Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – Até 31 de janeiro, você pode se inscrever para a sessão de 2023 do Global Institute of Theology (GIT). Título do treinamento: “Perturbando a Palavra em um mundo perturbado”.

O GIT “alimenta e encoraja jovens de todo o mundo que estudam teologia. Um programa acadêmico intenso para aprender, ensinar e fazer teologia de forma intercontextual e ecumênica, vinculando a teologia nos níveis local, regional e global”, diz o site da Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC), que lança e promove a iniciativa.

As inscrições para o GIT 2023 estão abertas. O treinamento será realizado de 15 a 30 de junho de 2023 em Suva, Fiji. As candidaturas devem ser submetidas até 31 de janeiro de 2023.

Aqui o formulário de inscrição: PDF, Word Doc

Os quatro objetivos específicos do GIT

Estes são os quatro objetivos do GIT, explica o CMCR:

Construa uma comunidade de aprendizado e fé entre alunos e professores trabalhando juntos em questões vitais da Bíblia e da teologia hoje, em um contexto internacional.

Conhecer as abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas das diferentes dimensões interconfessional, intercultural e inter-religiosa também no contexto das missiologias vividas e vivas.

Apresentar diferentes perspectivas sobre o testemunho cristão da família reformada global, tendo em mente a compreensão da missão de Deus em cada continente e estando ciente do que as igrejas podem aprender com o testemunho umas das outras ao redor do mundo.

Fortalecer redes globais de compartilhamento e reflexão entre estudantes e professores de teologia, trabalhadores eclesiásticos, instituições teológicas e igrejas para continuar a ação e reflexão na Comunhão. Isso também contribuirá para o treinamento ecumênico de uma nova geração de líderes da igreja dentro da comunidade reformada.

No nível organizacional, para atender a todos esses objetivos, serão oferecidos cursos básicos obrigatórios e disciplinas eletivas.

Quem pode se inscrever?

O Instituto Global de Teologia é destinado a estudantes de teologia masculinos e femininos e pastores masculinos e femininos iniciando seu ministério. Incentiva-se a inscrição de mulheres e homens, estudantes – 40 anos, de todos os continentes – que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR; recém-formados em teologia que se preparam para estudos teológicos superiores; pastores em seus primeiros anos de ministério, recomendados pelas igrejas membros da CMCR.

Os candidatos devem ter um interesse particular em teologia e missão ecumênica. Será dada atenção ao equilíbrio regional e de gênero e, portanto, à diversidade da família reformada no mundo de hoje.

A CMCR está empenhada em formar novas gerações de líderes reformados com plena consciência da dimensão da fé em desafios contemporâneos como: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, uma igreja inclusiva e acolhedora e unidade cristã.

O GIT colabora com faculdades e institutos teológicos de todo o mundo

Por meio do GIT, a Comunhão das Igrejas Reformadas Mundiais pretende fortalecer seus laços com instituições teológicas relacionadas às suas igrejas membros, bem como facilitar ainda mais a comunicação e a cooperação entre escolas teológicas de diferentes regiões do mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia e Igreja Reformada Unida condenam o racismo nas fronteiras

Ucrânia e Igreja Reformada Unida condenam o racismo nas fronteiras

Foto de Ben Masora, unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “Proteção, orações e ações para pessoas de cor (em inglês, pessoas negras e pardas, ed) que sofreram discriminação racial durante a invasão da Ucrânia”. O pedido é do Racial Justice Advocacy Forum (RJAF), do qual faz parte a United Reformed Church (URC), que "condena a invasão da Ucrânia" e se diz "profundamente triste com a perda de vidas humanas, a destruição de casas e negócios e a separação de famílias que são consequências da guerra de Putin contra a Ucrânia”.A RJAF “condena igualmente o racismo demonstrado pelas autoridades ucranianas contra as pessoas de cor nas fronteiras e nas várias rotas de fuga das zonas de conflito”. “Acreditamos que todas as pessoas são feitas à imagem de Deus e devem receber igualmente a dignidade, o apoio, as oportunidades e a proteção atualmente negadas a muitas pessoas de cor que fogem”, continua o fórum, em comunicado publicado há alguns dias no site Site da Igreja. Os episódios discriminatórios contra pessoas "não brancas" que fogem da Ucrânia "demonstram as atitudes racistas que ocorrem na Europa, que privam aqueles que são considerados "outros" das necessidades humanas básicas. O fato de estarmos vendo demonstrações de racismo ocorrendo em meio a essa invasão trágica e ilegal é profundamente desanimador e perturbador. Pessoas de cor e pessoas de fé muçulmana enfrentam racismo e preconceito enquanto tentam escapar do conflito na Ucrânia. Pedimos aos cristãos que se lembrem de todos aqueles que são tratados de forma injusta e justa no processo de evacuação. Devemos orar e agir." “O fato de um grande número de negros ser impedido de deixar a Ucrânia é um indicativo de quão profundamente o racismo pode estar à espreita”, diz o pastor Wale Hudson-RobertsJustice Enabler – União Batista da Grã-Bretanha/RJAF. “Pedimos aos cristãos de todo o mundo que se lembrem e orem por aqueles que sofrem discriminação com base em sua cor, etnia ou fé; ore por aqueles que experimentaram a perda de familiares, amigos e meios de subsistência; e ore pelas muitas pessoas que não têm acesso às necessidades básicas, como comida e abrigo seguro. Apelamos a todas as igrejas da região para oferecer hospitalidade a todos aqueles que fogem da Ucrânia, incluindo a partilha de recursos e apoio pastoral nas fronteiras. Apelamos à mídia para expor com precisão o racismo enfrentado por pessoas de cor e aumentar a conscientização sobre os atos injustificados de discriminação que ocorrem no meio de uma zona de guerra onde todos os dias são uma questão de vida ou morte para todos os envolvidos no conflito ”. A URC é uma igreja protestante, presente na Inglaterra, Escócia e País de Gales, faz parte da família mundial das Igrejas Reformadas, um grupo de mais de 70 milhões de cristãos. ...

Ler artigo
a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo
Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.