Suíço.  Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Suíço. Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Foto acima: Grossmünster (de www.grossmuenster.ch) Foto abaixo: Disputa de Zurique (de www.zb.uzh.ch/de/zuerich/reformation)

Roma (NEV), 20 de janeiro de 2023 – O culto habitual das várias denominações protestantes de Zurique é realizado no domingo, 22 de janeiro, em Grossmünster. As comunidades reformadas valdenses de língua italiana, de língua francesa, de língua húngara e de língua tcheca e a comunidade luterana participam do culto. Haverá partes litúrgicas em diferentes idiomas e um sermão multivocal. Para a igreja valdense, celebra o pastor Herbert Anders. A pastora preside com ele Krisztina Michnao pastor Jiří Přečeko pastor Christophe Kochero pastor Thomas Risel e o pastor Martin Rusch. Segue-se um aperitivo na capela de Helferei.

No mesmo dia também é possível participar da inauguração da exposição “Disputation – Reformation im Kreuzfeuer” “Disputa. A Reforma no Fogo Cruzado”, na galeria Grossmünster. A exposição visa celebrar os 500 anos da primeira disputa de Zurique.

De fato, 2023 celebrará “500 anos das disputas de Zurique”. A primeira, por escrito, ocorreu em 29 de janeiro de 1523. Os organizadores escrevem que a forma de assembléia inaugurada com a primeira disputa de Zurique, então completamente nova e que mais tarde se desenvolveu em um “modelo de sucesso além da fronteira suíça, representou para Zurique o passo decisivo para a renovação social e eclesiástica. Nas disputas, aconteceram debates públicos perante o Concílio, abrindo caminho para a Reforma”. E também levando ao que é considerado a invenção zwingliana do sínodo e a vitória da Reforma.

Isso é bem explicado por um blog de reformados suíços “locais”, que tentam “entrar na filosofia de uma disputa. Um método de trabalho interessante que permitirá a muitas cidades introduzir a Reforma. O Concílio convoca as partes para a disputa, anunciando que a disputa será em alemão e que o tema será a relação entre a Escritura e a tradição humana. O bispo de Constança envia sua delegação, mas não como parte envolvida na disputa, mesmo que seja. São cerca de 600 participantes e eles se reúnem na câmara do conselho. Há pelo menos dois relatos da disputa e, obviamente, do lado oposto. Alguns momentos da disputa são importantes. A primeira diz respeito à reivindicação de Zuínglio sobre a validade de uma assembléia local convocada pela autoridade civil e com poderes para deliberar sobre questões relativas à fé. Desta afirmação surge o modelo da invenção zwingliana do sínodo. A segunda é, obviamente, sobre o valor das tradições. Ao final da disputa, é uma vitória clara para o Zwingli. A Reforma pode continuar”.

Para saber mais, leia também:

o ensaio de Sérgio Ronchi: Huldrych Zwingli, o reformador de Zurique.

No documento, Ronchi explica como a disputa terá que estabelecer a linha de demarcação entre heresia e fidelidade evangélica na pregação de seus pastores. Poucos dias depois da disputa, Zuínglio redigiu suas 67 Teses, que deveriam ter sido a base do debate, mas que mais tarde se tornaram o fundamento da “Sola Scriptura”, um dos princípios cardeais do protestantismo. E, em particular, “a independência da palavra de Deus em relação à Igreja, como lemos na tese 1: ‘Todos aqueles que afirmam que o evangelho não tem valor sem a aprovação da igreja, erram e desprezam a Deus’. Jesus Cristo como único meio de salvação (teses 3 e 4); a Igreja autêntica constituída pelo seu corpo, ou seja, por todos os fiéis sem distinções clericais (tese 7-9); o papa não tem razão de existir, porque apenas ‘Cristo é o único e eterno sumo sacerdote’ (tese 17); a missa é rejeitada porque ‘Cristo se ofereceu uma única vez como sacrifício que dura na eternidade e tem valor expiatório pelos pecados de todos os crentes; daí deduzimos que a missa não é um sacrifício’ (tese 18); Cristo é o único mediador entre o céu e a terra e, por isso, a intercessão dos santos é rejeitada (tese 19-21).

[…] Terminada a disputa, o Concílio reuniu-se em sessão extraordinária, durante a qual oficializou (e definitivamente) estabeleceu que ‘o mestre Ulrich Zwinglio pode proceder na linha seguida até agora, isto é, pregar o santo evangelho e a verdadeira Sagrada Escritura, quando e como ele quiser, desde que alguém não o convença de uma doutrina melhor. E todos os outros sacerdotes, párocos e pregadores seculares, nas suas respectivas cidades, vilas e senhorios, nada proponham e preguem senão o que se pode demonstrar com o santo evangelho e com a verdadeira Sagrada Escritura. E não devem surgir mais brigas, heresias ou palavras desonrosas, porque aqueles que se mostrarem desobedientes e não observarem estas prescrições serão repreendidos de tal forma que poderão entender que cometeram um erro.’ O princípio da sola scriptura foi agora definitivamente ratificado’”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, a nova campanha de 2 de maio

Otto per mille Waldensian, a nova campanha de 2 de maio

Roma (NEV), 28 de abril de 2023 – A nova campanha publicitária do Otto per mille Waldensian será lançada em alguns dias. O protagonista também será este ano, como em 2022, o DJ, radialista e escritor Diego Passoni. Os canais de mídia social Otto per mille dão as notícias. ...

Ler artigo
“Não há futuro sem fraternidade e solidariedade”

“Não há futuro sem fraternidade e solidariedade”

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html Roma (NEV), 23 de outubro de 2019 - "Não há futuro sem fraternidade e solidariedade" é o título da XVIII Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico, que será celebrada em toda a Itália no dia 27 de outubro. As igrejas protestantes também participam do dia. Nascido da ideia de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários em 2001, no rescaldo da tragédia das Torres Gémeas, o Dia produz todos os anos um apelo ao diálogo com o Islão para uma sociedade pluralista, acolhedora e que respeita o ser humano direitos e os valores democráticos e compartilhados de paz, justiça e convivência civil. O apelo para a décima oitava Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico, disponível AQUI em italiano, árabe, inglês e francês, foi elaborado por um comitê promotor nacional, que convida a concordar com o texto. “A humanidade parece estar presa em uma espiral sem fim de guerra. Os apelos à paz e à fraternidade humana, que vêm também de importantes organismos religiosos internacionais e de líderes espirituais individuais das principais religiões do mundo, são deixados de lado e desprezados», lê-se no apelo, que se inspira no Evangelho e no Alcorão. Os signatários denunciam a criminalização da solidariedade, a guerra aos refugiados e o racismo cada vez mais violento e agressivo: “Nossa Constituição e a Declaração Universal dos Direitos Humanos são cada vez mais espezinhadas pelas exigências da propaganda e do consenso em clima de campanha eleitoral perene – e conclui -. Estamos vivendo uma fase crucial. É necessário, superando contrastes estéreis, não cair na exasperação e na ansiedade, promovendo contínua e coerentemente até ações mínimas, mas compartilháveis, que fortaleçam o diálogo entre as religiões e a unidade dos homens e mulheres de boa vontade”. Entre as nomeações, destacamos as seguintes iniciativas. PARMA, sexta-feira, 25 de outubro. Por iniciativa da Comunidade Islâmica de Parma e da sua província e do Conselho das Igrejas Cristãs (Adventistas do Sétimo Dia, Católicas, Metodistas, Ortodoxas de San Nectario, Igrejas Ortodoxas Romenas), reuniram-se com Mohamed Amin Attarkirepresentante do Centro Islâmico de Parma, e Antonio Cuciniello, arabista e islamólogo da Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão. A discussão seguirá. Participam da iniciativa o grupo da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Parma e a associação Viandanti. Às 20h30 no Centro Islâmico na via Campanini 6 (zona industrial na via Mantova). CHIAVARI, sexta-feira, 25 de outubro. Diálogo a duas vozes, moderado pelo pároco batista Martin Ibarracom Frei Lorenzo Raniero, dos Frades Menores, professor do Estudo Teológico San Bernardino de Verona, e Izzedine Elzir, Imam de Florença e ex-presidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII). Aos 21 no Auditório San Francesco di Chiavari na Piazza Matteotti. Paralelamente à iniciativa, a exposição "Francesco e o Sultão - O encontro na outra margem" com curadoria da Fundação Encontro de Amizade entre os Povos de Rimini, montada em Chiavari de 23 a 27 de outubro no foyer do Auditório e em Rapallo de 29 a 31 de Outubro no Liceo “Da Vigo – Nicoloso”, na sucursal de Clarisse. TURIM, domingo, 27 de outubro. “1219-2019 passos da fraternidade”. Em 1219 aconteceu o histórico encontro entre São Francisco de Assis e o sultão Al-Malik al-Kāmil. O dia é organizado pela Rede de Diálogo Cristão-Islâmico de Turim, que inclui mesquitas, igrejas cristãs de todas as denominações, incluindo batistas, valdenses e luteranas, associações religiosas e numerosas, grupos, centros culturais. Às 18h30, no Teatro Cardeal Massaia, na via Sospelo 32/c, o aniversário será celebrado com orações, leituras, discursos, cantos e testemunhos. Entre os convidados, Sonia Ristortoteólogo, professor de religião e imã Abdullah Tchinada Mesquita Sesto, Milão. Para informações: [email protected] – Aqui o Evento Facebook Outros eventos acontecerão em outras cidades, incluindo Pisa, Faenza, Vicenza e Verona. ...

Ler artigo
COP28 à vista.  Entrevista com Irene Abra

COP28 à vista. Entrevista com Irene Abra

Roma (NEV), 14 de agosto de 2023 - Irene Abbra é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além disso, foi embaixadora do clima do Conselho Metodista Europeu e é representante da campanha global Clima SIM, liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Pedimos a ela que conhecesse as novidades e os compromissos em vista da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28). Esta é a 28ª conferência do clima e será realizada de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023 na Expo City, Dubai. Em uma recente reunião do GLAM, você falou sobre seus próximos compromissos para a COP28. Você pode nos dar alguma antecipação? Estamos pensando em um evento que possa ser uma oportunidade de discussão, encontro e confronto sobre os temas que serão tratados durante a COP28. A ideia é reunir online e envolver vários atores-chave da sociedade civil, dando espaço a testemunhos e experiências sobre sustentabilidade e ação climática. Esta Conferência é particular, antes de tudo pela localização. Estando em Dubai, de fato, acho que será interessante ver como os vários lobistas, principalmente os do petróleo, tentarão se fazer ouvir. Espero sinceramente que, como sociedade civil, como igrejas, como ativistas, também nós possamos nos fazer ouvir. Felizmente as igrejas participam da COP28, elas estão lá e podem fazer suas vozes serem ouvidas. GLAM falou em julho sobre o quanto a mídia italiana está "tratando mal" a questão climática. O que você acha? O tema das mudanças climáticas ainda hoje é tratado superficialmente, e até negado, até mesmo por representantes das instituições. Acho que o que vivemos nos últimos meses e nas últimas semanas é uma evidência clara de que existe uma crise climática em curso. Basta dizer que algumas pessoas, tanto do norte quanto do sul, tiveram que colocar suas vidas em espera e começar do zero, tentando retomar a vida depois do que aconteceu devido ao clima. Um pensamento comum a todos os jovens, penso eu, é como é realmente frustrante ter que viver em um país que dificilmente pode garantir um futuro. Se continuarmos neste ritmo, como podemos ter uma ideia, um pensamento positivo sobre o nosso futuro? Nossos políticos negam a evidência de um problema, de uma emergência que ainda vivemos. Isso pode nos roubar nosso futuro, nossas esperanças. A comunicação e a precisão na escolha das palavras são essenciais, sobretudo nesta altura, porque ajudam a sensibilizar as pessoas para estas questões que afetam o futuro de todos. Este ano ela será novamente embaixadora do clima e ativa na campanha Clima SIM: o que ela fará nessa função e como as igrejas da FCEI podem ajudar? Tanto como referente da Itália quanto como referente do GLAM, um dos meus objetivos é aumentar a presença de jovens cristãos para a sustentabilidade, no ativismo climático. É essencial ter representação e ter uma voz unida quando se trata de justiça climática e crise climática. Portanto, um dos objetivos que nos propusemos como movimento Clima SIM é certamente fortalecer a rede de jovens local e globalmente. Acima de tudo, queremos ser ecumênicos. Somos um movimento que une a diversidade e inclui diversas vozes cristãs. Entre as palavras-chave do nosso compromisso: networking; conhecer diferentes redes juvenis e redes cristãs na Itália; criar um grupo mais forte e estável que também pode ser ouvido como uma voz italiana em nível global. Deste ponto de vista, as igrejas podem certamente ser o nosso melhor suporte, numa perspetiva de intergeracionalidade, tema fundamental quando falamos de futuro, reunindo também experiências passadas, em termos de ensino e soluções, numa comparação aberta. Nossas igrejas também podem nos apoiar por meio de projetos, convidando pessoas que possam compartilhar suas experiências, ativistas. Por fim, podem também tentar ajudar-nos a pensar juntos em soluções concretas, em boas práticas que podemos implementar nas diferentes realidades eclesiais existentes. Em breve haverá o Sínodo Valdense. Que mensagem você gostaria de compartilhar neste importante encontro para as igrejas metodista e valdense? Uma mensagem que gostaria de deixar ao Sínodo Valdense é a de nos distanciarmos um pouco mais de nossas realidades locais e continuarmos a ser promotores desses temas. Fizemos muito progresso nos últimos anos e seria muito importante garantir que nossas vozes, como igrejas valdenses e metodistas, possam alcançar tanto a sociedade civil quanto os líderes políticos e, portanto, nosso governo. Outra mensagem muito importante que gostaria de lançar diz respeito ao diálogo entre as gerações e à necessidade da presença dos jovens também nos processos decisórios de nossas igrejas. Veja também: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.