batistas europeus.  Juntos, de Portugal à Rússia

batistas europeus. Juntos, de Portugal à Rússia

EBF Photos, Council 2022 – Riga (Letônia)

Roma (NEV), 29 de setembro de 2022 – O Conselho da Federação Batista Europeia (EBF) concluiu em 24 de setembro em Riga (Letônia). O corpo reúne cerca de 800.000 membros de 59 sindicatos de 52 países da Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Da Itália, John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). E o pastor evangelista Ivano De Gasperis, secretário do Departamento de Evangelismo. Cerca de 140 delegados estiveram presentes. A EBF reúne a família Baptista de Portugal à Rússia, passando pelo Báltico, pelo Médio Oriente, até à Eurásia.

A partir da esquerda: Ivano De Gasperis, Elijah Brown e Giovanni Arcidiacono

Falou-se de guerra e paz, missões, compromisso humanitário, fé, amor, amizade, colaboração, partilha.

O pastor De Gasperis relata: “Diversas abordagens se encontraram em Riga. Existe o anglo-saxão, direto e sintético. Depois, há a marca do Oriente Médio das igrejas libanesas. E novamente, nossa modalidade, sistemática e historicista. Cada um destacou suas próprias qualidades. A presença dos jovens é muito grande”.

A contribuição da presença italiana foi expressa, entre outras coisas, em questões de solidariedade. Além disso, continua o pastor De Gasperis, “foi lançado um grito de alarme a respeito dos nacionalismos”. Outro elemento importante é o da “necessidade de colaboração entre as Igrejas. Somos uma União pequena e marginal e precisamos de trabalhar em rede com grandes e pequenas comunidades europeias”.

“A Europa – continua De Gasperis – não é uma ilha, mas uma parte importante de uma família global”.

A delegação italiana também destacou a importância de projetos como o Medical Hope, o projeto de saúde financiado principalmente pelas igrejas batistas italianas. É realizado dentro do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Mediterranean Hope (MH). “O trabalho a ser feito na migração é enorme – diz De Gasperis -. O tema é crucial, deve ser reiterado. Este é o horizonte internacional que enfrentamos e que nos vê envolvidos como batistas na linha de frente, junto com as Federações”.

Dois novos presidentes

Em um de seus relatórios “sociais”, o pastor De Gasperis também destacou as novas nomeações. Dois novos líderes foram eleitos para presidir duas Comissões diferentes. Einike Pilli (Estônia) e Juliet Kilpin (Grã Bretanha).

Comissão de Teologia e Educação

Einike Pilli foi eleita presidente da Comissão de Teologia e Educação. Ela é diretora deSeminário Teológico da Igreja Livre da Estônia, diaconisa, pregadora e vice-presidente do Conselho de Administração da Igreja Batista Tartu Salem. Além disso, é membro da Comissão de Nomeação da EBF, sócio ativo do CEBTS e do IBTS. Ela é uma das criadoras do ‘Transform’, o programa de treinamento EBF para jovens líderes de geração.

comissão de migração

Em vez disso, Juliet Kilpin foi eleita para a Comissão de Migração. Juliet é uma ministra batista na União Batista da Grã-Bretanha (BUGB) e membro do grupo de trabalho EBF Migration desde a sua formação em 2016. Ela está profundamente envolvida com o movimento de assistência a refugiados no Reino Unido e no norte da França. Kilpin está envolvido em trabalhos relacionados ao serviço de migrantes em toda a Europa. “Estamos muito satisfeitos por ter Juliet e Einike como novos presidentes de suas respectivas comissões da EBF e estamos entusiasmados por trabalhar junto com eles”, comenta De Gasperis.

230 novas igrejas

Entre as novidades, a fundação de 230 novas igrejas. De Gasperis escreve: “Através da parceria missionária, 230 foram fundadas nos últimos 20 anos na Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Mais de 80% dessas igrejas ainda servem a congregação hoje e 16% das igrejas plantadas se multiplicaram iniciando 38 novas igrejas. Saiba mais em: ebf.org/mp

Ucrânia

Um espaço significativo foi finalmente dedicado à Ucrânia. Igor Bandura, vice-presidente da União Ucraniana de Associações de Cristãos Evangélicos-Baptistas, compartilhou algumas notícias sobre a situação. Bandura expressou, entre outras coisas, grande gratidão pelo apoio da família EBF e da Baptist World Alliance (ABM-BWA). Além disso, agradeceu às comunidades europeias pela forma como acolheram os refugiados da Ucrânia.

“Como podemos imaginar, o desafio ainda é enorme. Sete meses se passaram desde o início da guerra na Ucrânia. Muitos perderam suas casas, famílias e vidas. Quase 200 igrejas não podem continuar os cultos de domingo e 46 prédios de igrejas foram destruídos. 250 pastores tiveram que deixar suas igrejas por vários motivos relacionados à guerra”, destaca o pastor De Gasperis.

O Conselho aprovou uma nova resolução antiguerra, nos moldes da já formulada pela ABM-BWA. A EBF é uma das seis regiões da Aliança Batista Mundial.


Para saber mais, baixe o Livro de Atos (tradução automática). Conselho EBF 2022 LIVRO digital FINAL-2.

Leia também o artigo: O significado da AME hoje.

Próxima nomeação para batistas europeus e mundiais, no próximo ano na Noruega.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Protestantes europeus: livres, conectados, engajados

Roma (NEV), 5 de setembro de 2018 - "Libertados - conectados - comprometidos". Estas são as três palavras-chave que acompanharão os trabalhos da VIII Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), programada para Basileia (Suíça) de 13 a 18 de setembro próximo. O encontro trará à cidade suíça representantes de 94 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas do continente que discutirão as prioridades futuras do corpo intraprotestante. Entre os temas da agenda: pluralismo religioso na Europa, migração e comunhão eclesial, relações ecumênicas, teologia da diáspora, aprendizagem ao longo da vida. Os documentos que instruem as várias sessões estão disponíveis no site da Assembleia. O logotipo da Assembleia do CCPE A escolha da cidade de Basileia não é acidental: com esta Assembleia o CCPE regressa, por assim dizer, a casa. O CCPE nasceu, de fato, em torno da Concórdia assinada em 1973 em Leuenberg, cidade próxima à Basileia, documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam luteranos e protestantes reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor. Através do Acordo de Leuenberg, o CCPE é um exemplo de sucesso do ecumenismo da “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. Gottfried Locher Ao longo dos séculos, como recorda o pároco Gottfried Locherpresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça (FCES) e membro da Presidência do CCPE, Basileia foi também um "importante centro cosmopolita da Reforma Protestante e do humanismo europeu", sede de um Concílio (1431-1481), e mais recentemente, e significativamente para o diálogo entre as igrejas de nossos dias, acolheu a Primeira Assembleia Ecumênica Européia em 1989. A dimensão ecumênica da Assembleia será marcada também pela presença de Andrew Riccardifundador da Comunidade de Sant'Egidio, convidado a proferir uma das principais palestras da sessão. Da Itália, o pároco estará presente na Assembleia Pawel Gajewskimembro suplente do Conselho do CCPE, e sabina baral para a Igreja Evangélica Valdense, a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), e o pároco Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). ...

Ler artigo
“Não tenha medo”.  mensagem ecumênica pascal

“Não tenha medo”. mensagem ecumênica pascal

Foto de Ignacio Joaquin Silveyra de Avila - Unsplash Roma (NEV), 12 de abril de 2020 - Uma mensagem pascal ecumênica dirigida aos cristãos da Itália: é uma novidade bem-vinda que nos traz esta Páscoa anômala, que quase todos celebraremos individualmente ou, no máximo, em família, encerrados em nossas casas para conter a infecção. De fato, todos os anos há uma espécie de mensagem ecumênica, mas por ocasião da "Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos", que acontece de 18 a 25 de janeiro: o tema da Semana é apresentado conjuntamente pelo bispo católico Ambrogio Spreafico , presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo, pelo Metropolita Gennadios, arcebispo ortodoxo da Itália e Malta, e pelo orador, como presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Mas este ano, ao aproximar-se a Páscoa, que as nossas Igrejas celebrarão em datas diferentes (12 de abril na tradição ocidental e 19 de abril na tradição oriental), "com base na fraternidade que nasce da confissão do mesmo Senhor, senti a necessidade de voltar a nos expressar juntos pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro. Uma pandemia global, portanto, que não poupa nenhuma região do mundo e que, além de causar desconforto, sofrimento e morte, condicionará fortemente as celebrações pascais das Igrejas cristãs, com o risco de obscurecer aquele sentimento de alegria que é típico do tempo pascal”. A mensagem parte do relato da Páscoa do Evangelho segundo Mateus, em que a ressurreição de Jesus é anunciada por um terremoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, causando grande temor em todos os presentes - que isto é, os guardas e as "mulheres piedosas" que foram ao túmulo. Só que, enquanto o medo literalmente paralisa os guardas, as mulheres aceitam o convite do anjo para não temer e, verificando que o sepulcro está vazio, fogem "com medo e grande alegria". “Uma mistura de medo e alegria que os põe em movimento e os torna os primeiros arautos da ressurreição. Por isso – lê-se na mensagem – mesmo neste tempo de contágio, queremos aceitar o convite do anjo: “Não tenhais medo”. Cumprindo as regras de prudência a que teremos de continuar a cumprir para evitar o alastramento da pandemia, como Igrejas sentimo-nos chamadas a ser, como piedosas mulheres, arautos da ressurreição, do facto de a morte não ter a última palavra. Esta pandemia também fortalece em nós a vocação de estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados”. A mensagem termina com um convite à oração que une todos os cristãos: Pai nosso que estais nos céus... livrai-nos do Mal”. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

Montagem CEC. Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

A procissão ao longo do Danúbio com o memorial do massacre de 1942. Foto CEC. Novi Sad (NEV), 4 de junho de 2018 – Uma longa procissão nas margens do Danúbio entre as pontes Varadinsky E Žeželj para comemorar todos aqueles que sofreram as atrocidades da violência e da guerra. Assim, ontem à noite, 3 de junho, em Novi Sad (Sérvia), os mais de 400 participantes da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) quiseram oferecer seu testemunho de paz e amizade. Foto CEC. Um momento de oração, canções e reflexão que teve a sua primeira paragem no memorial às vítimas da incursão levada a cabo em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, pelas forças de ocupação húngaras que vitimaram 1.245 pessoas - entre as quais mais de 800 judeus - lançando o cadáveres no Danúbio. “CEC acredita na reconciliação entre pessoas e culturas – disse o bispo anglicano Christopher Hill, presidente cessante do CEC -. E hoje isso inclui não só a complexidade de uma Europa ecumênica, mas também inter-religiosa, e onde pessoas de fé e pessoas que não professam nenhuma fé religiosa podem falar umas com as outras”. Foto CEC. A procissão continuou passando sob a ponte Varadinski para chegar à ponte Žeželj, ambas bombardeadas pelos bombardeios da OTAN de 1999 e depois reconstruídas em 2000, a primeira, e só este ano, a segunda. No final da procissão, quatro "árvores da justiça" foram plantadas nos jardins perto da ponte Žeželj como sinal de esperança de reconciliação. Esta é a oração pronunciada: "Como um grande rio você nos alimenta, você nos transforma em solo fértil para nos tornarmos árvores de justiça que oferecem sombra e refrigério e dão frutos. E o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio (Gálatas 5)”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.