Uma torre de livros está de volta, na Torre Pellice a partir de 8 de julho

Uma torre de livros está de volta, na Torre Pellice a partir de 8 de julho

DCIM101MEDIADJI_0121.JPG

02 Roma (NEV), 4 de julho de 2023 – Décima sexta edição de Una torre di libri, o festival cultural da Torre Pellice (To) agendado de 8 a 16 de julho de 2023. “Nove dias e dois fins de semana cheios de cultura lento”, como explicam os promotores. Todos os eventos terão entrada franca e serão realizados em ambiente fechado em estrutura tensionada, no Jardim do Liceo Valdese, na via Beckwith 1.

O evento será inaugurado no sábado, 8 de julho, às 18h. Andrea Colamedici E Laura Gancitano, filósofos e criadores do Tlon, um projeto de pesquisa e divulgação cultural e filosófica. “Tlon” leva o nome de um novo mundo imaginário, conforme retratado em uma famosa história de Jorge Luís Borges, e também é uma editora, uma livraria de teatro, duas livrarias em Roma. O último livro de Colamedici e Gancitano intitula-se “Mas quem me obriga a fazer isso? Como o trabalho nos enganou: o fim do feitiço” (edições HarperCollins Italia). Por meio de explorações históricas e levantamentos precisos do presente, os autores nos estimulam a refletir sobre as origens e os desdobramentos de um conceito multifacetado e polêmico, o de trabalho. “Precisamos entender como trabalhamos, quando trabalhamos, onde trabalhamos. E, sobretudo, porque trabalhamos… para não nos autodestruirmos em poucos anos”. Há um bate-papo com os dois filósofos Samuel Pigoni, diretor da Fundação Time2.

Aos 21 no palco vai subir Diego Passoni, autor de “Isola” (Mondadori). No elenco de “Pinóquio” na Rádio Deejay e depoimento 2023 para o Otto per mille da Igreja Valdense, em Estamos todos na mesma arca ele nos disse “o que aprendi na Bíblia sobre mim, sobre os outros e sobre nossa confusão up vidas”. Com o jornalista Reform-Eco dos vales valdenses e a agência de notícias Nev, Gian Mario Gilliofalará sobre Isola, seu último livro e primeiro romance.

Domingo, 9 de julho, recomeça às 18h, com o jornalista Giuliana Sgrena e seu livro “Mulheres enganadas. O véu como religião, identidade e liberdade” (The Assayer). Partindo do tema do véu, a autora aborda uma das questões cruciais do nosso tempo, a relação entre liberdade e religião, e fá-lo através da voz das mulheres. Ele vai discutir isso com o educador Francisco Pratesi. Correspondente do “il manifesto”, o jornalista acompanhou de perto muitos conflitos armados, inclusive na Palestina e no Iraque.

Aos 21, o primeiro evento especial de UMA TORRE DE LIVROS 2023. See More Stefania Limiti, Manlio Milani, Stefania Barzon e Claudio Geymonat apresentará: “O verão do golpe” (Chiarelettere) e “O barulho das bombas” (Volturnia Edizioni). No palco, quatro autores para dois livros dedicados a uma fase obscura e ainda atual da história da Itália. Em L’estate del coup, a jornalista Stefania Limiti nos conta sobre o plano golpista que felizmente desapareceu em 1973. Sobre o massacre de Brescia de 1974 em O barulho das bombas escrevem Manlio Milani, presidente da associação familiar do Massacre caído da Piazza Loggia e um dos fundadores da Casa della Memoria de Brescia, Stefania Barzon, psicóloga e psicoterapeuta, e Claudio Geymonat, editor da Reform. Apresentado por Davide Rigallo, secretário da AICCRE Piemonte.

Uma torre de livros é o festival do Município de Torre Pellice organizado pela Livraria Claudiana e pela Associação Diversi Sguardi, com Riforma – L’Eco delle Valli Valdesi.

Parceiros da iniciativa: Escola Secundária Valdense, Centro Cultural Levi-Scroppo, Rádio Beckwith, Editora Claudiana, Fundação Centro Cultural Valdense, Associação Musicainsieme, Diaconia Valdense, Médicos com a África CUAMM, Igreja Valdense de Torre Pellice, Associação Pensieri in Piazza, Cai Uget Vale Pellice. O projeto cultural recebe o apoio do Otto per mille da Igreja Valdense.

O festival segue até 16 de julho, programação completa no site:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Toda empresa é uma empresa compartilhada

Toda empresa é uma empresa compartilhada

Arcebispo Emérito Anders Wejryd Roma (NEV) 25 de outubro de 2018 – O arcebispo luterano emérito Anders Wejrydatual Presidente do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) para a Europa, participou da conferência “Combating Intolerance and Discrimination, with a Focus on Discrimination Based on Religion or Belief: Towards a Comprehensive Response in the OSCE Region”, organizada pela Ministério das Relações Exteriores no âmbito da presidência rotativa italiana da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). “Os conflitos entre grupos religiosos são fortalecidos em sociedades em crise. Quando as injustiças crescem, quando o sistema de justiça funciona mal, as instituições falham e fica cada vez mais difícil sustentar uma família ou até a si mesmo, o descontentamento cresce. Então você procura seus aliados e procura seus inimigos”, disse Wejryd sobre a violência e a discriminação com base na religião e nas crenças individuais. Falando da Europa e dos conflitos que vive, o arcebispo disse que ainda que estejamos acostumados a pensar neste contexto como "uma parte do mundo em que o respeito pela pessoa, o respeito pela lei, o cuidado dos cidadãos e a consciência histórica , incluindo o conhecimento de séculos de migrações muitas vezes dramáticas, estão presentes e importantes, muitos de nós também sabemos que esta é uma realidade ideal, mas não abrangente. Os direitos humanos e os direitos dos cidadãos estão gradualmente se transformando em um conflito visível para todos”. Por isso a referência de Wejryd recaiu sobre a relação entre religião e política e como essas áreas se entrelaçam com a vida individual: “As religiões e a política devem ser muito mais claras sobre a nossa interdependência, entre indivíduos, países, religiões e gerações. Todos nós precisamos ser mais capazes de formular e expressar nossos valores e sonhos mais profundos. Muito do que tínhamos como certo se foi. Um dos valores que precisa ser declarado com muito mais clareza é que toda sociedade é uma sociedade compartilhada. Uma sociedade só pode ser construída com respeito compartilhado, apesar de origens e histórias diferentes”, concluiu. ...

Ler artigo
Suíço.  Em 17 de janeiro, os protestantes de Zurique se reúnem no Grossmünster

Suíço. Em 17 de janeiro, os protestantes de Zurique se reúnem no Grossmünster

Foto do Wikimedia Commons Roma (NEV), 11 de janeiro de 2021 – O culto ecumênico será realizado no próximo domingo, 17 de janeiro, em Grossmünster, em Zurique, Suíça. A antiga catedral, de onde a Reforma suíça começou com Ulrich Zwinglio, acolherá as diferentes denominações protestantes de Zurique. O culto começará às 10h e incluirá partes litúrgicas em diferentes idiomas e pregação multivocal. a pastora Lydia Maggi representará a Igreja Evangélica Valdense de língua italiana Zurique-Waldenser. O consistório, conforme consta na carta periódica da comunidade, também decidiu doar as arrecadações do mês de janeiro a pessoas empobrecidas pela covid-19. “Infelizmente – lê-se no boletim – o ano passado de 2020 deixou muitas famílias sem trabalho e é justo tentar dar uma ajuda concreta a essas pessoas. Nossa comunidade estará, portanto, empenhada durante todo o mês de janeiro para esse fim”. Será possível acompanhar o culto em streaming neste link: A participação presencial, com número limitado, é possível mediante anúncio por telefone (044 462 04 11) ou por correio ([email protected]) Lydia Maggi ela é uma pastora batista, estudiosa da Bíblia, teóloga. Ela foi designada para o "ministério itinerante", instituído pela Assembleia da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) em 2018. A própria pastora assim descreveu a tarefa: "O ministério itinerante representa a possibilidade de levar a Bíblia a pessoas que não a teria encontrado facilmente, para tirá-la dos contextos habituais, nas festas, nas bibliotecas, nas paróquias, entre as pessoas que não frequentam as igrejas". ...

Ler artigo
O amor pela Criação dá notícia?

O amor pela Criação dá notícia?

Foto NEV Roma (NEV), 2 de agosto de 2023 – "Acreditamos que é urgente combater a campanha de difamação em curso contra as demandas do ambientalismo". Isso é apoiado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Nas últimas semanas, de fato, nos meios de comunicação italianos, mas não só, temos assistido a mais uma polarização sobre o tema "clima", com lados, negações e afirmações, sobre o quanto os fenômenos atmosféricos e climáticos são ou não causados ​​por comportamento humano. Uma pressão mediática sempre orientada para as emergências que rebaixa, segundo a GLAM, as três vertentes ecológicas do clima, poluição e biodiversidade. Para a GLAM seria necessário “chamar a atenção para a natureza dos processos”, com “ações para a sustentabilidade, enquadradas nos 17 Objetivos de Desenvolvimento da Agenda 2030 das Nações Unidas, passadas às escondidas. Ações concebidas precisamente como processos, talvez urgentes, mas fora da retórica de emergência que geralmente envolve situações de amortecimento em vez de dar-lhes um endereço diferente. Um processo coerente com o compromisso cristão de salvaguardar a criação, cujo sofrimento cresce tanto nos equilíbrios vitais como nos ecossistemas”. GLAM continua: “Desde que a UE começou a pedir uma crescente cogência das medidas econômicas, com as diretivas sobre a economia circular, uma campanha começou na imprensa italiana para minar seus fundamentos. Alguns exemplos: a mudança climática não aceleraria e de qualquer forma teria um componente antrópico desprezível (para o que os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - IPCC - estariam incorretos). A poluição requer medidas de adaptação (portanto, a mitigação pode ficar em segundo plano). Dadas essas teorias, as medidas de prevenção e precaução podem ser ainda mais relegadas. O impacto humano na biodiversidade é negado. As consciências estão cada vez mais adormecidas, também por causa dos meios de comunicação de massa". Contra isso, a GLAM sublinha a importância da "capacidade crescente de organização dos jovens", que no entanto "recebe vários níveis de estigma de acordo com as suas gradações de 'alarmismo': pense nas sextas-feiras para o futuro - cujos slogans segundo alguns se traduzem em conselhos à economia (na esteira do ambientalismo histórico)”. Sem contar aqueles movimentos que “se opõem às crescentes intervenções nos territórios que insistem em modelos de desenvolvimento com balanço negativo para os ecossistemas, às vezes com ações que parecem contraproducentes para a causa”. O ambientalismo é, portanto, fragmentado e pouco autoritário, mas, afirma GLAM, "a política e a economia, mesmo na Itália, não podem ignorar completamente a sustentabilidade como parâmetro de escolhas, começando pelos setores mais controversos do momento, ou seja, energia, agricultura, pecuária e água". “A pesada campanha de mídia em andamento pelos lobbies químicos, fósseis e nucleares dá a medida de resistência e oposição a um possível caminho 'transitório' que é considerado irrealista (quando não tingido também com paganismo ou milenarismo) ” continua GLAM. As questões de sanções econômicas introduzidas pela UE, o ímpeto para a energia fóssil e nuclear, o intervencionismo de guerra fecham o quadro. Como pessoas de fé, de acordo com GLAM, devemos continuar a amar a criação em palavras e ações. Como? Só para dar uma ideia, já há alguns anos, a European Christian Network for the Environment (ECEN) e GLAM têm chamado a atenção não apenas para “boas práticas ecocomunitárias, mas também para pesquisas em andamento em empresas e universidades. Da mobilidade privada, pública ou partilhada (com modelos pequenos e leves equipados com duplo motor elétrico para as rodas e a gasolina para recarregar a bateria), às renováveis ​​(que procuram substituir o lítio e trazer a energia eólica de menor impacto), às aquecimento, à produção industrial que visa a curto prazo reduzir os combustíveis fósseis com eficiência, à redução drástica do consumo de plástico”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.