batistas.  Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 4 de setembro de 2013 – A história dos batistas em nosso país, os desafios da sociedade italiana, o acolhimento dos estrangeiros, as relações intergeracionais, as “igrejas verdes” e a salvaguarda da criação, o mundo da prisão, as relações com os outros igrejas protestantes. Estes são apenas alguns dos temas que serão abordados durante os quatro dias da Festa Batista, que acontecerá em Roma de 5 a 8 de setembro próximo. O evento será aberto amanhã à tarde com um culto presidido pelo pastor Raffaele Volpe, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Os momentos de reflexão previstos pelo programa (www.ucebi.it) são muitos, a partir das oficinas organizadas principalmente pelos departamentos de teologia, para as igrejas internacionais e de evangelização da UCEBI.

Duas entrevistas públicas também estão planejadas. A primeira, sexta-feira à tarde, no chamado BMV – isto é, a colaboração entre as igrejas batista, metodista e valdense: entrevistar o presidente batista Volpe, a presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Alessandra Trotta , e o moderador da Mesa Valdense Eugenio Bernardini, será Luca Maria Negro, diretor do semanário “Riforma”. No sábado de manhã, a Pastora Anna Maffei moderará um encontro sobre a dimensão internacional dos batistas, com intervenções de Tony Peck, secretário-geral da Federação Batista Europeia; Karin Wiborn, secretária geral do Conselho das Igrejas Cristãs da Suécia; e Regina Claas, vice-presidente da Aliança Batista Mundial. Também na tarde de sábado, a imigração, o meio ambiente e a política serão discutidos em uma conferência moderada por Gian Mario Gillio, diretor da revista “Confronti”, que contará com a presença de Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Herbert Anders, membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, e Mercedes Frias, ex-deputada do Parlamento italiano. Uma exibição documental sobre a história e os princípios batistas estará em exibição durante todo o Festival.

A programação do Festival será apresentada amanhã, quinta-feira, 5 de setembro, em entrevista coletiva a ser realizada às 13h na sala de imprensa da Câmara dos Deputados na via della Missione 4. Além do presidente da UCEBI Raffaele Volpe, o teólogo batista Também falarão Elizabeth Green e o parlamentar Luigi Lacquaniti.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Foto de Lionel Andrés Messi tirada de seu site oficial, messi.com Roma (NEV), 19 de dezembro de 2022 – A vigésima segunda edição da Copa do Mundo da FIFA no Qatar terminou. Foi uma Copa do Mundo bastante polêmica, principalmente pelo número impressionante de trabalhadores que morreram durante a construção dos estádios e da infraestrutura necessária. Em um artigo de Pete Pattisson E Niamh McIntyre de 23 de fevereiro de 2021, em Guardião falou de 6.500 trabalhadores migrantes do subcontinente indiano que estão desaparecidos. Para fazer uma comparação, trinta e dois anos atrás, o boletim relativo da Itália '90 era de 24 mortos e 678 feridos, o que já era um número muito alto e inaceitável. Esta figura se eleva sobre todas as outras questões controversas. Entre eles, destaca-se o impacto ambiental de sete novos estádios, embora com todas as precauções para limitar as emissões, num país essencialmente sem campeonato nacional de futebol: a expressão “catedral no deserto” nunca pareceu tão adequada . Além disso, há a questão da corrupção direta ou indireta, do tipo “investir em mim vai render para você”. As notícias que nos chegam do Parlamento Europeu não são reconfortantes deste ponto de vista. Por último, mas não menos importantehá a questão dos direitos humanos, em particular no que diz respeito aos cidadãos estrangeiros (ou seja, 87% da população do Catar), mulheres e homossexuais. Questões polêmicas monumentais, que deram origem nos países ocidentais a movimentos que pedem o boicote à Copa do Mundo. Esses movimentos tiveram adesão considerável, mas sucesso limitado. De fato, as partidas do Catar 2022 tiveram público adequado para o evento e uma das finais mais emocionantes já vistas em campo. O Catar merecia sediar a Copa do Mundo? Não, não era. Por outro lado, o mesmo pode ser dito da Itália 1934, Argentina 1978 e Rússia 2018, três ocasiões para os respectivos regimes se mostrarem belos e respeitáveis ​​aos olhos do mundo. O mesmo poderia ser dito para a atribuição dos Jogos Olímpicos. A esse respeito, lembro que se falava em suborno de membros do Comitê Olímpico Internacional com o objetivo de atribuir as Olimpíadas de Inverno de 2002 a Salt Lake City. Talvez o Qatar 2022 deva ser uma oportunidade para refletir sobre nossa sociedade. De facto, sem o consentimento dos países ocidentais e da confederação mais forte, nomeadamente a UEFA, decisões tão importantes não são tomadas. A UEFA tem um grande poder político e há poucos dias conseguiu, por exemplo, obter o monopólio do jogo de futebol nos países da União Europeia, instituição que tem no livre mercado e na livre concorrência uma das suas bandeiras. Ou seja, sem o apoio dos “nossos” países e dos nossos representantes eleitos democraticamente, a Copa do Mundo não teria acontecido na Rússia (que já ocupava o Donbass) e no Catar. Diante do grande número de mortes relacionadas ao trabalho e das condições dos trabalhadores estrangeiros no Catar, a pergunta que devemos fazer não é “Que tipo de sociedade existe no Catar”, mas “Que tipo de sociedade somos nós?” O presidente da FIFA, Gianni Infantino, e ex-vice-presidente do Parlamento Europeu, Eva Kaili (presos por terem recebido dinheiro de um "país do Golfo", segundo o Ministério Público de Bruxelas) tiveram um jogo fácil para dizer que as críticas da Europa ao Qatar são hipócritas, dadas as milhares de pessoas que mata no Mediterrâneo. E precisamente a alegada corrupção das instituições europeias evidencia a forte permeabilidade da nossa sociedade, economicamente viciada e fundada na dívida pública e privada, relativamente a quem tem reservas monetárias ou energéticas inimagináveis, como a Rússia ou o Qatar. Longe de mim dizer que morar na Itália ou no Catar é a mesma coisa. A questão é que em nossa fatia do mundo, que muitas vezes reivindica uma primazia moral, com igrejas, partidos e movimentos que reivindicam as raízes cristãs de nossa civilização, agora falta uma cultura de confissão do pecado, que foi substituída por uma cultura de repressão. Refiro-me à confissão do pecado no sentido protestante, ou seja, aquela consciência da própria insuficiência e maldade que só pode esperar o perdão na intervenção sobrenatural de Deus. Já a cultura da repressão é autoabsoluta: «Eh, o mundo é assim; o que posso fazer sobre isso?” É por isso que a Copa do Mundo é um sucesso de qualquer maneira. É por isso que o governo do futebol tem esse poder. É por isso que o dinheiro se torna o ídolo a ser adorado e obtido a qualquer custo. Estamos prontos para nos indignar com os contratos milionários dos jogadores de futebol, mas a cultura da repressão bloqueia as verdadeiras questões: "Quem tem dinheiro para pagar 100 milhões de dólares por ano por um jogador como Kylian Mbappé? Como ele conseguiu o dinheiro? O que há para ele?" Talvez a resposta a essas perguntas nos assuste, porque no final nos leva a nos questionarmos e como aceitamos uma sociedade injusta. O futebol, como tudo o que move as massas, deve ser objecto de uma análise cuidada e séria, precisamente porque nos diz quem somos. Quando desprezamos o futebol, nos colocamos fora de nossa sociedade de forma irresponsável. Quando toleramos violência, homofobia, misoginia nos estádios, toleramos violência, homofobia, misoginia em nossa sociedade. O estádio é o espelho e o ginásio do que acontece lá fora. Neste quadro sombrio, porém, não podemos afastar a luz que emana do futebol, uma luz que atrai bilhões de pessoas a um espetáculo litúrgico, vivido de forma espiritual. É a luz da redenção de comunidades esquecidas e marginalizadas; é a luz dos heróis dessas comunidades, que não são divindades que desceram do céu, mas pessoas que "conseguiram" das periferias do mundo. Ontem assistimos ao culminar da extraordinária carreira de Lionel Messi, terceiro filho (de quatro) de uma trabalhadora e de uma faxineira. Ele mostrou algum talento futebolístico quando criança, mas aos 11 anos foi diagnosticado com hipopituitarismo, uma glândula pituitária com defeito, com consequências potencialmente graves para o crescimento e desenvolvimento. Nenhum clube na Argentina estava disposto a pagar os cerca de US$ 1.000 por mês necessários para tratar aquela criança, mas na Europa o Barcelona se ofereceu para apoiar seu tratamento, fazendo com que ele e sua família se mudassem para a Espanha. O grande sucesso como futebolista profissional no Barcelona fez com que fosse alvo de várias invejas, que o atingiram com comparações injustas: «Nunca serás como Diego Armando Maradona: ele era D10svocê no máximo é Pulga!» Ontem “A Pulga” Lionel Andrés Messi ergueu a Copa da FIFA aos céus. Será retórica, será fumo construído pelos patrocinadores, mas como não ver aquela luz que brilha apesar da corrupção, da hipocrisia e por vezes da gestão criminosa do futebol e da nossa sociedade? Pedro Ciaccio ...

Ler artigo
Igreja Luterana na Itália.  Sínodo em Catânia de 28 de abril a 1º de maio

Igreja Luterana na Itália. Sínodo em Catânia de 28 de abril a 1º de maio

Roma (NEV/CELI), 18 de abril de 2023 – O Sínodo anual da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será aberto em 28 de abril no Hotel Nettuno na via Ruggero di Lauria em Catania. Depois de mais de 15 anos, a importante assembléia luterana da Itália se reúne novamente no sul. Na Sicília. Os sínodos luteranos permanecem no cargo por quatro anos, embora se reúnam todos os anos. Cada Sínodo é, portanto, organizado em quatro sessões, precisamente uma para cada ano.Em seguida, de 28 de abril a 1º de maio de 2023, será o XXIII Sínodo em sua quarta sessão.Este ano e de acordo com as normas que regulam o funcionamento do CELI, a assembléia sinodal debaterá, deliberando sobre vários aspectos da vida eclesial.Formado por representantes das quinze comunidades luteranas espalhadas por toda a Itália, incluindo pastores e pastoras em serviço, o Sínodo Luterano é a assembleia democrática e participativa encarregada de governar o CELI. Numerosos convidados importantes compareceram ao Sínodo, alguns dos quais (lista a ser atualizada): Michael ChalupkaBispo e representante da Igreja Evangélica Austríaca; Norbert DeneckeDiretor Executivo do Comitê Nacional para a Alemanha da Federação Luterana Mundial (FLM); Luke EldersPresidente da Obra para as Igrejas Metodistas na Itália (OPCEMI); Mário Fisher, Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). Ele também aguardou as autoridades e instituições civis e religiosas da Sicília. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) CELI é a mais antiga presença luterana na Itália. Nascido no rescaldo do segundo conflitoem outubro de 1949, tinha por objetivo sustentar a existência e o testemunho das comunidades luteranas, que se viam diante de crescentes dificuldades materiais devido ao conflito que acabava de terminar. O CELI também é membro da Federação Luterana Mundial, que reúne mais de 77 milhões de crentes no mundo. Uma instituição eclesiástica de acordo com a lei italiana e um caso único no contexto das comunidades luteranas fora do território alemão: de fato, as comunidades luteranas no exterior, com exceção do CELI, são consideradas dependentes da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Membro promotor e fundador da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), desde 1995 está entre as confissões religiosas com as quais o Estado italiano celebrou acordos específicos. Para informações e compromissos sobre o próximo sínodo, pedidos de entrevistas com o Reitor ou a Presidência do Sínodo, você pode entrar em contato com: [email protected] +39.328.81.10.512. ...

Ler artigo
os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2020 - A Comunidade Valdense de Verona, no dia em que recorda a concessão de direitos civis aos valdenses e judeus com a Carta Real Patente anexada ao Estatuto Albertino, a primeira Carta Constitucional italiana, expressa sua solidariedade e proximidade com a comunidade judaica de Verona. "Os recentes acontecimentos em Verona, a proposta de batizar uma rua com o nome de Giorgio Almirante, os cantos racistas dos torcedores de futebol, os chapéus com a estilização de Hitler e o crescente ressurgimento do anti-semitismo nos preocupam", diz o comunicado do Conselho de a Igreja Valdense de Verona assinada pela pastora Laura Testa. “Acreditamos que não é possível esquecer os crimes hediondos e atrozes ocorridos durante o Holocausto e que a Memória dos Horrores é indispensável para que fique um alerta claro para que tais crimes nunca mais voltem a acontecer”. A Comunidade Valdense espera também que, como em outras cidades da Europa e do mundo, também em Verona se possa estabelecer “um Museu da Memória ou uma instalação permanente como advertência e memória perpétua”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.