Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Matteo Maria Zuppi, Arcebispo de Bolonha, Presidente da Conferência Episcopal Italiana, do site chiesacattolica.it

Roma (NEV), 26 de maio de 2022 – Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, enviou ao cardeal Mateus Maria Zuppinomeado presidente da Conferência Episcopal Italiana, uma carta de votos para o novo cargo.

“Queira receber nossas saudações fraternas pelo importante e certamente nada fácil serviço à sua Igreja à qual você foi chamado – lê-se na carta -. Muitas foram as ocasiões em que representantes das nossas Igrejas, a vários níveis, já a puderam encontrar, encontrando nela não só uma interlocutora solícita, mas uma companheira de caminhada no caminho da comum vocação cristã; também por isso sua nomeação nos alegrou.

Estamos confiantes de que, sob a sua presidência, o caminho ecumênico realizado nos últimos anos, também em termos de acolhida aos migrantes, salvaguarda da criação e da liberdade religiosa na Itália e no mundo, poderá continuar e se desenvolver. Por favor, considere a Federação disponível para estudar juntos a possibilidade de novos caminhos para nos ajudar a desenvolver nossa comunhão ecumênica”.

Finalmente, uma referência à Bíblia. “Nós vos saudamos – conclui Garrone – com o texto do Antigo Testamento (Sl 92, 14ss.) que o lecionário “Um dia uma Palavra” indica para hoje, a Ascensão de nosso Senhor Jesus Cristo: [Quelli che sono] plantados na casa do Senhor, florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos,
serão verdes e viçosos,
para anunciar quão justo é o Senhor…”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Foto www.lutheranworld.org Roma (NEV), 11 de junho de 2019 – Uma oração ecumênica na Catedral de Saint-Pierre, em Genebra, marcará o 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ). O acordo histórico foi o resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial (WLF) e a Igreja Católica Romana. Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana. Representantes das cinco comunidades cristãs globais que assinaram o JDDJ participarão do culto, orando juntos pela unidade e pelo testemunho comum no mundo, no dia 16 de junho às 10h na Catedral de Saint Pierre em Genebra. Em março passado, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs globais formalmente associadas à Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) para um encontro destinado a continuar o caminho de maior comunhão eclesial e um testemunho mais visível, também na sequência dos laços mais profundos que se desenvolveram nas duas últimas décadas. artigo anteriorFés e Poderes. Espaço sagrado, espaço político, democraciaPróximo artigoConstruindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
As laranjas solidárias da Etika estão de volta

As laranjas solidárias da Etika estão de volta

Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 - As laranjas solidárias do projeto Etika da Mediterranean Hope (MH), o programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, estão de volta, em colaboração com o Sos Rosarno e o Mani e Cooperativa Terra.“Esperança do Mediterrâneo – explica marta bernardini, coordenadora do MS – continua suas atividades na planície de Gioia Tauro pela defesa dos direitos dos trabalhadores trabalhistas. Continuam os projetos Luci su Rosarno e Fora do escuro, por meio dos quais foram distribuídos no ano passado dispositivos de iluminação para 600 bicicletas e 700 jaquetas com faixas refletoras de alta visibilidade para a segurança dos trabalhadores que trafegam pelas estradas para chegar aos campos escuros e perigosos. "A novidade deste ano foi “a abertura de um albergue social em San Ferdinando (RC). O Dambe So Social Hostel - que na língua Bambarà significa "casa da dignidade" - foi inaugurado em fevereiro de 2022, e foi concebido como uma casa ecológica que acolhe trabalhadores na época dos citrinos e apoia, durante o verão, roteiros de turismo solidário . Na Piana di Gioia Tauro, onde o MH opera desde 2019, "83% dos trabalhadores trabalham em condições de exploração e vivem em situações de privação: interferência do crime organizado, contratações ilegais, condições extremas de trabalho edesumano, salários abaixo do salário mínimo, degradação ambiental e habitacional. Neste contexto, o Dambe So está em condições de acolher em segurança, dignidade e legalidade 20 trabalhadores que contribuem para os custos da habitação com uma quota sustentável. O Hostel é assim parcialmente autofinanciado pelos seus residentes e pela taxa de adesão que é aplicada na venda de laranjas da marca Etika”.A Etika é, assim, a marca de uma cadeia de compras solidária que “no ano passado conseguiu distribuir 100.000 kg de laranjas produzidas pela cooperativa Mani e Terra, ligada à Sos Rosarno. A rede de compras envolveu muitas igrejas protestantes italianas e estrangeiras. Para os produtores que procuram conciliar o respeito pelos direitos dos trabalhadores, pelo ambiente e pela responsabilidade social das empresas, estas compras são muito importantes porque permitem contrariar a concorrência imposta pelos mercados com contínuas reduções de preços”. Ainda este ano, portanto, a proposta da Mediterranean Hope para quem compra laranjas Etika é "um preço que inclui o acréscimo de uma "taxa social" de 10% para apoiar as práticas solidárias realizadas pelo MH no Piana di Gioia Tauro, antes de tudo o albergue social. Ao adquirir laranjas Etika – conclui Bernardini – você estará, portanto, apoiando diretamente projetos sociais, demonstrando que é possível construir um mecanismo que, conforme prevê nossa Constituição, preconiza a responsabilidade social empresarial, garantindo dignidade e respeito aos trabalhadores”.Para encomendas escreva para [email protected] referindo o ficheiro excel a solicitar e enviar. Para qualquer outro esclarecimento sobre os projetos de MH na Calábria, escreva para [email protected]. Informações e materiais: Rosarno Film Festival, "ousar inventar o futuro" ETIKA_brochure_ENG Carta de campanha Etika 22-23 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.