XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma

Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é “Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11).

O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso.

Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição.

“Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os ‘insiders’ não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss.

Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. “Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo – continua o pároco – partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo.

Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio “A raiz e a seiva da oliveira” (“A caminho de um novo ecumenismo”, anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: “Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu”.

Foto Achim Ruhnau – Unsplash
Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II.

A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: “Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982.

A esse respeito, Goss aponta: “A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo”. Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”.

Para saber mais

Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora.

Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss.

EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção)

Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros.

No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema “Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE.

Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia da Terra 2022 – Nevada

Dia da Terra 2022 – Nevada

Roma, 21 de abril de 2022 – Uma maratona multimídia de 14 horas para celebrar o 52º Dia Mundial da Terra. Amanhã, 22 de abril, da Nuvola di Fuksas em Roma em transmissão ao vivo em raiplay.it e diferida em vaticannews.va, o Dia da Terra Itália e o Movimento dos Focolares apresentam a terceira edição de #OnePeopleOnePlanet. O evento “enviará uma forte mensagem de esperança ao mundo e um importante apelo à ação para proteger o planeta. Mais uma vez os jovens estão no centro, os verdadeiros protagonistas da grande questão ambiental”, refere o comunicado de apresentação da iniciativa. Às 14h00 será a vez do debate intitulado "Pontes sobre o Mediterrâneo", conduzido por Cláudio Paravaticondutor de protestantismoo diretor de Comparar. Um momento “em que o ambiente, a solidariedade, o trabalho são contados pelos testemunhos e palavras de quem vive no Mediterrâneo, o mar não é grande o suficiente para dividir, mas também não é pequeno o suficiente para unir. É por isso que se constroem pontes, é por isso que se encontram no Mediterrâneo os perigos do nosso tempo, mas também os recursos para os poder ultrapassar. No estúdio e remotamente, falaremos sobre culturas, economias, diálogo e confronto, refugiados e hospitalidade, corredores humanitários, guerras esquecidas, integração e trabalho”. Entre os convidados Emanuela Claudia Del Re ex-vice-ministro da Cooperação Internacional, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Marco Impagliazzo, presidente de Sant'Egidio, Alberto Negrijornalista e Maria Di Pierri da Associação Sul. Desde 1970, a ONG Earth Day – reconhecida pela Secretaria Geral da ONU – organiza o mais impactante momento de conscientização ambiental do mundo com bilhões de pessoas mobilizadas todos os anos por meio do trabalho de 75 mil parceiros distribuídos nos 193 países membros das Nações Unidas. ...

Ler artigo
Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018 – Olav Fykse Tveitpastor luterano da Igreja da Noruega, 57 anos, desde 2010 é secretário geral da Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a maior e mais inclusiva das muitas organizações do ecumenismo moderno. Na verdade, reúne mais de 350 igrejas e associações associadas que representam mais de 500 milhões de cristãos em 110 países. Inclui a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes. Originalmente, a maioria das igrejas fundadoras eram européias e norte-americanas, enquanto agora o maior destaque vem da África, Ásia, América Latina e Caribe. Este ano o CEC celebra 70 anos, tendo sido fundado em 1948 em Amesterdão, e as comemorações culminarão no dia 21 de junho, com uma visita aos escritórios de Genebra por Papa Francisco. Em uma pausa nos trabalhos doAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em andamento nestes dias em Novi Sad, pedimos a Tveit que nos fale sobre o estado de saúde do CEC hoje: “O CEC tem 70 anos, portanto idade de idoso e reformado. Mas o CMI é tudo menos isto: diria que nunca antes esteve vivo e vital, e o seu papel é reconhecido internacionalmente como interlocutor sério e credível face aos desafios das sociedades e das igrejas de hoje. Em torno do CMI, de suas comissões, de seu pessoal, existem expectativas enormes em muitas partes do mundo, talvez até mais altas do que nossas reais capacidades. Mas é o sinal de que os esforços que nos caracterizam na concretização do diálogo ecumênico e da reconciliação entre realidades conflitantes são reconhecidos como importantes nos caminhos de crescimento das sociedades”. Como mudou o movimento ecumênico nesses 70 anos? "Tudo mudou. O CEC nasceu no rescaldo da terrível Segunda Guerra Mundial, e sobre essas cinzas retomou discursos já empreendidos nas décadas anteriores. Depois houve a Guerra Fria, o isolamento das nações do Leste Europeu e a consequente repressão das igrejas nacionais. Naquela época, o CMI estava entre os poucos interlocutores reconhecidos como defensores da cooperação real. Hoje os desafios são outros, alguns ainda filhos daquela época: penso na terrível situação do Oriente Médio, mas também nos demais conflitos que ainda caracterizam a África pós-colonial. No que diz respeito ao diálogo ecuménico entre as várias almas do cristianismo, foram dados passos enormes, foram encontrados muitos pontos de unidade, embora ainda falte a comunhão plena, pela qual devemos continuar a lutar. Também acredito que esses grandes esforços de diálogo têm sido uma ferramenta de crescimento para as igrejas que deles participaram, que muitas vezes superaram fechamentos ou sectarismos em nome de um caminho comum”. A Igreja Católica não faz parte do CMI, mas parece estar prestando cada vez mais atenção ao fermento em curso. A próxima visita do Papa Francisco à sua sede em Genebra se encaixa de alguma forma nessa linha? “A visita do pontífice é um forte sinal de reconhecimento por parte do mundo católico: o reconhecimento de que existe um movimento ecumênico global, do qual também a Igreja Católica participa. O próprio Francisco afirmou repetidamente que devemos trabalhar juntos, que há um enorme espaço para isso. Por pelo menos trinta anos, o Vaticano trabalhou em estreita colaboração com o Concílio Ecumênico e participou como observador em todas as principais conferências do CMI. O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos também nomeia 12 membros dentro da comissão Fé e Constituição, criado pela CEC no mesmo ano de 1948, além de participar de alguns outros organismos ecumênicos a nível regional e nacional. A visita a Genebra colocará os holofotes do mundo sobre nós e nossa agenda. Parece-me uma importante oportunidade a ser aproveitada, como foi o 500º aniversário da Reforma Protestante em 2017, que destacou o desejo de unidade apesar da reconhecida diversidade”. O CMI está muito ocupado por meio de comissões e apelos contínuos na tentativa de encontrar uma solução para a dramática situação no Oriente Médio, da Palestina à Síria, passando pelo Iraque e outros cenários de guerra. O que você gostaria de dizer sobre isso? “O reconhecimento de nosso papel nessas zonas de guerra é resultado do contínuo convite ao diálogo que o CMI tem proposto incessantemente nas últimas décadas. Somos de alguma forma identificados como facilitadores, capazes de criar um terreno neutro no qual as partes envolvidas possam dialogar. Nunca devemos nos cansar de ser construtores de paz, portadores de esperança mesmo onde parece não haver mais. E certamente não apenas para os muitos, muitos cristãos que sofrem no Oriente Médio, mas para toda a população, porque somente diante de uma paz real e plena é possível construir uma sociedade nova, inclusiva e não excludente. As pessoas na Síria, no Iraque, na Palestina sofreram demais. É hora de dizer basta a tudo isso, é hora de criar as condições para fazer daquelas terras, que são o berço do cristianismo, um lugar de paz e um exemplo para toda a humanidade. O uso da força sozinho não serve a ninguém, há demasiados desequilíbrios entre quem tem exércitos e tecnologias avançadas e quem não tem, as forças no terreno são muito divergentes. Por isso, só silenciando as armas se pode tentar iniciar um verdadeiro diálogo que deve passar necessariamente pelo reconhecimento do outro”. ...

Ler artigo
Abruzzo.  Cultura, música e dança em nome da diversidade

Abruzzo. Cultura, música e dança em nome da diversidade

Roma (NEV), 10 de agosto de 2022 - A associação "Amigos da Igreja Valdense de San Giovanni Lipioni" está organizando dois dias sobre diversidade. A nomeação é para os dias 13 e 14 de agosto em San Giovanni Lipioni, na província de Chieti. São dois dias de festa, para sublinhar a riqueza da diversidade. Além do culto de abertura, está prevista uma conferência intitulada “Diferente de quem?”. Palestrante, Prof. Carlos Mônaco, que falará sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente. Seguido por um show de dança e percussão do Senegal. No domingo, 14 de agosto, está programado um workshop Salento pizzica. A exposição “Waldensian experience in San Giovanni Lipioni” também pode ser visitada, até 28 de agosto. No culto, agendado para sábado, dia 13 de agosto, pelas 10h30, será dedicado um momento à memória de Gianna Scicloneisso com Carmen Trobia em 1967 abriu o caminho para a ordenação pastoral de mulheres. A pastora Sciclone faleceu em junho passado. O comunicado da iniciativa diz: “Não se pode entender a diversidade sem definir a igualdade. Todos os homens e mulheres nascem iguais. Somos todos iguais perante a Lei – explica Franca Nini, porta-voz do comitê organizador -. Igualdade implica igual dignidade e igualdade de oportunidades sem distinção de nacionalidade, sexo, crença religiosa, opinião política, condições pessoais e sociais. Só existe uma raça humana." Serão dois momentos de agregação e diversão, conclui Ninni, “mas também de reflexão sobre o tema da diversidade, visando unir e enriquecer a comunidade”. Segue abaixo o programa completo. sábado, 13 de agosto de 2022 10h30 – Culto. Celebre o pastor Luke Elders, com uma lembrança da pastora Gianna Sciclone. c/o Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense, Piazza Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH) 21h30 – Intervenção de Carlo Monaco, escritor e ensaísta, ex-professor de história e filosofia na Universidade de Bolonha, sobre o tema “Diverso Da Chi? Considerações sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente”. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). 22h30 – Espetáculo de dança e percussão da África Ocidental do grupo “Sunu Africa”. Ritmos, danças, canções e símbolos do Senegal num espetáculo envolvente e colorido. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). Domingo, 14 de agosto de 2022 21h30 – Oficina Pizzica Salentina, líder Rita Mônaco. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). De 13 a 28 de agosto, a exposição "Experiência Valdense em San Giovanni Lipioni" estará aberta no Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense. Para informações contacte o número 393 2757821 ou 339 7905435 ou envie mensagem na página do Facebook ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.