batistas.  Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 4 de setembro de 2013 – A história dos batistas em nosso país, os desafios da sociedade italiana, o acolhimento dos estrangeiros, as relações intergeracionais, as “igrejas verdes” e a salvaguarda da criação, o mundo da prisão, as relações com os outros igrejas protestantes. Estes são apenas alguns dos temas que serão abordados durante os quatro dias da Festa Batista, que acontecerá em Roma de 5 a 8 de setembro próximo. O evento será aberto amanhã à tarde com um culto presidido pelo pastor Raffaele Volpe, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Os momentos de reflexão previstos pelo programa (www.ucebi.it) são muitos, a partir das oficinas organizadas principalmente pelos departamentos de teologia, para as igrejas internacionais e de evangelização da UCEBI.

Duas entrevistas públicas também estão planejadas. A primeira, sexta-feira à tarde, no chamado BMV – isto é, a colaboração entre as igrejas batista, metodista e valdense: entrevistar o presidente batista Volpe, a presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Alessandra Trotta , e o moderador da Mesa Valdense Eugenio Bernardini, será Luca Maria Negro, diretor do semanário “Riforma”. No sábado de manhã, a Pastora Anna Maffei moderará um encontro sobre a dimensão internacional dos batistas, com intervenções de Tony Peck, secretário-geral da Federação Batista Europeia; Karin Wiborn, secretária geral do Conselho das Igrejas Cristãs da Suécia; e Regina Claas, vice-presidente da Aliança Batista Mundial. Também na tarde de sábado, a imigração, o meio ambiente e a política serão discutidos em uma conferência moderada por Gian Mario Gillio, diretor da revista “Confronti”, que contará com a presença de Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Herbert Anders, membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, e Mercedes Frias, ex-deputada do Parlamento italiano. Uma exibição documental sobre a história e os princípios batistas estará em exibição durante todo o Festival.

A programação do Festival será apresentada amanhã, quinta-feira, 5 de setembro, em entrevista coletiva a ser realizada às 13h na sala de imprensa da Câmara dos Deputados na via della Missione 4. Além do presidente da UCEBI Raffaele Volpe, o teólogo batista Também falarão Elizabeth Green e o parlamentar Luigi Lacquaniti.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Roma (NEV), 18 de março de 2023 – O naufrágio de Cutro “não deveria ter acontecido e todo o possível deve ser feito para evitar que isso aconteça novamente. Os corredores humanitários constroem pontes que muitas crianças, mulheres, homens, idosos, vindos de situações muito precárias e de graves perigos, têm percorrido em segurança, legalidade e dignidade até aos países de acolhimento. Atravessam fronteiras e, mais ainda, os muros da indiferença sobre os quais muitas vezes se estilhaça a esperança de muitas pessoas, que esperam anos em situações dolorosas e insustentáveis”. Ele disse isso algumas horas atrás Papa Francisco, durante a audiência desta manhã em que conheceu os refugiados que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários, criados desde 2016 pela FCEI, Tavola Valdese, com a contribuição do Otto per mille Valdese e da Valdensian Diaconia que cuida de de acolhimento nos vários territórios, Sant'Egidio, com outras realidades da sociedade civil como a Caritas e a Arci. Aula Nervi no Vaticano lotada com vários milhares de pessoas, cerca de 7.000, a partir das 11 de hoje, sábado 18 de março, para a audiência do pontífice. O pastor valdense Daniele Garrone, presidente da FCEI, sublinhou, a propósito do sistema de corredores humanitários: “Não se trata do ingênuo impulso caritativo de almas piedosas ou virtuosas, movidas por um sentimentalismo irrealista. Achamos que é uma das respostas razoáveis, que também os Estados devem adotar, a um problema que também põe em causa a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos a que o nosso continente aterrissou tendo atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje forçam homens e mulheres a fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir”. “Mesmo a Europa tem sido ensanguentada por guerras”, recordou o presidente da FCEI, “incluindo guerras de religião, intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: 'tu conheces a alma do imigrante'”. Hoje, concluiu, “regozijamo-nos convosco; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram”. Ela também compareceu à nomeação no Vaticano Daniela Pompeia, responsável da Comunidade de Sant'Egidio para serviços aos imigrantes, que promoveu a iniciativa de hoje, recordando como os corredores humanitários “nasceram da dolorosa memória das mortes no mar, nasceram do choro e da oração. A oração e a dor nos ajudaram a não desistir, a refletir, a lutar para construir uma rota alternativa para os barcos. A oração e a dor nos empurraram, quase nos forçaram, àquela criatividade no amor de que tantas vezes o senhor, o Santo Padre, falou. De 2016 até hoje, 6.080 vidas humanas foram salvas, chegando legalmente à Europa, chegando principalmente à Itália, mas depois à França, Bélgica e um número limitado no principado de Andorra e San Marino. Uma pequena luz diante do muro da impossibilidade e da ideia de que nada pode ser feito”. Aqui está o discurso completo do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone: “Santidade, querido irmão em Cristo, queridos amigos, nossa Escritura diz: “Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram” (Romanos 12,15 CEI 2008). Hoje a nota dominante, ao ver tantos de vocês aqui, é a alegria e a gratidão. Sabemos o que você passou e o que teve que deixar para chegar até aqui e esperamos e desejamos que aqui você encontre uma vida protegida, aliás abençoada. Há outro motivo de alegria e gratidão: se fizemos alguma coisa para trazê-los até aqui, o fizemos como cristãos de diferentes confissões. É a dimensão ecumênica dos corredores humanitários que sempre redescobrimos: todos somos alcançados pela mesma Palavra de Deus, que nos dá esperança e nos chama a servir o próximo. Uma esperança comum, uma vocação comum, que hoje gostaria de exprimir nas palavras do profeta Miquéias: "Homem, você foi ensinado o que é bom e o que o Senhor exige de você: praticar a justiça, amar o bem, andar humildemente com o seu Deus. “ (Miquéias 6.8 CEI 2008) Foto Sant'Egidio A alegria e a gratidão de hoje não são ofuscadas pela segunda parte do convite: "chorar com os que choram", mas também ela ressoa. Todos nós temos no coração o último trágico naufrágio daqueles que não têm outro recurso senão uma travessia arriscada, de certo modo louca. Aqueles de nós que estão em Lampedusa, no nosso observatório sobre as migrações, para acolher quem as fez, testemunhamos as histórias dramáticas que cada um carrega dentro de si e muitas vezes no corpo. A participação no choro deve mover "praticar a justiça"; este é o chamado que ouvimos dirigido a nós. Os corredores humanitários são uma forma de tentar responder a este chamado. Pensamos que é uma das respostas razoáveis ​​para um problema que envolve também a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos que nosso continente chegou a ter atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje obrigam homens e mulheres fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir: também a Europa foi ensanguentada por guerras, mesmo "de religião", por intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: "tu conheces a alma do imigrante" (Êxodo 23,9). Hoje nos regozijamos com você; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram". A audiência começará em alguns minutos @Pontifex_it com as pessoas acolhidas – e que acolheram – graças ao #corredores humanitários que realizamos com outras igrejas e realidades da sociedade civil. Pastor Daniele Garrone, presidente, falará pelas igrejas protestantes #FCEI pic.twitter.com/y86Bv3k8sF — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 18 de março de 2023 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.