Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Roma (NEV), 29 de março de 2023 – Aproximadamente 245.000 pedidos foram recebidos ontem por ocasião do dia do clique para a entrada de trabalhadores estrangeiros na Itália, três vezes o número de cotas previstas pelo decreto de fluxo do ano passado, ou seja, 82.705. Relativamente às pessoas que não vão ser incluídas neste contingente, está em curso uma reflexão que levanta a hipótese de canais preferenciais para quem já se candidatou: quem não regressar poderá não ter de repetir a candidatura e tem lugar reservado. O governo, inclusive, está discutindo a abertura de mais um clickday nos próximos meses, diante de um novo decreto de fluxos. “Como amplamente previmos e repetimos há poucos dias, no dia do clique de ontem, as quotas definidas para a entrada de trabalhadores e trabalhadoras de países terceiros para 2023 esgotaram-se em poucos minutos e dois terços das candidaturas enviadas pelos empregadores Dito de forma ainda mais clara – apoio às entidades promotoras da campanha Fui estrangeiro, que inclui também a FCEI – mais de 240.000 empregadores têm apresentado regularmente pedidos de entrada e contratação de tantos estrangeiros, mas apenas um terço deles, cerca de 82.000, poderão efectivamente vir trabalhar no nosso país, apesar de existirem empresas e empregadores individuais que precisam destes números. A mesma situação havia surgido no ano passado e no passado. Então, vamos voltar a perguntar ao governo: por que repetir que quer focar nas entradas regulares e depois limitar o acesso à única via de entrada legal para o trabalho que a legislação prevê?”

“Como sublinha o documento que a campanha enviou nos últimos dias à primeira Comissão do Senado no âmbito da apreciação do decreto-lei dos fluxos migratórios, não basta simplificar o procedimento de entrada e permitir a rápida contratação de trabalhadores e trabalhadoras ” continuam as organizações que promovem a campanha. “Se não forem enfrentadas as questões que o atual sistema apresenta – e que conhecemos há vinte anos – é impossível, por um lado, atender às reais necessidades do mundo produtivo e, por outro, permitir que homens e mulheres trabalhadoras venham trabalhar para o nosso país com todas as salvaguardas e garantias. Por que não dar ao empregador a possibilidade de contratar pessoas do exterior a qualquer momento, sem a necessidade de definir um dia de clique? Poderíamos começar com a introdução da figura do patrocinador com a possibilidade de apoiar a entrada de estrangeiro para permitir o ingresso no mercado de trabalho, mediante garantias, evitando assim, entre outras coisas, sobrecarregar os escritórios, prefeituras e polícias sede em particular, que já está perpetuamente com problemas e com falta de pessoal. É certo que o decreto em tramitação no Parlamento prevê no art. 2 que os pedidos que excedam as cotas podem ser examinados no âmbito dos decretos posteriores. Mas quanto tempo levará para abrir uma nova janela? Que resposta damos aos empresários do sector do turismo que precisam de começar a época balnear dentro de um mês e têm pessoal suficiente? Ou para as muitas construtoras em um momento de máximo comprometimento? Ou, ainda, às dezenas de milhares de trabalhadores que têm apenas esta loteria disponível para poder entrar na Itália e trabalhar sem riscos? Por estas razões, a campanha elaborou “algumas emendas ao decreto em discussão no Senado, apresentadas por várias forças políticas e que pedimos ao governo e à maioria que aprovem. Primeiro, no art. 1, a definição das cotas para cada ano não deve ignorar o que aconteceu no ano anterior, de modo a refletir as necessidades reais dos setores produtivos e dos trabalhadores e trabalhadoras que esperam poder entrar regularmente na Itália. É ainda necessário garantir aos empregadores cuja candidatura não se enquadre inicialmente nas quotas estabelecidas, a possibilidade de proceder ao recrutamento em prazo curto e definido, introduzindo o prazo de 30 dias para a adoção de novo decreto dedicado aos pedidos que excedam o dia do clique enviado nos primeiros dez dias contados do início da transmissão Dentre as medidas de simplificação previstas no art. 2, propõe-se inserir uma intervenção para proteger trabalhadores e trabalhadoras. Como também já foi feito no passado, é necessário prever que nos casos de não finalização do recrutamento por motivos imputáveis ​​exclusivamente ao empregador, seja emitida ao cidadão estrangeiro uma autorização de residência para aguardar emprego, que dê a possibilidade de encontrar outro trabalho e convertê-lo em uma autorização de trabalho. Devem então prever-se as disposições já estabelecidas em junho de 2022, entre as intervenções de simplificação do governo Draghi sobre o decreto de fluxos, que é a possibilidade de permitir o acesso ao processo de recrutamento de pessoas já presentes na área e imediatamente disponíveis para trabalhar. Não há como, de fato, contratar e legalizar uma pessoa que já está na Itália, mas está sem documentos e talvez trabalhe ilegalmente, a não ser por meio de uma anistia, como aconteceu muitas vezes nos últimos vinte anos. Para essas pessoas, o decreto de fluxos é a única maneira de regularizar sua situação, mesmo com o custo de sair e voltar da Itália. Esta prática deveria ser ultrapassada em primeira instância com a alteração proposta, sem prejuízo da nossa proposta de introdução de um mecanismo de regularização individual e sempre acessível face à disponibilidade de emprego, que permitiria resolver o problema da irregularidade ser enfrentado a montante”.
“Reiteramos – concluem as entidades promotoras da campanha – que não basta remodular os decretos de fluxo que, mais uma vez, se têm revelado ineficazes. Para obter uma gestão eficaz da entrada no trabalho no nosso país, são necessárias reformas orgânicas que tomem nota do que está a acontecer na realidade não só no que diz respeito às necessidades do nosso mercado de trabalho, mas também no que diz respeito às expectativas de uma vida melhor no nosso país dos trabalhadores e trabalhadoras e suas famílias”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Imagem retirada de Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – Por ocasião do Dia Mundial da Terra 2023, publicamos a mensagem da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). DIA MUNDIAL DA TERRA 2023 Quão saudável é o planeta? Esta é a primeira pergunta que devemos nos fazer ao celebrar o Dia da Terra, dia mundial da terra que já está em sua 53ª edição. Um dia desejado pelas Nações Unidas para solicitar atenção especial aos recursos do planeta e à defesa contra desastres ambientais. Naquela ocasião, em 22 de abril de 1970, 20 milhões de cidadãos americanos saíram às ruas para mostrar seu apoio à Terra. Uma consideração é obrigatória, em meio século as políticas econômicas, ambientais e trabalhistas promulgadas pelos governos não foram adequadas para garantir a atenção que os manifestantes pediram. Dois dados parecem oportunos mencionar, o relatório de 2023 publicado pela ISPRA em 18 de abril e o estado atual da transição ecológica. O Relatório do Inventário Nacional 2023 publicado pelo Instituto Superior de Pesquisa e Proteção Ambiental, indica que as emissões de CO2 em 2022 tiveram um aumento em relação a 2021. O número definitivo ainda não foi divulgado, mas pesa muito o crescimento das emissões dos transportes e da produção de energia, em contraste com o desafio deste início de milênio tanto no que diz respeito à poluição quanto ao clima mudança: aceleração da pesquisa tecnológica para o uso de fontes renováveis ​​de forma sustentável (com referência à substituição de energias fósseis por terras raras) e redução do consumo por meio de economia e eficiência. No entanto, isso desconsidera o atraso e os obstáculos colocados em todos os níveis pelos interesses dominantes dos combustíveis fósseis, embora as sanções à Rússia associadas à guerra na Ucrânia devessem ter impulsionado a transição energética. A Itália é o sexto maior credor de combustíveis fósseis do mundo. De acordo com o Relatório Estatístico do GSE, um terço do consumo de energia italiano é dado pelo transporte e hoje mais de 90% ainda está ligado aos produtos petrolíferos. Cerca de 70% do consumo de energia térmica provém do aquecimento de edifícios. Pouco menos de um quinto em 2021 veio de fontes renováveis. Segundo dados da Terna (empresa que administra a rede nacional de transmissão), em 2022 a demanda de eletricidade na Itália foi de 316,8 bilhões de quilowatts-hora, 1% a menos que em 2021. A produção nacional líquida em 2022 (equivalente a 86,4% da oferta de energia) foi de 276,4 bilhões de quilowatts-hora (-1,3% em relação aos doze meses anteriores). 31,1% da demanda foi atendida por fontes renováveis. Em particular, as fontes fotovoltaica e termelétrica cresceram 11,8% e 6,1%, respectivamente, enquanto as fontes hidrelétricas registraram quedas de 37,7%, 1,8% e 1,6% (devido à estiagem), eólica e geotérmica. Não partilhamos da decisão do Governo de aumentar a produção de energia a partir do carvão, motivada pela vontade de deixar a balança externa quase inalterada, na pendência da conversão da “neutralidade carbónica” anunciada pela Enel em 2016 enquanto o grupo Eni triplica os seus lucros face a 2021 O problema não está no imediatismo, porque o aumento parece ser pequeno em qualquer caso (contribuindo também para o colapso das despesas com aquecimento e consumo das empresas intensivas em energia de 5,4% -Índice Imcei-) mas no desalinhamento da dados estimados para 2030, com mais de 15 milhões de toneladas de CO2 mais do que as metas estabelecidas pelo European Effort Sharing. No Dia da Terra, a GLAM acredita estar a encorajar a responsabilidade perante a vida da Criação que reencontra a primavera neste hemisfério, com escolhas energéticas também sustentáveis ​​a nível social, como expressão de um processo geral de descolonização do planeta pela nossa espécie para deixar espaço vital para plantas e animais que não gostam de nossas escolhas ou sofrem de incompatibilidade. A Comissão GLAM “O Dia da Terra, que desde 1970 celebra o ambiente e a proteção do planeta, é um aniversário que viu a sua importância consolidada ao longo do tempo – lê-se na página dedicada ao Dia da Terra no RaiPlay -. O tema da Jornada é cada vez mais atual, está no centro dos programas governamentais, porque exige mudanças rápidas, urgentes e inadiáveis”. No dia 22 de abril às 13 #OnePeopleOnePlanet, da Calábria, um talk show intitulado "Bridges over the Mediterranean". A consulta é no RaiPlay. Pistas Cláudio Paravati. ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

A Assembleia, depois de ter sido adiada em 2020 devido à pandemia, chega agora no meio de uma guerra que pensávamos que nunca mais veríamos na Europa: quanta força é preciso para proclamar a esperança ao mundo de hoje? É preciso força extra. A mera força de cada um ou de todos está exposta ao risco da angústia e do medo, sobretudo para os idosos e para uma geração de jovens e adolescentes fortemente provada pelos últimos dois anos e que vê o seu futuro definitivamente roubado com a guerra. Precisamos da força que vem do Senhor Jesus que, antes de experimentar a Paixão, disse aos seus seguidores: “No mundo tereis tribulações; mas coragem, eu venci o mundo” (João 16:33). Aqui está o encorajamento e a força de que precisamos: o dom do Senhor à Igreja e ao mundo, a força da esperança viva, a luz do Evangelho que brilha nas trevas, apesar de tudo, que recria as esperanças mortas que a pandemia sobretudo a guerra. eles produzem e fortalecem. A Assembleia terá que examinar várias questões relativas à estrutura administrativa e à "máquina da igreja": podemos citar as principais? Eu menciono três. A primeira diz respeito ao efeito da pandemia na vida comum das igrejas, que as viu sofrer muito após o fechamento forçado de locais de culto e, posteriormente, na manutenção de frequência assídua aos cultos. Estamos preocupados com a parte mais fragilizada das comunidades que tem tido dificuldade com a modalidade remota e que entretanto ficaram descontentes com a igreja, principalmente nas igrejas menores. A segunda diz respeito ao andamento do plano de cooperação entre as igrejas da União, que lamentavelmente registou um decréscimo significativo no período de dois anos da pandemia que impacta diretamente as necessidades e exigências da União sobretudo em termos de sustentabilidade do a missão interna nas suas diversas declinações, a começar pelo inadiável fortalecimento dos Dicastérios (Teologia, Evangelização e Igrejas internacionais). A terceira questão diz respeito à atribuição às associações regionais de maior dignidade institucional, de forma a torná-las, no âmbito da cooperação entre as igrejas da UCEBI, um instrumento de referência territorial das igrejas locais para um vínculo institucional mais estreito e eficaz, a fim de expressar a unidade da fé no nível organizacional, implementar uma linha comum de testemunho e serviço, cultivar a esperança do cumprimento do reino de Deus. Face a esta nomeação, a Comissão Executiva propôs às igrejas um documento de estudo, “A tarefa da UCEBI”, que foi debatido localmente e em conferências para macro-áreas. Trata do tema da pluralidade, que já existe dentro da União entre as igrejas, nas igrejas, entre os irmãos e irmãs da igreja, entre os ministros e as ministras. Como e por que o desafio da pluralidade deve ser vivido hoje? A pluralidade nas igrejas deve ser vivida como comunidades plurais participativas nas quais as pessoas, com suas diferenças geográficas, étnicas, de gênero, culturais, teológicas e éticas, possam confrontar suas expectativas e perspectivas e compartilhar, no caminho comum da fé, a busca do Reino de Deus também sobre temas que distinguem o Batismo, como direitos humanos, direitos civis, direitos comunitários. Todos os direitos atravessados ​​por diferentes concepções éticas e teológicas para a formação cultural e histórica. O desafio da pluralidade deve ser vivido hoje mais do que nunca porque é urgente opor um mundo de solidariedade e igualdade a um mundo regido pelo regime de separação de nações, povos, etnias, culturas, credos, visando atingir os interesses de os poderosos orientados para a realização do bem comum da humanidade e a salvaguarda da criação. Os frutos deste regime de separação dos povos manifestam-se hoje na guerra de agressão contra a Ucrânia. No que diz respeito à pluralidade de ministérios, ao lado do ministério pastoral, hoje existem outros ministérios dentro da União. Neste caso, o desafio da pluralidade deve ser enfrentado promovendo a colaboração de pastores e pastoras, ministros e ministros, incentivando o trabalho em equipe entre pessoas que possuem habilidades diferentes e que sabem trabalhar juntas. Trata-se de uma reforma do modelo pastoral, dos ministros da UCEBI. Este ano haverá uma sessão conjunta da Assembléia convocada com o Sínodo Valdense e Metodista: quais são as expectativas? Cerca de 15 anos após o último Assembléia/Sínodo (AS), foi certo e bom ter aprofundado, através dos quatro webinars realizados em preparação para a próxima AS, os principais temas envolvendo reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses. Aqui ressalto antes de tudo a necessidade de melhorar a colaboração territorial fortalecendo-a, iniciando um processo de maior sensibilização dos respectivos sistemas de referência, capaz de tornar a colaboração sistêmica e baseada em projetos específicos para o testemunho evangélico comum no território, e não , como muitas vezes aconteceu, uma colaboração territorial simplesmente ocasional e não suficientemente motivada pelas necessidades de crescimento da igreja e desenvolvimento do testemunho no território. Outra expectativa importante diz respeito à formação de ministros e pastoras cuja formação acadêmica acreditamos deva fortalecer tanto o estudo da teologia prática (em particular, a relação de ajuda, o estabelecimento de novas igrejas, o desenvolvimento e transformação das comunidades, a evangelização) quanto o estudo da música e da hinologia. Há algum tempo as igrejas na Europa precisam lidar com uma sociedade e uma cultura cada vez menos envolvidas no testemunho cristão: que novas ferramentas podem adquirir? A pandemia devolveu-nos uma forma de participação em cultos e estudos bíblicos, mas também em conferências temáticas intimamente ligadas aos temas da fé, o que revoluciona o conceito de igreja local, entendida como igreja geograficamente definida e delimitada pelo local de residência dos participantes. Testemunhamos uma expansão virtual da igreja local durante a pandemia. Desta forma, alcançamos pessoas que nunca teriam cruzado o limiar de nossos locais de culto. Uma das ferramentas é, portanto, representada precisamente pela presença da igreja sui mídia social. No entanto, a esses novos métodos de comunicação devem ser adicionadas novas habilidades na formação de ministros, especialmente na área de missão e evangelização. Como se lê no relatório do Dicastério para a Evangelização: “não faltam sinais de esperança onde se está disposto a ‘ousar mudar pela fé’, equilibrando os acentos da estrutura à pessoa, da igreja local à universal , da palavra à escuta, do sermão ao encontro, do livro ao vídeo, do púlpito à mesa ou à webcam, num percurso policêntrico, onde os espaços de oração, de cuidado das almas, de testemunho pessoal e de partilha, também através dos novos media, reclamam um papel maior". Como você vivenciou seu mandato em nível pessoal? Procurei cumprir o mandato presidencial em espírito de oração, experimentando nas diversas dificuldades quotidianas a importância do apoio da Comissão Executiva e da colaboração do pessoal dos gabinetes. Na solidão não faltava a ansiedade pelas expectativas e pela vida comum das igrejas, sobretudo quando atravessadas por graves conflitos ou ameaças externas. Assim como havia preocupações com a saúde de pastores e pastoras. As maiores alegrias eram as decorrentes das visitas às igrejas, nas quais, mesmo com a cumplicidade convivial dos ágapes, os laços de fraternidade e sororidade se fortaleciam na profundidade e beleza da comunhão em Cristo. ...

Ler artigo
#EuARe2019.  Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

#EuARe2019. Em Bolonha, a 2ª conferência anual das religiões

Imagem retirada do perfil do twitter da EuARe Roma (NEV), 26 de fevereiro de 2019 - Faltam apenas alguns dias para a abertura da 2ª conferência anual da Academia Europeia de Religião (EuARe). De 3 a 7 de março, em Bolonha, a plataforma promovida pela Fundação João XXIII para os Estudos da Religião (FSCIRE), que liga universidades, centros de investigação e estudiosos da religião de toda a Europa, promove esta iniciativa única no seu género: 1204 oradores, 342 sessões, lectiones magistrales. O tema deste ano: “Fortalecendo o Indivíduo, Nutrindo a Comunidade”. Um espaço expositivo também abrigará editoras de toda a Europa, como as editoras protestantes Claudiana e Paideia. Existem muitos protestantes. Destacamos, além de alguns eventos ilustrados abaixo, as três jornadas internacionais de estudo organizadas pelo Centro studi Confronti. Imagem retirada da página web do Centro studi Confronti Título: "Pluralidade religiosa: um desafio global?", de 4 a 6 de março de 2019, na Sala Senatori, no Palazzo Isolani (na via Santo Stefano 16) em parceria com várias universidades, incluindo a Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Tema do ciclo, a relação que a religião e a fé mantêm com as questões de gênero, mídia, política e cultura. A Waldensian Studies Society propõe o painel "A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural" (6 de março de 2019, 14h30-16h30 no Salão dos Espelhos, também no Palazzo Isolani) que abordará o debate contemporâneo a partir de uma reflexão histórica. De 1848-49, quando valdenses e judeus obtiveram direitos civis e políticos, passando pela Constituição italiana de 1948, para chegar às grandes transformações da diversidade religiosa, inclusão de migrantes estrangeiros, novos modelos de família (união civil, divórcio e famílias reunidas, menores desacompanhados). A revista cultural Consciência e Liberdade intervirá com um painel intitulado “Religião, política e mentira. Um difícil caminho para a convivência”. Detalhes abaixo. A Academia Europeia de Religião (EuARe) é uma iniciativa lançada em dezembro de 2016 sob o patrocínio do Parlamento Europeu para a divulgação de estudo, investigação, comunicação, intercâmbio e cooperação sobre temas religiosos relevantes para a realidade académica e para a sociedade. 4 DE MARÇO 10.45-12.45 Gênero, violência, religiões; moderado Débora Spinicom Débora Tonelli, Nivedita Menom, Gorana Ognjenovic, Jasna Jozelic. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 Religiões e populismo; moderado Luciano Kovacscom Débora Spini, Manuel Anselmi, Michael Sorice, Neera Chandhoke. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 5 DE MARÇO 8h30-10h30 Diversidade religiosa na Itália entre resiliência e bem-estar; moderado Alessia Passarellicom Paola Bonizzoni, Frances Scrinzi, Ester Galo, Roberta Ricciucci, Mariangela Franch. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 Direito de acreditar e não acreditar; moderado Ilaria Valenzicom Susana Mancini, Silvio Ferrari, Pamela Beth Harris. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 6 DE MARÇO 10.45-12.45 Religião, ciência e Weltanschauungen; com Fulvio Ferrario E Júlio Giorello. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 A religião no debate cultural europeu; moderado Elizabeth Ribetcom Júlio Giorello, Gabriella Caramore e Daniele Garrone, Lothar Vogel. Sala dos Senadores - Palazzo Isolani (Corte Isolani, 5) 14h30-16h30 A longa jornada da liberdade religiosa na Itália multicultural; moderado Paula Schellenbaumcom Sumaya Abdel Qader, Lucas Ozzano, Valdo Spini, Filipe Maria Giordano. Salão dos Espelhos – Palazzo Isolani (Corte Isolani 5) 16h45-18h45 Religião, política e mentira: um difícil caminho para a convivência; moderado David Romanocom Gaëlle Courtens, Micol Flammini, Hanz Gutiérrez. Sala Canossa 1 – Hotel Aemilia (Via Zaccherini Alvisi, 16). Leia o programa completo aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.