Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O Amor de Cristo Leva o Mundo à Reconciliação e à Unidade”.

Karlsruhe (NEV), 8 de setembro de 2022 – Dorothee Mack é teólogo e pastor valdense, há pouco mais de um ano em Karlsruhe, cidade que sediou a décima primeira Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas, após mais de dez anos de serviço pastoral na Igreja Evangélica Valdense de Milão. E foi de certa forma a “dona da casa” – no sentido mais acolhedor do termo – da delegação italiana que participou da semana de trabalho na Alemanha.

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Como foi a jornada das igrejas locais rumo ao evento WCC/WCC? “Tenho um ‘coração para o ecumenismo’ e por isso já durante o ano de preparação para a assembléia dediquei vários serviços, cerca de um por mês, aos convidados da Ecumene. Por exemplo, fiz um culto sobre a liturgia da renovação do pacto, que é metodista, e disse a mim mesmo ‘vamos dar a conhecer à comunidade daqui’, justamente para explorar as mil formas de expressar o cristianismo. Seguimos, portanto, este caminho de aproximação à assembléia e também de entrevistas, primeiro online e depois no jardim da igreja, com convidados ecumênicos, como um jovem protestante da República Tcheca, com o pároco William Jourdan da Mesa Valdense, da Itália, e outros.

Durante os dias da Assembléia de Karlsruhe, “realizamos culto ecumênico em nosso bairro, com convidados da Itália, almoço de domingo com o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, e com Juliano Savinadiretor da Unedi – Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI”.

Além disso, todas as manhãs Mack participava do coro da assembléia, com cantos, músicas e orações “de todo o mundo”.

Para o pároco valdense, o evento na Alemanha foi “um mergulho na interculturalidade, que vivi muito na igreja de Milão. É bom estar no meio de pessoas que vêm de todo o mundo, talvez tenham havido poucas oportunidades de aprofundamento, mas também momentos verdadeiramente preciosos. Numa dessas noites, por exemplo, através de uma jovem voluntária de nossa comunidade que se disponibilizou para organizar o encontro, recebemos um telefonema de um bispo anglicano da Tanzânia; no final foi adicionado ao nosso jantar e passamos uma noite todos juntos, com os voluntários da comunidade. Um bom momento de partilha”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Piedicavallo (Biella).  O Festival de Música passa pelo histórico templo valdense

Piedicavallo (Biella). O Festival de Música passa pelo histórico templo valdense

foto Wikicommons Roma (NEV), 1 de agosto de 2023 - "Horizontes efêmeros", edição XXXIII da Festival Piedicavallo. Sons, música, conhecimento, num percurso cultural e musical já consolidado no Valle del Cervo, na província de Biella, neste Festival que há anos toca também o templo valdense, como palco de iniciativas e concertos. "Do subsolo das raízes, informe e fértil, onde tudo se origina, de repente uma batida rítmica, emergindo na superfície, deu corpo ao movimento: erguido no ar, o som e a voz sondam a atmosfera rarefeita de uma mudança " lê-se na introdução ao evento, que se desenvolve em três secções distintas: Simbiosi, Fortepiano e Aurora. O templo valdense de Piedicavallo tem uma longa história, diz o presidente do Conselho da igreja valdense de Biella Pedro Magliola (transmitido no culto evangélico na Rádio RAI1 no dia 16 de julho, do minuto '10''31 ao minuto '16''41, link no final da página). “A data de fundação da comunidade valdense remonta a 1888, quando o professor chega à aldeia Elisa Goss e encontrou uma escola. Dois anos depois, em 1890, dos mil habitantes, 77 haviam se tornado membros da igreja valdense”, explica Magliola. Posteriormente, um templo foi adicionado à escola, projetado pelo arquiteto Gay di Susa. Ao longo dos anos, a igreja segue a tendência demográfica. Hoje são cerca de 100 habitantes e a comunidade está praticamente extinta. O templo da pequena aldeia de Piedicavallo, no entanto, apesar de estar fechado nos meses de inverno, no verão é um centro de cultura e um local de culto, em domingos alternados, "Para não abrir mão de seu legado espiritual e material ", diz o presidente. O templo é todo em pedra e foi construído graças ao esforço econômico da população e da comunidade local. Um culto tradicional em Piemonte é celebrado todos os anos. A próxima, que encerra a temporada de verão do templo de Piedicavallo, será realizada no domingo, 27 de agosto. Nascido na onda da discussão conciliar dentro da Igreja Católica, seja para rezar a missa também em dialeto ou apenas em italiano (escolhendo então esta opção), explica Magliola, o culto em piemontês ganha vida graças à paixão de Gustavo Buratti, estudioso e defensor das minorias linguísticas e religiosas. O pastor o segurou inicialmente Ernesto Ayassotdo que com Buratti e com o poeta piemontês Camilo Brero no final da década de 1970, ele também traduziu alguns hinos para o piemontês. Entre os compromissos do Festival Piedicavallo destacamos: Quarta-feira 2, seção Simbiose, classe mestre do musicólogo Jacopo Tomatis sobre "Voz e som na era digital (ou era?).“. Das 15h30 às 18h30, no templo valdense. Sexta-feira 4, seção Fortepiano, concerto "forteou” do mestre Carlo Mascheroni. Aos 18, no templo valdense. Aqui a página do Festival: Culto Evangélico | Culto Evangélico de 16/07/2023 | Rai Rádio 1 | Reproduzir Som ...

Ler artigo
tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

Foto retirada de chiesadimilano.it Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – O evento ecumênico promovido pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Milão, "Juntos pela Europa", foi realizado no dia 9 de maio em Milão. 19 igrejas cristãs presentes, protestantes, católicas e ortodoxas, e numerosos movimentos e associações. Entre as presenças protestantes, os párocos Anna Maffei, Cristina Arquidiácona, Anne Stempel-De Fallois E Dorothee Mackda qual extraímos trechos do discurso, inspirados no texto dos Atos 16,11-15. “O que vem à mente quando você pensa na Europa e no cristianismo? Quando você reflete sobre o relacionamento deles e sua história comum? – pergunta-se Mack em sua meditação -. Cada igreja, cada movimento poderia contar sua própria história, seus primeiros passos no continente europeu, em muitos lugares, em muitas cidades, em muitos países diferentes. Hoje, porém, parece-me importante recordar 'o início dos primórdios' da história do cristianismo aqui na Europa”. O início é colocado por Mack em Filipos, no norte da Grécia, na casa de um empresário, comerciante de púrpura, na casa de Lídia, como lemos na Bíblia. “É claro que também era necessária a presença do apóstolo Paulo e seus companheiros e colaboradores. Foram necessárias pessoas multiculturais e interculturais como Paulo, pessoas que conheciam bem tanto a cultura judaica quanto a grega, que sabiam falar línguas diferentes e se sentiam pertencentes a culturas diferentes”. Foto retirada de chiesadimilano.it O verdadeiro protagonista do livro dos Atos, que narra a história do cristianismo primitivo, é o espírito santo, diz a pastora, que impele Paulo e seus seguidores a "ultrapassar fronteiras e barreiras para chegar à Europa e falar de Jesus Cristo a um grupo de mulheres reunidas em oração à beira do rio perto da cidade de Filipos… Para Lídia, a primeira cristã na Europa, é óbvio: depois da abertura do coração, vem a da casa. Lydia obriga esses homens estrangeiros, da Ásia Menor e do Oriente Médio, a ficarem em sua casa. Lídia acolhe com o coração a fé cristã e pratica o acolhimento destes estrangeiros – prossegue na sua reflexão -. O cristianismo chegou à Europa graças a casas abertas como a de Lídia. Graças ao acolhimento e hospitalidade praticados por você e por muitos outros. Acolhida e hospitalidade são, portanto, as raízes do cristianismo na Europa. Tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto." Ao encerrar seu discurso, Dorothee Mack também lembrou o trabalho realizado nos últimos 13 anos pelo Fórum das Religiões que “nos últimos meses refletiu em conjunto sobre a importância da hospitalidade como um valor fundamental presente em todas as religiões”. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.