batistas europeus.  Juntos, de Portugal à Rússia

batistas europeus. Juntos, de Portugal à Rússia

EBF Photos, Council 2022 – Riga (Letônia)

Roma (NEV), 29 de setembro de 2022 – O Conselho da Federação Batista Europeia (EBF) concluiu em 24 de setembro em Riga (Letônia). O corpo reúne cerca de 800.000 membros de 59 sindicatos de 52 países da Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Da Itália, John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). E o pastor evangelista Ivano De Gasperis, secretário do Departamento de Evangelismo. Cerca de 140 delegados estiveram presentes. A EBF reúne a família Baptista de Portugal à Rússia, passando pelo Báltico, pelo Médio Oriente, até à Eurásia.

A partir da esquerda: Ivano De Gasperis, Elijah Brown e Giovanni Arcidiacono

Falou-se de guerra e paz, missões, compromisso humanitário, fé, amor, amizade, colaboração, partilha.

O pastor De Gasperis relata: “Diversas abordagens se encontraram em Riga. Existe o anglo-saxão, direto e sintético. Depois, há a marca do Oriente Médio das igrejas libanesas. E novamente, nossa modalidade, sistemática e historicista. Cada um destacou suas próprias qualidades. A presença dos jovens é muito grande”.

A contribuição da presença italiana foi expressa, entre outras coisas, em questões de solidariedade. Além disso, continua o pastor De Gasperis, “foi lançado um grito de alarme a respeito dos nacionalismos”. Outro elemento importante é o da “necessidade de colaboração entre as Igrejas. Somos uma União pequena e marginal e precisamos de trabalhar em rede com grandes e pequenas comunidades europeias”.

“A Europa – continua De Gasperis – não é uma ilha, mas uma parte importante de uma família global”.

A delegação italiana também destacou a importância de projetos como o Medical Hope, o projeto de saúde financiado principalmente pelas igrejas batistas italianas. É realizado dentro do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Mediterranean Hope (MH). “O trabalho a ser feito na migração é enorme – diz De Gasperis -. O tema é crucial, deve ser reiterado. Este é o horizonte internacional que enfrentamos e que nos vê envolvidos como batistas na linha de frente, junto com as Federações”.

Dois novos presidentes

Em um de seus relatórios “sociais”, o pastor De Gasperis também destacou as novas nomeações. Dois novos líderes foram eleitos para presidir duas Comissões diferentes. Einike Pilli (Estônia) e Juliet Kilpin (Grã Bretanha).

Comissão de Teologia e Educação

Einike Pilli foi eleita presidente da Comissão de Teologia e Educação. Ela é diretora deSeminário Teológico da Igreja Livre da Estônia, diaconisa, pregadora e vice-presidente do Conselho de Administração da Igreja Batista Tartu Salem. Além disso, é membro da Comissão de Nomeação da EBF, sócio ativo do CEBTS e do IBTS. Ela é uma das criadoras do ‘Transform’, o programa de treinamento EBF para jovens líderes de geração.

comissão de migração

Em vez disso, Juliet Kilpin foi eleita para a Comissão de Migração. Juliet é uma ministra batista na União Batista da Grã-Bretanha (BUGB) e membro do grupo de trabalho EBF Migration desde a sua formação em 2016. Ela está profundamente envolvida com o movimento de assistência a refugiados no Reino Unido e no norte da França. Kilpin está envolvido em trabalhos relacionados ao serviço de migrantes em toda a Europa. “Estamos muito satisfeitos por ter Juliet e Einike como novos presidentes de suas respectivas comissões da EBF e estamos entusiasmados por trabalhar junto com eles”, comenta De Gasperis.

230 novas igrejas

Entre as novidades, a fundação de 230 novas igrejas. De Gasperis escreve: “Através da parceria missionária, 230 foram fundadas nos últimos 20 anos na Europa, Ásia Central e Oriente Médio. Mais de 80% dessas igrejas ainda servem a congregação hoje e 16% das igrejas plantadas se multiplicaram iniciando 38 novas igrejas. Saiba mais em: ebf.org/mp

Ucrânia

Um espaço significativo foi finalmente dedicado à Ucrânia. Igor Bandura, vice-presidente da União Ucraniana de Associações de Cristãos Evangélicos-Baptistas, compartilhou algumas notícias sobre a situação. Bandura expressou, entre outras coisas, grande gratidão pelo apoio da família EBF e da Baptist World Alliance (ABM-BWA). Além disso, agradeceu às comunidades europeias pela forma como acolheram os refugiados da Ucrânia.

“Como podemos imaginar, o desafio ainda é enorme. Sete meses se passaram desde o início da guerra na Ucrânia. Muitos perderam suas casas, famílias e vidas. Quase 200 igrejas não podem continuar os cultos de domingo e 46 prédios de igrejas foram destruídos. 250 pastores tiveram que deixar suas igrejas por vários motivos relacionados à guerra”, destaca o pastor De Gasperis.

O Conselho aprovou uma nova resolução antiguerra, nos moldes da já formulada pela ABM-BWA. A EBF é uma das seis regiões da Aliança Batista Mundial.


Para saber mais, baixe o Livro de Atos (tradução automática). Conselho EBF 2022 LIVRO digital FINAL-2.

Leia também o artigo: O significado da AME hoje.

Próxima nomeação para batistas europeus e mundiais, no próximo ano na Noruega.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Função Pública que constrói a paz.  XXI Relatório Anual do CNESC

A Função Pública que constrói a paz. XXI Relatório Anual do CNESC

Roma (NEV), 14 de abril de 2023 – O XXI Relatório Anual das Entidades que fazem parte da Conferência Nacional das Entidades da Função Pública (CNESC) descreve uma comunidade engajada na construção da paz. A Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia - CSD) também faz parte do CNESC. O relatório, disponível para download no seguinte link, Relatório Cnesc 2020.pdf, refere-se ao edital ordinário 2020, cujas atividades se desenvolveram em 2021 e 2022. Uma primeira fotografia da entrada em vigor dos programas de intervenção e da passagem definitiva à Função Pública Universal, escreve o CNESC. “A leitura do Relatório permite-nos apreender a riqueza e amplitude das intervenções junto das comunidades activadas no biénio 2020-2021, num momento histórico verdadeiramente difícil, ainda marcado pelos efeitos da pandemia - declara o Presidente do CNESC Laura Milani -. No entanto, as organizações membros do CNESC conseguiram se organizar e interceptar o desejo de muitos jovens, após um ano de bloqueio, de se comprometer e fazer algo concreto em apoio às comunidades. De facto, cerca de 19.680 jovens prestaram o seu serviço num dos projectos propostos pelas entidades aderentes: mais de 50% na assistência, 26,7% na educação e promoção cultural, 9,6% na protecção e valorização do património histórico, artístico e cultural património e, em menor grau, na proteção civil, na agricultura social, na proteção do ambiente e no estrangeiro. Formas diferentes, mas concretas, de construir a paz”. As entidades do CNESC investiram quase 110 milhões de euros para o concurso de 2020, mais cerca de 36 milhões do que os investidos no concurso anterior. “Um investimento devido em parte ao aumento da entrada de jovens no serviço – escreve o CNESC -, mas sobretudo ao aumento da complexidade, da burocracia, dos encargos dos órgãos, a todos os níveis. Daí os pedidos de simplificação por parte do CNESC, que pede nomeadamente que se passe dos programas de intervenção apresentados anualmente para uma apresentação trienal, com um horizonte temporal que permita assim ter um impacto real nos problemas e necessidades identificados, evitando ter de voltar a apresentar projetos todos os anos com conteúdos muito semelhantes aos do ano anterior.” Este XXI Relatório, cujas atividades interceptam entre outras coisas o 50º aniversário do reconhecimento da objeção de consciência ao serviço militar e da instituição do funcionalismo público, conclui o comunicado, "relata uma comunidade vivaz capaz de adquirir espaços de reflexão, comparação e inovação , o que coloca o CNESC em condições de qualificar o seu contributo para a concretização da função pública, numa lógica de colaboração entre os sujeitos do sistema SCU que - esperamos - seja cada vez mais assumida e valorizada, a partir do Departamento e das regionais e instituições locais”. CNESC – Conferência Nacional dos Órgãos da Função Pública reúne algumas das principais organizações credenciadas junto à Secretaria da Juventude e à Função Pública. Seus escritórios estão presentes em 3.557 municípios, 108 províncias e 101 países estrangeiros. Representa 7.171 organizações sem fins lucrativos e 247 órgãos públicos, com 17.859 escritórios de implementação. www.cnesc.it ...

Ler artigo
Tempo de religião católica e alternativa.  Um manual protestante

Tempo de religião católica e alternativa. Um manual protestante

Roma (NEV/CS02), 18 de janeiro de 2023 – O "Sportello Scuola Laicita Pluralismo" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) preparou um documento com as respostas às perguntas mais frequentes sobre a inscrição e a opção de não usar o ensino da religião católica (IRC). De facto, as famílias e os alunos são chamados, até ao final de janeiro, a fazer a escolha dos institutos e cursos de estudo para o ano letivo 2023/2024. “Não menos relevante é a escolha de fazer uso ou não do ensino da religião católica (IRC) – escreve o Sportello FCEI na introdução do documento -. O crescente número de alunos (mais de um milhão segundo dados ministeriais, ed) que optam por não recorrer ao ensino religioso confessional e as significativas dificuldades em encontrar informações claras sobre como exercer esse direito, tornam necessário esclarecer que a FCEI pretende proporcionar às famílias e pessoas, evangélicas e não". Para tanto, algumas orientações estão disponíveis no site da FCEI com as chamadas FAQs (Perguntas Frequentes). No documento é possível encontrar instruções e informações para a escolha, mas também soluções para quem pretende mudar de opção durante o ano ou de um ano para o outro. São também ilustradas as obrigações das escolas e da direção escolar que, por lei, devem sempre e em qualquer caso garantir o direito de não se valerem do ensino da religião católica. Por fim, o operacional responde tanto em casos de discrepâncias e/ou ilegitimidade das fichas, quanto sobre o que acontece se pais e alunos optarem pelo estudo individual ou pela chamada “disciplina alternativa”. A jurisprudência, por exemplo, já estabeleceu que o direito constitucional à liberdade religiosa e de consciência prevalece sobre as necessidades organizacionais das escolas. A escolha de uma das 4 alternativas possíveis (actividades lectivas, investigação e estudo com ou sem acompanhamento de docentes, não frequência da escola durante o horário do IRC) como escreve a secretária: "é necessária, mas a sua activação pela escola é obrigatório". Além disso, o manual explica: “não há um número mínimo de alunos necessário para a ativação da hora disciplinar alternativa. E o aluno não tem obrigação de ficar na aula para fazer a matéria alternativa enquanto o restante da turma faz a hora de religião”. No extenso debate sobre as notas do IRC no boletim, o Sportello reitera que “nenhuma vantagem adicional se adquire com a frequência da aula de religião em termos de créditos escolares”. No entanto, a questão ainda é motivo de debate. Atualmente, a frequência da disciplina alternativa, como o IRC, entra em jogo na avaliação mais ampla que inclui atividades extracurriculares, faltas, qualidade de comprometimento do aluno. O vademecum foi elaborado pelo consultor jurídico da FCEI, avv. Ilaria Valenzi. O Balcão Escolar de Laicismo e Pluralismo da FCEI está sempre disponível para apoiar as famílias no processo de escolha e em relação a problemas específicos. A recepção pode ser contatada a qualquer momento no endereço de e-mail [email protected]. Outras perguntas frequentes e outros conteúdos úteis serão gradualmente divulgados no site da FCEI. Para saber mais Leia os artigos do NEV sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas. ...

Ler artigo
África.  O lento caminho dos direitos humanos.  Prêmio ACAT abre a conferência

África. O lento caminho dos direitos humanos. Prêmio ACAT abre a conferência

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 - A conferência "África, a lenta jornada dos direitos humanos: desafios, perspectivas, testemunhos" está sendo realizada hoje às 17h30 na Aula Magna da Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Promovido porAção dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT)representa o evento final do projeto ACAT Italia 2022 Graduation Award "para acabar com a tortura e pelos direitos dos migrantes" e é apoiado peloOito por mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. “Em que estado estão os direitos fundamentais no continente africano? Quais são os cenários e as dificuldades enfrentadas pelos defensores de direitos humanos? Como se entrelaçam as violações a que são submetidas mulheres e homens com o fenômeno da migração?” Estas são apenas algumas das perguntas que os hóspedes tentarão responder. A ACAT escreve: “Uma data que não é acidental, mas escolhida porque perto de 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e uma questão igualmente não aleatória, a dos direitos humanos no continente africano, numa fase em que a rota mediterrânica volta a ocupar as páginas dos jornais e a animar o debate público de forma extremamente instrumental e ao mesmo tempo superficial, como se por trás do fenômeno migratório houvesse razões não muito específicas mas também muito heterogêneas". De facto, de acordo com o Relatório 2021/22 da Amnistia Internacional, a associação informa, “os últimos anos, graças à pandemia de covid19, os conflitos em curso, a forte instabilidade política e social, as catástrofes ambientais, a corrida ao primeiro explorar, foram marcada por uma acentuada deterioração em matéria de protecção dos direitos fundamentais. Dos massacres contra civis perpetrados por grupos armados, inclusive de origem terrorista, à limitação da liberdade de expressão e do direito de oposição por parte dos Estados, passando pelo uso de armas contra manifestantes pacíficos, censura ou perseguição a ativistas e defensores de direitos humanos, sem esquecer a dificuldade de acesso a cuidados básicos de saúde, água, alimentação, ou o aumento da violência e abusos contra mulheres, meninas e pessoas LGBTI". Participantes: Michael Kalembamembro da ACAT República Democrática do Congo, membro do Bureau Internacional da FIACAT (Federação Internacional da ACAT), coordenador do projeto FIACAT-ACAT DRC contra a prisão preventiva abusiva e atualmente refugiado na França precisamente em virtude de seu compromisso com os direitos humanos . Lyonel Grassy, Directeur de plaidoyer da FIACAT e ativo em vários projetos no continente africano. Irmã Paula Vizzottomissionário da Imaculada Conceição, voluntário por muitos anos nas prisões de Camarões e atualmente em Rebibbia. Luke Attanasiojornalista e escritor, autor de Amanhã do boletim Áfricas (África no plural). Para coordenar as intervenções Massimo Zaurrinijornalista de revista africa e diretor administrativo da África e Negócios. Na abertura, a cerimônia de premiação do ACAT Italia 2022 Graduation Award. Aqui está o folheto: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.