Tertio Millennio Film Festival.  Primeiro encontro com as comunidades religiosas

Tertio Millennio Film Festival. Primeiro encontro com as comunidades religiosas

Foto TMFF/Corpo de entretenimento

Roma (NEV), 22 de abril de 2022 – A primeira assembleia geral da XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF) foi realizada na quarta-feira. Estamos falando do festival de cinema nascido do impulso de João Paulo II e organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo que, ao longo dos anos, assumiu cada vez mais as características de um festival de diálogo inter-religioso. Há algum tempo, o Júri Inter-religioso do TMFF reúne cada vez mais expoentes de diferentes religiões.

A assembléia contou com a participação das comunidades católica, protestante, judaica, islâmica, hindu e budista. O delegado esteve presente pela Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” Gianna Urzioex-presidente da entidade, ed. Elena Ribet.

Para abrir os trabalhos, o cardeal Gianfranco Ravasi que, como refere o comunicado de imprensa da iniciativa, recordou a importância do festival no diálogo inter-religioso e intercultural. Falou-se também do diálogo entre as religiões como um diálogo pela paz. Vestir Juliano Savina, Diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) falou de uma “transversalidade que envolve todas as realidades. Isso gera plotagens e – citando Paulo Ricoeurele especificou – ‘entrelaçamento’ significa que a suspeita se torna confiança”.

Apresentaram os temas da agenda David Milani, Presidente da Fundação Ente dello Spettacolo, Stefano RussoSecretário-Geral da CEI, Paulo Ruffini, Prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé. A seguir, as intervenções dos diretores artísticos Gianluca Arnone E Marina Sannae o debate com os representantes das comunidades religiosas envolvidas: Fabrizio Capanni, Hamdan al-Zeqri, Chapéus William Doryu, Sir Fatucci, Swamini Suddhananda, Saul Meghnagi, Yahya Pallavicini.

A assembléia representa uma das etapas para a construção da XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest, agendada para os dias 14 a 18 de novembro de 2022. Também está na mesa a nomeação do comitê inter-religioso, presidido por Giuliano Savina e formado pelos representantes escolhidos pelas comunidades religiosas. Além disso, a proposta de uma mesa de trabalho para a definição de um estatuto.

O festival é organizado sob o patrocínio do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, do Pontifício Conselho para a Cultura, do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, do Escritório Nacional para as Comunicações Sociais da CEI, da UNEDI, do Cortile dei Gentili, de Pitigliani – Centro Judaico Italiano, da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI), da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII) e da Associação Internacional de Cinema Protestante INTERFILM, com a Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”, da União Hindu Italiana e da União Budista Italiana.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

foto de Lee Anne Cline, do unsplash Roma (NEV), 28 de agosto de 2020 - Ao final de uma marcha de protesto pelos direitos civis em Washington, na quarta-feira, 28 de agosto de 1963, o líder do movimento, o pastor batista Martin Luther Kingfez aquele que será seu discurso mais famoso, "Eu tenho um sonho", para mais de 250.000 pessoas. Hoje, mais de 50 anos depois dessas palavras, o racismo e a violência policial contra os afro-americanos estão inflamando os Estados Unidos. É o ano de “vidas negras importam”, “vidas negras importam”. E hoje em dia, algo nunca visto antes, até mesmo o esporte, e o basquete em particular, para em solidariedade aos protestos, àqueles que pedem justiça pelos abusos e por mudanças reais na sociedade americana. Perguntamos ao professor Paulo Nasoprofessor de ciência política e grande conhecedor dos EUA, um comentário sobre essas famosas palavras. “Eu tenho um sonho – explica Paolo Naso – continua sendo um dos discursos mais emblemáticos da história americana e talvez da retórica política de todos os tempos. Sua força está na capacidade de evocar um sonho sem esquecer o pesadelo em que viveram milhões de afro-americanos devido ao racismo persistente e à luta ainda inacabada pelos direitos civis. Décadas depois, esse discurso continua preocupantemente atual. Numa América ainda abalada por confrontos de dimensão racial e por violências que testemunham que o mal negro do racismo continua a afligir a democracia norte-americana. Assim como nos anos de Martin Luther King, na América de hoje a vida dos negros importa muito menos do que a dos brancos e alguns aparatos institucionais imaginam que podem agir em desacato às leis e aos direitos humanos. Tudo isto tem uma dimensão política, mas também ética. E assim permanece viva a advertência do pastor batista King, para construir uma América liberta de seu "pecado original", que ao contrário se represente como uma comunidade integrada e reconciliada de brancos, negros e todas as minorias. Muitas vezes, na comemoração do discurso de 28 de agosto de 1963, abordamos o tema do "sonho" sem entender que o sonho não se realizou, que ainda está diante de nós, que ainda requer o compromisso dos homens e mulheres, brancas e negras". O vídeo completo do discurso de MLK: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EF7E--_BdSg[/embed] ...

Ler artigo
Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 - A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas. O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”. Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público. A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política 'autônoma', ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos 'clerical' do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de 'laicidade'”. Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a "santa ceia" (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante "não" ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão "estar juntos à mesa do Senhor"? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta "ir e ver". Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da "MicroMega". Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo. ...

Ler artigo
As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.