Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 – Três anos após a aprovação da regularização extraordinária de 2020, as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também inclui a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, publicam uma nova atualização sobre o estado das práticas ainda nos gabinetes do Ministério do Interior. “Milhares de trabalhadoras e trabalhadoras ainda esperando para obter seus documentos e sair da precariedade – lê-se uma nota de Eu era estrangeiro -: uma derrota para todo o país que luta. A 13 de maio de 2020, em plena emergência pandémica, foi aprovada com o decreto de “relançamento” a regularização extraordinária dos trabalhadores indocumentados e em situação irregular nos setores doméstico e agrícola. Mais de 200.000 solicitações enviadas por famílias e empregadores. Hoje, três anos depois daquele decreto, o procedimento de emersão ainda não terminou: ainda existem dezenas de milhares de papéis não cumpridos nas prefeituras e quartéis da polícia e, portanto, trabalhadores que ainda aguardam para poder obter uma autorização de residência”.
A campanha acompanhou a implementação da medida de emergência de maio de 2020 através de pedidos de acesso a documentos e diversos dossiers de aprofundamento. Passados ​​três anos, escrevem os promotores, “nos vemos mais uma vez obrigados a denunciar os graves atrasos das repartições, sobretudo nas grandes cidades. Situação, afinal, inevitável, uma vez que os mesmos gabinetes – cronicamente insuficientes – estão também envolvidos na instrução de requerimentos relativos ao procedimento de entrada do decreto de fluxo e em outros procedimentos relativos a estrangeiros no nosso país”.
Hoje, portanto, a campanha publica uma atualização ad hoc da situação a partir dos dados a nível nacional, obtidos pelo Ministério do Interior a 10 de maio, relativos às autorizações de residência emitidas fisicamente pela sede da polícia: “Existem 65.166 em 207.000 pedidos apresentados, apenas 31,5% do total. Outros dados de âmbito nacional de que dispomos referem-se a pedidos indeferidos que a 10 de maio são 30.535, 14,75% do total dos recebidos”.
Em Milão, até o dia 19 de abril, das 26.225 candidaturas apresentadas, pouco mais da metade foi concluída. Em Roma, de acordo com os dados fornecidos pela mesma prefeitura, das 17.371 solicitações apresentadas, até 6 de abril de 2023, 52% das solicitações recebidas foram concluídas. “Mas se compararmos esses dados com a situação em 31 de dezembro de 2022, o resultado é dramaticamente sensacional: em quatro meses os escritórios da prefeitura de Roma completaram 88 práticas, um número alarmante que denota um verdadeiro impasse em detrimento de as milhares de pessoas que ainda aguardam a definição do procedimento. A mesma prefeitura, na carta de resposta ao nosso pedido de acesso aos documentos, esclarece os motivos dessa inatividade: desde dezembro de 2022 o escritório está privado de 14 unidades de efetivo, ou seja, quase metade da força de trabalho que até então ele estava a lidar com os pedidos de emergência: por isso, perante uma carga de trabalho tão enorme e um número tão pequeno de pessoal, é inevitável que avancemos a um ritmo muito lento e inaceitável para a administração pública”.
Conforme já descrito no dossiê anterior editado pela campanha em dezembro passado, “esses pesados ​​atrasos na definição do processo de regularização deram origem a inúmeros recursos administrativos e uma série de sentenças. Em particular, duas ações coletivas estão em andamento em Roma e Milão promovidas por trabalhadores emergentes contra os graves e persistentes atrasos das respectivas prefeituras, apoiadas por algumas associações. No que diz respeito à ação coletiva contra a prefeitura de Milão, movida por cerca de 100 trabalhadores, em 28 de abril, o Tribunal Administrativo Regional da Lombardia, reconhecendo a grave situação em curso, ordenou à prefeitura de Milão que apresentasse um relatório detalhando como os recursos econômicos e humanos disponível para os escritórios e explicar quais medidas foram tomadas para lidar com os atrasos. Uma intervenção significativa que vem confirmar a ilegitimidade do estado em que se encontram estes gabinetes e a gravidade desta carência para com os trabalhadores que aguardam há demasiado tempo os seus documentos. A consciência da gravidade desta situação e o aumento do contencioso relativo a processos ainda pendentes conduziu finalmente, nos últimos dias, a uma intervenção esperada e solicitada por diversas vezes nos últimos anos pela campanha Eu era estrangeiro, mais recentemente com uma carta ao ministro Piantedosi em março passado: o Departamento de liberdades civis e imigração do Ministério do Interior emitiu uma circular que prevê que as práticas relacionadas à regularização de 2020 ainda pendentes sejam sujeitas a simplificação processual e possam avançar para a etapa final do procedimento previsto para o surgimento. Esta intervenção permitirá, sem dúvida, abreviar o processo de dezenas de milhares de casos ainda pendentes. Além disso, a circular é um reconhecimento claro, ainda que tardio, de uma condição de dificuldade que agora se tornou gangrenosa para os gabinetes da administração do interior”.
À luz do que emerge do dossiê, “temos uma pergunta para o Ministro do Interior: não é uma clara situação de emergência? O que pode ser mais urgente do que colocar os gabinetes em condições de proceder em tempo razoável à apreciação dos vários pedidos e à emissão da autorização de residência essencial para tirar muitas pessoas da invisibilidade e permitir uma real inclusão na sociedade ? Se, como afirmado, o objetivo do governo é incentivar a imigração regular, por que não começar a cuidar das pessoas que vivem e trabalham em nosso país, permitindo que sejam tratadas em total conformidade com a lei?”.
A campanha apela assim ao ministro, ao Governo e à Assembleia da República a “trabalharem para que se proceda com celeridade ao recrutamento de novos quadros estáveis ​​e em número adequado às reais necessidades dos gabinetes. Outra mudança necessária para que a máquina administrativa funcione bem e evite atrasos ilegítimos é – como prevê nossas propostas de reforma – a adoção de políticas migratórias de longo prazo que permitam planejar as entradas sem recorrer aos famigerados click days e estabelecer a emergência em de forma individual, acessível a qualquer momento, sem recurso a amnistias periódicas, como se tem feito nos últimos vinte anos. Daqui passa uma gestão eficaz do fenómeno migratório: de uma administração que funciona sem ser submetida a pressões por processos extraordinários, que sabe planificar as suas atividades e é capaz de cumprir prazos e responder às exigências da cidadania, sem discriminação, contribuindo para a inclusão de trabalhadores e trabalhadoras que optaram por se instalar em nosso país e fazer parte de nossa sociedade”.


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Histórias sem fim.  O podcast.  Quaresma ou Tempo da Paixão?

Histórias sem fim. O podcast. Quaresma ou Tempo da Paixão?

Foto Sam Bloom - Unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2021 – Este episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao tempo da paixão, o período de espera pela Páscoa que na tradição cristã também é chamado " Quaresma". Por que as igrejas protestantes preferem chamar esse período litúrgico de "Tempo da Paixão"? Conversamos sobre isso com o pastor Luke Elderscom o reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau e com Maria Elena Lacquanitida Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo
Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

ágape Roma (NEV), 13 de maio de 2020 - Aboquiaberto (no grego ágape, do latim tardio agparapor exemploem grego ἀγάπη) significa "amor", indica o banquete fraterno entre os antigos cristãos, por extensão o banquete íntimo entre amigos. ágape No verão de 1946, o pároco de Prali Túlio Vinay, nascido hoje, 13 de maio de 1909, falou da necessidade de erguer nos vales valdenses um lugar que expressasse os valores do ágape cristão e que seria, para usar uma expressão contida no primeiro "Manifesto Ágape", o rosto de Cristo "esculpido nas rochas das nossas montanhas". “O projeto arquitetônico de Leonardo Ricci - como afirma o site do centro ecumênico – deu ao Centro uma fisionomia particular, de incrível modernidade. Centenas de voluntários de diferentes origens geográficas, políticas e religiosas estiveram envolvidos na construção; através do trabalho comum e do ideal do ágape de Cristo, foram resolvidas as dolorosas consequências do conflito mundial, que terminara poucos anos antes. Onde hoje está o novo templo em Prali, acamparam os jovens e as jovens que, em poucos anos, construíram a estrutura com entusiasmo e esforço que ainda hoje se esconde entre os larícios acima de Ghigo di Prali. Ágape foi, a partir da década de 1950, um lugar de fecundo debate social, político e teológico nacional e internacional”. A relação do fundador da Agape Tullio Vinay com o centro ecumênico é importante não só por essa experiência, mas por todos os projetos que dela se inspiraram. Uma iniciativa que hoje, devido à emergência do Covid19, vive obviamente uma fase particular. Nós conversamos sobre isso com Sara Marta Rostagnoum dos dois vice-diretores do centro, por ocasião do aniversário de nascimento de Vinay, também senador por duas legislaturas, eleito independente nas listas do Partido Comunista Italiano. “O sonho de Vinay continua – explica Rostagno -: queremos continuar “curando e sonhando” juntos, apesar de tudo. Estamos a tentar planear um verão diferente, ainda estamos a juntar ideias para perceber como gerir as nossas atividades. Gostaríamos de direcionar nosso projeto de internacionalidade em particular para o acolhimento de famílias e pessoas vulneráveis, que foram as mais afetadas pela crise econômica causada pelo bloqueio e após a emergência de saúde. Esperamos a colaboração do país e da aldeia, do território nisso. Depois continuaremos as manutenções, como "casa de férias" seguiremos as disposições do nosso setor, os campos de trabalho ficam assim suspensos por enquanto e adiados por tempo indeterminado. Outra ideia é propor “gostos de acampamentos” virtuais, atividades para crianças, remotamente, sem no entanto “escravizar” os pais ou obrigar os mais pequenos a passar ainda mais horas no computador. Por fim, estamos pensando em entretenimento online específico para a comunidade Agapine". O centro ecumênico não está imune à crise. A paralisação das atividades de hotelaria e turismo terá, portanto, impacto também na Ágape. Por isso, conclui Sara Marta Rostagno, “vamos lançar uma angariação de fundos estruturada nas próximas semanas, entretanto qualquer contributo é bem-vindo”. Aqui estão os dados para fazer uma doação ao centro e ao projeto valdense. ...

Ler artigo
União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

Daniele Garrone, presidente da FCEI, e Filippo Scianna, presidente da UBI, aquando da assinatura do protocolo assinado hoje, 14 de fevereiro. Foto de Nadia Addezio (Comparações) Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2022 - A União Budista Italiana (UBI) e a Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) iniciam uma colaboração destinada a acolher os refugiados que chegaram à Itália através dos "corredores humanitários" abertos nos países vizinhos com Afeganistão no âmbito de um acordo entre a FCEI, a Comunidade de Sant'Egidio, o Conselho Valdense e os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Em particular, o Protocolo de Colaboração entre a UBI e a FCEI prevê o acolhimento de 20 refugiados afegãos. O acordo de colaboração é válido ao longo de 2022 e será renovável para os anos seguintes. A UBI apoiará as atividades de acolhimento e integração coordenadas e implementadas pela FCEI, garantindo recursos que irão cobrir despesas de alojamento, escolarização, apoio educativo e psicológico, aprendizagem da língua italiana, formação e colocação profissional. O projeto visa garantir proteção humanitária a indivíduos que, sob o poder dos talibãs que tomaram o poder no Afeganistão em agosto, correm riscos muito altos, inclusive de serem mortos por suas ideias, sua fé religiosa e seu papel no regime anterior. Nesta conjuntura, a segurança das mulheres que estudaram e desempenharam papéis importantes na sociedade civil afegã está particularmente em risco. “A FCEI e a UBI partilham o compromisso civil e social por uma sociedade aberta, inclusiva e solidária que coloca no centro o indivíduo, as suas necessidades, aspirações e potencialidades. Pretendem também promover modelos comunitários baseados nos princípios da justiça e da paz, no reconhecimento da dignidade humana e no respeito por todas as formas de vida. Bem como o compromisso de salvaguardar o ambiente e os ecossistemas numa perspetiva de estreita inter-relação entre a comunidade humana e o planeta que habitamos” - declaram Philip Sciannapresidente da UBI e Daniel Garronepresidente da FCEI. Paralelamente, a UBI e a FCEI estão empenhadas em lançar um processo comum de reflexão e diálogo, visando tanto aprofundar as questões do direito de asilo, novas formas de pobreza, sofrimento social, como propor ações concretas aos decisores políticos , tanto no italiano como no europeu. Nesta perspetiva, a UBI e a FCEI pretendem promover encontros, seminários, conferências e publicações que expressem a posição das duas tradições relativamente a questões cruciais do nosso tempo. Para mais informações sobre os Corredores Humanitários e o Programa FCEI para Migrantes e Refugiados: www.mediterraneanhope.com. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.