O Grande Catecismo de Lutero.  Ferrario no Festival de Literatura Histórica

O Grande Catecismo de Lutero. Ferrario no Festival de Literatura Histórica

Roma (NEV), 6 de abril de 2023 – Fulvio Ferrariopastor valdense (professor de teologia sistemática na Faculdade de Teologia Valdense de Roma), será o convidado da primeira edição do Festival de Literatura Histórica de Legnano, intitulado “A história nas entrelinhas”. Por ocasião da reimpressão do Grande Catecismo de Lutero para a editora ClaudianaFerrario ilustrará a história de Lutero, a Reforma e suas implicações no mundo contemporâneo.

“Dê-me um martelo. Lutero e a Reforma” é o título da sessão dedicada ao reformador. A nomeação é em Legnano (MI) para Sábado, 15 de abril, às 19h.

Não há nenhum livro meu em que eu me reconheça verdadeiramente, exceto talvez aquele sobre eu sirvo a vontade e a Catecismo.

Martinho Lutero

“A reforma do século XVI é, fundamentalmente, um poderoso esforço de alfabetização bíblica – lê-se na apresentação ao Catecismo Maior -. EU’Enquirídio ou Pequeno Catecismo e a catecismo alemão ou Grande Catecismo, ambos de 1529, são concebidos nesta perspectiva. EU’Enquirídioatravés de um rigoroso compromisso de síntese e de uma acurada arquitetura interna, apresenta em poucas páginas o que um cristão e uma cristã devem saber: Mandamentos, Credo, Pai Nosso, significado do batismo, confissão dos pecados e Ceia do Senhor”.

Poucos textos como este “contribuíram para moldar a fé evangélica – continua o texto -. Já no século XVI foi traduzido para muitas línguas, inclusive o italiano.

Em 1555 olímpia morato (ou morata), nobre italiana de sentimentos evangélicos, pediu Pier Paolo Vergério traduzir o livro para o italiano, para que seja de grande utilidade «para os nossos italianos, especialmente para os jovens». Vergerio não pôde conceder o pedido, nem outros depois dele. O que apresentamos é a primeira (e por enquanto única) tradução para a nossa língua”.

O apresentado por Claudiana é a segunda edição atualizada com a adição do texto original em alemão.

FORMA. Martinho Lutero (1483-1546)

Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Exército de Salvação em Torre Pellice (TO).  O longo caminho para a obediência

Exército de Salvação em Torre Pellice (TO). O longo caminho para a obediência

Roma (NEV), 19 de abril de 2023 - De sexta-feira, 21 a domingo, 23 de abril, na Torre Pellice, na província de Turim, o Exército de Salvação (EdS) oferece três dias de aprofundamento, workshops, leituras e uma vigília de oração. Organizado e coordenado pelo setor Juvenil do Exército de Salvação Italiano, na pessoa dos capitães Christopher e Jessica Welcha iniciativa conhecida como "Equipar" está na sua sexta edição e tem como título "O longo caminho para a obediência".“O tema escolhido este ano é o da obediência – explica o capitão Jessica Welch em fai.info.it -, um tema infelizmente um pouco negligenciado hoje, mas que é importante. Naturalmente, a iniciativa está aberta a todos, saudáveis ​​e não saudáveis, dos 15 aos 95 anos, e visa dar aos crentes as ferramentas e oportunidades para crescer na fé e aprender a vivê-la intencionalmente na vida cotidiana para o avanço do Reino de Deus". Três dias intensos, explica Welch, que a partir do estudo de Atos 2, 42-47 serão divididos em "oficinas, por exemplo sobre como se relacionar com os jovens de hoje ou como se relacionar com refugiados, e na experiência de um clube de o livro através da leitura comum de alguns capítulos do volume de Eugene H. Peterson [il teologo presbiteriano, ndr] 'Obedecer por muito tempo e em uma só direção'. Também faremos uma vigília de oração de revezamento de 24 horas em uma tenda montada para esse fim. Além de mim e do meu esposo Cristóvão – conclui o capitão -, os demais maestros serão os tenentes-coronéis André e Darlene Morgan à frente do comando Itália e Grécia do Exército de Salvação, o capitão Sarah Ilster da Letônia e Capitão eu temo galustiano, responsável pela Juventude do Leste Europeu, sem esquecer o Coretto Valdese da Torre Pellice”. Mais informações: Whatsapp +39 3913728079 ...

Ler artigo
17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”. “A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades - pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar - mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”. Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos. 17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus. ...

Ler artigo
Religiões no hospital.  Integrar a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado

Religiões no hospital. Integrar a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado

Foto de Branimir Balogović - detalhe, Unsplash Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – O pastor valdense Sérgio Maná será o convidado do terceiro e último encontro do ciclo de seminários relacionados com o projeto “Religiões no hospital. Integrando a espiritualidade e a medicina nas práticas de cuidado”. Sergio Manna é, entre outras coisas, capelão hospitalar e formador de pastoral clínica. Abaixo do panfleto. O seminário, de forma virtual, será realizado no dia 26 de fevereiro, das 16h às 18h, palestrantes Sergio Manna pela Faculdade Valdense de Teologia e Paulo Fini, para a pastoral da saúde da diocese de Turim. Moderado Cristina Vargas da Fundação Fabretti. Organizado pelo laboratório de pesquisa CRAFT da Universidade de Torino, o ciclo é financiado pela Fundação CRT. “A pesquisa visa iniciar um projeto piloto para a capacitação de profissionais de saúde sobre as necessidades religiosas e espirituais dos pacientes hospitalares. Em particular, com referência à Cidade da Saúde e Ciência de Turim. Isto, tendo em vista o crescente pluralismo religioso da região de Turim – lê-se na apresentação da iniciativa -. Pretende-se contribuir para a promoção do bem-estar da comunidade com vista à inclusão e coesão”. Boas práticas inter-religiosas na atenção à saúde Um exemplo de boas práticas inter-religiosas na área da saúde é representado pelo Manifesto Inter-religioso dos direitos nas vias de fim de vida. Este é o primeiro documento bioético que estabelece importantes fundamentos comuns. O Manifesto reuniu protestantes, católicos, ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e hindus. Define nove direitos fundamentais e garante, além do tratamento, o respeito à dignidade e o apoio religioso e espiritual aos que se encontram em fase final de vida nas unidades de saúde. Pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o presidente, pároco, assinou o Manifesto Luca Maria Negro. Em seus dois anos de vida, o documento teve inúmeras subscrições sucessivas e a criação de um grupo de trabalho para definir os procedimentos operacionais. Baixe a ficha: Nove direitos nos caminhos do fim da vida ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.