publicou relatório sobre projetos financiados em 2021

publicou relatório sobre projetos financiados em 2021

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense

Roma (NEV), 4 de novembro de 2022 – – O relato detalhado de todos os projetos apoiados em virtude das assinaturas de mais de meio milhão de contribuintes na Itália. São mais de mil projetos, selecionados entre cerca de cinco mil candidaturas, financiados num montante de cerca de 42 milhões de euros (equivalente a 2,99% do total das contribuições).

O documento contém as referências das associações a quem os fundos foram doados, o objeto e finalidade das iniciativas, os valores pagos a cada uma delas. A subdivisão dos auxílios para as várias categorias de intervenção, na Itália e no exterior, e a repartição por área geográfica são também indicadas.

“A publicação deste relatório é muito importante para nós – explica Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense – porque confirma o respeito constante ao nosso compromisso com os cidadãos italianos de destinar integralmente os recursos a iniciativas de solidariedade, cultura, inclusão, proteção ambiental. Nesta perspectiva, também estamos atentos para que as despesas com as atividades de gestão (comunicação, seleção de projetos, emissão de editais) permaneçam limitadas em relação aos fundos disponíveis, conforme o mandato de nosso Sínodo (a Assembleia que constitui o mais alto autoridade das Igrejas Valdense e Metodista)”.

Em 2021, 1161 (730 na Itália e 431 no exterior) financiaram projetos no valor total de 41.408.481,00 euros (60,69% na Itália e 34,38% no exterior), valor adquirido graças a mais de 538.000 assinaturas de contribuintes: “Esta é uma confirmação da validade do a escolha de testemunhar a nossa fé cristã apoiando ações de ajuda aos mais pobres e o compromisso de fazer o bem comum sem preconceitos ideológicos, sociais ou religiosos”.

A próxima chamada está prevista para janeiro de 2023, as novas diretrizes serão publicadas no site até o final de novembro.


Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes italianos a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Experimente a Ceia do Senhor juntos

Experimente a Ceia do Senhor juntos

Roma (NEV), 24 de setembro de 2018 - A apresentação do volume "Viver juntos a Ceia do Senhor" será realizada no sábado, 29 de setembro, editada pela Coordenação Milanesa 9 de março e pelo pároco batista Ângelo Reginato. "Este é o sentido do nosso profundo desejo de partir não só a Palavra, mas também o Pão: oferecer a um mundo que constrói muros e teme o testemunho de um convite gratuito dirigido a todos, sem autorização de residência e sem comissões ministeriais, para participar e partilhar o dom do seu amor», lê-se na primeira página do livrinho publicado pela o relógio de sol no colar páginas outras. O livro reúne reflexões, documentos e esperanças de crentes no Evangelho, de diversas confissões, que desejam celebrar juntos a memória da ceia do Senhor. Eles participam da apresentação, que tentará responder à pergunta se é possível trilhar um caminho comum Mira Bozzinio presidente da Fundação Arché José Bettoniresponsável pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Milão Elza Ferrario e O próprio Angelo Reginato, pároco da Igreja de Lugano. Encontro às 9h30 em Milão no Corso Garibaldi 116, na sala da biblioteca paroquial, seguido de debate. Existem várias iniciativas ecumênicas sobre hospitalidade eucarística, como por exemplo a do grupo "Spezzare il pane", que promove a hospitalidade eucarística desde 2011, para criar uma rede de intercâmbio de informações e experiências. ...

Ler artigo
Abandone a guerra mundial em pedaços.  Em 15 de fevereiro, reunião em Roma

Abandone a guerra mundial em pedaços. Em 15 de fevereiro, reunião em Roma

Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2023 – “15/02/2003-2023 Vamos parar a guerra”. Este é o nome da rede de pessoas e organizações que organizaram uma conferência aberta por ocasião do 20º aniversário da grande mobilização que disse NÃO à guerra no Iraque. Entre os promotores, juntamente com Un Ponte Per e a Rede Nacional de Coordenação de Paz e Desarmamento, está também a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A conferência é realizada na Igreja Evangélica Metodista na via XX Settembre em Roma, no dia 15 de fevereiro, a partir das 16h30. Haverá uma transmissão online ao vivo no Facebook (e outros sites. Os organizadores escrevem: “Há 20 anos, em 15 de fevereiro de 2003, mais de 100 milhões de pessoas saíram às ruas das cidades do mundo para dizer NÃO à guerra no Iraque e a todas as guerras sem ses, es ou mas. Uma geração de ativistas e ativistas se manifestou em nome da humanidade. Foi a maior manifestação de sempre, falava-se da sociedade civil como a segunda potência mundial. Por um breve período, tornou-se mais difícil para os poderosos justificar a guerra diante de sua própria opinião pública. Alguns países retiraram tropas do Iraque, a nova presidência dos EUA fez um acordo histórico com o Irã, ninguém mais queria colocar as botas no chão. Depois houve a grande crise econômica e a opinião pública teve que mudar sua agenda. Às tradicionais grandes potências atómicas juntaram-se novos players regionais e globais, iniciando uma grande competição para um novo equilíbrio global. Entretanto, iniciou-se uma nova corrida armamentista e os preparativos para a guerra reiniciaram-se silenciosamente até à agressão do governo russo contra a população ucraniana e às tantas outras guerras 'silenciosas' de hoje perante as quais as sociedades civis, embora opostas, parecem não reativos ou dispostos a se rebelar como no passado. Vinte anos depois, tentemos reflectir sobre o significado e o alcance daquela manifestação e sobre a fragmentada terceira guerra mundial a que assistimos e sobre os desafios do movimento antiguerra internacional com alguns dos protagonistas da época e olhando para o mundo a partir dos cinco continentes e de diferentes pontos de vista”. Para inscrições e informações, escreva para [email protected] PLANO 16h30 – Exibição dos filmes da manifestação de 15 de fevereiro de 2003 17:00 – Apresenta: Alfio NicotraUma Ponte Para 17h10 – Saudações: Mirella Mannocchiopastor da Igreja Evangélica Metodista Sessão #1: O DIA EM QUE O MUNDO DISSE NÃO À GUERRA 20 anos depois, comparando reflexões sobre o significado, alcance e legado do maior comício pela paz da história 17h20 – Chris NinehamPare a Coalizão de Guerra 17h30 – Piero BernocchiCOBAS 17h40 – Raffaela BoliniARCI 17h50 – Ismaeel DaewoodIniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana (ICSSI) Sessão #2: A GUERRA MUNDIAL EM PEDAÇOS Perspectivas dos 5 continentes sobre a guerra mundial em pedaços e sobre os desafios do movimento antiguerra internacional, com os protagonistas da época. 18h00 – Walden BelloFoco no Sul Global – Ásia 18h10 – Phyllis BennisInstituto de Estudos Políticos - América do Norte 18h20 – Alexandre BelikMovimento Russo de Objetores de Consciência – Europa 18h30 – Edgardo LanderInstituto Transnacional e Diálogo Global – América do Sul 18h40 – Moussa ThangariAlternative Espace Citoyens – África 18h50 – Marga FerréTransformar – Europa Sessão #3: PONTOS DE VISTA Feminismo, justiça climática, luta pelas liberdades: testemunhos de movimentos em comparação. 19h00 – Ada DonnoGrupo Femm Cura, Associação de Mulheres da Região do Mediterrâneo 19h10 – Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro 19h20 – Parisa Nazariativista iraniano CONCLUSÕES 19h30 – Sérgio Bassoli, CGIL; Europa pela Paz Moderado Fábio AlbertiUma Ponte Para Curadoria do evento: 15 de fevereiro de 2003-2023 Vamos parar a guerra ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.