacionais da MEDEF; Antonio Tajaniex-presidente da Comissão Europeia. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.