O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

Karlsruhe. Foto de Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2022 – 800 delegados de igrejas-membro de todo o mundo, outros 500 entre observadores, convidados e crentes de várias religiões, mais de 300 estudantes e voluntários. Esses são apenas alguns dos números de participantes – um total de mais de 1.500 pessoas por dia – na próxima cúpula do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que será inaugurada em poucos dias, no dia 31 de agosto, em Karlsruhe, na Alemanha .

Sobre o que é isso? Da 11ª Assembleia do CMI, um “Encontro de Fé e Fraternidade” do mais alto órgão de governo do Conselho Ecumênico Mundial, que se reúne normalmente a cada 8 anos (a última vez foi em Busan, na Coreia do Sul, em 2013). O que isso faz? Ele elege o Comitê Central e os presidentes, estabelece a direção “política” do Conselho Mundial de Igrejas, prepara declarações públicas, revisa o trabalho do Conselho, faz quaisquer mudanças na constituição e nos regulamentos, decide as diretrizes financeiras. As decisões são tomadas usando o método de consenso. Para suas igrejas membros, o WCC (WCC em inglês) é, como explica o pastor Michael Charbonnier, que será delegado em Karlsruhe e é membro do Comitê Central do CMI, “um espaço único: um espaço no qual eles podem refletir, conversar, agir, louvar a Deus e trabalhar juntos, questionar e apoiar uns aos outros, compartilhar dons e desafios, e discutem entre si e com a sociedade civil”. O CMI é, por sua vez, “a mais ampla e inclusiva das muitas expressões organizadas do movimento ecumênico moderno, um movimento cujo objetivo é a unidade cristã”.

O trabalho diário, na Alemanha, será dividido em vários momentos: haverá pré-assembléias sobre mulheres e homens, jovens, indígenas, pessoas com deficiência, oração matutina e vespertina, cinco plenárias e reflexões teológicas, grupos de estudos bíblicos e de formação, conversas ecumênicas, encontros confessionais e regionais, assim como momentos mais “institucionais” e técnicos como Comissões, relatórios e eleições. Haverá também espaços “no estilo de um fórum social”, ou seja, i Brunnen (literalmente ‘fonte’, em alemão), onde acontecerão oficinas, exposições e atividades culturais, performances.

“Pequenos passos mas juntos”

Qual será a relevância deste evento internacional? “É um momento importante para o cristianismo que tem consciência da necessidade de trabalhar juntos e ter lugares, momentos, momentos em que nos encontramos, nos conhecemos e nos reconhecemos”, declara o pároco Michael Charbonnier.

Pr. Michel Charbonnier

“Será uma forma de recarregar as baterias espirituais. Para igrejas muito pequenas como as nossas italianas é importante se encontrar em um contexto com igrejas diferentes, de tamanhos diferentes, para se reconhecer como parte de um cristianismo maior e ver que sua voz é preciosa e é ouvida naquele contexto. Além da parte de decisão, há uma parte importante da comunidade, nos encontramos para descobrir ou redescobrir uma enorme diversidade que é uma riqueza em termos de modos de ser Igreja. Isto é funcional para recarregar as baterias mencionadas. E também será importante a comparação com muitas ONGs ligadas às igrejas, associações, redes que trabalham em vários temas, desde a paz na Palestina e em Israel, passando pelo direito à água, até os dos povos apátridas…”

Quais são suas expectativas antes de começar a trabalhar? “Será a minha terceira assembleia e por isso saio sabendo que não será possível acompanhar tudo mas que só de estar imerso neste evento será por si só uma experiência única e um grande privilégio. Uma parte importante será o networking, a possibilidade de construir novos relacionamentos”. As convergências serão encontradas em muitas questões e o caminho compartilhado será crucial: “pequenos passos, mas dados juntos”.

Na mesa de Karlsruhe, um dos assuntos mais quentes será inevitavelmente a guerra na Ucrânia e, em particular, as posições expressas pelo Patriarca Kirill.

“A declaração do CMI, em junho passado, sobre a Ucrânia lança as bases para um trabalho mais ponderado e pode neutralizar o risco de conflitos – explica Charbonnier -. A assembléia trabalhará, portanto, no sentido de baixar os braços, físicos e outros, ou seja, para não elevar o nível de confronto também em termos de diplomacia eclesiástica. Por outro lado, deve-se lembrar que as igrejas ortodoxas não são monolíticas, há dissidência interna e também na política paralela há certamente uma oposição à linha de Putin. Em todo caso, o comitê central, por unanimidade por consenso – incluindo, portanto, os delegados do patriarcado de Moscou – já considerou que a tarefa do conselho não era aumentar o nível de confronto, como eu disse. A tarefa dos cristãos é trabalhar pela reconciliação e expulsão só isto de uma igreja – o que nunca aconteceu nem para igrejas durante o apartheid na África do Sul – acho que é um atalho”.

E quanto à exploração da fé? “Devemos continuar denunciando e abrindo espaços contra esse uso perverso da fé”, conclui o pároco valdense.

não ao eurocentrismo
o pastor estagiário Simone De Giuseppe

Simone De Giuseppe, battista, pároco probatório nas igrejas de Gravina e Altamura, na Puglia, 30 anos, está em sua primeira experiência como delegado à Assembleia da CEC.

“Mesmo sendo um geração do milênioacho que a questão do clima, como você já apontou também Ioan Sauca, estar grávida, para qualquer outro discurso. Por isso, acho que deve ter um destaque particular e espero que sejam tomadas posições fortes sobre isso porque o futuro depende do clima e, infelizmente, percebemos a irreversibilidade do que está acontecendo”, declara De Giuseppe.

Do ponto de vista humano e pessoal, o jovem Batista está “animado por poder compartilhar um encontro tão internacional, um compromisso global que certamente dará uma oportunidade preciosa para a riqueza de crenças e experiências, que já tive em parte em meus estudos teológicos no instituto ecumênico de Bossey, na Suíça, centro do Conselho Ecumênico de Igrejas”. Uma ocasião, portanto, mais única do que rara, aquela em que “mais de 4500 pessoas se reunirão, num momento histórico particularmente significativo como este que vivemos na Europa. Será um momento para realmente nos perguntarmos “Que Europa queremos construir?” Gostaria que tudo não fosse feito em chave eurocêntrica – conclui De Giuseppe -, há um risco neocolonial de viver o cristianismo com uma perspectiva autorreferencial que deve ser superada. Olhemos para os muitos hemisférios do sul, partamos das necessidades das populações e territórios que mais sofrem com o estilo de vida ocidental, escutemos as vozes dos oprimidos. A começar pelos rumores de que estarão presentes em Karlsruhe. Espero sinceramente, dado o caminho já percorrido pelo concílio ecumênico nessa direção, que possamos dizer ‘não’ à armadilha do eurocentrismo”.


O CMI reúne igrejas, denominações e associações de igrejas em mais de 120 países e territórios em todo o mundo, representando mais de 580 milhões de cristãos* e incluindo a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes igrejas. Enquanto a maioria das igrejas fundadoras do WCC eram européias e norte-americanas, hoje a maioria das igrejas-membro são encontradas na África, Ásia, Caribe, América Latina, Oriente Médio e Pacífico. Existem atualmente 352 igrejas membros.


A agência de notícias NEV acompanhará o evento na Alemanha com seu editor. Artigos, entrevistas e insights serão publicados por Karlsruhe durante o encontro, a partir de 31 de agosto.


Para saber mais:

“Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática”

“CEC. Rumo à Assembleia na consciência do valor de um organismo global”, da Reforma

Todos os materiais aqui: www.oikoumene.org


Aqui estão as últimas declarações do CEC:

sobre a Ucrânia a-matar-e-todas-as-outras-consequências-miseráveis-que-acarrete-é-incompatível-com-a-própria-natureza-dos-deuses

sobre Israel e Palestina direitos humanos iguais para todos na terra santa

sobre a emergência climática de ação contra as mudanças climáticas

sobre exploração sexual, abuso e violência e-assédio chama-igrejas-para-desafiar-a-injustiça-conscientizar-

sobre as necessidades da Etiópia no chifre da África

sobre o recém-eleito secretário-geral

Relatório da Comissão Executiva de maio de 2022 oferece espaço para ouvir e cuidar uns dos outros

Entrevista com o secretário-geral sobre a guerra na Ucrânia

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT) Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”. O relatório “Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”. Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”. 2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico. Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT". Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI. UM GATO A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT. ...

Ler artigo
“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=uq6yvOksX28[/embed] Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho: Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso. A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo. Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que "mergulhei" na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural. Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora. ...

Ler artigo
Bélgica.  Encontro Ecumênico Europeu de Esperança e Cooperação

Bélgica. Encontro Ecumênico Europeu de Esperança e Cooperação

A reunião do comitê conjunto CEC-CCEE em Paris (fevereiro de 2017) Roma (NEV), 18 de novembro de 2019 – A reunião conjunta dos comitês da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (CCEE) começou hoje no Centro Ecumênico em Bruxelas, Bélgica. A reunião é presidida pelo pároco Christian Kriegerpresidente da CEC, e pelo cardeal Ângelo Bagnasco, presidente da CCEE. Tema dos dois dias, "Viver a esperança na Europa hoje". A premissa bíblica sobre a qual o trabalho acontecerá é retirada de Isaías 51:9 "Desperta, desperta, veste-te de força!". Os participantes discutirão questões relacionadas ao surgimento do populismo, bem como como fortalecer a cooperação entre CEC e CCEE. Desde a década de 1950, o CEC reuniu mais de cem igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e católicas-velho. A colaboração entre KEK e CCEE tem uma longa história. A Comissão Mista, fundada em 1972 após o nascimento da CCEE (1971), reúne-se anualmente e tem como função definir e fiscalizar as iniciativas realizadas em conjunto. Entre elas, as três grandes assembléias ecumênicas de Basiléia (1989), Graz (1997) e Sibiu 2007. Em 22 de abril de 2001, em Estrasburgo, os então presidentes da CEC, o Metropolita Ortodoxo Jeremye da CCEE, o bispo Miloslav Vlkassinou a "Carta Ecumênica", documento que indica as diretrizes do ecumenismo e da cooperação entre as Igrejas na Europa e que representa uma etapa importante no desenvolvimento das relações ecumênicas. Todos os anos, o comitê conjunto KEK-CCE analisa questões sociais e pastorais de um ponto de vista teológico, em busca de "formas comuns para enfrentar os desafios mais urgentes enfrentados pelos cristãos na Europa", como afirma o site da CCEE. O tema deste ano parece retraçar alguns dos argumentos cruciais da Carta Ecumênica, redigida há dezoito anos por uma comissão conjunta KEK-CCEE por meio de ampla consulta às igrejas européias; em particular, os temas do diálogo, da proteção das minorias, da responsabilidade das Igrejas na construção da Europa e na reconciliação dos povos e das culturas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.