sob a bandeira da paz e dos direitos

sob a bandeira da paz e dos direitos

Roma (NEV), 2 de novembro de 2022 – Encerrou ontem em Sassone (Roma) o II Julgamento da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Intitulado “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”, o Assise reuniu mais de 100 delegados do protestantismo na Itália.

O encontro trienal representa uma novidade na trajetória da FCEI. Instituído na Assembleia de 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo, com o objetivo de promover o encontro e o debate, de forma a sugerir orientações e recomendações à Assembleia e ao Conselho da FCEI. Este último terá então o mandato operacional para realizar os objetivos e projetos democraticamente delineados.

O II Assizes aprovou por unanimidade uma mensagem final que traça as linhas programáticas e espirituais para o trabalho dos próximos anos. O documento, que abre indicando as várias razões pelas quais “Caminhamos na noite”, uma noite pelos direitos, pela confiança, pelos princípios democráticos e humanos, declara então a urgência de olhar para frente. Apontando o caminho no “sentido profundo da fé em Cristo que proclamamos: quando a escuridão é mais escura, imagina a luz; onde reina o desânimo, testemunhai a esperança; quando o fechamento e o egoísmo vencerem, afirme o acolhimento e a comunhão; em tempos de opressão e guerra, construa a justiça e a paz. ‘A noite está avançada, o dia está próximo; despojemo-nos, pois, das obras das trevas e vistamo-nos da armadura da luz’ (Romanos 13:12)”.

Leia a mensagem completa: Mensagem final da Assembleia FCEI 2022.

Foram também aprovadas várias moções, entre as quais uma de adesão à manifestação nacional pela paz de 5 de novembro. Adesão que vem acompanhada de uma especificidade da Assizes, que tem declarado não querer se posicionar de forma polarizada a respeito da delicada e complexa questão das guerras em curso. Aprovaram também: moção sobre integração e migração; uma moção sobre trabalhadores e trabalhadoras, que convida, entre outras coisas, a continuar a reflexão teológica sobre o tema; uma moção sobre treinamento e educação; a moção denunciando a perseguição de igrejas e comunidades de fé; uma moção que apela a encher de conteúdo o diálogo cristão-islâmico, através de iniciativas de aprofundamento em consonância com o espírito que levou à inauguração do Dia do Diálogo Cristão-Islâmico há 21 anos; uma moção sobre comunicação. Por fim, o documento intitulado: “Enfrentar velhos e novos desafios. Evangélicos na Itália hoje”. O documento será levado às igrejas para aprofundar a reflexão e o debate em torno dos grandes temas de época que dizem respeito ao presente da sociedade e da política, não só nacionalmente. Fala de empenho ecuménico, pluralismo religioso e secularismo, mas também de educação contra atitudes e propaganda xenófobas e racistas, também à luz da persistência de preconceitos anti-semitas e islamofóbicos. Ele também estende as mãos diante dos temidos “bloqueios navais” convidando, ao contrário, a abrir a porta a quem bate, como ensina Cristo. E para ajudar o estrangeiro, seja ele quem for, como fez o samaritano.

A Assise caracterizou-se como um grande laboratório de ideias e práticas para um futuro sustentável, baseado na solidariedade, na justiça, na cooperação, na liberdade. Com o olhar fixo no valor da Constituição, na dignidade do trabalho, junto com as novas gerações, as mulheres, todas as pessoas.

Entre as propostas que surgiram, sobre as quais a próxima Assembleia da FCEI é chamada a trabalhar concretamente, também o Fórum de comunicação protestante, projeto que já vem sendo discutido há algum tempo também em outros fóruns deliberativos, como o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses . Em seguida, um Código de Ética para o uso correto da terminologia religiosa na mídia.

O Assise, que trabalhou tanto por grupos temáticos como em sessões plenárias, aprofundou muitos temas, em consonância com os binómios expressos no mesmo título. Ele também passou em revista as atividades e projetos da Federação, expressando seu apoio e apreço por eles, em continuidade com o que tem sido feito até agora. Entre eles, o programa de refugiados e migrantes da FCEI Mediterranean Hope (MH). Os serviços e comissões da FCEI, como a Comissão de Estudos do Diálogo da Integração (COSDI), Estar Juntos da Igreja (ECI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), Serviço de Educação e Educação (SIE), o recente Carteira Escolar Pluralismo Secular.


Para saber mais

Leia o especial do NEV sobre Assise 2022.

FICHA TÉCNICA sobre o Assise.


galeria de fotos

Fotos de Pietro Romeo, Elena Ribet, Barbara Battaglia.


Um pouco de história

A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018.


Igrejas membros da FCEI

A FCEI reúne a União Cristã Evangélica Batista (UCEBI), a Igreja Valdense, a Igreja Metodista, a Igreja Luterana, o Exército da Salvação, a Comunhão das Igrejas Livres e a Igreja Apostólica Italiana. De acordo com o Estatuto, a União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) e a Federação das Igrejas Pentecostais (FCP) participam da Federação como “observadoras”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

Pastor Marcelo Nicolau, Moderador da Mesa Valdense del Rio de la Plata, ramo sul-americano da igreja valdense. Foto de Daniele Fly Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 - O Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas continua seus trabalhos, após a sessão conjunta com a Assembleia Extraordinária da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), a chamada "Assembléia-Sínodo " que terminou ontem. Na mesa de discussão, além da vida da igreja e do trabalho dos institutos, obras e órgãos diaconais, relações ecumênicas e internacionais, cultura, projetos atuais e questões administrativas e orçamentárias. Também é dada grande atenção ao tema da solidariedade, acolhimento e inclusão dos migrantes, com experiências como a dos corredores humanitários do Líbano, Líbia e Afeganistão, criados por Tavola Valdese, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e A Diaconia Valdense e construída de forma ecumênica com realidades do mundo católico como a Comunidade de S. Egídio e a sociedade civil. Amanhã, em particular, falaremos sobre os fundos do Otto por mil das igrejas metodistas e valdenses e os inúmeros projetos humanitários apoiados. Esta manhã o pároco Marcelo Nicolau (foto com camiseta “Todos somos familiares” dos desaparecidos) novo moderadodor de Mesa valdense que representa o órgão executivo daigreja valdense do Rio de la Plata - ramo sul-americano da Igreja Valdense -, trouxe suas saudações. Nicolau destacou a importância da cooperação entre as igrejas. Ele também expressou seu apreço pelo caminho unitário das igrejas batista, metodista e valdense e pelo trabalho conjunto dos últimos dias com a Assembleia Sínodo, um caminho que representa um unicum em nível internacional e que também pode ser replicado em outros lugares. EU'igreja valdense del Rio de la Plata consiste em 24 igrejas entre Argentina e Uruguai, com 9 pastores cobrindo 9.500 quilômetros de norte a sul e cerca de 1.000 de leste a oeste. Os trabalhos sinodais continuarão até 26 de agosto. A eleição dos 7 membros do Conselho Valdense com o discurso final do moderador está marcada para sexta-feira. Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.itTwitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org (SMV01-NEVCS/22) ...

Ler artigo
Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Roma (NEV), 7 de julho de 2022 – “Planear e gerir os fluxos migratórios para o trabalho de forma a garantir protecção e dignidade a quem chega a Itália e responder às necessidades do mercado de trabalho, superando o sistema ineficaz e tortuoso introduzido pela lei "Bossi-Fini" há vinte anos": ser discutido na quinta-feira 14 de julho em Roma, às 15h, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, por ocasião da conferência "Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária", organizada pela campanha Eu era estrangeiro. Uma comparação qualificada sobre os limites do sistema atual, considerado “insuficiente para satisfazer a procura de mão-de-obra e sobre as potenciais oportunidades apresentadas por uma gestão racional e de longo prazo dos fluxos”, na qual intervirão, com dados e histórias: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Leone Moressa; Hardeep Kaur, o sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone; Cláudio Cappelliniresponsável pelas políticas comunitárias do CNA; Cris Richmond, CEO da MyGrants; Leonardo Becchettiprofessor titular de Economia Política na Universidade de Roma Tor Vergata; Tatiana Esposito, Director-Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho, e Luciana Lamorgese, Ministra do Interior. Para a campanha vão intervir, entre outros, Emma Bonino E Louis Manconi. A moderar o debate esteve o jornalista de A impressão Francesca Schianchi. A conferência é organizada pela campanha “Fui estrangeiro”, nascida em 2017 com o objetivo de reformar o sistema que regula a imigração e o trabalho no nosso país através da introdução de novos canais de entrada dedicados e inclusão ativa na sociedade da população estrangeira já presentes no país, abordando a questão da gestão da imigração numa perspetiva que, nos últimos anos, tem sido negligenciada em prol de uma maior atenção aos desembarques e receção. Tornando-se também um projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regulares e a inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE", "Ero Straniero" foi arquivado com mais de 90.000 assinaturas na Câmara dos Deputados em 27 de outubro de 2017 e está estacionado desde março de 2020 na Comissão de Assuntos Constitucionais. AQUI e abaixo o programa da conferência 14 de julho de 2022: Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária A comparação sobre regularização e canais de entrada para obra vinte anos depois de Bossi-Fini Quinta-feira, 14 de julho de 2022, 15h00 Sala Zuccari, palácio Giustiniani – Via della Dogana Vecchia, 29 – Roma 14h30: Hall de entrada 15h00: Saudações de: Emma BoninoSenador, E Louis Manconipresidente da Com razão, para a campanha eu era um estrangeiro Relatório introdutório por: Julia CapitaniOxfam Itália, e Júlia GoriFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pela campanha eu era um estrangeiro Discursos de: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Moressa Hardeep Kaur, sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone Cláudio Cappellinigerente de política comunitária da CNA Cris Richmond, CEO da MyGrants Leonardo Becchettiprofessor de Economia Política, Universidade de Roma Tor Vergata Tatiana Esposito, Diretora Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho e Políticas Sociais Luciana LamorgeseMinistro do Interior Moderado: Francesca Schianchi, A impressão As atas serão transmitidas ao vivo pela web-TV do Senado e pelo canal do YouTube. Informações e métodos de acreditação O encontro é quinta-feira, 14 de julho, às 15h00 (entrada na sala a partir das 14h30) no Palazzo Giustiniani, via della Dogana Vecchia, 29, Senado. Obrigatório paletó e gravata. Para se inscrever escreva para [email protected]. Os pedidos de credenciamento para jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos devem conter: dados pessoais (nome, local e data de nascimento); número de telefone; os dados do cartão da Ordem dos Jornalistas, ou os dados do documento de identidade para outros operadores de informação; cabeçalho de referência. Contatos: [email protected] A campanha "Fui estrangeiro" é promovida pela Radicais italianos, Fundação da Casa de Caridade "Angelo Abriani", ActionAid, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, Federação das Igrejas Evangélicas Italianas (Fcei), CILD, ACLI e apoiado por Legambiente, Scalabriniani, AOI , CGIL e dezenas de outras organizações. ...

Ler artigo
Oscar 2022, a lição de uma noite

Oscar 2022, a lição de uma noite

Roma (NEV), 28 de março de 2022 - "O triunfo do politicamente incorreto, como se não houvesse civilização", de um lado e "a delicadeza" de um filme como "Drive my car" do outro. Então o pastor metodista Pedro Ciacciopresidente da Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi", comentou, in loco, a noite do Oscar e em especial a bofetada de Will Smith para o apresentador Chris Rockque fez uma piada sobre o cabelo da esposa de Smith, Jada Pinkettsofrendo de alopecia. Sobre o episódio acima, para Ciaccio foi a representação de “Um quadro burguês, para dizer a verdade. O pior desta noite foram, na minha opinião, as desculpas de Will Smith, que não se desculpou com a esposa, como se ela devesse agradecê-lo por esta cena”. Ciaccio com o diretor de Drive my car Voltando ao cinema propriamente dito, segundo Ciaccio "o filme que ganhou o prêmio de melhor filme estrangeiro, "Drive my car", dirigido pelo diretor Ryusuke Hamaguchi, é um dos filmes mais interessantes e bonitos dos últimos anos. Porque consegue juntar os fios das diferentes formas de fazer cinema, conjugar o teatro com a literatura, e muito mais. Ser visto. E em termos de relação entre os gêneros, mas também de violência, é exatamente o oposto da terrível cena da noite passada entre Smith e Rock”. Em julho passado, o júri ecumênico do Festival de Cinema de Cannes já havia premiado o filme japonês baseado em uma história de Haruki Murakami. O filme também ganhou o prêmio de Melhor Roteiro em Cannes. É “um filme muito delicado e comovente, com um elenco internacional, que fala de autoaceitação e perdão”, disse-nos Peter Ciaccio. O júri ecuménico do Festival Francês, instituído em 1974, é nomeado pelas associações cinematográficas Signis e Interfilm, para escolher e premiar filmes de cariz social e espiritual, constituído por três católicos e três protestantes, cujo presidente da última edição do Festival revisão era um irlandês. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.