Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 – Três anos após a aprovação da regularização extraordinária de 2020, as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também inclui a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, publicam uma nova atualização sobre o estado das práticas ainda nos gabinetes do Ministério do Interior. “Milhares de trabalhadoras e trabalhadoras ainda esperando para obter seus documentos e sair da precariedade – lê-se uma nota de Eu era estrangeiro -: uma derrota para todo o país que luta. A 13 de maio de 2020, em plena emergência pandémica, foi aprovada com o decreto de “relançamento” a regularização extraordinária dos trabalhadores indocumentados e em situação irregular nos setores doméstico e agrícola. Mais de 200.000 solicitações enviadas por famílias e empregadores. Hoje, três anos depois daquele decreto, o procedimento de emersão ainda não terminou: ainda existem dezenas de milhares de papéis não cumpridos nas prefeituras e quartéis da polícia e, portanto, trabalhadores que ainda aguardam para poder obter uma autorização de residência”.
A campanha acompanhou a implementação da medida de emergência de maio de 2020 através de pedidos de acesso a documentos e diversos dossiers de aprofundamento. Passados ​​três anos, escrevem os promotores, “nos vemos mais uma vez obrigados a denunciar os graves atrasos das repartições, sobretudo nas grandes cidades. Situação, afinal, inevitável, uma vez que os mesmos gabinetes – cronicamente insuficientes – estão também envolvidos na instrução de requerimentos relativos ao procedimento de entrada do decreto de fluxo e em outros procedimentos relativos a estrangeiros no nosso país”.
Hoje, portanto, a campanha publica uma atualização ad hoc da situação a partir dos dados a nível nacional, obtidos pelo Ministério do Interior a 10 de maio, relativos às autorizações de residência emitidas fisicamente pela sede da polícia: “Existem 65.166 em 207.000 pedidos apresentados, apenas 31,5% do total. Outros dados de âmbito nacional de que dispomos referem-se a pedidos indeferidos que a 10 de maio são 30.535, 14,75% do total dos recebidos”.
Em Milão, até o dia 19 de abril, das 26.225 candidaturas apresentadas, pouco mais da metade foi concluída. Em Roma, de acordo com os dados fornecidos pela mesma prefeitura, das 17.371 solicitações apresentadas, até 6 de abril de 2023, 52% das solicitações recebidas foram concluídas. “Mas se compararmos esses dados com a situação em 31 de dezembro de 2022, o resultado é dramaticamente sensacional: em quatro meses os escritórios da prefeitura de Roma completaram 88 práticas, um número alarmante que denota um verdadeiro impasse em detrimento de as milhares de pessoas que ainda aguardam a definição do procedimento. A mesma prefeitura, na carta de resposta ao nosso pedido de acesso aos documentos, esclarece os motivos dessa inatividade: desde dezembro de 2022 o escritório está privado de 14 unidades de efetivo, ou seja, quase metade da força de trabalho que até então ele estava a lidar com os pedidos de emergência: por isso, perante uma carga de trabalho tão enorme e um número tão pequeno de pessoal, é inevitável que avancemos a um ritmo muito lento e inaceitável para a administração pública”.
Conforme já descrito no dossiê anterior editado pela campanha em dezembro passado, “esses pesados ​​atrasos na definição do processo de regularização deram origem a inúmeros recursos administrativos e uma série de sentenças. Em particular, duas ações coletivas estão em andamento em Roma e Milão promovidas por trabalhadores emergentes contra os graves e persistentes atrasos das respectivas prefeituras, apoiadas por algumas associações. No que diz respeito à ação coletiva contra a prefeitura de Milão, movida por cerca de 100 trabalhadores, em 28 de abril, o Tribunal Administrativo Regional da Lombardia, reconhecendo a grave situação em curso, ordenou à prefeitura de Milão que apresentasse um relatório detalhando como os recursos econômicos e humanos disponível para os escritórios e explicar quais medidas foram tomadas para lidar com os atrasos. Uma intervenção significativa que vem confirmar a ilegitimidade do estado em que se encontram estes gabinetes e a gravidade desta carência para com os trabalhadores que aguardam há demasiado tempo os seus documentos. A consciência da gravidade desta situação e o aumento do contencioso relativo a processos ainda pendentes conduziu finalmente, nos últimos dias, a uma intervenção esperada e solicitada por diversas vezes nos últimos anos pela campanha Eu era estrangeiro, mais recentemente com uma carta ao ministro Piantedosi em março passado: o Departamento de liberdades civis e imigração do Ministério do Interior emitiu uma circular que prevê que as práticas relacionadas à regularização de 2020 ainda pendentes sejam sujeitas a simplificação processual e possam avançar para a etapa final do procedimento previsto para o surgimento. Esta intervenção permitirá, sem dúvida, abreviar o processo de dezenas de milhares de casos ainda pendentes. Além disso, a circular é um reconhecimento claro, ainda que tardio, de uma condição de dificuldade que agora se tornou gangrenosa para os gabinetes da administração do interior”.
À luz do que emerge do dossiê, “temos uma pergunta para o Ministro do Interior: não é uma clara situação de emergência? O que pode ser mais urgente do que colocar os gabinetes em condições de proceder em tempo razoável à apreciação dos vários pedidos e à emissão da autorização de residência essencial para tirar muitas pessoas da invisibilidade e permitir uma real inclusão na sociedade ? Se, como afirmado, o objetivo do governo é incentivar a imigração regular, por que não começar a cuidar das pessoas que vivem e trabalham em nosso país, permitindo que sejam tratadas em total conformidade com a lei?”.
A campanha apela assim ao ministro, ao Governo e à Assembleia da República a “trabalharem para que se proceda com celeridade ao recrutamento de novos quadros estáveis ​​e em número adequado às reais necessidades dos gabinetes. Outra mudança necessária para que a máquina administrativa funcione bem e evite atrasos ilegítimos é – como prevê nossas propostas de reforma – a adoção de políticas migratórias de longo prazo que permitam planejar as entradas sem recorrer aos famigerados click days e estabelecer a emergência em de forma individual, acessível a qualquer momento, sem recurso a amnistias periódicas, como se tem feito nos últimos vinte anos. Daqui passa uma gestão eficaz do fenómeno migratório: de uma administração que funciona sem ser submetida a pressões por processos extraordinários, que sabe planificar as suas atividades e é capaz de cumprir prazos e responder às exigências da cidadania, sem discriminação, contribuindo para a inclusão de trabalhadores e trabalhadoras que optaram por se instalar em nosso país e fazer parte de nossa sociedade”.


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Faculdade Valdense.  Abertura do ano letivo 2020/21

Faculdade Valdense. Abertura do ano letivo 2020/21

Roma (NEV), 29 de setembro de 2020 – A abertura do ano acadêmico 2020/21 da Faculdade Valdense de Teologia (FVT) será oficialmente realizada no sábado, 3 de outubro, a partir das 17h30, com uma prolusão de Fulvio Ferrario, reitor da Faculdade, sobre “A cátedra e o púlpito. Serviço Teológico na Igreja Evangélica”. O culto de abertura editado por Yann Redalié será realizada na igreja valdense na Piazza Cavour, domingo, 4 de outubro, às 10h45, também em transmissão ao vivo no Durante a Semana Introdutória, a partir de segunda-feira, dia 5 de outubro, estão programadas várias atividades: apresentação do programa, introdução à Biblioteca, boas-vindas aos alunos internacionais. Estarão presentes como oradores David Romanosobre “Fazendo Teologia na Faculdade Adventista Villa Aurora”; José Loriziosobre "Fazer teologia na Pontifícia Universidade Lateranense"; Gury Schneider-Ludorff E Markus Mülke sobre “Fazendo teologia na Augustana Hochschule em Neuendettelsau”. Sexta-feira, 9 de outubro, às 17h30, apresentação do livro "Relendo a Reforma" de Fulvio Ferrario e Lothar Vogelpreside Domenico Segnaeles intervêm Cettina Militello (Marianum) e Paulo rico (FVT). Baixe o Pôster da Semana Introdutória Por motivos de organização, favor confirmar sua participação no local enviando um e-mail para a Secretaria da FVT ([email protected]). A participação no atendimento é limitada a 80 pessoas (para o discurso de abertura e adoração) e 12 pessoas (para os eventos da semana introdutória) respectivamente. Prolusão e adoração podem ser acompanhadas na página do Facebook da igreja valdense na Piazza Cavour ou enquanto os eventos da semana podem ser acompanhados via Zoom no modo telemático registrando-se por e-mail no seguinte endereço [email protected] Na oferta formativa da Faculdade, também dois cursos ministrados por Daniele Garrone E Fulvio Ferrarioaberto a todos, segundo o método "All you can learn": ao inscrever-se como "auditor" durante um ano lectivo completo, tem acesso a todos os cursos indicados no catálogo e programa da FVT. Consulte Mais informação: Daniel Garrone. Um Deus, o seu nome e as suas denominações – 13 de outubro de 2020 a 26 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 Fúlvio Ferrario. Proclamando o Evangelho na Europa secular. Uma proposta protestante – 14 de outubro de 2020/20 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Foi fundada em 1855 na Torre Pellice (TO), e depois mudou-se para Florença para o Palazzo Salviati de 1860 a 1921, e para Roma, na via Pietro Cossa, ao lado da igreja valdense na Piazza Cavour. A Faculdade representa um ponto de encontro e diálogo, dada a participação de muitos estudantes estrangeiros e em virtude de uma acentuada sensibilidade ecuménica. ...

Ler artigo
Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018 – Uma delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) chegará à Itália de 2 a 7 de junho, liderada pelo vice-presidente Gerhard Ulrichpelo responsável Astrid Kleist e de Karl-Hinrich Manzkevice-presidente para a Europa Central e Ocidental da WLF. A reunião oficial com o Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será no domingo, 3 de junho, às 10h. O bispo Ulrich pregará na Christuskirche, a igreja da Comunidade Evangélica Luterana de Roma, na via Sicilia 70. O CELI, que reúne as comunidades luteranas de toda a península, lê-se no comunicado divulgado hoje pela agência de comunicação BMP, "prepara-se para acolher a importante visita que inclui algumas conversações ecumênicas no Vaticano com Papa Franciscoem audiência privada, e com o cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e o arcebispo Luis Ladaria, presidente da Congregação para a Doutrina da Fé”, estão previstos outros encontros ecumênicos e institucionais, inclusive com algumas comunidades italianas do CELI. A delegação que visita a Itália será o guia do CELI Cordelia Vitiello, vice-presidente do Consistório e membro do Conselho da FLM: “Estamos muito satisfeitos com esta visita que confirma – declarou ao Bmp – as relações profundas e fraternas entre o luteranismo na Itália e na Alemanha. E estamos ainda mais contentes porque os nossos encontros estão acontecendo em conjunção com as conversações que o Comitê Nacional Alemão da FLM está planejando com a Igreja Católica Romana: elas são, de fato, a expressão de um sentimento e um compromisso ecumênico que une os luteranos italianos, alemães e luteranos de todo o mundo”. “Por mais de 50 anos – lê-se no comunicado – a Federação Luterana Mundial (especialmente os luteranos alemães) manteve conversas constantes com o Vaticano: a FLM é a maior comunhão eclesiástica luterana do mundo, com mais de 74 milhões de fiéis e 145 comunidades em 98 nações, enquanto o NTC representa as doze igrejas germânicas que aderem à LWF e que incluem cerca de 11,5 milhões de crentes. O CELI agradece à FLM este compromisso histórico de diálogo ecuménico com a Igreja Católica, porque o considera fundamental para o presente e o futuro do cristianismo no mundo e também porque corresponde ao compromisso análogo que leva a cabo, com alegria, na Itália não só com os católicos, mas também com outras realidades protestantes e com a Igreja Ortodoxa". Após os encontros na capital, a delegação se deslocará a Nápoles para uma visita ao Hospital Evangélico de Ponticelli, que a FLM apóia financeiramente, e à Torre Annunziata. O CELI, estatutariamente bilíngue, italiano e alemão, é um corpo eclesiástico que reúne 15 comunidades, da Sicília ao sul do Tirol. Suas relações com o Estado italiano são reguladas pela lei n° 520 de 1995 (entendida de acordo com o artigo 8 da Constituição). A comunidade luterana mais antiga da Itália está em Veneza e remonta à época da Reforma implementada pelo monge agostiniano Martinho Lutero em 1517. www.chiesaluterana.it ...

Ler artigo
Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.