Uma torre de livros está de volta, na Torre Pellice a partir de 8 de julho

Uma torre de livros está de volta, na Torre Pellice a partir de 8 de julho

DCIM101MEDIADJI_0121.JPG

02 Roma (NEV), 4 de julho de 2023 – Décima sexta edição de Una torre di libri, o festival cultural da Torre Pellice (To) agendado de 8 a 16 de julho de 2023. “Nove dias e dois fins de semana cheios de cultura lento”, como explicam os promotores. Todos os eventos terão entrada franca e serão realizados em ambiente fechado em estrutura tensionada, no Jardim do Liceo Valdese, na via Beckwith 1.

O evento será inaugurado no sábado, 8 de julho, às 18h. Andrea Colamedici E Laura Gancitano, filósofos e criadores do Tlon, um projeto de pesquisa e divulgação cultural e filosófica. “Tlon” leva o nome de um novo mundo imaginário, conforme retratado em uma famosa história de Jorge Luís Borges, e também é uma editora, uma livraria de teatro, duas livrarias em Roma. O último livro de Colamedici e Gancitano intitula-se “Mas quem me obriga a fazer isso? Como o trabalho nos enganou: o fim do feitiço” (edições HarperCollins Italia). Por meio de explorações históricas e levantamentos precisos do presente, os autores nos estimulam a refletir sobre as origens e os desdobramentos de um conceito multifacetado e polêmico, o de trabalho. “Precisamos entender como trabalhamos, quando trabalhamos, onde trabalhamos. E, sobretudo, porque trabalhamos… para não nos autodestruirmos em poucos anos”. Há um bate-papo com os dois filósofos Samuel Pigoni, diretor da Fundação Time2.

Aos 21 no palco vai subir Diego Passoni, autor de “Isola” (Mondadori). No elenco de “Pinóquio” na Rádio Deejay e depoimento 2023 para o Otto per mille da Igreja Valdense, em Estamos todos na mesma arca ele nos disse “o que aprendi na Bíblia sobre mim, sobre os outros e sobre nossa confusão up vidas”. Com o jornalista Reform-Eco dos vales valdenses e a agência de notícias Nev, Gian Mario Gilliofalará sobre Isola, seu último livro e primeiro romance.

Domingo, 9 de julho, recomeça às 18h, com o jornalista Giuliana Sgrena e seu livro “Mulheres enganadas. O véu como religião, identidade e liberdade” (The Assayer). Partindo do tema do véu, a autora aborda uma das questões cruciais do nosso tempo, a relação entre liberdade e religião, e fá-lo através da voz das mulheres. Ele vai discutir isso com o educador Francisco Pratesi. Correspondente do “il manifesto”, o jornalista acompanhou de perto muitos conflitos armados, inclusive na Palestina e no Iraque.

Aos 21, o primeiro evento especial de UMA TORRE DE LIVROS 2023. See More Stefania Limiti, Manlio Milani, Stefania Barzon e Claudio Geymonat apresentará: “O verão do golpe” (Chiarelettere) e “O barulho das bombas” (Volturnia Edizioni). No palco, quatro autores para dois livros dedicados a uma fase obscura e ainda atual da história da Itália. Em L’estate del coup, a jornalista Stefania Limiti nos conta sobre o plano golpista que felizmente desapareceu em 1973. Sobre o massacre de Brescia de 1974 em O barulho das bombas escrevem Manlio Milani, presidente da associação familiar do Massacre caído da Piazza Loggia e um dos fundadores da Casa della Memoria de Brescia, Stefania Barzon, psicóloga e psicoterapeuta, e Claudio Geymonat, editor da Reform. Apresentado por Davide Rigallo, secretário da AICCRE Piemonte.

Uma torre de livros é o festival do Município de Torre Pellice organizado pela Livraria Claudiana e pela Associação Diversi Sguardi, com Riforma – L’Eco delle Valli Valdesi.

Parceiros da iniciativa: Escola Secundária Valdense, Centro Cultural Levi-Scroppo, Rádio Beckwith, Editora Claudiana, Fundação Centro Cultural Valdense, Associação Musicainsieme, Diaconia Valdense, Médicos com a África CUAMM, Igreja Valdense de Torre Pellice, Associação Pensieri in Piazza, Cai Uget Vale Pellice. O projeto cultural recebe o apoio do Otto per mille da Igreja Valdense.

O festival segue até 16 de julho, programação completa no site:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oito por mil batistas.  Espero primeiro

Oito por mil batistas. Espero primeiro

Uma das imagens da campanha Otto per mille battista 2022 - Photo Hero Communication, redator Roberto Raffone - diretor de arte Carlo Barbanera Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – “Onde falta a esperança, não pode faltar o Batista 8×1000”. Este é o slogan da campanha Otto per mille Baptist 2022. Estamos falando do compromisso da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI) para fins sanitários, humanitários, sociais e muito mais. Todos os anos, a UCEBI continua a aplicar 100% dos fundos recebidos "com extremo rigor, destinando-os - até ao último cêntimo - exclusivamente a intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, em Itália e no estrangeiro", lê-se no site da batistas. Entre os projetos ativos, financiados com os recursos do Otto per mille (que, lembramos, não custa nada aos contribuintes), podem ajudar idosos, mulheres vítimas de violência, meninos e meninas. “Você pode alocar o 8×1000 em sua declaração de imposto sem nenhum custo. Apenas uma assinatura. Ajude a Igreja Batista a realizar projetos de utilidade social para os mais necessitados” lê-se ainda nas páginas sociais dos Batistas. Entre as atividades realizadas pela UCEBI com fundos Otto per mille, destacam-se um projeto dos Médicos Sem Fronteiras contra a violência contra as mulheres, a casa de repouso GB Taylor em Roma (recentemente concedida pelo ACNUR), o apoio às atividades da Associação Italiana de Down People (AIPD) – Onlus de Pisa, que atende crianças Down. Além disso, o projeto Medical Hope da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) para assistência médica a refugiados sírios no Líbano e na Itália. foto UCEBI O 8×1000 para a Igreja Batista multiplica a esperança de milhares de pessoas Mais uma vez este ano, a campanha UCEBI Otto per mille é concebida e criada pela Hero Comunicazione. A agência escreve: "A esperança também é sugerida nas expressões dos sujeitos (que representam apenas algumas das muitas áreas de ajuda): idosos solitários, mulheres vítimas de violência, meninas e meninos necessitados de cuidados e atenção e pessoas sozinhas e longe de casa. Quem são os batistas? “Para explicar de forma simples podemos dizer: os cristãos da igreja de Martin Luther King”. É o que consta no site da UCEBI, que é membro da FCEI. Fundada em 1956, recolhe o legado da União Batista Apostólica Cristã (UCAB), fundada em 1884 pelas missões inglesas e americanas que chegaram à Itália na década de 1860, por sua vez herdeiras dos anabatistas e da chamada Reforma Radical da Inglaterra de 1600. “Eu luto por um sonho. Isso inclui hoje não só a superação do racismo, mas também da pobreza em todos os cantos do planeta” Martin Luther King ...

Ler artigo
Mudança no topo da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa

Mudança no topo da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa

Fiona Kendall com um pequeno beneficiário dos Corredores Humanitários Roma (NEV), 19 de outubro de 2020 – No dia 16 de outubro, a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) realizou sua assembleia geral. Como previsto, o colega Fiona Kendallassessor jurídico da FCEI sobre relações com instituições e igrejas europeias, integrou a direção da instituição e foi nomeada vice-moderadora. Advogada, nasceu na Escócia e viveu entre a Escócia, França, Inglaterra e Itália, trabalha para a FCEI desde janeiro de 2018 e em particular para o programa de migrantes e refugiados da Federação, Mediterranean Hope. “É um grande privilégio ter sido eleita – declara Fiona Kendall – para o Comitê Executivo do CCME e servir como vice-moderadora. O CCME tem a vantagem única de representar as vozes das comunidades protestantes, anglicanas e ortodoxas de toda a Europa. Tem um papel extremamente importante a desempenhar na articulação da nossa perspectiva sobre a migração. A sua estreita relação com instituições europeias, organizações não governamentais internacionais e ONG proporciona uma plataforma essencial para o lobbying e análise de políticas. O foco do CCME em todos os aspectos da jornada migratória, desde a passagem segura até o direito à vida familiar, política de asilo e esforços anti-discriminação, corresponde claramente ao da FCEI. Fornecer uma perspectiva italiana ao CCME e compartilhar uma perspectiva coletiva com o FCEI nos ajudará a colaborar de maneira ainda mais eficaz nessas questões no futuro." Devido à emergência sanitária, a assembléia do CCME foi realizada por escrito, com os membros votando antecipadamente.O Conselho Cristão da Noruega e a Fundação Mesa Redonda Armênia foram aceitos como membros do CCME. A assembleia também aprovou o orçamento para 2021 e estendeu o atual programa de trabalho até o próximo ano.Depois de renunciar à diretoria anterior e adotar seu relatório de atividades e finanças de 2017, a assembleia também elegeu uma nova diretoria para o período 2020-23. Goos Mindermannomeado pelo Conselho Holandês de Igrejas, foi eleito moderador e presidente, enquanto o novo conselho é composto por: P. Iakovos Andriopoulos (Igreja da Grécia), Sabine Dressler (EKD Alemanha), Dana Gabriel (AIDRom – Associação Ecumênica de Igrejas da Romênia), Fiona Kendall (Federação das Igrejas Protestantes da Itália), Ulla Siirto (Igreja Evangélica Luterana da Finlândia, apoiada por membros nórdicos do CCME). Além disso Dana Gabriel e Fiona Kendall foram nomeadas vice-moderadoras.Comentando sobre sua eleição, o novo moderador do CCME, Goos Minderman, disse: “Estou realmente honrado por ter sido eleito novo moderador do CCME, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa. Fortalecer a voz de tantas igrejas sobre migrantes, refugiados e anti-racismo é uma grande responsabilidade. Estou ansioso para trabalhar com o novo Comitê Executivo, o escritório em Bruxelas, o Conselho Mundial de Igrejas, o Conselho Mundial de Igrejas e as muitas pessoas nas igrejas que cuidam dos migrantes todos os dias. Vamos tentar fazer o máximo pelos corredores humanitários, pelos direitos das famílias, para mudar a narrativa sobre a migração e na luta diária contra o racismo”. ...

Ler artigo
Crescendo no amor contra toda auto-suficiência

Crescendo no amor contra toda auto-suficiência

Um amor que, inspirando-se no Evangelho de João 15, 1-17: "Permanecei no meu amor: dareis muito fruto", foi o tema da Semana de Oração e que Trotta também define como "paixão de partilhar a Palavra de Deus; o reconhecimento, para além de qualquer ilusão de autossuficiência, da plena valorização da diversidade dos carismas através dos quais se manifesta a abundância e a variedade dos frutos do amor que os discípulos de Jesus Cristo são chamados a trazer ao mundo”. Um compromisso que o moderador espera que possa ser vivido concretamente “fortalecendo e multiplicando as frentes de colaboração a partir dos lugares onde reinam o sofrimento, a desigualdade, as divisões e as competições. Lugares que, devido à bolha em que a pandemia nos empurra a fechar, correm o risco de se tornarem cada vez mais invisíveis mas não menos reais por isso, no nosso país como fora dele”. Leia em Chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.