O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

Karlsruhe. Foto de Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2022 – 800 delegados de igrejas-membro de todo o mundo, outros 500 entre observadores, convidados e crentes de várias religiões, mais de 300 estudantes e voluntários. Esses são apenas alguns dos números de participantes – um total de mais de 1.500 pessoas por dia – na próxima cúpula do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que será inaugurada em poucos dias, no dia 31 de agosto, em Karlsruhe, na Alemanha .

Sobre o que é isso? Da 11ª Assembleia do CMI, um “Encontro de Fé e Fraternidade” do mais alto órgão de governo do Conselho Ecumênico Mundial, que se reúne normalmente a cada 8 anos (a última vez foi em Busan, na Coreia do Sul, em 2013). O que isso faz? Ele elege o Comitê Central e os presidentes, estabelece a direção “política” do Conselho Mundial de Igrejas, prepara declarações públicas, revisa o trabalho do Conselho, faz quaisquer mudanças na constituição e nos regulamentos, decide as diretrizes financeiras. As decisões são tomadas usando o método de consenso. Para suas igrejas membros, o WCC (WCC em inglês) é, como explica o pastor Michael Charbonnier, que será delegado em Karlsruhe e é membro do Comitê Central do CMI, “um espaço único: um espaço no qual eles podem refletir, conversar, agir, louvar a Deus e trabalhar juntos, questionar e apoiar uns aos outros, compartilhar dons e desafios, e discutem entre si e com a sociedade civil”. O CMI é, por sua vez, “a mais ampla e inclusiva das muitas expressões organizadas do movimento ecumênico moderno, um movimento cujo objetivo é a unidade cristã”.

O trabalho diário, na Alemanha, será dividido em vários momentos: haverá pré-assembléias sobre mulheres e homens, jovens, indígenas, pessoas com deficiência, oração matutina e vespertina, cinco plenárias e reflexões teológicas, grupos de estudos bíblicos e de formação, conversas ecumênicas, encontros confessionais e regionais, assim como momentos mais “institucionais” e técnicos como Comissões, relatórios e eleições. Haverá também espaços “no estilo de um fórum social”, ou seja, i Brunnen (literalmente ‘fonte’, em alemão), onde acontecerão oficinas, exposições e atividades culturais, performances.

“Pequenos passos mas juntos”

Qual será a relevância deste evento internacional? “É um momento importante para o cristianismo que tem consciência da necessidade de trabalhar juntos e ter lugares, momentos, momentos em que nos encontramos, nos conhecemos e nos reconhecemos”, declara o pároco Michael Charbonnier.

Pr. Michel Charbonnier

“Será uma forma de recarregar as baterias espirituais. Para igrejas muito pequenas como as nossas italianas é importante se encontrar em um contexto com igrejas diferentes, de tamanhos diferentes, para se reconhecer como parte de um cristianismo maior e ver que sua voz é preciosa e é ouvida naquele contexto. Além da parte de decisão, há uma parte importante da comunidade, nos encontramos para descobrir ou redescobrir uma enorme diversidade que é uma riqueza em termos de modos de ser Igreja. Isto é funcional para recarregar as baterias mencionadas. E também será importante a comparação com muitas ONGs ligadas às igrejas, associações, redes que trabalham em vários temas, desde a paz na Palestina e em Israel, passando pelo direito à água, até os dos povos apátridas…”

Quais são suas expectativas antes de começar a trabalhar? “Será a minha terceira assembleia e por isso saio sabendo que não será possível acompanhar tudo mas que só de estar imerso neste evento será por si só uma experiência única e um grande privilégio. Uma parte importante será o networking, a possibilidade de construir novos relacionamentos”. As convergências serão encontradas em muitas questões e o caminho compartilhado será crucial: “pequenos passos, mas dados juntos”.

Na mesa de Karlsruhe, um dos assuntos mais quentes será inevitavelmente a guerra na Ucrânia e, em particular, as posições expressas pelo Patriarca Kirill.

“A declaração do CMI, em junho passado, sobre a Ucrânia lança as bases para um trabalho mais ponderado e pode neutralizar o risco de conflitos – explica Charbonnier -. A assembléia trabalhará, portanto, no sentido de baixar os braços, físicos e outros, ou seja, para não elevar o nível de confronto também em termos de diplomacia eclesiástica. Por outro lado, deve-se lembrar que as igrejas ortodoxas não são monolíticas, há dissidência interna e também na política paralela há certamente uma oposição à linha de Putin. Em todo caso, o comitê central, por unanimidade por consenso – incluindo, portanto, os delegados do patriarcado de Moscou – já considerou que a tarefa do conselho não era aumentar o nível de confronto, como eu disse. A tarefa dos cristãos é trabalhar pela reconciliação e expulsão só isto de uma igreja – o que nunca aconteceu nem para igrejas durante o apartheid na África do Sul – acho que é um atalho”.

E quanto à exploração da fé? “Devemos continuar denunciando e abrindo espaços contra esse uso perverso da fé”, conclui o pároco valdense.

não ao eurocentrismo
o pastor estagiário Simone De Giuseppe

Simone De Giuseppe, battista, pároco probatório nas igrejas de Gravina e Altamura, na Puglia, 30 anos, está em sua primeira experiência como delegado à Assembleia da CEC.

“Mesmo sendo um geração do milênioacho que a questão do clima, como você já apontou também Ioan Sauca, estar grávida, para qualquer outro discurso. Por isso, acho que deve ter um destaque particular e espero que sejam tomadas posições fortes sobre isso porque o futuro depende do clima e, infelizmente, percebemos a irreversibilidade do que está acontecendo”, declara De Giuseppe.

Do ponto de vista humano e pessoal, o jovem Batista está “animado por poder compartilhar um encontro tão internacional, um compromisso global que certamente dará uma oportunidade preciosa para a riqueza de crenças e experiências, que já tive em parte em meus estudos teológicos no instituto ecumênico de Bossey, na Suíça, centro do Conselho Ecumênico de Igrejas”. Uma ocasião, portanto, mais única do que rara, aquela em que “mais de 4500 pessoas se reunirão, num momento histórico particularmente significativo como este que vivemos na Europa. Será um momento para realmente nos perguntarmos “Que Europa queremos construir?” Gostaria que tudo não fosse feito em chave eurocêntrica – conclui De Giuseppe -, há um risco neocolonial de viver o cristianismo com uma perspectiva autorreferencial que deve ser superada. Olhemos para os muitos hemisférios do sul, partamos das necessidades das populações e territórios que mais sofrem com o estilo de vida ocidental, escutemos as vozes dos oprimidos. A começar pelos rumores de que estarão presentes em Karlsruhe. Espero sinceramente, dado o caminho já percorrido pelo concílio ecumênico nessa direção, que possamos dizer ‘não’ à armadilha do eurocentrismo”.


O CMI reúne igrejas, denominações e associações de igrejas em mais de 120 países e territórios em todo o mundo, representando mais de 580 milhões de cristãos* e incluindo a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes igrejas. Enquanto a maioria das igrejas fundadoras do WCC eram européias e norte-americanas, hoje a maioria das igrejas-membro são encontradas na África, Ásia, Caribe, América Latina, Oriente Médio e Pacífico. Existem atualmente 352 igrejas membros.


A agência de notícias NEV acompanhará o evento na Alemanha com seu editor. Artigos, entrevistas e insights serão publicados por Karlsruhe durante o encontro, a partir de 31 de agosto.


Para saber mais:

“Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática”

“CEC. Rumo à Assembleia na consciência do valor de um organismo global”, da Reforma

Todos os materiais aqui: www.oikoumene.org


Aqui estão as últimas declarações do CEC:

sobre a Ucrânia a-matar-e-todas-as-outras-consequências-miseráveis-que-acarrete-é-incompatível-com-a-própria-natureza-dos-deuses

sobre Israel e Palestina direitos humanos iguais para todos na terra santa

sobre a emergência climática de ação contra as mudanças climáticas

sobre exploração sexual, abuso e violência e-assédio chama-igrejas-para-desafiar-a-injustiça-conscientizar-

sobre as necessidades da Etiópia no chifre da África

sobre o recém-eleito secretário-geral

Relatório da Comissão Executiva de maio de 2022 oferece espaço para ouvir e cuidar uns dos outros

Entrevista com o secretário-geral sobre a guerra na Ucrânia

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Foto Michael C/Unsplash Roma (NEV), 16 de setembro de 2022 – Para o Tempo da Criação 2022, o Ministério de Música da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) propõe dois novos hinos. Criado por Virgínia Mariani, integram o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”, o Dossiê GLAM contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e insights. Os dois hinos propostos por Virginia Mariani são intitulados "E Deus vê" e "Sua criação". Entrevistamos o autor para descobrir como surgiram os hinos e aprender mais sobre o ministério de música. Quem é Virgínia Mariani? Eu sou um moça 50 anos que cresceu entre escola, piano, igreja batista e também igreja valdense na província de Taranto. Uma cidade esplêndida, que eu mesmo estou aprendendo a conhecer cada vez mais e que, infelizmente, continua degradada, feia, poluída, maculada pela indústria siderúrgica, que monopolizou sua economia desde os anos 60. Taranto não é valorizado. Poderia ser, por exemplo, como a última cidade espartana e, portanto, a Magna Grécia. Assim como Mottola, uma cidade no topo de uma colina onde moro agora. Aqui ensino Literatura há 21 anos. Também dedico aulas, projetos, iniciativas e reuniões públicas ao território, ao meio ambiente e à Criação, ao respeito por todas as criaturas, tendo como referência primeiro a Agenda 2020 agora 2030. [L’Agenda 2030 è l’attuale quadro di riferimento globale delle Nazioni Unite. Essa definisce 17 Obiettivi di sviluppo sostenibile da raggiungere entro il 2030, articolati in 169 sotto-obiettivi, ndr]. “E Deus vê”: sobre o que é este hino? "E Deus vê" nasceu durante a pandemia, graças ao concurso organizado pela Mesa Valdense. Nesse contexto, o hino recebeu menção especial. Canta uma humanidade que esqueceu que recebeu toda a Criação como dom e sob custódia, uma humanidade que ainda não cresce em responsabilidade e brinca com as vidas. Fala também de Deus que, vendo então que tudo era "bom e belo", ainda vê sempre o que somos e o que fazemos ou deixamos de fazer. A música termina com a exortação para discernir agora e em todos os momentos o que é certo fazer. Louvar, sim, com cantos e orações, mas antes de tudo com nossas existências individuais e com nosso testemunho. Baixe aqui o texto e a partitura: E Deus vê “Sua criação”. Aqui a música é livremente inspirada no Minueto 1 de Bach, o “músico teólogo”como definiu o jurista e musicólogo Gianni Long em 1997. Porquê esta escolha? Esse Minueto é uma das primeiras peças que você aprende ao estudar piano. Com o tempo, percebi que muitas vezes isso tocava em minha mente. Então, como na Reforma as melodias das canções populares se tornaram hinos, pensei, com a colaboração de M° Iannitti Piromallo na adaptação, transformar uma peça de Bach, precisamente o "músico teólogo" protestante, numa curta canção dedicada a Deus e à sua Criação, citando os elementos da natureza, quase como uma novela de Francisco de Assis. A ideia é transmitir confiança em Jesus e no poder inspirador do Espírito Santo, por exemplo, na gestão dos conflitos e desafios da vida quotidiana. Baixe o texto e a partitura aqui: Sua Criação Há muito tempo o Ministério de Música da UCEBI está empenhado em trazer a música para o dia a dia, não só na igreja, nas liturgias, mas também em outros contextos. Agora ele traz sua contribuição para o Tempo da Criação 2022. Podemos dizer que este é o começo de uma jornada, também para o futuro? Comecei uma certa colaboração com o Ministério desde o seu início, antes mesmo de participar das reuniões do Grupo de Animação Teológica (GRANT) e do Grupo de Música Evangélica (GRUME) com Charles Lella. Não sou músico, no entanto gosto muito de animar momentos de culto ou momentos dedicados às crianças. Também trago essa paixão pela música e pelo canto para a escola, por exemplo. Então, sim, tenho certeza que nesse futuro, que sempre já está presente no olhar que devemos ter ao viver a promessa e a presença do Reino dos Céus, o caminho continuará também na experimentação musical. O Ministério da Música da UCEBI O Ministério de Música da UCEBI tem uma longa história, que passa também pela esfera federativa (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália -FCEI-) para depois se tornar, em 2012, um Ministério específico instituído pela Assembleia Geral da UCEBI. Existe agora uma verdadeira descrição do trabalho, que inclui, entre outras coisas, visitas e seminários de atualização em igrejas de música cristã e litúrgica, cursos de formação, multimédia, eventos e colaborações. Dentre elas, destacamos as atividades com a Comissão Batista-Metodista e Valdense de Culto e Liturgia (CCL). Temporada da Criação 2022 Para a Temporada da Criação, além do Dossiê, a GLAM também produziu uma série de insights sobre a água, a seca e o entorno. Todos os materiais podem ser baixados nas páginas dedicadas ao Tempo da Criação 2022. Eles podem ser usados ​​por todas as pessoas interessadas em celebrar este período litúrgico ecumênico que acontece em todo o mundo entre 1º de setembro e 4 de outubro. ...

Ler artigo
Há 58 anos, o discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King

Há 58 anos, o discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King

foto: Histórias Invisíveis, unsplash Roma (NEV), 28 de agosto de 2021 – 58 anos se passaram desde o dia em que Martin Luther King ele fez seu discurso mais famoso, "Eu tenho um sonho", em Washington, no final da marcha pelo trabalho e pela liberdade. Neste mesmo dia, serão realizadas manifestações em várias cidades dos Estados Unidos para pedir a proteção do direito ao voto. A “Marcha pelo Direito ao Voto” será liderada por líderes dos direitos civis, incluindo Martin Luther King III e o reverendo Al Sharpton. Um dos objetivos é pressionar o Congresso a aprovar uma lei consagrando o amplo acesso ao voto na lei federal. Enquanto isso, novamente por ocasião do aniversário do discurso do Rei Batista, a comunidade do videogame online Fortnite, da empresa Epic Games, criou um novo jogo. A nova experiência virtual, intitulada "March Through Time", mostra o discurso "I Have A Dream" do líder dos direitos civis e permite que os participantes visitem o National Mall e o Lincoln Memorial, onde King fez seu famoso discurso, segurando cartazes e aplausos. 28 de agosto de 2021, o 58º aniversário da marcha sobre o famoso discurso “Eu tenho um sonho” de Washington e MLK. Acabei de sair da prisão para vir; James Farmer não deixaria uma prisão de Los Angeles para vir; e outros líderes dos direitos civis na prisão não puderam comparecer. Em 1963 os AAs não tinham direito a voto. pic.twitter.com/kIHOeAeQL9 — Reverendo Jesse Jackson Sr (@RevJJackson) 28 de agosto de 2021 Neste vídeo, o caçula dos filhos de King, Berenice A. Kingtraça o significado das palavras ditas pelo pai: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=G1Q872LfS_c[/embed] Para saber mais: ...

Ler artigo
Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Foto aérea, vista do Monte Pellegrino do distrito de Noce. Créditos: Ph. Maghweb Roma (NEV), 31 de março de 2021 – Eles haviam sido rejeitados por uma família, que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia, por serem negras. Agora eles encontraram um lar graças aos valdenses. Os protagonistas do agora tristemente famoso episódio são dois rapazes nigerianos, de 27 e 21 anos, que estudavam medicina e outra economia em Kiev antes do início da guerra. Entre outras coisas, essa história foi contada no programa de TV de Geppi Cucciari, "O que acontece?", foi ao ar no dia 29 de março, na Rai Tre. Em particular, ela interveio como convidada da irmã do programa Anna Alonzo, a primeira pessoa, na Sicília, em Casteldaccia, a receber os dois estudantes, que chegaram à ilha provenientes da Ucrânia via Roménia, de autocarro. Da cidade da província de Palermo e da estrutura administrada por Anna Alonzo, os jovens chegaram à capital, onde se espera que possam continuar seus estudos, e foram hospedados por dois dias na habitação social do La Noce Diaconal Center - um instituto valdense. a Cúpula de San Giuseppe dos Padres Teatinos da Piazza Pretoria. Créditos: Ph. Maghweb “Fomos contactados pela Universidade de Palermo, com quem já estamos a colaborar no projeto UNICORE (corredores universitários, ed) – explica Ana Ponente, diretor da estrutura – e de imediato oferecemos a nossa disponibilidade para acolher os dois alunos. O objetivo é dar a eles a oportunidade de continuar seus estudos. Mas antes de tudo é preciso trabalhar o processo de socialização e sobretudo fazer com que eles entendam que têm um espaço seguro, protegido e de escuta para viver. Acima de tudo, é preciso construir uma relação de confiança com eles”. Os dois jovens de origem nigeriana estiveram em Kiev com uma bolsa de estudos, são órfãos e, com a eclosão da guerra na Ucrânia, "experimentaram muitos traumas, vários abandonos, desde a sua terra natal até aquela que os acolheu, até ao último recusa da família que deveria acolhê-los”. E que ela teria recuado depois de descobrir a cor da pele deles. Hoje, em todo o caso, são hóspedes do La Noce, onde, graças ao acolhimento proporcionado pela Diaconia Valdense, vivem em habitações sociais, ou seja, um espaço onde vivem cerca de vinte pessoas, migrantes e não migrantes, estudantes mas também famílias . Têm um quarto à sua disposição e partilham áreas comuns com os restantes hóspedes. Eles começaram a estudar italiano. “Eles estão muito determinados a continuar em seu caminho – acrescenta o diretor de La Noce – mesmo que altamente traumatizados. Por isso iniciámos uma atividade de apoio psicológico”. Quanto à recusa da família que decidiu não acolhê-los, segundo Ponente “fala-se muito em acolhimento e integração, mas é preciso trabalhar a autêntica disponibilidade para com os outros. Conhecemos bem as dinâmicas que envolvem os migrantes, que os tornam visíveis e lhes possibilitam a vida. E que devem sempre se aplicar. No entanto, existem diferenças, infelizmente como demonstra este episódio envolvendo os dois jovens: isso é inaceitável em termos de direitos humanos, que são universais, para todos. Humanamente, ficamos muito impressionados com o aspecto trágico de sermos duplamente vítimas, da guerra e também da rejeição. Nós, de nossa parte, não fizemos nada de extraordinário”. Isso é dar as boas-vindas, sem ses e mas. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.