que a voz das mulheres seja profética e poderosa

que a voz das mulheres seja profética e poderosa

Mirella Manocchio – foto cedida por Laura Caffagnini

Roma (NEV), 27 de março de 2023 – À margem do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entrevistamos o novo presidente eleito, o pastor metodista Mirella Manocchio.

Começa seu mandato como presidência da FDEI. Emoções, reservas, expectativas, desejos?

A emoção é grande. Pela primeira vez tenho a oportunidade de colaborar com muitas mulheres. Espero poder formar com eles uma boa equipa de trabalho, para poder não só dar continuidade como concretizar o trabalho da anterior Comissão Nacional, a quem agradeço profundamente. A esperança é que as mulheres consigam cada vez mais ser uma voz profética nas nossas igrejas, fora das igrejas, no território. Então, tanto local quanto nacionalmente. Em suma, espero que possamos colaborar com todas as realidades sem setorizar ou fechar. Precisamos de um trabalho 360°.

Suas reflexões sobre o conceito de poder. O que as mulheres FDEI podem fazer? Na sua opinião, como a liderança feminina expressa e afeta as igrejas (e a sociedade)?

O poder do FDEI pode ser o do verdadeiro serviço. O poder para os crentes não deveria existir, mas existe no serviço. O poder pode ser o apoio a todas as mulheres, comunidades e sociedade. E podemos fazê-lo com poder, que é diferente de “poder”. É preciso poder, indo até “forçar”, onde é preciso, aqueles que são papéis e regras que não permitem que a palavra de Deus expresse sua força e a esperança que Deus nos dá flua livremente.

Que conteúdos surgiram no congresso em vista do próximo quadriênio e quais você considera prioritários?

Em primeiro lugar, pretendemos continuar a trabalhar questão da violência masculina contra a mulherem todas as suas nuances. O objetivo é superar o vício, a violência econômica e psicológica, a violência física e todas as formas de discriminação. Então queremos contribuir para a formação. Precisamos começar a educar desde cedo, tentar quebrar certos estereótipos e cultivar uma cultura de igualdade e paridade. A questão é fazer com que nossas esplêndidas diferenças sejam vividas como um enriquecimento, como algo maravilhoso que o Senhor nos deu para cultivar. E não como ferramenta da inferioridade de alguém.

Então, é fato que estamos em um país multicultural. Nossas igrejas são multiculturais. Também aqui as nossas diferenças não devem ser aplainadas, mas valorizadas. Falamos sobre diferenças denominacionais e origens culturais que precisam trabalhar e jogar juntas. Sobre multiculturalismo e a presença de mulheres estrangeiras em nossas igrejas, nossas reuniões e congressos devem ser estruturados de forma a permitir a todas as nossas irmãs uma participação mais ampla e simples, adaptando a linguagem, temas e horários nesse sentido. Também é preciso dizer que vivemos em um país onde há pluralidade de religiões. Este aspecto deve realmente ser enfatizado, realçado e enriquecido.

finalmente, o criada. Diz-se que as mulheres “se cuidam”. Sim, é verdade, e talvez também isso seja fruto de estereótipos. Porém vamos encarar de forma positiva: queremos cuidar da criação. E não queremos fazer isso sozinhos. Obviamente há jovens, que já estão fazendo muito isso dentro de outras estruturas. Existem muitas realidades, por exemplo, dentro da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), que lida com essas questões há décadas. Queremos ser mais uma peça neste trabalho e estar operacionais de forma a ajudar e apoiar as nossas comunidades e todos os locais onde as mulheres se encontram. E queremos manter a atenção alta de um lado para a criação e do outro para paz e para um mais amplo justiça social e de gênero.


Esta entrevista é feita em colaboração com Laura Caffagninique também assinou uma reportagem do Congresso da FDEI em Riforma.it – abaixo, uma galeria de imagens (foto cedida por Laura Caffagnini).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia) Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 - Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes. Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que "ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários." Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória. “O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca. “Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC. Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20. ...

Ler artigo
Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um 'inverno ecumênico'. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem. Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça. Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati) “Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou", disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade. “No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”. A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano. O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes. ...

Ler artigo
A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

Foto Dimitri Karastelev - Unsplash Roma (NEV), 27 de abril de 2020 - Ao final do "culto via Zoom" (ZoomWorship) de ontem, após a pregação do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroe a pastora Dorothea Mülller, membro da Mesa Valdense, os quase trezentos participantes puderam compartilhar algumas orações. Dentre elas, destacamos a invocação de Irene Grassimembro da igreja valdense de Pisa, que lida com comunicação e arrecadação de fundos na vida. "Deus de amor,venha visitar-nos nas casas das quais não podemos sair – ou das quais olhamos rapidamente, cautelosamente, com os rostos tapados. Venham abraçar-nos um a um, positivos e negativos, doentes e assintomáticos, trabalhadores essenciais e mães trabalhadoras inteligentes, desempregados e contribuintes, raparigas e rapazes com o nariz encostado à janela. Venha nos recolher do sofá, ou do chão, apertar nossas mãos com força, sacudir, soprar.Floresça nele. Venha e sente-se em nossas bolhas de quase dois metros e prepare-nos para quando, em breve, encontraremos as glicínias murchas e nossos companheiros a uma distância segura. Venha puxar nossos cabelos quando esquecemos que os outros não são nossos vizinhos, nós somos seus vizinhos: o corredor, a policial, a enfermeira, o traficante, a moradora de rua, o presidente Conte. Venha desvendar nossas Bíblias e nos mostrar a Palavra que pensávamos conhecer. Vem tomar-nos pela mão e levar-nos para fora, para combater a injustiça, a violência, a opressão, e depois a solidão, a angústia, a dor, respeitando a distância física, e por isso com mais força, com mais audácia, com mais firmeza. Venha e sente-se em nosso lugar na igreja, quando voltarmos à igreja, para que possamos ser forçados a vagar procurando um novo lugar; para nos convencer da necessidade de construir uma nova igreja, um novo mundo, um gosto – totalmente melhorável! – daquele dia em que o Teu Reino virá, quando finalmente seremos curados. Até lá, que o Teu Espírito nos guie e perfure todas as máscaras." Detalhe dos vitrais de Paolo Paschetto na igreja valdense na Piazza Cavour em Roma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.