Sexta-feira Santa: esperança e devoção

Sexta-feira Santa: esperança e devoção

foto pxfuel

Roma (NEV), 7 de abril de 2023 – Publicamos o texto do sermão do pastor Raffaele Volpe foi ao ar esta manhã na RAI Radio1 no episódio especial da Sexta-Feira Santa do “Culto Evangélico”. O pastor acompanha-nos numa viagem até ao túmulo de Jesus, selado por uma pedra inamovível, símbolo do limite intransponível da esperança e devoção humanas.


Depois do sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para ir ungir a Jesus e, bem cedo, na manhã do primeiro dia da semana, foram ao sepulcro ao nascer do sol. E diziam entre si: Quem rolará para nós a pedra da abertura do sepulcro?“, (Marcos 16:1-3a).


Um querido amigo meu, há algum tempo, disse-me, sem rodeios: “Por que vocês, pastores, pregam tão pouco sobre a morte?“. Não tanto sobre a morte em sentido genérico, mas sobre a morte, a real, aquela que te toca, de um ente querido, por exemplo. Morte que, como disse o escritor-poeta Cesare Pavese “ela nos acompanha de manhã à noite, insone, surda, como um remorso antigo ou um vício absurdo“.

O pastor Raffaele Volpe

Quando cheguei ao hospital pediátrico “Anna Meyer” em Florença para uma reunião sobre doença e espiritualidade, senti minhas costas cobertas pelo anúncio da ressurreição, mas não estava realmente preparado para lidar com histórias de meninos e meninas com câncer. Como Nicolau que teve leucemia fulminante e, após uma noite conturbada na enfermaria do hospital, morreu na manhã seguinte nos braços da mãe. E as palavras da mãe que o médico de Niccolò compartilhou conosco nunca me deixaram: “A vida realmente é um mistério! Mas se não entrarmos e mergulharmos neste mistério, nunca seremos capazes de dar sentido à vida”.

E o sofrimento de Lorenzo, de apenas dezesseis anos, encerrado em um silêncio inatingível. Fechado em seus fones de ouvido e envolto em seu capuz preto havia cortado os laços com todos, só restava seu olhar perdido no espaço. O próprio médico de Niccolò também nos contou sobre Lorenzode sua doença incurável e de seu sofrimento e nos disse: “O silêncio de Lorenzo me ensinou que o sofrimento deve ser compartilhado para ser, não superado, ao menos aceito. O sofrimento não tem razão, não é possível compreendê-lo, menos ainda quando se trata de uma criança, mas podemos aprender a tentar entendê-lo, precisamente no sentido de tomá-lo juntos, podemos encarregar-nos dele juntos, podemos vivê-lo lado a lado”.

E assim foi com Clarodezoito anos, mesmo para ela sua doença não teria deixado nenhuma chance de recuperação, mas ele havia decidido que deixaria esta vida com um sorriso no rosto. Ele se propôs o que Paulo chamou de uma esperança contra a esperança e, de fato, sua esperança se tornou aquele pequeno projeto de sua vida: morrer com um sorriso. O médico de Niccolò, Lorenzo, Chiara e muitos outros nos falou sobre o sorriso de Chiara com estas palavras: “Chiara nos deixou, mas nos deixou com suavidade, apenas com um sorriso como ela queria. Gosto de sublinhar que nesse sorriso está toda a beleza do ser humano. Toda grandeza. É incrível: a plenitude da vida é possível mesmo quando ela não tem esperança, desde que seja iluminada por um pequeno rastro de esperança”.

imagem Creative Commons

É verdade, meu amigo estava certo, nós pastores não pregamos o suficiente sobre a morte e então, nesta manhã, gostaria de tentar fazê-lo começando com uma pergunta: Como é olhar para Jesus do ponto de vista de sua morte? Não tanto para resolver a questão em altos níveis teológicos, questionando-nos sobre o significado da morte na cruz do Filho de Deus, mas do ponto de vista de nós humanos diante da morte.

A Sexta-Feira Santa também é um momento que nos foi dado para isso, para parar e sentir o que acontece dentro de nós quando nos deparamos com a morte.. E não só o que acontece dentro, mas também o que acontece fora, logo em seguida. O que fazemos diante da morte? O Evangelho de Marcos fala de um processo de devoção que ocorre. Devoção ao corpo agora sem vida de Jesus.Devoção não é uma palavra da moda hoje. Vem de “voto” que significa promessa, compromisso. A devoção indica uma obrigação que ninguém lhe impôs, mas que você escolheu livremente.

imagem Creative Commons

Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e Salòme escolhem fazer um gesto de devoção: dando atenção amorosa ao corpo do Cristo morto. A devoção é o traço humano mais nobre diante da morte. É o grito de dor que se transforma em gestos de piedade para com os corpos sem vida dos afogados no mar, os corpos jovens dos soldados desfigurados ao longo da frente da idiotice. Gestos de devoção a um ente querido que está morrendo lentamente devido a um tumor. É uma devoção sem esperança. Desesperado. Porém, cheio de gestos de amor, solidariedade, compaixão. Às vezes me pergunto, assustado, e se nós, humanos, perdêssemos até mesmo essa devoção desesperada? O que sobraria se perdêssemos tudo isso?

Os três amigos de Jesus estavam desesperados. Elas haviam perdido sua professora, sua amiga, aquela que as acolheu como mulheres em seu movimento sem nenhuma discriminação. Aquele Jesus que lhes dera o precioso dom da esperança. Esperança de uma vida melhor, mais justa, mais bela. Esse mesmo Jesus foi espancado, torturado, insultado e depois crucificado e com ele, na cruz, morreu também a esperança.

Os três amigos de Jesus estavam desesperados, mas não paralisados. Doloroso, mas não imóvel. Aquela marcha lenta em direção ao túmulo foi um grito de protesto, um gesto político. A deles era uma devoção rebelde. Eles não teriam deixado o corpo de seus entes queridos sem nenhum cuidado. Como Antígona, eles colocam a lei da humanidade antes da lei do rei. A devoção é um traço profundamente humano de resistência contra toda violência. E embora ela esteja desesperada, ela mantém uma semente de esperança.

Desenho de Francesco Piobbichi

A esperança de que não volte a acontecer uma mulher ser morta nas mãos de qualquer caim. A esperança de que você não precise ir trabalhar de manhã e nunca mais voltar para casa à noite. A esperança de que alguém irá resgatá-lo no mar além de onde você vem. A esperança de permanecer humano mesmo diante da morte, não além da morte. Porque a nossa competência humana pára antes de chegar ao rio Estige. Ou, para usar palavras que vêm do Evangelho de Marcos, temos que parar diante do túmulo porque não temos o poder de rolar a pedra.

As três mulheres se perguntam: “Quem nos removerá a pedra da abertura do sepulcro?”. Esta pergunta representa o limite intransponível de todas as nossas devoções. O limite da nossa indignação. O limite da nossa dor. O limite do nosso protesto. Um limite do qual estamos plenamente conscientes. Limite intrínseco à Sexta-Feira Santa, em que, no jogo de xadrez, a morte leva a vantagem do primeiro lance.

Porém, o jogo ainda é longo e terminará no Domingo de Páscoa, quando Deus dará o último lance, e dará o xeque-mate na morte. Mas antes disso devemos reunir todas as nossas forças humanas e continuar nossa luta contra todo o mal. Acolher o desafio, sem a presunção fanática de quem não sabe aceitar o limite da Sexta-Feira Santa e sem a entrega desesperada de quem não quer mover as peças do xadrez porque sabe que não poderá vencer . Estamos enfrentando o apesar de tudo da Sexta-Feira Santa que só se conta contando uma história.

A história de Abençoado, mãe de Marta, falecida em 2005, depois de passar quatro dias e quatro noites na unidade de cuidados intensivos. “Quando a Marta morreu, conheci uma mulher […] que havia perdido o filho recentemente e me disse: ‘Benedetta, olhe para mim! Eu estou vivo! Você vai sobreviver também!’ Jamais esquecerei: naquele momento eu estava olhando para uma mãe que havia perdido seu filho e sobrevivido, ela estava ali na minha frente em carne e osso, tomada pela dor, mas ainda vivae me pediu para olhar para ele. Ela havia sobrevivido lindamente, porque era uma mulher ainda com tanta energia e vida, era a própria imagem da vida e da vitalidade. Esta é a esperança.”

As palavras da mãe de Marta, Benedetta, convidam-nos a debruçar-nos sobre a morte, sem pressa, neste dia que dedicamos à memória da cruz de Jesus.Debruçar-nos sobre a devoção humana perante a morte. Aqueles gestos de amor e solidariedade que nos mantêm humanos mesmo em um tempo violento e desumano. Amém!


Oremos: Deus da vida, ensina-nos a permanecer humanos mesmo diante da morte. Ensina-nos a arte da compaixão e da devoção. Ensina-nos a não olhar para o outro lado. Transforma-nos em mulheres e homens que ainda sabem se indignar diante da violência e que não querem ficar de braços cruzados. Fazei com que não nos afastemos e não mudemos nossos caminhos diante do sofrimento daqueles que não podem se defender. Que a morte de Jesus nos recorde a dor de um homem pendurado injustamente na cruz, na companhia de uma longa fila de vítimas. Hoje, Sexta-Feira Santa, torna-nos humanos, Senhor. Amém.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Roma (NEV), 14 de abril de 2021 – A campanha Otto per mille deste ano da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense será um vídeo de animação exclusivamente feminino. O diretor de arte da campanha é o cartunista e jornalista gráfico Takoua Ben Mohamedque desenvolveu um storyboard com "as mulheres protagonistas", partindo de uma ideia da agência Web&com de Sérgio Veludo. Um spot animado com cerca de um minuto será, assim, o instrumento da campanha de comunicação oito por mil, da qual podemos antecipar alguns dos conteúdos e que será lançada nas próximas semanas. Objetivo: explicar como são utilizados os recursos do Otto per mille (OPM) da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense e porque é cada vez mais importante escolher a quem destinar, na hora de preencher a declaração de imposto de renda. “É um projeto – explica o autor – no qual trabalhei com um animador e outro designer, Lorenzo Zanotti E Federica Franceschini, tentando contar meu ponto de vista, em uma narrativa exclusivamente feminina, sobre como os recursos do OPM são usados. Falamos, pois, de social mas não só, também, indirectamente, de cidadania e de novas gerações. Uma história coral, também ambientada durante o confinamento, que vê as mulheres como protagonistas da esperança e da mudança”. E mudança é justamente a palavra de ordem da campanha OPM 2021. “Sentimos a necessidade de mudar – explica Manuela Vinay, chefe da Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense (OPM) – . Talvez a pandemia tenha nos levado a nos questionarmos mais sobre o que podemos e devemos fazer e 'mudar' foi a primeira palavra-chave. Daí também a escolha das bandas desenhadas, de que gostamos de imediato também porque associámos de imediato à obra do Takoua que tanto apreciamos. O outro termo que tem nos guiado é 'responsabilidade', só podemos dar uma contribuição maior para melhorar o mundo em que vivemos com um forte senso de responsabilidade compartilhada. E a partilha é a outra chave de compreensão: não estamos sozinhos, a nossa força não vem só da fé, mas também das pessoas que acreditam em nós. Cada um deve fazer a sua parte, quem assina o 8×1000, quem repassa o dinheiro, quem gasta. Juntos podemos continuar a fazer muito, e melhor. Espero que a pandemia possa “despertar” um sentimento de cidadania ativa em muitas direções, incluindo a vontade de expressar uma escolha, uma assinatura para o 8×1000 mas não só”. Takoua Ben Mohamed é um cartunista e jornalista gráfico nascido em Douz, Tunísia, e criado em Roma. Ela é a autora das obras “História de Mulher” (2015), "Sob o Véu" (2016), "A Revolução de Jasmim" (2018), “Outro caminho para o Camboja” (2020), os três últimos lançados pela editora BeccoGiallo. Em 2019 produziu o documentário Estilo Hejab para o Canal de Documentários Al-Jazeera, veiculado pela emissora em 2020. Há mais de dois anos colabora com a revista e centro de estudos Confronti. Próximos compromissos profissionais do autor, "em meados de maio um novo livro intitulado"Meu melhor amigo fascista” e uma campanha europeia contra a islamofobia, com particular enfoque nas mulheres muçulmanas”. Para todas as informações sobre como assinar e como os fundos OPM valdenses e metodistas são alocados: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca: aberta, gratuita, democrática

100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca: aberta, gratuita, democrática

Foto Karel Cudlin / Igreja Hussita Tchecoslovaca Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) expressou seus mais calorosos votos à Igreja Hussita da Tchecoslováquia, que é seu membro aderente. “É inspirador para nós testemunhar os 100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca a serviço de Deus e da humanidade”, disse o secretário geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen. “Com nossos irmãos e irmãs na República Tcheca, celebramos esta data juntos, agradecendo pelas contribuições históricas feitas à unidade cristã e à liberdade evangélica por esta igreja membro. Enviamos nossas orações por sua jornada ecumênica continuada”, acrescentou. Fundada em 1920, a Igreja Hussita Checoslovaca professa a antiga tradição do cristianismo primitivo, de Cirilo e Metódio, e refere-se aos ensinamentos de Jan Husda Reforma, da João Amós Comeniusdo movimento modernista e da herança espiritual e humanística de Tomáš Garrigue Masaryk. No dia 11 de janeiro, uma celebração foi realizada na igreja de São Nicolau em Praga. Mais estão planejados A Igreja Hussita da Checoslováquia, no contexto do seu aniversário, aprovou o documento "Igreja e sociedade", que entre outras coisas sublinha a sua característica de Igreja aberta à sociedade, aos valores da liberdade e da democracia, "consciente da sua proximidade vínculos com o judaísmo e a necessidade de buscar o entendimento entre as religiões e desenvolver o diálogo com a sociedade, que muitas vezes rejeita a religião a priori". A Igreja Hussita da Tchecoslováquia, diz o documento, cuida do mundo “na proclamação do Evangelho, por meio da pregação e do trabalho missionário, difundindo o conhecimento da Bíblia e cultivando o pensamento religioso, promovendo a teologia acadêmica, por meio da diaconia, atividades caritativas e sociais” com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas, também por meio da educação e de atividades culturais. Jan Hus (1370-1415) foi um teólogo e mártir. Chegando a Constança com um salvo-conduto imperial para apresentar suas teses de reforma da igreja perante o Concílio reunido na cidade alemã, Hus foi preso, declarado herege e queimado na fogueira em 6 de julho de 1415. Considerado um expoente do chamado Primeira Reforma - isto é, a que precedeu a Reforma Protestante do século XVI e que incluiu também o movimento valdense medieval -, Jan Hus continua sendo uma figura chave na história da Boêmia e da Europa, tanto do ponto de vista cultural - por sua teologia, ideias filosóficas e educacionais - e históricas/políticas. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 - Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares - para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra - fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos. Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.