Conselho Ecumênico visita a Itália

Conselho Ecumênico visita a Itália

Roma (NEV), 23 de março de 2023 – Unidade dos cristãos, situação ucraniana, mudança climática e justiça climática, migrantes e refugiados: estes são os pontos centrais da visita de uma delegação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI, CMI em inglês) na Itália, em Roma, que aconteceu hoje, 23 de março de 2023.

A delegação, que se encontrou com o Papa Francisco, era composta pelo bispo Heinrich Bedford-Strohmmoderador do Comitê Central do CMI, pelo pastor Jerry Pillaysecretário geral do CMI e Vasile-Octavian Mihoc, executivo do programa do CMI para relações ecumênicas. O pastor presbiteriano Jerry Pillay ele é o nono Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O acordo oficial ocorreu em 17 de fevereiro em Genebra, na Suíça.

Segundo os representantes, a fé como testemunho, mesmo em relação a questões atuais, é importante porque, como disse Pillay, “o que preocupa o mundo nos preocupa”.

A tarefa do CMI, segundo o novo secretário-geral, é manter “um diálogo, não dizer o que é certo e o que é errado”.

E para serem “embaixadores da reconciliação”, declarou Bedford-Strohm, também ouvindo outros, em muitas questões, como direitos civis. Outro foco abordado na reunião na sede da FCEI em Roma foi o 1700º aniversário do Concílio de Nicéia, que será comemorado em 2025.

Para dar as boas-vindas ao grupo, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, o pároco Daniele Garronepresidente da FCEI, Paulo Nasopessoa de contato para relações institucionais do projeto Mediterranean Hope (MH), o pastor valdense Luca Barattosecretário executivo da FCEI, marta bernardinicoordenador do programa FCEI para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, pastor valdense Michael Charbonniermembro do Comitê Central do CMI, José Migliopároco da igreja batista e vice-presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI).

Grande atenção, por parte da delegação ecumênica, ao modelo de corredores humanitários.


Para mais informações: www.oikumene.org.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Abandone a guerra mundial em pedaços.  Em 15 de fevereiro, reunião em Roma

Abandone a guerra mundial em pedaços. Em 15 de fevereiro, reunião em Roma

Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2023 – “15/02/2003-2023 Vamos parar a guerra”. Este é o nome da rede de pessoas e organizações que organizaram uma conferência aberta por ocasião do 20º aniversário da grande mobilização que disse NÃO à guerra no Iraque. Entre os promotores, juntamente com Un Ponte Per e a Rede Nacional de Coordenação de Paz e Desarmamento, está também a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A conferência é realizada na Igreja Evangélica Metodista na via XX Settembre em Roma, no dia 15 de fevereiro, a partir das 16h30. Haverá uma transmissão online ao vivo no Facebook (e outros sites. Os organizadores escrevem: “Há 20 anos, em 15 de fevereiro de 2003, mais de 100 milhões de pessoas saíram às ruas das cidades do mundo para dizer NÃO à guerra no Iraque e a todas as guerras sem ses, es ou mas. Uma geração de ativistas e ativistas se manifestou em nome da humanidade. Foi a maior manifestação de sempre, falava-se da sociedade civil como a segunda potência mundial. Por um breve período, tornou-se mais difícil para os poderosos justificar a guerra diante de sua própria opinião pública. Alguns países retiraram tropas do Iraque, a nova presidência dos EUA fez um acordo histórico com o Irã, ninguém mais queria colocar as botas no chão. Depois houve a grande crise econômica e a opinião pública teve que mudar sua agenda. Às tradicionais grandes potências atómicas juntaram-se novos players regionais e globais, iniciando uma grande competição para um novo equilíbrio global. Entretanto, iniciou-se uma nova corrida armamentista e os preparativos para a guerra reiniciaram-se silenciosamente até à agressão do governo russo contra a população ucraniana e às tantas outras guerras 'silenciosas' de hoje perante as quais as sociedades civis, embora opostas, parecem não reativos ou dispostos a se rebelar como no passado. Vinte anos depois, tentemos reflectir sobre o significado e o alcance daquela manifestação e sobre a fragmentada terceira guerra mundial a que assistimos e sobre os desafios do movimento antiguerra internacional com alguns dos protagonistas da época e olhando para o mundo a partir dos cinco continentes e de diferentes pontos de vista”. Para inscrições e informações, escreva para [email protected] PLANO 16h30 – Exibição dos filmes da manifestação de 15 de fevereiro de 2003 17:00 – Apresenta: Alfio NicotraUma Ponte Para 17h10 – Saudações: Mirella Mannocchiopastor da Igreja Evangélica Metodista Sessão #1: O DIA EM QUE O MUNDO DISSE NÃO À GUERRA 20 anos depois, comparando reflexões sobre o significado, alcance e legado do maior comício pela paz da história 17h20 – Chris NinehamPare a Coalizão de Guerra 17h30 – Piero BernocchiCOBAS 17h40 – Raffaela BoliniARCI 17h50 – Ismaeel DaewoodIniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana (ICSSI) Sessão #2: A GUERRA MUNDIAL EM PEDAÇOS Perspectivas dos 5 continentes sobre a guerra mundial em pedaços e sobre os desafios do movimento antiguerra internacional, com os protagonistas da época. 18h00 – Walden BelloFoco no Sul Global – Ásia 18h10 – Phyllis BennisInstituto de Estudos Políticos - América do Norte 18h20 – Alexandre BelikMovimento Russo de Objetores de Consciência – Europa 18h30 – Edgardo LanderInstituto Transnacional e Diálogo Global – América do Sul 18h40 – Moussa ThangariAlternative Espace Citoyens – África 18h50 – Marga FerréTransformar – Europa Sessão #3: PONTOS DE VISTA Feminismo, justiça climática, luta pelas liberdades: testemunhos de movimentos em comparação. 19h00 – Ada DonnoGrupo Femm Cura, Associação de Mulheres da Região do Mediterrâneo 19h10 – Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro 19h20 – Parisa Nazariativista iraniano CONCLUSÕES 19h30 – Sérgio Bassoli, CGIL; Europa pela Paz Moderado Fábio AlbertiUma Ponte Para Curadoria do evento: 15 de fevereiro de 2003-2023 Vamos parar a guerra ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

No que respeita aos países estrangeiros, a maioria dos projetos aprovados concentra-se em África, Médio Oriente, América Latina: vão desde o Quirguistão ao Mali, passando por projetos que serão implementados na Faixa de Gaza. Duas realidades em particular estão sendo ajudadas no Afeganistão, e há pelo menos três anos o Otto per mille Waldensian apoia projetos que visam sobretudo a emancipação das mulheres. Agora, uma vez publicada a lista, as associações e entidades que receberam os aportes poderão iniciar os projetos até o final do mês. Como já havia explicado ao NEV Manuela Vinay, chefe do Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses (OPM), por ocasião do Sínodo, o Otto per mille registrou um número recorde de membros este ano, em termos de pedidos: “Quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Estamos, por isso, muito motivados - acrescenta -, e queremos dizer não só a quem participou no concurso, mas a todos, a toda a sociedade civil, que estamos prontos e determinados a ajudar, a fazer a nossa parte”. Como sempre anunciado durante o Sínodo, também estão sendo captados recursos do fundo de emergência para apoiar projetos extraordinários de ajuda às populações do Haiti e do Afeganistão. “Como nos anos anteriores – declarou Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese, em nota publicada em chiesavaldese.org – pautamo-nos na avaliação dos projetos por alguns critérios básicos: atenção máxima a projetos que atendam às necessidades dos sujeitos mais vulneráveis ​​da forma mais emancipadora possível; a abertura para apoiar diferentes níveis de intervenção, que nunca devem ser colocados em competição, desde o de socorro e ajuda imediata, até ao de projetos de mais longo prazo que visam afetar as causas das desigualdades e promover transformações sociais e culturais positivas; e o equilíbrio entre o apoio a organizações consolidadas e com grande capacidade operacional mesmo em cenários complexos e também a pequenas associações que demonstram conhecimento e raízes reais nos contextos territoriais em que operam e uma atenção profunda a relações de cuidado próximas. Estamos agora empenhados em dar substância ao compromisso – ao qual o Sínodo nos encorajou fortemente – de destinar uma parte significativa do fundo especial residual criado para a emergência do Coronavírus às questões trabalhistas, com atenção particular à condição das mulheres e dos jovens ” . ...

Ler artigo
Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Foto retirada de cwmission.org Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2022 – O Secretário Geral do Conselho para a Missão (CWM – Council for World Mission), pároco Joseop Keumexortou os líderes cristãos mundiais a repensar o ecumenismo. Convidado pelo Global Christian Forum (GCF), o pastor Keum lançou uma mensagem desafiadora sobre como revisitar o ecumenismo neste mundo atingido pela pandemia. A iniciativa faz parte de uma série de encontros preparatórios em vista do próximo Fórum Global, previsto para 2024. Entre eles, também houve o encontro de facilitadores realizado de forma híbrida de 5 a 9 de fevereiro na Domus Romana Sacerdotalis em Roma, que também contou com a presença do bispo Rosemarie Wenner (foto abaixo, terceiro da esquerda) do Conselho Metodista Mundial. Nos mesmos dias, entre outras coisas, a delegação religiosa se encontrou com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella ManocchioE Papa Francisco. Ecumenismo transformador Em seu discurso durante a sessão de abertura, o pastor Jooseop Keum expressou sua preocupação com as injustiças sociais, políticas e econômicas reveladas pela pandemia global de Covid-19. Também destacou a ganância sistêmica que não está apenas explorando a vida de pessoas vulneráveis, mas também destruindo o meio ambiente. “A pandemia de Covid-19 não é um desastre natural nem acidental”, disse Keum. É um desastre ecológico causado pelo homem devido ao genocídio da ecodiversidade e invasão humana em lares de animais selvagens.” Neste mundo atingido pela pandemia, com desafios internos ao movimento ecumênico, Keum também convocou os membros do Fórum Cristão a reinventar um ecumenismo transformador. É preciso desmantelar as estruturas que servem apenas aos privilegiados, recebendo o Espírito Santo, redescobrindo a fé à margem e derrotando a cultura do ódio com a força do amor, declarou Keum. O pastor destacou a necessidade de uma transformação radical no movimento ecumênico, também em seus espaços. “Revisar o ecumenismo requer uma mudança de lugar – tanto em termos hermenêuticos quanto geográficos: das câmaras do conselho para as ruas, e do dogma para a vida. A vida e as vidas importam, por isso revisitar o ecumenismo é um apelo à celebração da vida em sua plenitude, com as pessoas, em seus contextos reais e em comunidades concretas”. No final de seu discurso, ele sugeriu sete direções para o futuro do ecumenismo: Status confessionis sobre mudanças climáticas e justiça ecológica. Desenvolva a economia da vida em vez de servir a "mammon", o "deus" do dinheiro. Reimaginar o ecumenismo como um movimento a partir das margens, além das instituições. Cultive uma espiritualidade da interconectividade da vida e da solidariedade da esperança. Promova parcerias e explore teologias entre os vulneráveis. Mudando o foco do ecumenismo do eurocêntrico para o cristianismo global. Promover uma liderança ecumênica baseada em valores de fé, não eclesiais. O pastor Casley EssamuahSecretário-Geral do GCF, e outros participantes expressaram gratidão a Keum por seu discurso, que "ajudará a discernir o caminho a seguir em vista da reunião global de 2024". Foto tirada da página do Global Christian Forum no Facebook. Delegação em audiência com o Papa Francisco, fevereiro de 2022 Fórum Cristão Global (GCF) O GCF é um fórum global de líderes cristãos de diferentes tradições, regiões, culturas e nações. Proposto pela 8ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1998 em Harare, o GCF nasceu, após um processo de consultas, para reunir várias tradições eclesiásticas num caminho comum de reflexão rumo à unidade das igrejas globais, sobre igualdade de condições e respeito mútuo. Inclui representantes evangélicos, pentecostais e católicos, juntamente com as igrejas membros do CMI. Obrigado Antonella Visintincoordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pelos relatórios e pelo apoio à tradução. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.