Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Matteo Maria Zuppi, Arcebispo de Bolonha, Presidente da Conferência Episcopal Italiana, do site chiesacattolica.it

Roma (NEV), 26 de maio de 2022 – Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, enviou ao cardeal Mateus Maria Zuppinomeado presidente da Conferência Episcopal Italiana, uma carta de votos para o novo cargo.

“Queira receber nossas saudações fraternas pelo importante e certamente nada fácil serviço à sua Igreja à qual você foi chamado – lê-se na carta -. Muitas foram as ocasiões em que representantes das nossas Igrejas, a vários níveis, já a puderam encontrar, encontrando nela não só uma interlocutora solícita, mas uma companheira de caminhada no caminho da comum vocação cristã; também por isso sua nomeação nos alegrou.

Estamos confiantes de que, sob a sua presidência, o caminho ecumênico realizado nos últimos anos, também em termos de acolhida aos migrantes, salvaguarda da criação e da liberdade religiosa na Itália e no mundo, poderá continuar e se desenvolver. Por favor, considere a Federação disponível para estudar juntos a possibilidade de novos caminhos para nos ajudar a desenvolver nossa comunhão ecumênica”.

Finalmente, uma referência à Bíblia. “Nós vos saudamos – conclui Garrone – com o texto do Antigo Testamento (Sl 92, 14ss.) que o lecionário “Um dia uma Palavra” indica para hoje, a Ascensão de nosso Senhor Jesus Cristo: [Quelli che sono] plantados na casa do Senhor, florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos,
serão verdes e viçosos,
para anunciar quão justo é o Senhor…”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data. Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma. A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. “No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso: “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020. No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras. Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém". No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo "Wartburg" sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses. Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui. Aqui a apresentação do livro do professor Paulo rico “De monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar. ...

Ler artigo
Chuva

Chuva

foto de Geetanjal Khanna, unsplash Roma (NEV), 22 de março de 2023 – No Dia Mundial da Água, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) nos convida a refletir sobre este elemento vital. “A Comissão sempre se manifestou muito sobre a água e continuará a fazê-lo, mas hoje propõe a partilha de um poema como contribuição própria – declara a coordenadora Maria Elena Lacquaniti -. A água refere-se a muitos temas, o mar, a água que sai da torneira, um poço, ribeiras de rios, mas o tema que neste momento parece concretizá-los a todos e que nos faz muita falta é a chuva”. “CHUVA de Federico García Lorcana tradução de Cláudio Rendina, contém sabores, emoções, memórias e vida. Esperamos receber seu apoio de boas-vindas”, escreve a GLAM em uma nota emitida por ocasião do Dia. CHUVA A chuva tem um vago segredo de ternura,uma vaga sonolência resignada e amável,a música humilde desperta com elaque torna vibrante o espírito adormecido da paisagem. É um beijo azul que a Terra acolhe,o mito primitivo que se concretiza novamente.O agora frio contato do velho céu e terracom um clima ameno de noites intermináveis. É o alvorecer da fruta. Aquele que nos dá florese nos unge com o espírito santo dos mares.Aquele que espalha a vida em sementese na alma tristeza de algo vago. A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de um amanhã impossívelcom a preocupação iminente da cor da carne. O amor desperta em seu ritmo cinza,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se transforma em tristezavendo as gotas mortas no vidro. São as gotas: olhos de infinito que olhamo branco infinito que era sua mãe. Cada gota de chuva treme no vidro sujodeixar feridas de diamante divinas.São poetas da água que viram e meditamo que a massa dos rios não sabe. Ó chuva silenciosa, sem tempestades nem ventos,chuva calma e serena de retumbante e doce luz,chuva boa e pacífica, você é o verdadeiroque desce amorosa e tristemente sobre as coisas! Oh chuva franciscana que trazes com as gotasalmas de fontes claras e mananciais humildes!Quando você desce os campos lentamenteabra as rosas do meu peito com seus sons. A canção primitiva que sussurra ao silêncioe a história sonora que você conta às frondesmeu coração deserto comenta chorandoem uma pauta preta profunda sem uma chave. Minha alma está triste com a chuva serena,resignado com tristeza de coisas irrealizáveis,e meu coração me impede de admiraruma estrela que se ilumina no horizonte. Oh chuva silenciosa que as árvores amame você é pela pura doçura das emoções;conceder à alma as mesmas brumas e ressonânciasque você coloca no espírito da paisagem adormecida! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 (Tradução de Cláudio Rendina) de "Poems (Libro de poemas)", Newton Compton, Roma, 1970 ∗∗∗ Chuva A chuva guarda um vago segredo de ternura,algo de sonolência resignada y lovable,uma música humilde dorme com elaque faz vibrar a alma dormida da paisagem. É um besar azul que a Terra recebe,o mito primitivo que vuelve a realizarse.El contato ya frio de cielo y tierra viejoscon una mansedumbre de atardecer constante. É o alvorecer da fruta. La que nos trae las florese somos ungidos com o espírito santo dos mares.La que derrama vida subre las somenterase na alma tristeza do que não se sabe.A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de uma manhã impossívelcom a inquietação em busca da cor da carne. O amor se perde no gris de seu ritmo,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se convence na tristezacontemplar as gotas mortas nos cristais. E são as bochechas: olhos de infinito que olhamal infinity blanco que les sirvió de madre. Cada face da chuva tiembla no cristal turbioy le dejan divinas heridas de diamante.São poetas da água que viram e que meditamlo que la muchedumbre de los ríos não sabe. Oh chuva silenciosa, sem tormentos nos ventos,a chuva mansa e serena de esquila e a doce luz,Chove bem e tranquilo que tu és o verde,la que amorosa y triste sobre las coisas caes! ¡Oh a chuva franciscana que te levanta os olhosalmas de fontes claras y humildes manantiales!Cuando sobre los campos desce lentamentelas rosas de mi pecho con tus sonidos abres. El canto primitivo que dices al silencioy la historia sonora que conta al ramajelos comentários llorando meu coração desertoem um pentágrama negro e profundo sem clave. Minha alma tem tristeza da chuva serena,tristeza cheia de uma coisa irrealizável,tengo en el horizonte un lucero encendidoe meu coração me impede de correr para contemplá-los. Oh a chuva silenciosa que as árvores amamy eres sobre el piano dulzura emocionante;das almas las mismas nieblas y ressonânciasque pones en el alma dormida del paisaje! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 de “Libro de poemas”, Maroto, Madrid, 1921 ...

Ler artigo
Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Para as igrejas protestantes as coisas são diferentes. Como bem explicou o pastor Luca Baratto durante episódio do Culto Evangélico transmitido pela Rádio Uno Rai “A palavra Quaresma não faz parte do vocabulário dos protestantes italianos. As igrejas evangélicas de nosso país - pelo menos aquelas que seguem o ano litúrgico - preferem chamar esse período de 'Tempo da Paixão'. Corresponde à história dos Evangelhos que, depois do início na Galileia, veem Jesus a caminho de Jerusalém: uma viagem difícil, pontuada por desentendimentos com os discípulos e, sobretudo, pelo anúncio de que Jesus será preso e morto naquela cidade. É tempo de refletir sobre o que significa seguir aquele Jesus que convida todos a carregar a sua cruz”. O pastor Baratto especifica ainda: “No entanto, também deve ser dito que os protestantes italianos não usam a palavra Quaresma porque a ela está ligada uma espiritualidade que não lhes pertence. Para um evangélico parece estranho que haja uma determinada época do ano para se dedicar à contrição e ao arrependimento; na realidade, toda a vida de um crente é a confirmação de que ele é um pecador perdoado. Da mesma forma, a obrigação religiosa de renúncia ou penitência não pertence à mentalidade protestante. O profeta Isaías escreve que o verdadeiro jejum não é dedicar um dia à abstinência alimentar, mas saber repartir o pão com quem tem fome”. (para ler o discurso completo de Luca Baratto clique aqui: Quaresma da Paixão. A Reforma não rejeitou a Quaresma, mas deu um passo atrás nas práticas penitenciais. Estes permaneceram muito rígidos na Ortodoxia, mas tornaram-se menos rigorosos no Catolicismo. “No século 16, as críticas dos reformadores se concentravam naquelas coisas que alguém tinha que fazer para ser digno da salvação, como indulgências ou jejuns”, lembra ele. Nicolas Cockand, professor de teologia prática no Instituto Protestante de Teologia, em Paris. Hoje, do ponto de vista protestante, a Quaresma é antes de tudo um tempo de solidariedade com os mais pobres, um tempo de abstinência, por exemplo do álcool, e um tempo de busca de uma busca espiritual contemporânea, de uma vida mais simples. Essa ideia de sobriedade feliz pode muito bem ser rastreada até Calvino. É a tradição luterana que dá mais espaço à Quaresma nas suas liturgias, sobretudo através da celebração da Quarta-feira de Cinzas. Para os muçulmanos, o atual mês do Ramadã é aquele em que Deus deu o Alcorão ao Profeta. É o momento da oração, da meditação, mas principalmente do jejum, do nascer ao pôr do sol, juntamente com a proibição do fumo e da prática de sexo.O Ramadã e a Quaresma estão ligados a duas revelações: o início da vida pública de Jesus e o início da revelação da vontade de Alá ao profeta Maomé. O jejum no Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, as cinco obrigações fundamentais estabelecidas pela lei religiosa para todo crente muçulmano de qualquer gênero, juntamente com a declaração de fé, oração, esmola e peregrinação a lugares sagrados. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.