Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio.  Pergunta de trabalho

Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio. Pergunta de trabalho

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O 5º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), está prestes a chegar.

Marcação no próximo dia 7 de maio, das 19h00 às 20h00. O tema deste episódio é “A questão do trabalho, reflexões entre o norte e o sul da Itália”.

O último episódio da Rádio GLAM antes das férias de verão abordará o tema do trabalho – escrevem os organizadores -. Convidamos você a participar para enriquecer as ideias que nos chegarão dos dois convidados da noite com a contribuição dos ouvintes, Elisabetta Raffa jornalista e David Mozzato pastor adventista, que narrarão o tema respectivamente do sul e do norte da Itália”.

Para entrar na reunião no Zoom:

ID da reunião: 876 1707 2469

Senha: 028216

Para marcar participação escreva para:[email protected]

A Rádio GLAM foi criada para coletar “Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…”



Quem ouve Rádio GLAM?

Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais.

Por que o nome Radio GLAM?

Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar.

Quando Rádio GLAM?

Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de comunidades ecológicas, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…

Como assinar a Rádio GLAM?

Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências!


A Comissão de Globalização e Meio Ambiente

Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã.

A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica.

Existem ecocomunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até à verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo
Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Roma (NEV), 1º de abril de 2020 - "O aniversário da semana dos direitos este ano infelizmente não pode ocorrer da mesma forma como sempre, mas ainda podemos continuar no caminho de afirmar a lei e a justiça em todos os lugares deste planeta , que percebemos que estamos cada vez mais interligados”. A notícia foi anunciada pelo Departamento de Evangelização da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI), que publicou ontem o programa com todas as iniciativas previstas para a Semana dos Direitos 2020, e que obviamente será realizada online, devido às restrições impostas para combater o coronavírus. Para celebrar estes dias, os batistas decidiram criar "uma sala virtual no link meet.jit.si/liberacidalmale onde podemos nos encontrar, ler, rezar, compartilhar testemunhos e, acima de tudo, ouvir quem está sozinho ou simplesmente procurando um pouco de companhia". “O lema norteador que já havíamos escolhido há muitos meses para esta semana – lê-se no site da UCEBI – é “O Senhor me enviou para anunciar a libertação aos prisioneiros”, claramente inspirado no versículo de Lucas 4:8. Um verso em que Jesus define a sua missão e a sua própria identidade com as palavras do profeta Isaías". Assim, a partir de ontem, 31 de março, e até sábado, 4 de abril, será garantida uma escuta pastoral das 16h às 18h. No mesmo dia, no aniversário da morte do pastor batista Martin Luther Kinga UCEBI publicará um vídeo que reproduz algumas frases retiradas da sua famosa carta escrita na prisão de Birmingham. ...

Ler artigo
55 anos após a morte de Martin Luther King

55 anos após a morte de Martin Luther King

Roma (NEV), 4 de abril de 2023 – Há 55 anos, em 4 de abril de 1968, em Memphis, no estado do Tennessee, foi assassinado o pastor afro-americano Martin Luther King, líder do movimento pelos direitos civis. Nascido em uma América ainda segregada, em que havia espaços apenas para brancos e outros apenas para negros, em um país que de fato impedia o voto dos afro-americanos, em uma época ainda marcada pelo mais violento racismo, King morreu em um país que estava mudando. A lei de 1965 finalmente reconheceu aos negros também o pleno direito de voto; formalmente as leis de segregação haviam caducado e, pelo menos em algumas áreas, foi lançada uma reflexão crítica sobre o pecado original da América: o racismo, com seus trágicos corolários do tráfico, comércio e uso de escravos para o avanço da economia nacional. Era uma página imoral e até blasfema porque, com raríssimas exceções, igrejas e comunidades cristãs nos Estados Unidos aceitavam a escravidão como um fato natural, uma variável possível das relações sociais e econômicas. King's foi um movimento político, claro, mas acima de tudo ele montou uma frente de consciências: em um país também dividido por barreiras confessionais, ele soube unir católicos e protestantes, judeus e muçulmanos, seculares e agnósticos e, em alguns casos, , mesmo conservadores e progressistas. Foi um tempo de esperanças excepcionais, perfeitamente expressas no famoso discurso que King fez no Lincoln Memorial em Washington em 28 de agosto de 1963. Um discurso memorável, feito de improviso, no qual aquele pregador negro delineou o verdadeiro sonho americano: que de um país reconciliado, que busca justiça e quebra as barreiras da cor da pele e da etnia. No entanto, em poucos meses, esse sonho se transformou em pesadelo. Algumas semanas após o grande encontro em Washington, de fato, um ataque racista da Ku Klux Klan matou 4 meninas negras em Birmingham, Alabama. Eles estavam assistindo a uma aula da Escola Dominical na Igreja Batista da Rua 16 quando, às 10h30, uma bomba letal explodiu. Não foi o último. No que o próprio King chamou de jornada no deserto para a terra prometida, haveria outras dificuldades, outras vítimas, outras lutas. Como aquela que King liderava às vésperas de seu assassinato: a organização de uma grande marcha contra a pobreza, uma mobilização que reuniria brancos e negros afetados por uma crise econômica causada em grande parte por investimentos militares para financiar a guerra do Vietnã. Esta foi a última batalha de King antes de ser morto: a denúncia do entrelaçamento de racismo, militarismo e pobreza, faces de um único mal que atacava a consciência da América. E é nessa denúncia que deve ser buscada a chave de seu assassinato que, segundo as investigações, não teria mandato mas apenas um modesto executor criminal de baixo perfil. Depois de tantos anos, a condenação do responsável por aquele ataque parece fraca e cheia de questionamentos. Cinquenta e cinco anos depois, a América mudou muito, também teve um presidente negro e o próprio King é uma espécie de herói nacional. No entanto, o racismo americano não está morto. Muitos afro-americanos na prisão, muitos vivendo abaixo da linha da pobreza, muitas vítimas negras inocentes mortas pela polícia, muitos bairros só para negros, cada vez mais degradados e marginais. Tampouco parou a corrida armamentista, contra a qual King passou os últimos anos de sua vida, pedindo a conversão dos gastos de guerra em investimentos sociais. E então, mais do que os monumentos que celebram o pregador negro, precisamos olhar para os movimentos que interpretam sua herança moral, política e espiritual. Paz, desarmamento, direitos, inclusão social: é só raciocinando e agindo sobre essas questões que podemos entender a relevância e a força desse legado que Martin Luther King nos deixou. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.