O Mediterrâneo em Karlsruhe nas palavras de Simone De Giuseppe

O Mediterrâneo em Karlsruhe nas palavras de Simone De Giuseppe

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Dr. Anders Wejryd, Arcebispo Emérito da Igreja da Suécia e presidente do CMI para a Europa conduz uma conversa durante uma plenária temática focada na Europa, na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Karlsruhe (NEV), 2 de setembro de 2022 – Mesmo um pequeno pedaço da Itália e do Mediterrâneo hoje diante das centenas de delegados e participantes da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em andamento em Karlsruhe, Alemanha. Simone De Giuseppe, 30 anos, em sua primeira experiência como delegado à Assembléia do CMI, falou esta manhã na sessão plenária. O pároco batista estagiário nas igrejas de Gravina e Altamura contou a experiência e o compromisso da FCEI com o acolhimento e os direitos dos migrantes.

“As igrejas na Europa hoje têm uma dupla missão – disse -: uma dentro delas e outra para fora. Esse “fora de nós” é estar com pessoas que estão à margem. Do meu ponto de vista, como italiano, o Mediterrâneo é uma dessas margens, um desses lugares marginalizados. Vivemos um processo migratório epocal e não podemos ficar indiferentes e esquecer os muitos naufrágios ocorridos nos últimos anos. Como Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, lidamos com a questão da migração no Mar Mediterrâneo por vários anos com diferentes programas, como os corredores humanitários e o projeto migrante e refugiado, Mediterranean Hope. Neste sentido, foi particularmente importante a experiência da “Peregrinação de justiça e paz” do Conselho Ecumênico das Igrejas, que visitou Lampedusa e a Sicília em maio passado.

Foto de Marcelo Schneider

Ao mesmo tempo, as igrejas na Europa têm uma missão interna. precisamos aprender a viver e transformar nossas comunidades de maneira intercultural, pois muitos membros de nossas igrejas são migrantes. Em tempos de secularização, muitas vezes nossas igrejas crescem graças aos migrantes. É preciso, portanto, testemunhar a nossa fé cristã através da riqueza das nossas diversas culturas e tradições”, concluiu o pároco batista.

o pastor estagiário Simone De Giuseppe

Como foi falar para o público do WCC? “Foi uma grande emoção, uma honra e um privilégio – declarou Simone De Giuseppe ao NEV assim que o painel terminou -, poder falar diante de tantas pessoas, de diferentes tradições cristãs. Quanto ao tema em si, apreciei e estou feliz por ter podido falar da Europa e, portanto, do continente a que pertenço, não só focando o tema numa frente – a questão ucraniana – mas também procurando compreender a Europa em um sentido mais amplo e amplo, inserido num mundo mais complexo, que está em movimento, que abre muitas frentes como a do Mediterrâneo, de que falei. Acho que foi importante poder falar da Europa inserindo-a numa visão mais ampla, que inclui relações fortes com todos os povos do mundo. Uma experiência enriquecedora e também um amadurecimento pessoal poder partilhar uma mensagem como esta num espaço internacional”.

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Simone de Giuseppe, delegada da União Evangélica Batista da Itália, fala durante uma plenária temática com foco na Europa, na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Livros.  Uma boa notícia.  O Evangelho de Marcos … sob medida para você

Livros. Uma boa notícia. O Evangelho de Marcos … sob medida para você

Roma (NEV), 23 de setembro de 2020 – Tem como título “Boas notícias. O Evangelho de Marcos … sob medida para você” a nova publicação, recém-saída da imprensa, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). O livro é dedicado principalmente a meninos e meninas, meninos e meninas para uma leitura mais fácil do texto do Evangelho de Marcos. De fato, não se trata de uma harmonização da vida de Jesus tomando aqui e ali dos quatro evangelhos, nem de uma paráfrase da história bíblica. O volume, ao contrário, propõe o texto do Evangelho de Marcos, baseado na tradução muito recente da Bíblia italiana da Reforma e elaborado com características de alta legibilidade - tanto do ponto de vista linguístico quanto gráfico -; uma leitura agradável para todos, acessível tanto para aqueles com dificuldades específicas de aprendizagem (DSA) quanto para aqueles com outras dificuldades de linguagem e leitura. “O esforço para tornar o texto o mais acessível possível do ponto de vista linguístico, tentando permanecer fiel às intenções do texto evangélico, produziu uma nova ferramenta. A esperança é que ela permita que mais pessoas descubram a boa nova proclamado no Evangelho de Marcos”, explicou Patrícia Barbanotti, professora, membro da Comissão do Serviço Educativo (SIE) da FCEI, editora dos textos do volume. A supervisão do texto bíblico foi confiada ao professor Eric Noffkeprofessor de Novo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Como lembra o pastor Luca Maria Negro, presidente da FCEI, na apresentação do volume, “As igrejas nascidas da Reforma Protestante sempre promoveram a difusão da Bíblia, traduzindo seus textos para a língua falada pelo povo, para favorecer a alfabetização e escolarização da populações. Não é, portanto, por acaso que a FCEI decidiu comprometer-se com este projeto aceitando o desafio de chegar a um texto que facilite a leitura independente do texto bíblico”. E o volume fá-lo através de um texto bíblico simplificado mas fiel ao original, desenhos, mapas, breves notas explicativas sobre personagens e temas da narrativa, tiras do tempo. A publicação é também fruto de vários profissionalismos e competências: foi editada pela referida SIE; financiado com recursos dos metodistas e valdenses Otto por mil; elaborado pela editora Giunti Edu; e por fim distribuído pela editora protestante Claudiana, em cujo site é possível adquirir o volume. ...

Ler artigo
Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib. Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril. O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana. O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG). foto interfilme Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça). 13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”. PEQUENA PALESTINA / Journal d'un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83' As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial. INTERFILM A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo
Dois territórios, uma igreja.  Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Dois territórios, uma igreja. Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2020 – “Três novos membros foram eleitos para a Mesa Valdense na Itália e, de sete membros, cinco são mulheres. Esta é uma grande transformação. Até meu sotaque – talvez alguém perceba – é uma grande mudança. Para nossa igreja na Itália, ter um moderador siciliano, uma mulher, um diácono e um metodista é um grande desafio. Com isso quero dizer que estamos em meio a grandes transformações e que nossa Igreja está tentando entender como elas são vividas”. Alessandra Trottamoderadora da Mesa Valdense, que participa do Sínodo da Igreja Valdense do Rio de La Plata, transmitiu sua saudação aos sinodais com um discurso que abrangeu desde as linhas comuns, até as transformações e desafios atuais que os dois áreas da Igreja Evangélica Valdense estão enfrentando. “Já estamos vivendo uma transformação, nossa igreja está mudando. Às vezes não percebemos que compartilhamos esse desafio de mudar com vocês, mas devemos repensar nossa relação mesmo nas transformações que a igreja está vivendo, repensar os modelos, as estruturas, as prioridades, as coisas mais importantes”, disse Trotta. O moderador italiano referiu-se ainda a alguns esquemas comuns de trabalho que são discutidos pelos órgãos executivos de cada área, como a intensificação das trocas – “porque faz diferença quando, por um tempo, você pode andar na roupa do outro . Assim compreenderemos melhor o contexto em que se forma o seu testemunho, compreenderemos as suas preocupações, os seus sonhos, mas também o que está a viver, as ações em que põe o seu corpo, os recursos que põe em jogo: isto seria muito bom”, continuou. Continuando com as preocupações compartilhadas pelas duas áreas da igreja valdense, Trotta se referiu ao tema que a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália decidiu desenvolver nas atividades de 17 de fevereiro: o anti-semitismo. “Esses discursos de ódio atingem tudo o que não é 'conforme': os judeus, mas com a mesma força, violência e agressão, – pelo menos na Itália – também imigrantes, mulheres emancipadas, homossexuais. O projeto é o mesmo e acho que as igrejas, que têm uma sensibilidade particular, devem se responsabilizar por fazer soar o alarme”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.