Há um lugar!  A campanha metodista britânica do Advento e do Natal

Há um lugar! A campanha metodista britânica do Advento e do Natal

Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – “há espaço / Há espaço” é o slogan da campanha do Advento e Natal 2022 promovida pelas igrejas metodistas britânicas. A referência é à história bíblica da natividade, segundo a qual Maria “deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lucas 2:7). . A mensagem do advento dos metodistas britânicos é que, em vez disso, o nascimento de Jesus abre espaço para cada um de nós em seu Reino. Há espaço para a diferença, para todas as idades e sexos, para a natureza, para os refugiados, para os pobres… e também há espaço para Deus, que corre o risco de ser excluído do nosso mundo!

A campanha abrange o período do primeiro domingo do Advento, 27 de novembro, até a Epifania e é acompanhada por diversos materiais: textos bíblicos, músicas, liturgias do Advento, questões para discussão, atividades práticas e ideias de solidariedade e de acolhimento. Cada semana é acompanhada por um vídeo-testemunho, pensado para ser exibido durante o culto dominical, no qual é apresentado o trabalho das associações de crianças, sem-abrigo, natureza e novas pobrezas.

“O que queremos mostrar – explicou Holly Adams, responsável pelo evangelismo e pela cultura contemporânea dos metodistas britânicos – é a natureza aberta, inclusiva e acolhedora da fé cristã. E convidar as pessoas que se sentem menos acolhidas pelas igrejas a descobrir que também há lugar para elas”.

“Há espaço” vai envolver as igrejas e prever encontros presenciais, mas a campanha será também lançada nas redes sociais – Twitter, Facebook, Instagram, YouTube – com a hashtag #TherIsRoom. O material está disponível, em inglês (e galês!), no site da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, nesta página:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo
Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Roma (NEV), 13 de maio de 2020 - A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) adere ao dia global de oração anti-covid na quinta-feira, 14 de maio. A iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, que também inclui o Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dirigida a todos os líderes religiosos e povos ao redor do mundo. Ao meio-dia, milhões de pessoas se reunirão em oração, mesmo que muitas iniciativas sejam planejadas ao longo do dia. “A adesão da Federação se deve principalmente à ideia básica que animou a convocação desta oração” explica o pároco valdense à agência NEV Pawel Gajewskicoordenadora da seção "Diálogo" da Comissão de Estudos de Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. A Federação convida todas as suas igrejas membros e todos os fiéis a se reunirem em oração no dia 14 de maio “só pensando na situação inédita que estamos vivendo – continua o pastor -. É um gesto de solidariedade com todas as pessoas que sofreram perdas, que estão doentes ou que sofrem com a pandemia. Será uma oração de intercessão por todas essas pessoas e um compromisso de ajudá-las, de criar meios adequados para responder às suas necessidades espirituais e materiais”. Numerosas igrejas locais, crentes individuais, corpos religiosos e ecumênicos também se juntaram à oração global anti-covid, incluindo o grupo de Diálogo Islâmico Judaico-Cristão (DECI) de Florença e a União Hindu Italiana. Estão previstas reuniões virtuais em plataformas web e orações simultâneas em casas e lares individuais. “Como FCEI decidimos propor uma oração retirada do dossiê da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, especialmente no 4º dia da semana – conclui Gajewski -. Colocamos à disposição de quem quiser, e pedimos que seja divulgado, compartilhado em grupos, via web ou de outras formas por se tratar de uma oração fortemente ecumênica”. Oração global de 14 de maio de 2020 Senhor, Deus de amor, de plenitude e de vida,nós nos voltamos para você em oração e trazemos o sofrimento de nosso mundo e da humanidade da qual fazemos parte. Em oração lamentamos as muitas vidas perdidas e trazemos a vocês as muitas vidas frágeis dos mais expostos ao vírus. Na oração, pedimos-te que estejas perto de quem se expõe todos os dias para o bem de todos nos hospitais e locais de trabalho. Na oração trazemos incertezas para o nosso futuro e o do próximo. E vamos orar: que o amor e não o medo se torne viral. Porque se há medo no mundo, não precisa haver ódio também; se houver isolamento, não deve haver solidão; se houver preocupação, não precisa haver mesquinhez também. Ajude-nos a encontrar novas formas criativas de nos mantermos unidos em espírito e solidariedade. Hoje alcançamos aqueles que rezam conosco, seja qual for o seu credo, onde quer que vivam no mundo, seja qual for a língua que falem: suas palavras são preciosas, sua humanidade é a mesma que a nossa. Juntos, ajudem-nos a construir um mundo melhor, mais pacífico e solidário. Dá-nos a alegria da tua presença, segundo a tua promessa: estarei contigo todos os dias da tua vida. Em nome de Jesus Amém. ...

Ler artigo
Daniele Garrone: “Pensar na liberdade”

Daniele Garrone: “Pensar na liberdade”

Foto DODJI DJIBOM / Unsplash Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2022 – Também neste ano, em muitas localidades, a “Semana da Liberdade” se desenvolveu em torno da tradicional festa valdense de 17 de fevereiro, aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses da Reino da Sardenha (e depois, em 29 de março do mesmo ano, para os judeus), é uma ocasião de reflexão e mobilização. Entre as iniciativas agendadas, para além das tradicionais fogueiras e cultos, estão vários encontros sobre os temas da liberdade, responsabilidades individuais e coletivas, direitos humanos, livre informação. Destacamos em particular o encontro agendado para Florença, quinta-feira, 17, sobre o tema “Liberdade na responsabilidade. A laicidade do estado na sociedade plural”, com Valdo Spini, Daniele Garrone E Alessandro Martini. Em Milão, porém, a videoconferência intitulada "Liberdade religiosa na Itália: uma questão não resolvida", com Ilaria Valenzi. Na agenda NEV todos os detalhes e outros compromissos na Itália. Perguntamos ao presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Daniele Garrone, sobre o significado da palavra "liberdade" na véspera deste aniversário. Abaixo está o seu reflexo. Por que tematizar a liberdade e fazê-lo em conexão com um acontecimento do passado? Em primeiro lugar porque a liberdade precisa da memória: é preciso saber o que é viver sem liberdade, é preciso saber o que foi preciso para ela existir. A liberdade nasce de uma libertação. Por exemplo, a abolição de um gueto, seja ele feito de muros, fronteiras ou discriminação. A memória da libertação não é apenas fundamental para as minorias, mas é um elemento essencial da consciência civil. Devemos recordar que as liberdades e os direitos de que hoje gozamos - sancionados, por exemplo, nas cartas constitucionais das democracias europeias - foram afirmados em reacção às ditaduras fascista e nazi, aos nacionalismos racistas e foram colocados na base de uma reconstrução sobre as ruínas de a segunda Guerra Mundial. A memória da liberdade, a história dos erros e horrores que se venceram e das conquistas que se fizeram necessárias é parte essencial da cultura da cidadania e da postura do cidadão. A começar pela escola. Pensando na liberdade A memória da liberdade é uma memória exigente. A liberdade certamente deve ser desfrutada, mas ser livre traz consigo uma vocação, a de ver também quem ainda não tem liberdade, quem não a tem plenamente. Compromete-nos a considerar que a liberdade é uma e a mesma para todos; se existem diferentes níveis de liberdade, gradações de liberdade, significa que ainda há privilégios para alguns e discriminação para outros. Este é o sentido de nossa vigilância sobre a liberdade religiosa em nosso país e por uma laicidade plena, que permita a todos, crentes de todas as orientações e não crentes, falar de uma posição igualitária, além de privilégios. Basta olhar para cima para ver quantos e quantos, no mundo, estão sem liberdade, cujos direitos são negados ou violados. Nossa liberdade nos compromete com aqueles que não são livres, ou que são menos livres ou cuja liberdade está ameaçada. Para isso, devemos estar vigilantes contra as palavras de ódio, os desvios nos discursos, a disseminação e o enraizamento de preconceitos que - a história nos ensina - anunciam o fim da liberdade para todos. Por fim, a memória da liberdade chama-nos a "pensar" a liberdade, compromisso difícil mas tanto mais precioso, no tempo das palavras gritadas, dos relatos humorísticos e das mensagens curtas, da erupção do sentimento individual, em que a "liberdade" pode significa apenas "eu faço o que eu quero" e não há outro critério para guiar nossas escolhas além do que eu sinto que é certo para mim. Se “pensamos” na liberdade, se nos questionamos sobre ela, surge outra palavra, a de responsabilidade. Isso também está em nossa memória de liberdade e precisamos pensar nisso, sem hesitar. Daniele Garrone ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.