Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O Amor de Cristo Leva o Mundo à Reconciliação e à Unidade”.

Karlsruhe (NEV), 8 de setembro de 2022 – Dorothee Mack é teólogo e pastor valdense, há pouco mais de um ano em Karlsruhe, cidade que sediou a décima primeira Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas, após mais de dez anos de serviço pastoral na Igreja Evangélica Valdense de Milão. E foi de certa forma a “dona da casa” – no sentido mais acolhedor do termo – da delegação italiana que participou da semana de trabalho na Alemanha.

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Como foi a jornada das igrejas locais rumo ao evento WCC/WCC? “Tenho um ‘coração para o ecumenismo’ e por isso já durante o ano de preparação para a assembléia dediquei vários serviços, cerca de um por mês, aos convidados da Ecumene. Por exemplo, fiz um culto sobre a liturgia da renovação do pacto, que é metodista, e disse a mim mesmo ‘vamos dar a conhecer à comunidade daqui’, justamente para explorar as mil formas de expressar o cristianismo. Seguimos, portanto, este caminho de aproximação à assembléia e também de entrevistas, primeiro online e depois no jardim da igreja, com convidados ecumênicos, como um jovem protestante da República Tcheca, com o pároco William Jourdan da Mesa Valdense, da Itália, e outros.

Durante os dias da Assembléia de Karlsruhe, “realizamos culto ecumênico em nosso bairro, com convidados da Itália, almoço de domingo com o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, e com Juliano Savinadiretor da Unedi – Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI”.

Além disso, todas as manhãs Mack participava do coro da assembléia, com cantos, músicas e orações “de todo o mundo”.

Para o pároco valdense, o evento na Alemanha foi “um mergulho na interculturalidade, que vivi muito na igreja de Milão. É bom estar no meio de pessoas que vêm de todo o mundo, talvez tenham havido poucas oportunidades de aprofundamento, mas também momentos verdadeiramente preciosos. Numa dessas noites, por exemplo, através de uma jovem voluntária de nossa comunidade que se disponibilizou para organizar o encontro, recebemos um telefonema de um bispo anglicano da Tanzânia; no final foi adicionado ao nosso jantar e passamos uma noite todos juntos, com os voluntários da comunidade. Um bom momento de partilha”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo
SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

Foto de Laura Caffagnini Roma (NEV), 26 de julho de 2019 - A sessão de formação ecumênica 2019 na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis termina amanhã com o tema "Deus escolheu os pobres aos olhos do mundo (Tg 2, 5) . As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”, uma espécie de pesquisa ecumênica em duas edições, organizada pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Ontem o foco foi o “Deus dos pobres”. Durante uma celebração ecumênica envolvendo cerca de 200 participantes, migrantes, refugiados, sem-teto, mães que perderam seus filhos no Mediterrâneo e no deserto, prisioneiros em campos de detenção, que ainda estão no caminho para escapar da pobreza extrema. O tema do Deus dos pobres foi apresentado na manhã de meditação bíblica do padre bolonhês Mateus Prodi que comentou a passagem do Evangelho de Lucas sobre o chamado do rico Zaqueu, na verdade um pobre que procura ver Jesus ao entrar em Jericó. A seguir, conforme informa o comunicado da SAE, uma mesa redonda inter-religiosa cujo título foi inspirado em uma frase de Martinho Lutero: “Somos mendigos, isso é verdade”. Uma mesa para quatro vozes: judaica, Anna Foa, com intervenção remota; católico, Stephanie Monti; valdense, Paulo rico; muçulmano, Yassine Lafram. O teólogo valdense Paolo Ricca, decano do ecumenismo na Itália, relata novamente a SAE, comentando sobre Martinho Lutero, ele se deteve sobre a pobreza no sentido existencial, encontrando três sentidos para a afirmação do reformador: “Somos mendigos de sentido porque temos dificuldade de compreender . Tudo está envolto em mistério. Quanto mais prossigo e menos sei, mais o mistério se torna mais espesso. No final da vida, só Deus poderá iluminar o mistério”. Um segundo significado da frase de Lutero segundo Ricca é que o cristão é pobre em poder. Deus é o Deus dos pobres de poder, mas não no sentido mundano da palavra poder. Aqui está a ambivalência do discurso bíblico sobre o futuro. Por um lado, o próprio Jesus diz: “Todo o poder me foi dado”. Também é verdade que está escrito "Vocês receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês". E mesmo antes disso ele chamou seus discípulos para si e deu-lhes poder para expulsar os espíritos malignos. A outra promessa impressionante de Jesus mencionada por João é sobre o perdão dos pecados. Por outro lado, Jesus diz: "Sem mim nada podeis fazer". Estamos totalmente desamparados. Como sair dessa contradição? Ricca observa: “Não temos poder, mas temos o Espírito Santo e a Palavra, esta é a dialética. Não podemos fazer nada e podemos fazer tudo. Somos mendigos do poder de Deus em nós, estamos de mãos vazias”. Finalmente, “somos mendigos de graça, porque não temos mérito. A fé chegou até nós misteriosamente, 'contra' nós. Fomos levados cativos pela Palavra de Deus e aqui estamos. E nossas boas obras – como a zedaqah da qual falamos – foram preparadas por Deus para praticarmos. Os gestos de amor são uma iniciativa de Deus que nos introduz no reino da gratuidade onde já não há vanglória, arrogância ou orgulho. Porque 'aquele que se gloria, glorie-se no Senhor'”. Leia o comunicado de imprensa completo AQUI. ...

Ler artigo
Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Fotos Juntos pela Europa Roma (NEV), 11 de maio de 2023 – A oração ecumênica pela paz aconteceu ontem em Roma. A mensagem que emergiu é: a guerra nunca é a solução. A oração, que contou com a presença de autoridades religiosas e institucionais, comunidades e movimentos, aconteceu na igreja de S. Maria in Campitelli por ocasião do "Dia da Europa". Entre os representantes das Igrejas, o pastor valdense Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o pastor batista Luca Maria Negrorepresentantes do Exército de Salvação (EOS), da Igreja Ortodoxa Romena, da Igreja Ortodoxa Grega, membros das comunidades pentecostais e do arcebispo anglicano Ian Ernestdiretor do Centro Anglicano de Roma. "Repudiemos verdadeiramente a guerra, que nunca é a solução para as disputas", disse o pastor metodista Mirella Manocchio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entre a presença protestante. E acrescentou: "que se acabe com a fabricação de armas e outros instrumentos de morte", e que todos juntos, governantes e cidadãos, entendamos que só a justiça e a paz podem erguer as nações". “A guerra é a mãe de toda a pobreza. Destrói o que foi conquistado ao longo dos anos, aniquila o presente reduzindo-o à sobrevivência, impede o futuro”, afirmou. Maria Attias da Comunidade de Sant'Egidio. Leia o artigo da Agência SIR. "Juntos pela Europa" é uma rede de mais de 300 comunidades e movimentos cristãos espalhados por todo o continente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.