Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Li-An Lim, não salpique

Roma (NEV), 5 de julho de 2022 – Em novembro de 2021, um grupo de jovens ativistas se reuniu durante a COP26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em Glasgow, para explorar possibilidades de trabalho conjunto rumo à COP27 a ser realizada no Egito. Durante estes encontros, explicam os promotores, “percebeu-se um forte sentido de energia e entusiasmo em juntar esforços para ter um maior impacto nas questões relacionadas com a justiça climática”. Este grupo de ativistas de várias denominações, organizações e países reunia-se regularmente para dar forma à campanha “Clima SIM”.

“Como jovens ativistas climáticos cristãos, com idades entre 18 e 30 anos, sentimos a necessidade de responsabilizar os líderes políticos pelas decisões e promessas feitas na COP26. Ao nos unirmos, queremos compartilhar nossas preocupações ambientais e aprofundar o vínculo comum de nossa fé. Queremos criar uma comunidade climática jovem ecumênica global, que incluirá representantes do Norte e do Sul globais. Refletiremos sobre COPs anteriores (Cúpulas do Clima da ONU) e COY (Conferência do Clima para Jovens) e falaremos conjuntamente com uma voz global para representantes políticos sobre o que acreditamos que precisa ser feito no futuro. Queremos criar uma plataforma ecumênica global da juventude sobre o clima, incluindo representantes de todos os continentes, do Norte global e do Sul global”, explica ele. Irene Abbragerente de projetos internacionais na Itália, ex-pessoa de contato do projeto Young Methodist para a COP26.

Em preparação para a COP27 que este ano será realizada no Egito, em Sharm El-Sheikh, de 7 a 18 de novembro de 2022, na qual se espera a participação do Climate YES, a coordenação da campanha está organizando eventos em todos os continentes: Europa, África, Ásia, Ilhas do Pacífico, América do Norte e América do Sul.

Nos dias 16 e 17 de setembro de 2022 (o programa seguirá em breve), o evento nacional italiano será realizado em Milão, na Chiesa del Carmine, que será conectado simultaneamente com os outros eventos que ocorrerão na Europa e na África. O evento ecumênico envolve o envolvimento de organizações juvenis evangélicas e católicas e estará aberto à participação intergeracional e leiga.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo da Amazônia.  Trabalhamos por uma ecologia integral

Sínodo da Amazônia. Trabalhamos por uma ecologia integral

foto wiki Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – No domingo, 6 de outubro, às 10h, o Sínodo para a Amazônia começará oficialmente em Roma, na Basílica de São Pedro. Até o dia 27 de outubro, a assembléia debaterá os diversos temas que emergem do documento norteador "Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral" e as questões a eles interligadas: destruição extrativista, proteção dos povos indígenas, migração e urbanização, saúde e educação, inculturação e interculturalidade, biodiversidade, luta contra a pobreza, justiça social, proteção das florestas e da natureza. Alguns temas espinhosos já estão sobre a mesa, desde o papel da mulher no celibato, até as acusações de heresia e apostasia feitas pelo cardeal Raymond Burke e pelo bispo Athanasius Schneider. Também participarão dos trabalhos 6 representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais presentes e atuantes na região amazônica: Pedro Arana Quirozpároco da Igreja Presbiteriana do Peru, Moab César Carvalho Costada Assembleia de Deus do Brasil, Edgar Castanopresidente do Conselho Evangélico Colombiano, Daniel dos Santos Limada Comunidade Anglicana de Manaus da Igreja Anglicana Episcopal do Brasil, o pároco Cláudio Correa de MirandaVice-coordenador CAIC Igreja Anglicana do Brasil e pastor luterano Nicolau Nascimento de PaivaCoordenador do CAIC, da Igreja Evangélica Luterana no Brasil. Durante uma coletiva de imprensa lotada no Vaticano, o Sínodo para a Amazônia foi apresentado esta manhã pelo Cardeal Lorenzo Baldisserisecretário geral do Sínodo dos Bispos, pelo cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da REPAM e relator geral do Sínodo para a Amazônia, e pelo subsecretário do Sínodo dos Bispos, Fábio Fabeneque ilustrou o documento aos jornalistas presentes Instrumentum laboriselaborada ad hoc para este Sínodo, e a composição da assembléia sinodal. "EU'Instrumentum laboris trata-se essencialmente da coleta e sistematização por tema do material produzido durante a fase de consulta, período de dois anos em que a igreja na Amazônia ouviu todos os componentes do Povo de Deus interessados ​​no tema (cerca de 80.000 pessoas). Não é um documento pontifício, mas um texto oferecido como ponto de referência para a discussão durante os trabalhos da Assembleia Sinodal" disse Baldisseri que depois, respondendo a perguntas, esclareceu que não é sequer um traço modificável de um documento definitivo, que ao contrário surgem do texto elaborado pela assembléia sinodal e depois ratificado pelo papa. São 184 membros sinodais, dos quais 136 participam do escritório; destes, 113 provêm das diversas circunscrições eclesiásticas pan-amazônicas. 28 cardeais, 29 arcebispos, 62 bispos residenciais, 7 auxiliares, 27 vigários apostólicos e 10 bispos prelados, 21 membros não bispos, incluindo diocesanos e religiosos. Também participam do Sínodo 6 representantes ecumênicos, 12 convidados especiais escolhidos por sua alta competência científica ou que realizam atividades de caráter humanitário ou voltados para a proteção do meio ambiente, 25 especialistas, 55 auditores, incluindo 10 religiosos, 17 representantes de diferentes origens indígenas e etnias indígenas, incluindo 9 mulheres. O número total de mulheres participantes nos trabalhos sinodais é de 35: 2 são convidadas especiais, 4 especialistas (das quais 2 religiosas) e 29 auditoras (18 religiosas). “O contexto deste Sínodo é a grave crise ambiental e social que vive a Amazônia – disse Hummes -. Uma crise climática, que se manifesta no aquecimento global; uma crise ecológica, devido à poluição e devastação; uma crise social que se manifesta na pobreza e na miséria e que atinge a maioria dos seres humanos e, na Amazônia, em particular os indígenas, os pequenos agricultores e os que vivem nas periferias das cidades amazônicas". ...

Ler artigo
A Função Pública que constrói a paz.  XXI Relatório Anual do CNESC

A Função Pública que constrói a paz. XXI Relatório Anual do CNESC

Roma (NEV), 14 de abril de 2023 – O XXI Relatório Anual das Entidades que fazem parte da Conferência Nacional das Entidades da Função Pública (CNESC) descreve uma comunidade engajada na construção da paz. A Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia - CSD) também faz parte do CNESC. O relatório, disponível para download no seguinte link, Relatório Cnesc 2020.pdf, refere-se ao edital ordinário 2020, cujas atividades se desenvolveram em 2021 e 2022. Uma primeira fotografia da entrada em vigor dos programas de intervenção e da passagem definitiva à Função Pública Universal, escreve o CNESC. “A leitura do Relatório permite-nos apreender a riqueza e amplitude das intervenções junto das comunidades activadas no biénio 2020-2021, num momento histórico verdadeiramente difícil, ainda marcado pelos efeitos da pandemia - declara o Presidente do CNESC Laura Milani -. No entanto, as organizações membros do CNESC conseguiram se organizar e interceptar o desejo de muitos jovens, após um ano de bloqueio, de se comprometer e fazer algo concreto em apoio às comunidades. De facto, cerca de 19.680 jovens prestaram o seu serviço num dos projectos propostos pelas entidades aderentes: mais de 50% na assistência, 26,7% na educação e promoção cultural, 9,6% na protecção e valorização do património histórico, artístico e cultural património e, em menor grau, na proteção civil, na agricultura social, na proteção do ambiente e no estrangeiro. Formas diferentes, mas concretas, de construir a paz”. As entidades do CNESC investiram quase 110 milhões de euros para o concurso de 2020, mais cerca de 36 milhões do que os investidos no concurso anterior. “Um investimento devido em parte ao aumento da entrada de jovens no serviço – escreve o CNESC -, mas sobretudo ao aumento da complexidade, da burocracia, dos encargos dos órgãos, a todos os níveis. Daí os pedidos de simplificação por parte do CNESC, que pede nomeadamente que se passe dos programas de intervenção apresentados anualmente para uma apresentação trienal, com um horizonte temporal que permita assim ter um impacto real nos problemas e necessidades identificados, evitando ter de voltar a apresentar projetos todos os anos com conteúdos muito semelhantes aos do ano anterior.” Este XXI Relatório, cujas atividades interceptam entre outras coisas o 50º aniversário do reconhecimento da objeção de consciência ao serviço militar e da instituição do funcionalismo público, conclui o comunicado, "relata uma comunidade vivaz capaz de adquirir espaços de reflexão, comparação e inovação , o que coloca o CNESC em condições de qualificar o seu contributo para a concretização da função pública, numa lógica de colaboração entre os sujeitos do sistema SCU que - esperamos - seja cada vez mais assumida e valorizada, a partir do Departamento e das regionais e instituições locais”. CNESC – Conferência Nacional dos Órgãos da Função Pública reúne algumas das principais organizações credenciadas junto à Secretaria da Juventude e à Função Pública. Seus escritórios estão presentes em 3.557 municípios, 108 províncias e 101 países estrangeiros. Representa 7.171 organizações sem fins lucrativos e 247 órgãos públicos, com 17.859 escritórios de implementação. www.cnesc.it ...

Ler artigo
UNEDI.  Uma criação a ser preservada

UNEDI. Uma criação a ser preservada

Foto de Sharon McCutcheon - Unsplash Roma (NEV), 13 de novembro de 2018 - A conferência nacional sobre o tema da Criação intitulada "Que seu coração guarde meus preceitos (Provérbios 3.1)" acontecerá em Milão de 19 a 21 de novembro de 2018. Uma criação a ser guardada, por crentes responsáveis, em resposta à palavra de Deus”. O programa é resultado de uma colaboração entre representantes de várias igrejas; de fato, juntamente com o Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), que promove a iniciativa, a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), a Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta de o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, a Igreja Apostólica Armênia, a Diocese Ortodoxa Copta de São Jorge – Roma, a Igreja da Inglaterra e a Diocese Ortodoxa Romena da Itália. O encontro visa propor uma reflexão comum sobre uma possível proposta prática a ser implementada em conjunto nas comunidades locais, como cristãos na Itália e a elaboração de um apelo final, no estilo de uma carta à sociedade civil e política italiana. O programa inclui intervenções de representantes das várias igrejas sobre os temas do ecumenismo e da ecologia. O pastor Peter Pavlovich da Igreja Luterana Eslovaca refletirá sobre o tema “Da solidariedade à denúncia de caminhos errados. Os erros do homem recai sobre o próprio homem e, no entanto, ele continua a cometer erros”. A pastora valdense Letizia Tomassone intervirá com um relatório intitulado “Da denúncia à proposta de um novo caminho. Olhares de esperança em vista de uma maior consciência”. No dia 20 de novembro será realizada uma noite pública no Patriarcado Ecumênico da igreja de San Martino in Greco, moderada por Mariachiara Biagionijornalista do SIR, do qual participarão Luciano Gualzettidiretor da Cáritas Ambrosiana, Emanuele De Gasperisrepresentante da igreja batista e veterinário, o arquimandrita Atenágoras Fasiolo do Patriarcado Ecumênico. À noite, serão apresentadas experiências relacionadas a boas práticas ambientais e ecumenismo. As conclusões serão confiadas a Monsenhor Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI; o pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália; pai Ionut Comanresponsável pelo ecumenismo da Diocese Ortodoxa Romena da Itália. A nomeação faz parte de um caminho ecumênico retomado em 2016 em Trento, após um longo intervalo das conferências nacionais sobre o Pai Nosso de 1999 e sobre as bem-aventuranças de 2003. A conferência acontecerá no Novotel Milano Nord Ca' Granda, Viale Suzzani 13, 20162 – Milão. Baixe o folder da conferência Milan-2018 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.