que a voz das mulheres seja profética e poderosa

que a voz das mulheres seja profética e poderosa

Mirella Manocchio – foto cedida por Laura Caffagnini

Roma (NEV), 27 de março de 2023 – À margem do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entrevistamos o novo presidente eleito, o pastor metodista Mirella Manocchio.

Começa seu mandato como presidência da FDEI. Emoções, reservas, expectativas, desejos?

A emoção é grande. Pela primeira vez tenho a oportunidade de colaborar com muitas mulheres. Espero poder formar com eles uma boa equipa de trabalho, para poder não só dar continuidade como concretizar o trabalho da anterior Comissão Nacional, a quem agradeço profundamente. A esperança é que as mulheres consigam cada vez mais ser uma voz profética nas nossas igrejas, fora das igrejas, no território. Então, tanto local quanto nacionalmente. Em suma, espero que possamos colaborar com todas as realidades sem setorizar ou fechar. Precisamos de um trabalho 360°.

Suas reflexões sobre o conceito de poder. O que as mulheres FDEI podem fazer? Na sua opinião, como a liderança feminina expressa e afeta as igrejas (e a sociedade)?

O poder do FDEI pode ser o do verdadeiro serviço. O poder para os crentes não deveria existir, mas existe no serviço. O poder pode ser o apoio a todas as mulheres, comunidades e sociedade. E podemos fazê-lo com poder, que é diferente de “poder”. É preciso poder, indo até “forçar”, onde é preciso, aqueles que são papéis e regras que não permitem que a palavra de Deus expresse sua força e a esperança que Deus nos dá flua livremente.

Que conteúdos surgiram no congresso em vista do próximo quadriênio e quais você considera prioritários?

Em primeiro lugar, pretendemos continuar a trabalhar questão da violência masculina contra a mulherem todas as suas nuances. O objetivo é superar o vício, a violência econômica e psicológica, a violência física e todas as formas de discriminação. Então queremos contribuir para a formação. Precisamos começar a educar desde cedo, tentar quebrar certos estereótipos e cultivar uma cultura de igualdade e paridade. A questão é fazer com que nossas esplêndidas diferenças sejam vividas como um enriquecimento, como algo maravilhoso que o Senhor nos deu para cultivar. E não como ferramenta da inferioridade de alguém.

Então, é fato que estamos em um país multicultural. Nossas igrejas são multiculturais. Também aqui as nossas diferenças não devem ser aplainadas, mas valorizadas. Falamos sobre diferenças denominacionais e origens culturais que precisam trabalhar e jogar juntas. Sobre multiculturalismo e a presença de mulheres estrangeiras em nossas igrejas, nossas reuniões e congressos devem ser estruturados de forma a permitir a todas as nossas irmãs uma participação mais ampla e simples, adaptando a linguagem, temas e horários nesse sentido. Também é preciso dizer que vivemos em um país onde há pluralidade de religiões. Este aspecto deve realmente ser enfatizado, realçado e enriquecido.

finalmente, o criada. Diz-se que as mulheres “se cuidam”. Sim, é verdade, e talvez também isso seja fruto de estereótipos. Porém vamos encarar de forma positiva: queremos cuidar da criação. E não queremos fazer isso sozinhos. Obviamente há jovens, que já estão fazendo muito isso dentro de outras estruturas. Existem muitas realidades, por exemplo, dentro da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), que lida com essas questões há décadas. Queremos ser mais uma peça neste trabalho e estar operacionais de forma a ajudar e apoiar as nossas comunidades e todos os locais onde as mulheres se encontram. E queremos manter a atenção alta de um lado para a criação e do outro para paz e para um mais amplo justiça social e de gênero.


Esta entrevista é feita em colaboração com Laura Caffagninique também assinou uma reportagem do Congresso da FDEI em Riforma.it – abaixo, uma galeria de imagens (foto cedida por Laura Caffagnini).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

O Sínodo dos Luteranos de 28 de abril a 1º de maio

Roma (NEV), 26 de abril de 2022 - A 23ª sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) acontecerá em Roma de 28 de abril a 1º de maio de 2022, no hotel Villa Aurelia, Via Leone XIII, 459. O mais alto órgão de soberania do CELI regressa assim à presença que, este ano, assistirá à eleição de um novo Reitor e à despedida do anterior P. Heiner Bludau que guiou a Igreja durante a pandemia. Composto por mais de 50 membros deliberativos, o Sínodo também receberá vários convidados do mundo protestante italiano e europeu. Como de costume, o Sínodo terá um tema de referência que, para a sessão de 2022, será: “Liberdade e responsabilidade”. “A partir da admoestação do apóstolo Paulo, os cristãos são chamados à liberdade para permanecer livres: Cristo libertou-nos para a liberdade. Um compromisso antigo que hoje assume características novas e significativas não só depois de um período em que as liberdades individuais tiveram de se readaptar progressivamente às regras de contenção do contágio; mas, ainda mais, num momento histórico em que a liberdade dos povos, as liberdades coletivas, correm o risco de ser silenciadas pelas guerras, antigas e novas, pelo desespero, pela morte”, lê-se na apresentação da nomeação evangélica. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) nasceu logo após a Segunda Guerra Mundial, mas as comunidades que permitiram seu nascimento já estavam presentes na Itália desde 1650. Hoje existem 15 comunidades luteranas na Itália: "uma presença enraizada no país de norte a sul, realizada não só através do testemunho de fé que caracteriza esta confissão de protestantismo histórico, mas também e sobretudo através do compromisso civil e laical de apoiar ao próximo, cultural e social juntos”, continua o comunicado de lançamento do evento. Para mais informações: FACTSHEET A Igreja Evangélica Luterana na Itália ...

Ler artigo
Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Foto: Proteção Civil Roma (NEV), 19 de maio de 2023 - "Mais uma vez vemos as pesadas consequências da mudança climática em nosso país - declara o pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que expressou proximidade “aqueles que tiveram que deixar suas casas ou viram seu trabalho comprometido. Acima de tudo, proximidade e solidariedade com aqueles que hoje choram seus entes queridos. Esperamos que todos possam ser salvos graças aos esforços dos socorristas, cujo compromisso é mais do que precioso. Então – continuou Garrone – será uma questão de reconstrução, com entusiasmo e previsão. Um esforço do qual as igrejas evangélicas pretendem participar”. Para contribuir para ajudar a população da Emilia Romagna, a FCEI abriu uma assinatura, é possível fazer uma transferência bancária com o motivo "Assinatura da Emilia Romagna" para a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - Via Firenze 38, 00184 Roma, IBAN : TI 26 X 02008 05203 000104203419 ou via PayPal, aqui: Aqui estão algumas vozes e testemunhos das igrejas protestantes das áreas afetadas pela enchente. artigo anteriorEscuta, diagnóstico e tratamentoPróximo artigoApelo às Igrejas Europeias para o Dia Mundial do Refugiado Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 13º dia.  Mulheres atrás das grades: é a vida?

16 dias para superar a violência, 13º dia. Mulheres atrás das grades: é a vida?

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 7 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 13: 7 DE DEZEMBRO Mulheres atrás das grades: isso é vida? SOLICITARdiscutir Como tornar visível não apenasas condições das mulheres nas prisões, mas também suas vidas? Helena, 39 anos euA primeira coisa que eles fazem aqui é privá-lo deseus afetos. não consigo receber telefonenascido, nem tem entrevistas. Mas eu redescobriàs cartas. As pessoas de fora apenas assistem aos crimes, ele não sabe por que os fizemos, ele não sabe os nossos história por trás, ele não sabe que somos seres humanos. Poucas pessoas acabam atrás das grades na Itália mulheres (4,5%), maioritariamente estrangeiras e provasnada da periferia da sociedade. Suas células eles são pequenos e superlotados, raramente banheiros eles têm o bidês, indispensável para a higiene íntimamas, o fornecer espaços adequados para crianças. O controle dos guardas não raramente flui em assédio sexual, estupro ou mesmo brutalidadelivre (dois casos marcantes: um detido feito dar à luz algemado, outro arrastado nupousar em água fria por agentes masculinos). Numerosos suicídios! Uma carta composta de março passado 31 reclusos da prisão "Le Vallette" em Turim: eles corajosamente pediram às instituições que ter em conta o agravamento das suas condiçõesprisões após a pandemia e de aumentar a liberação antecipada de 45 para 75 dias. Uma medida, esta, utilizada de 2010 a 2015 devido à superlotação (proproblema endêmico) que pode ser concedida para bom comportamento. “Nosso confinamento da Covid foi prestado muito pesado do ponto de vista psicológico ede afetividade: temos estado ainda mais isolados» rcita uma passagem do texto: «pedimos parareconhecer a todos nós a dignidade de sermos citadostadines e não apenas números». VERSÍCULO BÍBLICO Cinco pardais não podem ser vendidos por dois centavos? No entanto, Deus não se esquece de nenhum. Deus também sabe o número de cabelos em sua cabeça. Portanto, não tenha medo: você vale mais do que muitos pardais. (Lucas 12, 6-7) COMENTE O Novo Testamento contém muitos exemplos e muitas parábolas para indicar o amor de Deus. Para todos nós, nos momentos mais difíceis e tristes de nossas vidas, devido à solidão, medo, doença, isolamento, desânimo e desânimo, este versículo de Lucas pode representar uma certeza e uma promessa: você vale, você vale muito. Eu sei da situação em que você está e garanto que não vou te abandonar. Não tenha medo, eu te conheço completamente, com seus pensamentos, seus problemas, seus defeitos e seus dons. Estarei perto de você, não tema os homens, mas tema (procure) a mim. Quando criança, o fato de Deus nos conhecer tão profundamente me preocupava, até que percebi que esta palavra não é uma expressão para admoestar, mas para manifestar o amor imenso e incondicional que Ele reserva para nós. Não preciso me preocupar com meus erros e meus limites, mas buscar o bem e vivê-lo e o apoio DELE não falhará. ORAÇÃO Deus Pai e Mãe,As prisioneiras são amavocê se dá como suas filhas,você os ama e os respeita como cada um de nós.Sabemos que eles estão enfrentandolevando uma vida muito difícil.Dê-nos o entendimento corretoe a sensibilidade para ficar com elesconcretamente perto.por favor,livra-nos de ruime curar os deles e nossas feridas.Ajude-nos a não perder o coragem e tenacidadePara construir um futuro melhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.