Ética digital.  Salve o planeta, salve-nos

Ética digital. Salve o planeta, salve-nos

Foto de José Martín Ramírez Carrasco / Unsplash

Roma (NEV), 30 de maio de 2023 – Que bem-estar para as sociedades digitalizadas e no trabalho? Isso foi discutido no dia 24 de maio em encontro promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” (CONVOCAÇÃO* – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida).

O encontro reuniu algumas das dezenas de pessoas que colaboraram na publicação das Diretrizes no âmbito do projeto”Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados”. A rede CALL trabalha há anos nestas questões, envolvendo vários profissionais e competências de toda a Europa, tanto no seio das igrejas como simpatizantes.

Harmonia, bem-estar digital, ética digital, sustentabilidade, valores ecológicos, económicos e sociais no planeamento da digitalização são apenas alguns dos temas desenvolvidos pela rede CALL, que vê a própria digitalização como intimamente ligada, e por isso orientável, ao serviço da sociedade. Ele esteve presente pela Itália Stefano Frache, engenheiro, um dos fundadores de uma empresa de desenvolvimento de software e equipamentos eletrônicos, com doutorado em Eletrônica e Telecomunicações em Torino e Lausanne. “Foi maravilhoso participar nesta experiência, numa dimensão de estímulo ao diálogo e ao crescimento pessoal” disse Frache à Agência NEV.

As diretrizes são desenvolvidas em três seções: ética, economia e sociedade. “A reunião do dia 24 foi uma oportunidade para retomar alguns temas, os pontos fortes do documento e quais aspectos, por outro lado, ainda precisam ser trabalhados – disse Stefano Frache -. Foi um importante momento de síntese, resultado de anos de trabalho, comparações e discussões. É preciso uma certa coragem para emitir um documento”. Na verdade, publicar expõe a julgamentos e críticas, mas ao mesmo tempo é uma forma de “dar o tom” para a discussão.

No primeiro ponto sobre ética, continuou o engenheiro, “foram incluídos aspectos relativos à relação de todos os seres vivos com o planeta e uma referência explícita ao justiça climática. É bom refletir sobre evidências científicas para guiar nosso pensamento. Não é uma questão emocional: realmente temos um problema com o clima.”

Durante muito tempo, segundo Frache, “houve um mal-entendido muito amplo. Nosso compromisso climático está salvando o planeta? Não, fazemos isso para nos salvar.” Eras glaciais e interglaciais com transgressões marinhas ocorreram várias vezes na Terra, mas em períodos extremamente longos. “Agora estamos aqui e estamos perturbando o equilíbrio do planeta. Os efeitos não são iguais para todos, mas a questão da justiça climática não pode ser reduzida a uma inspiração temporária. Só mais um pouco de tempo, para estragar bastante, e aí o problema será o mesmo para todos”. O problema da desigualdade deve ser enfrentado rio acima: “Não é bom sermos todos iguais diante da catástrofe. Mesmo de barriga cheia, não estou segura. O risco alimentar, a dificuldade de acesso aos alimentos e à água potável, que até poucos anos atrás pareciam preocupações distantes de nós, agora começam a nos preocupar de perto”. Refletir sobre esta dimensão ética implica também “sair da retórica antropocêntrica de sermos os salvadores do mundo. É mais sensato pensar que estamos fazendo algo por nós mesmos e pelos nossos semelhantes, tanto do ponto de vista cristão quanto do ponto de vista humano”.

Recentemente, no âmbito do Sínodo Luterano, o decano Carsten Gerdes ele falava da natureza não como um “presente”, mas como um “empréstimo”. Mesmo para os nativos americanos, a terra é transmitida de geração em geração, “mas cada geração a toma emprestada da anterior. Com esse espírito, devemos fazer bom uso dele e depois devolvê-lo intacto aos que vierem depois de nós. A ganância e a gula não dão frutos. Do ponto de vista cristão, mas não só, esses comportamentos primitivos e irracionais certamente não são dignos e, muitas vezes, causam desastres”.

A rede CALL também falou em sustentabilidade, destacando a substancial indissociabilidade dos seus elementos nos domínios económico e social. “O impacto das escolhas é transversal. Tudo está interligado”, disse Frache.

Durante o encontro também foram discutidos acessibilidade, inclusão digital, custos e benefícios do que poderíamos definir como “planejamento ético”. Finalmente, segurança. “Em termos de TI, segurança significa privacidade e atenção à coleta de dados, mas não só – concluiu Stefano Frache -. Segurança também significa proteger-se de informações falsas. Por simples engenhosidade corre-se o risco de ser enganado na formação das próprias opiniões, de ser manipulado. Um uso incorreto ou inconsciente de ferramentas digitais é muito diferente dependendo se somos sociedades abertas ou fechadas. Se quisermos nos manter como sociedades abertas e democráticas, temos o dever de lidar com elas, porque as ameaças são graves. Às vezes damos por certo, mas a liberdade de pensamento termina em uma sociedade fechada e, portanto, também a liberdade de pensamento cristão”.


*CALL é uma rede europeia que trata da reflexão sobre sustentabilidade, trabalho, economia e sociedade desde um ponto de vista cristão. O projeto “Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” é apoiado com financiamento da Comissão Europeia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sentinela, onde está a noite…?

Sentinela, onde está a noite…?

Roma (NEV), 24 de outubro de 2022 – “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Este é o título da iniciativa pública, uma mesa redonda marcada para sábado, 29 de outubro, às 16h, como parte da Segunda Assembleia Geral da Federação das Igrejas Protestantes da Itália. O encontro, que será realizado na igreja metodista na via XX Settembre, em Roma, será apresentado e moderado por Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI; eles vão intervir Débora Spini (Estudos liberais da Universidade de Nova York em Florença), Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina), Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR); conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Às 14h30, antes da iniciativa pública, haverá o culto de abertura do Assis, novamente na igreja metodista da via XX Settembre, com sermão do professor Daniele Garronepresidente da FCEI. A nomeação será transmitida ao vivo na página do NEV no Facebook. “O versículo-lema para a Assembleia da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália é apresentado na forma de uma pergunta, à qual somos chamados e chamados a responder. Para entender o que dizer, é preciso aprender a ver, ou seja, a ler a realidade. Para estimular e orientar a discussão, identificamos seis palavras sobre as quais refletir e discutir, associando-as: liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz. Essa reflexão será levada adiante tanto no evento público de abertura do Assise quanto na discussão em grupos. Estas seis palavras parecem-nos circunscrever bem o contexto cultural e existencial no qual somos chamados a pregar o Evangelho. A liberdade e a democracia evocam uma condição que assumimos como certa, pelo menos neste canto da Europa, e ao mesmo tempo nos chamam a atenção para situações em que ainda são objetivos a alcançar. Trabalho e meio ambiente são duas preocupações, muitas vezes colocadas em oposição, como se não fosse possível aspirar à superação da pobreza sem maiores danos à Criação. Globalização e paz são palavras muitas vezes reivindicadas por quem as pronuncia, sem, no entanto, uma reflexão compartilhada sobre o seu significado. A ascensão do populismo, a emergência climática, a guerra na Ucrânia e a crise econômica nos questionam sobre o significado das seis palavras. Parece-nos que devem ser redefinidos para uma compreensão precisa de "o que vemos"então você sabe"o que temos a dizer”, declara o presidente da FCEI Daniele Garrone. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes irão para o Istituto Il Carmelo di Sassone, em Ciampino, onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Baixe o PDF: Assise1_2022 ...

Ler artigo
XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

Roma (NEV), 23 de outubro de 2018 - "Nenhuma mesquita é ilegal", é o lema do XVII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, que será celebrado em toda a Itália no dia 27 de outubro. “Nossa sociedade – lê-se no apelo de 2018 – está permeada por uma feroz islamofobia. É racismo de base religiosa […] Queremos reafirmar que nenhuma mesquita é ilegal", dizem os promotores, lembrando que a liberdade religiosa também não pode ser "subordinada a normas urbanísticas" - como as recentes leis regionais significativamente denominadas "anti-mesquitas", e que na realidade atingem todos religiões sem distinção -, nem pode ser "submetida a referendo". As igrejas protestantes também participam do Dia, promovendo iniciativas em toda a Itália. Um dia que é “uma oportunidade para continuar e consolidar a compreensão mútua, a reflexão e o compromisso comum sobre várias questões que questionam a consciência dos cidadãos e dos crentes”, explicou. Pawel Gajewskipastor valdense em Terni e Perugia e coordenador da Comissão de Diálogo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Muitas vezes – apontou Gajewski – nossas igrejas se encontram trabalhando lado a lado com as comunidades muçulmanas no campo da integração e inclusão. É uma experiência que também fortalece os laços ecumênicos com outras igrejas cristãs, em particular com as paróquias católicas presentes na região”. A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - disse o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui um desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. Entre as nomeações, destacamos as seguintes iniciativas. TURIM. Sábado, 27 de outubro de 2018, das 18h45 às 21h, encontro na Mesquita Mohammed VI organizado pela rede de diálogo cristão islâmico de Turim para o Dia do mesmo nome, ao qual também se juntaram as igrejas batistas de Turim-Lucento e Venaria. Via Gênova 268b. SÉRDIO (AC). Quinta-feira, 25 de outubro de 2018, a partir das 18h, reunião sobre "Direito de culto e boa cidadania: nenhuma mesquita é ilegal!" com o pastor batista Elizabeth Green E Omar Zaher, seguida de oração comum e momento de convívio. Localização S'Otta. ...

Ler artigo
“Este Mediterrâneo é de todos nós”

“Este Mediterrâneo é de todos nós”

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Em 29 de julho de 2013, dez anos atrás, Paul Dall'Oglio estava sendo apreendido em Raqqa. Nos últimos dias, lemos vários testemunhos sobre o padre fundador da comunidade monástica de Deir Mar Musa, na Síria. Também nos lembramos dele por meio de suas próprias palavras, alguns meses antes de sua morte. Em 25 de outubro de 2012, Dall'Oglio esteve em Roma, como convidado do Centro Inter-religioso para a Paz (CIPAX), como parte do workshop "Democracia participativa e->é paz / Guerra e paz na Síria". . Padre Dall'Oglio concluiu assim seu discurso, que reproduzimos na íntegra no final da página em uma transcrição não revisada pelo orador. . Para saber mais: "A radicalidade de sua escolha diz com a voz de um canto litúrgico que o diálogo e o encontro entre as fés não podem mais ser apenas objeto de reflexão de conferência e disciplina acadêmica, mas devem ter cheiro de vida" escreve Tonio Dell'Olio em Mosaico di pace . – A coragem de Paulo (mosaicodipace.it) Avvenire fala do "testamento" de Dall'Oglio, o desejo de ser irmão de todos Mattarella: mantenha viva a memória do Padre Dall'Oglio, testemunha de paz e esperança - Vatican News Décimo aniversário do sequestro do Padre Paolo Dall'Oglio, declaração do Presidente Meloni | www.governo.it No site da CIPAX Discurso do Padre Paolo dall'Oglio (transcrição não revisada pelo orador): Encontro com o Padre Paolo dall'olio (cipax-roma.it) na Atividade 2012-2013 DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E->É PAZ Guerra e paz na Síria Encontro de 25 de outubro de 2012 com Paolo DALL'OGLIO, Carolina POPOLANI, Francesca PACI, Adnane MOKRANI, Gian Mario GILLIO. Fonte: cipax-roma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.