XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma

Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é “Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11).

O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso.

Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição.

“Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os ‘insiders’ não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss.

Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. “Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo – continua o pároco – partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo.

Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio “A raiz e a seiva da oliveira” (“A caminho de um novo ecumenismo”, anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: “Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu”.

Foto Achim Ruhnau – Unsplash
Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II.

A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: “Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982.

A esse respeito, Goss aponta: “A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo”. Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”.

Para saber mais

Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora.

Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss.

EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção)

Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros.

No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema “Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE.

Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo dos Bispos.  Uma igreja de serviço e não de poder

Sínodo dos Bispos. Uma igreja de serviço e não de poder

foto JW/Unsplash Roma (NEV), 2 de novembro de 2018 - "Uma experiência de verdadeira fraternidade, um Sínodo de abertura e escuta, que, apesar das mediações necessárias e das óbvias resistências, refletiu corajosamente sobre uma Igreja de serviço e não de poder, participativa e não clerical” o pastor valdense declarou à agência NEV Marco Forneronerepresentante ecumênico da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas no Sínodo dos Bispos encerrado em 28 de outubro. Marco Fornerone (à esquerda) com frère Alois Loeser, Mauro Giorgio Giuseppe Lepori e David Bartimej Tencer. Sala de Imprensa do Vaticano, 17 de outubro de 2018 A XV Assembleia Geral Ordinária sobre "Os jovens, a fé e o discernimento vocacional" produziu, em um mês de trabalho, o Documento Final que representa um afresco de vozes e intenções, como se depreende dos 167 artigos que abordam temas como identidade, relações intergeracionais e ecumênicas, papel da mulher na Igreja, vocação, missão, formação, migrações, sexualidade, corpo, trabalho, violência, economia. Os resultados das votações mostram uma unidade substancial na maioria dos temas e um debate acalorado em andamento em alguns outros: o papel das mulheres, a sinodalidade da igreja, o corpo e a sexualidade, a condição de solteiros. No site chiesavaldese.org Fornerone comenta as obras que acabam de ser concluídas. ...

Ler artigo
Não apenas orações.  Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Não apenas orações. Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Foto de Ismael Paramo - Unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2023 – Começa hoje a habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo até 25 de janeiro. O versículo da Bíblia escolhido para 2023 é retirado do livro de Isaías, capítulo 1 versículo 17: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça". Igrejas cristãs de todas as denominações, católicas, protestantes, ortodoxas, anglicanas… se encontram e trocam púlpitos. Uma oportunidade de entrar pela primeira vez em um templo, uma catedral, um mosteiro, uma igreja greco-ortodoxa ou uma paróquia católico-bizantina, enfim, um local de culto de uma igreja diferente, uma igreja "irmã". É uma semana em que falamos das injustiças, do racismo e dos conflitos de ontem e de hoje. Desde o assassinato de George Floyd à violência sofrida pelos nativos americanos, até a guerra na Ucrânia e em muitas outras partes do mundo. Também falaremos sobre como Deus, na Bíblia, se declara cansado de orações e sacrifícios hipócritas. O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, no vídeo de abertura da Semana, retomou o versículo de Isaías e comentou: “O povo é censurado por associar o culto à violência e ao abuso. E Deus diz: 'Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça'. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão”. “A unidade entre os cristãos pode ser de grande ajuda na luta contra as guerras e as violências que oprimem a todos. A ferida do mal pode representar mais um motivo para crescer como crentes profundamente inquietos que procuram encontrar respostas cristãs para os desafios do nosso tempo”, disse o cardeal Mateus Maria Zuppipresidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), entrevistado em chiesavaldese.org na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. O clima um tanto apocalíptico encontra luz justamente na jornada a dois. Parece que este ano o caminho ganhou força, com linguagens novas e compartilhadas. Será um renascimento pós-pandemia, será o desejo de nos encontrarmos novamente em comunhão, será o impulso para um novo ecumenismo determinado pela instabilidade social e econômica. O fato é que a pauta é muito densa e original. Entre as várias iniciativas, de Norte a Sul, contam-se também concertos, vigílias, encontros, mas também culto internacional, vigília com tochas, conferências, apresentação de livros e celebrações ecuménicas. Por exemplo, em Alba (na província de Cuneo), uma está marcada para amanhã noite de oração carismática ecumênica organizada pelo grupo "Renovação no Espírito" da diocese, juntamente com a Igreja Evangélica Pentecostal. Estão programados momentos dedicados às gerações mais novas, por exemplo, em Bolonha (dia 25) e Milão, onde no dia 21 as 18 vai ter um lleitura multi-voz de “O Conto do Anticristo” por Vladimir Sergeevich Soloviev apresentado por Estevão Caprioprofessor de Teologia Oriental, e discutido pelos jovens das igrejas cristãs milanesas, na Via Pinamonte da Vimercate 10. em Lucca, ssábado 21, atividades para crianças e adolescentes; “jornalistas ecumênicos para descobrir três personagens da tradição católica, ortodoxa e protestante. A partir das 15 na igreja de San Michele. Segue-se a oração ecumênica pelas crianças e famílias. Em Bari, no dia 19, uma conferência dentro do ciclo "Cidades da Bíblia, lugares da humanidade" sobre "Hebron, cidade de refúgio." Em Cantù (Como), no dia 18, após a celebração ecumênica, ele canta o coro da "Igreja Evangélica Apostólica da Nigéria". Clique AQUI para ver os compromissos na Itália ...

Ler artigo
“Igreja, peça desculpas a nós”.  A Carta das Mulheres Cristãs

“Igreja, peça desculpas a nós”. A Carta das Mulheres Cristãs

Versão em inglês, carta aberta: A Igreja nos pede desculpas. A paz mundial não pode existir sem hierarquias eclesiásticas pedindo desculpas às mulheres Français, lettre ouverte: Église donne-nous tes desculpas. La paix dans le monde ne peut se passe des desculpas aux femmes de la parte de la hiérarchie ecclésiastique Roma (NEV), 8 de julho de 2020 - Continua a chegar a carta aberta intitulada "A Igreja, desculpe-nos", que denuncia a estrutura patriarcal e androcêntrica das instituições religiosas e da sociedade. "Se a Igreja Católica teme um cisma dentro de si - devido às esquálidas manobras arquitetadas pelo conservadorismo - deve também questionar a possibilidade de um cisma por parte das mulheres" lê-se no preâmbulo da carta, que tem como subtítulo: "Paz na mundo não pode prescindir de desculpas às mulheres das hierarquias eclesiásticas". Nascida de uma "sede de justiça", a carta denuncia as ações e frases abusivas que foram reservadas às mulheres ao longo dos séculos, "um 'patrimônio' sem limites que designa um passado que pesa e não passa; cuja memória não deve ser apagada ou ignorada virando a página. Acreditamos que só a partir da assunção responsável destas afirmações é que os representantes do poder clerical masculino podem tomar consciência desta triste 'arqueologia' que os moldou”. A carta vem de mulheres crentes e destaca que “as relações entre mulheres e homens dentro da Igreja estão doentes há muito tempo, porque estão impregnadas de estereótipos rígidos sobre as mulheres: visões degradantes, que distorcem sua imagem negando sua integridade. A partir dessas premissas, a desvalorização do feminino é uma consequência lógica”. As mulheres pedem consciência e conversão, em nome de um "discipulado de iguais" bíblico. Entre as pessoas que aderiram ao documento estão freiras, religiosas, leigas, mulheres de movimentos ecumênicos, homens e até algumas protestantes, entre elas o pastor valdense Daniela DiCarloo pastor batista Gabriela Lio, Renate Zwick da Rede de Mulheres Luteranas e Claudia Angeletti, para a Associação Rosa Parks – centro cultural protestante. Entre os primeiros signatários, Paula Cavallari do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD), mulheres das Comunidades Cristãs de Base italianas e da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), e Anne Soupa, biblista, presidente do Comitê de la Jupe em Paris, que recentemente apresentou sua candidatura ao cargo de arcebispo de Lyon, recebendo o apoio de muitas mulheres católicas e protestantes em vários países europeus. Entre as assinaturas ilustres, também Antonieta Poderosa E Giancarla Codrignani. As mulheres pedem distância das "declarações insultuosas dos Padres da Igreja, Apologistas Cristãos ou Santos", relatando alguns exemplos. “Algumas violações graves cometidas pelo clero masculino (às vezes com a cumplicidade de mulheres consagradas) contra o sexo feminino” são listadas na carta. Entre elas, a exclusão do reconhecimento à imagem de Deus, as relações de dominação e submissão, a exploração do trabalho das mulheres consagradas como trabalho escravo sem reconhecimento econômico e social, espiritual, de consciência e abuso sexual, a demonização da feminilidade corporal e a construção da imagem da "mulher sedutora", para legitimar a visão segundo a qual as mulheres são responsáveis ​​pelas atitudes assediadoras/abusivas dos homens, pelo controle da sexualidade e do corpo feminino, pela indiferença em relação ao consumo de pornografia e de prostituição. A carta também se refere à falha na reforma da liturgia e da linguagem pastoral e catequética, que atualmente não reconhece a subjetividade das mulheres; às traduções questionáveis, se não totalmente errôneas, dos Textos Sagrados, "imbuídas de preconceito patriarcal"; à visão desequilibrada da relação homem/mulher "através da exclusão das mulheres não só dos ministérios, mas também de todos os órgãos de decisão dentro da Igreja". A carta conclui com um apelo, para que o reconhecimento de tais insultos “não seja uma simples declaração de princípio, mas seja acompanhado de atos concretos” para a geração, todos juntos, de uma nova visão cultural, que ponha fim à dramática fenômeno da violência contra a mulher e dos feminicídios. Fenômeno estritamente condicionado pelos fenômenos descritos acima. Para se inscrever e ler a carta aberta na íntegra, clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.