Ética digital.  Salve o planeta, salve-nos

Ética digital. Salve o planeta, salve-nos

Foto de José Martín Ramírez Carrasco / Unsplash

Roma (NEV), 30 de maio de 2023 – Que bem-estar para as sociedades digitalizadas e no trabalho? Isso foi discutido no dia 24 de maio em encontro promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” (CONVOCAÇÃO* – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida).

O encontro reuniu algumas das dezenas de pessoas que colaboraram na publicação das Diretrizes no âmbito do projeto”Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados”. A rede CALL trabalha há anos nestas questões, envolvendo vários profissionais e competências de toda a Europa, tanto no seio das igrejas como simpatizantes.

Harmonia, bem-estar digital, ética digital, sustentabilidade, valores ecológicos, económicos e sociais no planeamento da digitalização são apenas alguns dos temas desenvolvidos pela rede CALL, que vê a própria digitalização como intimamente ligada, e por isso orientável, ao serviço da sociedade. Ele esteve presente pela Itália Stefano Frache, engenheiro, um dos fundadores de uma empresa de desenvolvimento de software e equipamentos eletrônicos, com doutorado em Eletrônica e Telecomunicações em Torino e Lausanne. “Foi maravilhoso participar nesta experiência, numa dimensão de estímulo ao diálogo e ao crescimento pessoal” disse Frache à Agência NEV.

As diretrizes são desenvolvidas em três seções: ética, economia e sociedade. “A reunião do dia 24 foi uma oportunidade para retomar alguns temas, os pontos fortes do documento e quais aspectos, por outro lado, ainda precisam ser trabalhados – disse Stefano Frache -. Foi um importante momento de síntese, resultado de anos de trabalho, comparações e discussões. É preciso uma certa coragem para emitir um documento”. Na verdade, publicar expõe a julgamentos e críticas, mas ao mesmo tempo é uma forma de “dar o tom” para a discussão.

No primeiro ponto sobre ética, continuou o engenheiro, “foram incluídos aspectos relativos à relação de todos os seres vivos com o planeta e uma referência explícita ao justiça climática. É bom refletir sobre evidências científicas para guiar nosso pensamento. Não é uma questão emocional: realmente temos um problema com o clima.”

Durante muito tempo, segundo Frache, “houve um mal-entendido muito amplo. Nosso compromisso climático está salvando o planeta? Não, fazemos isso para nos salvar.” Eras glaciais e interglaciais com transgressões marinhas ocorreram várias vezes na Terra, mas em períodos extremamente longos. “Agora estamos aqui e estamos perturbando o equilíbrio do planeta. Os efeitos não são iguais para todos, mas a questão da justiça climática não pode ser reduzida a uma inspiração temporária. Só mais um pouco de tempo, para estragar bastante, e aí o problema será o mesmo para todos”. O problema da desigualdade deve ser enfrentado rio acima: “Não é bom sermos todos iguais diante da catástrofe. Mesmo de barriga cheia, não estou segura. O risco alimentar, a dificuldade de acesso aos alimentos e à água potável, que até poucos anos atrás pareciam preocupações distantes de nós, agora começam a nos preocupar de perto”. Refletir sobre esta dimensão ética implica também “sair da retórica antropocêntrica de sermos os salvadores do mundo. É mais sensato pensar que estamos fazendo algo por nós mesmos e pelos nossos semelhantes, tanto do ponto de vista cristão quanto do ponto de vista humano”.

Recentemente, no âmbito do Sínodo Luterano, o decano Carsten Gerdes ele falava da natureza não como um “presente”, mas como um “empréstimo”. Mesmo para os nativos americanos, a terra é transmitida de geração em geração, “mas cada geração a toma emprestada da anterior. Com esse espírito, devemos fazer bom uso dele e depois devolvê-lo intacto aos que vierem depois de nós. A ganância e a gula não dão frutos. Do ponto de vista cristão, mas não só, esses comportamentos primitivos e irracionais certamente não são dignos e, muitas vezes, causam desastres”.

A rede CALL também falou em sustentabilidade, destacando a substancial indissociabilidade dos seus elementos nos domínios económico e social. “O impacto das escolhas é transversal. Tudo está interligado”, disse Frache.

Durante o encontro também foram discutidos acessibilidade, inclusão digital, custos e benefícios do que poderíamos definir como “planejamento ético”. Finalmente, segurança. “Em termos de TI, segurança significa privacidade e atenção à coleta de dados, mas não só – concluiu Stefano Frache -. Segurança também significa proteger-se de informações falsas. Por simples engenhosidade corre-se o risco de ser enganado na formação das próprias opiniões, de ser manipulado. Um uso incorreto ou inconsciente de ferramentas digitais é muito diferente dependendo se somos sociedades abertas ou fechadas. Se quisermos nos manter como sociedades abertas e democráticas, temos o dever de lidar com elas, porque as ameaças são graves. Às vezes damos por certo, mas a liberdade de pensamento termina em uma sociedade fechada e, portanto, também a liberdade de pensamento cristão”.


*CALL é uma rede europeia que trata da reflexão sobre sustentabilidade, trabalho, economia e sociedade desde um ponto de vista cristão. O projeto “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” é apoiado com financiamento da Comissão Europeia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A movimentada sessão da manhã da conferência internacional sobre estudos do Metodismo intitulada “The Catholic limes. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” foi presidida pelo professor Alessandro Saggioro. O primeiro relatório, sobre "O sítio histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX" foi editado por Augusto D'Angelo, que a partir de documentos históricos e historiográficos descreviam as relações recortadas entre católicos e metodistas, em contínua transformação, a nível nacional e local. Ao realçar a grande contribuição metodista na sociedade, na educação, através das escolas, mas também nas igrejas e nas relações com o tecido cultural e religioso da época, D'Angelo destacou o papel da mulher, "capaz de se colocar ao serviço da comunidade, no ensino, como professoras e como parteiras”. Párocos e freiras, onde a presença metodista é forte, segundo D'Angelo, se sentem estimulados a fazer melhor, graças a jovens brilhantes que o metodismo trouxe à tona. O professor destacou a importância da participação dos metodistas na resistência, o papel da industrialização e da fundação da fábrica em Palombaro (Chieti) "O renascimento, graças ao qual parte da população permanecerá na área", e o mudança de ritmo entre católicos e metodistas: desde 1960, quando o arcebispo bosio enviou cartas ao pároco para colocar o problema de como conter as comunidades protestantes onde elas existiam, em 1970, quando em visita pastoral o cardeal Loris CapovillaSecretário de João XXIII, em um questionário perguntou se o espírito ecumênico estava sendo cultivado e se era celebrada a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). As palavras de ordem já não são “prevenir, conter e reconquistar” mas “rezar juntos” e muda-se o tecido e a mentalidade. Por fim, D'Angelo convocou o debate a partir de três questões: as adesões ao metodismo, que poderiam ser motivadas pelo descontentamento com o clero católico; a hipótese de um vínculo entre a adesão e a facilitação da migração nos Estados Unidos, que financiava o pastorado; o valor da consciência de que a presença metodista tornou mais eficaz a ação de outros. Ele interveio sobre "A questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915". Alberto Melloni da Fundação de Ciências Religiosas (FSCIRE), professor de história do cristianismo na Universidade de Modena e Reggio Emilia, bem como promotor da Academia Europeia de Religião. Melloni traçou as linhas da paisagem religiosa pré-guerra, citando cartas pastorais e manuais para padres e narrando as etapas da Itália leonina de Bonomelli, "de um catolicismo não mais rural e devoto, a um catolicismo italiano fermentado, que olha para o realidade social com olhos diferentes dos olhos do século XIX”, onde o próprio papado não será mais como antes. Melloni falou então das pedras angulares e dos preconceitos intelectuais e ideológicos que caracterizaram parte do pensamento da época, da luta contra a modernidade e o modernismo, do medo do judaísmo e do ódio aos protestantes, sem esquecer aquele tratado de uma luta que durou durante séculos mas, nesta fase, "caracterizada por Bispos pensantes, por um episcopado que conserva um protagonismo próprio, uma permanência na memória dos Estados pré-unificação, como herdeiros dos filhos mais novos das famílias das cidades, mesmo anti -Papistas”. O professor mencionou as características de uma Itália mergulhada no mito do cristianismo, que tinha a ambição de um colonialismo espiritual e civilizacional, ambição questionada pelos protestantes. Por fim, uma breve referência ao totalitarismo e às políticas repressivas do Ventennio, que fizeram com que "a devoção se tornasse um selo e a suspeita investisse sobre todos", através do que se poderia definir como denúncia em massa, em que a "descerebração do clero, e da sociedade em geral, desempenhou um papel na ascensão do fascismo; porque saber de algo é um risco”. Tim R. Woolley, do Comitê de Herança da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, falou em vez das "Estratégias do Metodismo Inglês para a Itália, 1860-1915". Um excursus extenso e detalhado de Guilherme Artur (1819-1901) e de Henry James Piggot (1831-1917), pastor metodista inglês, iniciador da Missão Metodista Wesleyana na Itália, em diante, sobre as missões e denominações metodistas, a partir do Comentário Religioso e dos documentos em que são transcritas conversas com italianos comuns, descontentes com o papado . Desde o convite para estabelecer uma missão na Itália com a ideia de que o Metodismo Wesleyano poderia ser um fator de união para a Itália e para as outras formas de cristianismo que se desenvolviam, aos sentimentos mais propriamente antipapistas, até o trabalho de formação e envolvimento de ex-sacerdotes e seminaristas, com as consequentes perseguições e obstáculos dos católicos que queriam defender a sua fé e o seu território. Woolley citou episódios de antagonismo, ele leu documentos que se referem a "calúnias, ameaças e a 'invasão protestante' por meio da qual clérigos e leigos apelaram contra os intrusos cismáticos" para expulsar os "hereges". Ao descrever o metodismo e a estratégia da missão, Woolley sublinhou o papel da Sociedade Bíblica britânica e estrangeira que já havia divulgado a Bíblia traduzida com os colportores desde 1808, causando certa inquietação papal. A suspeita era de que era uma tentativa de “espalhar Bíblias multilaterais e corruptas, enquanto colportores carregavam Bíblias e outras literaturas protestantes tentando explorar o descontentamento nas paróquias locais”. Grande foi a contribuição dos metodistas na distribuição de publicações, na preservação de livros, nas obras de educação escolar, na fundação de igrejas e congregações, apesar de haver poucos prédios próprios "provavelmente pela hostilidade dos proprietários católicos e da recursos econômicos limitados". Foi neste período que também começou a se desenvolver uma ideia de cooperação ecumênica. A missão teve momentos de difusão e detenção; a pragmática estratégia metodista, com seus colportores e educadores, desacelerou, “mas a maior conquista diz respeito à qualidade e duração do trabalho nas escolas. Por exemplo, em La Spezia é relatado com orgulho que as autoridades educacionais da época registraram resultados muito satisfatórios e que o trabalho cresceu além das expectativas. Foi a guerra que teve impacto na fé, assim como o saldo de centenas de milhares de mortos”. Dia de Alfredo T, Secretário Geral da Comissão de Arquivos e História da Igreja Metodista Unida dos EUA, finalmente falou sobre "As estratégias do metodismo americano para a Itália, 1860-1915". Day explicou como nasceu a Missão Metodista Americana, através de viagens a cidades italianas e contato com a Igreja Metodista Britânica na Itália. Day também citou documentos históricos e escritos da época, que destacam não apenas o empenho dos pregadores itinerantes, mas também a atmosfera que se respirava, desde o amor e o ódio pelo papa, até o fervor com que se imaginava uma missão em Roma. “Pensava-se que os italianos seriam receptivos ao Metodismo, porque eram impulsivos e apaixonados; o espírito vital do metodismo e a presença valdense, considerada favorável, fizeram com que a Itália se apresentasse como um campo maduro para o evangelismo protestante”. Day cita as experiências da Alemanha e da Suíça, retorna os números e as etapas da missão estabelecida em Roma, que passa a ser sede com a Igreja Metodista Episcopal, a primeira a construir uma igreja na Cidade Eterna com o pastor Teófilo Gay. Um afresco do metodismo americano, que traz para a Itália novas formas de ministério, escolas dominicais, assistência a militares, alfabetização de mulheres e o trabalho de diaconisas, num contexto em que a vida das mulheres se limitava aos afazeres domésticos e o padre confessor as orientava ao casamento e ao a Igreja. “Os metodistas viam a mulher como um recurso, queriam que o ministério fosse mais amplo e que a mulher fosse protagonista na formação dos jovens, nas escolas e em outros serviços”. Entre os pioneiros neste serviço, o missionário Emma Hall. Assim nasceram os orfanatos de Intra e Florença, o instituto industrial de Veneza Cannaregio, o instituto educacional de Pádua, o internato em Roma com o jardim de infância Isabella Clark e o instituto internacional Crandon, nascido em 1896 como "Young Ladies College" no iniciativa de William Burt, superintendente da Missão Episcopal Metodista na Itália, do Instituto de Monte Mario e outras obras. O dia foi concluído com um breve panorama das fraturas e evoluções da missão, desde o que ele define como uma "maré baixa missionária" até as mudanças na disciplina, que na Itália em parte lutou para se estabelecer no que diz respeito ao uso do vinho e tabaco. A renovação espiritual colidirá com as dificuldades financeiras da década de 1920, mas de qualquer forma levará o Ministério Metodista americano, com suas profundas raízes no triunfalismo protestante, a se transportar para a Itália moderna com seu espírito democrático e progressista, mantendo ainda hoje em sua pregação e nas publicações um ponto forte. ...

Ler artigo
De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

Roma (NEV), 4 de março de 2023 – Será um verdadeiro engarrafamento ecumênico, em termos inequívocos. Dentro de três anos, nada menos que seis organismos ecumênicos internacionais e grandes famílias confessionais realizarão suas Assembléias Gerais em todo o mundo. As agendas, já cheias de compromissos, tornam-se inviáveis; passam a estudar as rotas aéreas ou ferroviárias para chegar à Estônia, aos Estados Unidos ou à Tailândia, tentando (desnecessariamente) buscar aquelas com menor impacto ambiental. E, é claro, os tesoureiros suam frio ao pensar nos custos de participação que, para algumas igrejas, envolvem mais de um evento. Esta é a imagem, entre o entusiasmado e o dramático, que Mário Fisher, secretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), delineado perante os representantes dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias (ENCC), reunidos em Bruxelas de 27 de fevereiro a 1º de março passado. O culpado deste engarrafamento é facilmente identificável: é a pandemia de Covid19 que tem impedido os vários Assisies de cumprirem os seus horários, suficientemente distanciados uns dos outros. Porém, por mais exigente que seja o calendário, o que prevalece é a vontade de restabelecer relações e continuar raciocínios que só fazem sentido olhando-se nos olhos, pessoalmente. Esperando que daqui a seis ou sete anos, quando as mesmas assembleias forem convocadas novamente, o gargalo não se repita e as diversas entidades adotem uma estratégia de sobrevivência para tornar sustentáveis ​​os grandes encontros de fé. De qualquer forma, aqui está a programação. XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Karlsruhe, Alemanha, 31 de agosto a 8 de setembro de 2022 – Lema: O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade É o único evento já concluído. A Assembléia do CMI voltou à Europa 50 anos depois da última vez, trazendo 4.000 pessoas de todos os continentes para a Alemanha. Um encontro dedicado à inclusão para caminharmos juntos em um mundo dividido e sem paz. Da Itália, participaram delegados e observadores da Igreja Evangélica Valdense, da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália, da União Cristã Evangélica Batista da Itália e da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Para saber o que aconteceu, clique aqui. XVI Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) Tallinn, Estônia, 15 a 20 de junho de 2023 – Lema: Sob a bênção de Deus – moldando o futuro A Assembleia Geral da CEC será um momento de oração, fraternidade e reflexão pela vida e testemunho das igrejas do continente. Haverá um espaço de escuta e discussão dedicado às igrejas em “áreas de conflito”. Entre os oradores, o ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams e o patriarca de Constantinopla Bartolomeu. As igrejas italianas membros da CEC são a Igreja Evangélica Valdense, a Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, a União Cristã Evangélica Batista da Itália, a Igreja Evangélica Luterana na Itália e a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. XIII Assembléia Geral da Federação Luterana Mundial (WLF) Cracóvia, Polônia, 13 a 19 de setembro de 2023 Lema: Um Corpo, um Espírito, uma Esperança Na Polônia, são esperados 355 delegados de igrejas luteranas de todo o mundo, incluindo a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI). O programa pretende refletir sobre a unidade na fé dos luteranos do mundo e sobre seu compromisso de dar testemunho do evangelho por meio do serviço, da missão e da ação diaconal profética. Uma visita ao Museu e Memorial Auschwitz-Birkenau faz parte do programa. Conferência geral da Igreja Metodista Unida (UMC) Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 23 de abril a 3 de maio de 2024 Lema: …e reconhecer que eu sou Deus Já adiada para 2020 e 2022, a Conferência UMC trará entre 5.500 e 7.000 pessoas de todo o mundo para Charlotte. A UMC está sediada nos Estados Unidos, mas é uma igreja internacional com 12 milhões de membros em quatro continentes. Na Europa, os metodistas austríacos, sérvios e alemães são afiliados à UMC, só para citar alguns. Um dos tópicos da Conferência será a discussão sobre a sexualidade humana, que há muito está em andamento nas igrejas da UMC em todo o mundo. VI Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Sibiu, Romênia, 27 de agosto a 2 de setembro de 2024 Lema: À luz de Cristo – Chamados à esperança A Assembleia será também uma ocasião para celebrar o 50º aniversário da acordo de Leuenberg (1973-2023) em torno do qual nasceu o CPCE. O CPCE inclui a Igreja Evangélica Valdense, a Sociedade para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália e a Igreja Evangélica Luterana na Itália. Conselho Geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR)Chiang Mai, Tailândia, 2025 Lema: Persevere em seu testemunho A Igreja Evangélica Valdense faz parte da CMCR. ...

Ler artigo
Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Foto arquivo retepacedisarmo.org Roma (NEV), 3 de setembro de 2022 – 'De uma economia extrativa e armada a uma reconversão pacífica', este é o título de um seminário realizado na tarde deste sábado, 3 de setembro, em Karlsruhe, um dos Brunnen, as várias iniciativas da sociedade civil, e outras, promovidas por ocasião da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. No centro do workshop esteve a experiência de "Liberu dae sa gherra" - Warfree, um plano para a promoção, valorização e valorização das actividades produtivas que em Sulcis-Iglesiente e em toda a Sardenha "recusam a economia predatória e violenta gerada pela produção de armamentos”, como se afirma na apresentação da iniciativa. Em 2021, portanto, foi formada a associação WarFree, da qual também participa a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, entre outras disciplinas. Em Karlsruhe, o projeto foi apresentado por Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com os representantes da associação, o presidente Cynthia Guaita e o co-presidente Arnaldo Scarpa. “A produção de armas e munições – explicaram os promotores do workshop – é um negócio mortal, a exportação de ambos é um negócio gigantesco. As grandes fábricas de armas estão posicionadas internacionalmente com subsidiárias e filiais em muitos países diferentes. É o caso da alemã Rheinmetall, que tem uma filial na Sardenha e outra na Cidade do Cabo. Na Sardenha, a resistência aumentou entre a população local quando ficou claro que as bombas produzidas na ilha haviam sido usadas pela Arábia Saudita na guerra do Iêmen. Organizações religiosas e da sociedade civil se levantaram e protestaram contra a exportação de bombas da Sardenha. Eles fundaram uma cooperativa "livre de guerra", que busca reunir pequenas e médias empresas na área ao redor da fábrica de bombas, comprometidas com uma economia pacífica sustentável, fora de qualquer atividade de guerra. Ao fornecer a esses negócios uma plataforma online comum, a iniciativa busca fortalecer esses negócios para que as pessoas que moram na área tenham uma alternativa para trabalhar na fábrica de bombas. No seminário, as vozes dos que vivem na Sardenha e seus protestos e vamos procurar uma economia alternativa e sem guerra e discutir como podemos ajudá-los em sua luta e como podemos agir contra uma indústria semelhante em nosso bairro”. “Acompanhamos o projeto desde o início – explicou Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – porque a Igreja Batista da Sardenha pediu apoio. Assim colaborámos de imediato com a comissão e ajudámos a organizar a conferência em março de 2019 - somos de facto um dos três parceiros do projeto Paz Conversão Sardenha. Como podemos contribuir como igrejas? Fazemos parte – tanto o comitê quanto a Glam – da Rede Italiana de Paz e Desarmamento, que inclui associações seculares e religiosas: também há colaboração nesta área. Para nós é um tema e um compromisso muito importante, no marco do compromisso do Concílio Ecumênico pela "paz justa". De fato, lembramos que em 1948, na primeira assembléia do CMI, em Amsterdã, foi dito que “a guerra é contra a vontade de Deus”. Entre outras coisas, o CMI aprovou uma Declaração 'No Caminho para a Paz Justa' em sua décima assembleia em 2013 em Busan, que será seguida neste ano. Por estas razões, “Consideramos este projeto parte deste percurso e é importante que haja um território em que existam razões concretas de reconversão da sua estrutura produtiva do ponto de vista da sustentabilidade para com o ambiente e na ética termos, contra qualquer guerra”. Além disso, nos últimos dias, Visintin e outros ativistas estiveram “na região de Bodensee (na fronteira sudoeste da Alemanha com a Suíça e a Áustria) que, como a região de Hesse, tem uma forte concentração de fábricas de armas. O que continuamos a entender cada vez mais é o quão importante é a legitimidade cultural da produção de armas em um determinado território”. O objetivo é uma declaração de posição do órgão reunida em Karlsruhe até 8 de setembro. “Gostaríamos de ajudar o CMI a produzir declarações sobre o tema da paz justa, a fim de fortalecer o compromisso local das igrejas nacionais individuais”, concluiu o representante da Comissão GLAM. Armas produzidas na Itália e conversão à paz. A pesquisa realizada pela Igreja Evangélica de Baden, pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e pelo Comitê de Reconversão RWM. Paz, Visintin: "Só se faz com justiça social" Algumas das etapas do projeto nas palavras da coordenadora do GLAM, Antonella Visintin. "WarFree-Livre da guerra". Uma marca ética para empresas que se recusam a produzir armas. A Comissão de Globalização e Ambiente da FCEI continua o seu trabalho em prol da reconversão e da consciência da paz. Da Sardenha à Alemanha e além… Baixe o Folheto WarFree. Consulte a página de empresas WarFree. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.