Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV), 22 de agosto de 2022 – No coração dos vales valdenses no Piemonte, mais precisamente na Torre Pellice, as vozes protestantes das igrejas batista, metodista e valdense se entrelaçam. Reunidas aqui desde domingo, 21 de agosto, as delegações trabalham para fazer um balanço de mais de 30 anos de colaboração. E lançar as bases para o futuro, sob a bandeira de oportunidades cada vez maiores de intercâmbio, encontro, reconhecimento mútuo e unidade de propósito.

Os temas: problemas éticos colocados pela ciência. Fé, gênero e sexualidade. Adoração e liturgia. Relações Ecumênicas. Formação Pastoral.

Estas igrejas reformadas estão a fazer um caminho simultaneamente voltado para fora, através de trabalhos diaconais, serviços pessoais, relações de ajuda, apoio e cuidado, luta contra a pobreza e a injustiça, construindo uma cultura sobre temas ecológicos e teológicos… E um caminho para dentro, de renovação das respectivas identidades, para alimentar as respectivas raízes. Como ele observa Sara Tourn em seu editorial sobre Riforma, é também “o momento de olhar ‘para dentro’ e, falando de colaborações territoriais, formação, multiculturalismo, e depois batismo, evangelização, tentar responder à pergunta básica: como e por que continuar esta comunhão viagem”.

O trabalho em andamento na Torre Pellice em uma sessão conjunta batista, metodista e valdense está repleto de debates e reflexões. A votação de uma moção programática final está marcada para amanhã.

Existem muitas iniciativas paralelas. Abaixo estão os links para mais informações.

“Deus é um artista. Deus é um poeta” – A apresentação do livro de Paulo rico “Deus. Apologia”, narrado por Pedro Ciaccio. É o décimo segundo volume da editora Claudiana “I libri di Paolo Ricca”. O autor foi apresentado pelo pastor batista Lydia Maggi, que apresentou o texto, escreve Ciaccio, “como uma mão estendida, que conta sinteticamente o mundo que tentou emancipar-se de Deus e da visão de Deus das outras religiões. No meio há uma reflexão que olha para o horizonte bíblico, para recuperar uma ‘gramática’ para falar de Deus”.

Autismo: um “espectro” que não assusta – De Samuel Rev. Na consulta pré-sinodal “Frontiere Diaconali” foi explorado o tema dos transtornos do espectro do autismo. Organizado pela Diaconia Valdense.

Jovem de idade e de espírito – De Gian Mario Gillio. O pré-sínodo da Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). Música, jogos, ideias… e a “beleza de mil vozes”.

Descolonizando o olhar sobre as migrações – De Cláudio Geymonat. Pré-Sínodo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – Excelente início da campanha lançada pela Confronti, a Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e os Italianos Sem Cidadania. Entre as adesões do primeiro dia destacam-se as de Nicola Zingarettipresidente da Região do Lácio, Onofrio Rotasecretário-geral Fai Cisl, Emanuela C. Del ReRepresentante Especial da União Europeia para o Sahel, e Marta Bonafonivereador da Região do Lácio. O apelo vem acompanhado de uma carta dirigida à política, que insta o atual Legislativo a dar o passo há muito prometido e nunca concretizado: "Os números do Parlamento estão aí: é claro que chegamos à hora da verdade", como leia no documento. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. Os promotores da iniciativa vão continuar com o trabalho de sensibilização nas próximas semanas através de eventos públicos e manifestações. Entre os primeiros signatários do documento, que aderiram antes do lançamento da campanha, estão: Paulo Naso, Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Para assinar, conecte-se ao site ...

Ler artigo
Falando de Deus hoje

Falando de Deus hoje

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 6 de dezembro de 2022 – Falamos das igrejas, falamos de Lutero e Calvino, celebramos aniversários, mas quando falamos de Deus? Esta foi (mais ou menos) a pergunta que a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) se fez no 500º aniversário da Reforma, promovendo a elaboração de um documento de estudo sobre o "falar cristão de Deus". O rascunho do documento foi objeto de discussão em uma consulta geral, realizada em Bad Vöslau (perto de Viena) de 1 a 3 de dezembro, que contou com a presença de vinte e cinco representantes das igrejas-membro, incluindo o escritor (em nome dos valdenses e igrejas metodistas na Itália). O documento passará então pelo escrutínio de um comitê editorial para chegar à próxima Assembleia em 2024. O leitor poderia achar as reflexões aqui relatadas teóricas e afetadas, certamente insuficientes, e não estaria totalmente errado! De fato, como cristãos vivemos um dilema: Pascal disse: "Só Deus fala bem de Deus" e estamos condenados a balbuciar palavras inoportunas; mas tal consciência não é justificativa suficiente para não falar sobre Deus. Deus fala conosco e sobre nós. Deus nos transforma e nos reconcilia consigo mesmo e com o próximo. Em um relacionamento baseado no amor de Deus por nós, é apropriado arriscar dizer algo, mas apenas repetir (?) as palavras da Bíblia. Então, o que o documento provavelmente dirá? Está dividido em oito capítulos, mas por questão de espaço menciono apenas o primeiro e o último. A primeira tem o papel de introdução e esclarece que por “falar cristão” o título significa o discurso protestante, declarando de imediato que falar de Deus só pode ser um discurso parcial e, portanto, aberto. Entre outras coisas, a significativa presença na Europa de cristãos de outros continentes, nem sempre integrados nos processos decisórios das Igrejas europeias, torna inviável a pretensão de expressar um discurso fechado e acabado. Uma passagem importante da introdução sublinha que na tradição teológica protestante não se pode falar de Deus de forma teórica e abstrata, mas apenas a partir de si mesmo ou, melhor, da revelação de Deus ao ser humano e a consequente relação. Após um caminho de reflexão que vai da relação entre o poder, o amor e a liberdade de Deus ao discurso sobre o Deus Trino e a revelação em Cristo, passando pelo culto, espiritualidade e oração, chegamos ao capítulo 8, que talvez seja o verdadeiro objetivo da discussão, ou melhor, um exame dos quatro contextos em que se fala de Deus, contextos que, de fato, estão interligados. Em primeiro lugar, a esfera pública e política. A ação da Igreja se desenvolve por meio do testemunho, da liturgia, da diaconia e da koinonia. Portanto, não pode ser relegado a uma esfera puramente privada. Em particular, o documento exorta a não colocar em conflito a liberdade de expressão e a liberdade religiosa, como infelizmente acontece com frequência. Alguma atenção é dada à condição de diáspora de muitas igrejas-membro e à necessidade de encontrar maneiras de falar sobre Deus em um contexto diverso e plural. Um ponto importante (não dado como certo) é que o diálogo com as demandas da sociedade deve ser pensado como um momento de aprendizado mútuo, formação e crescimento. Depois a esfera privada e profissional, referindo-se, portanto, aos membros das igrejas. Em particular, o documento sugere evitar um testemunho baseado exclusivamente na repetição da palavra “Deus”, mas preparar o discurso sobre Deus através de uma ética de apoio dos colegas de trabalho. Então, novamente a cultura contemporânea. Um tema vasto, que vai da arte figurativa ao cinema, da literatura de consumo à música pop: uma cultura emancipada há séculos do controle das igrejas. A atitude deve ser de escuta, conhecimento e interação com as instâncias culturais, sem esquecer o vínculo etimológico entre "cultura" e "culto". Finalmente, o diálogo ecumênico e inter-religioso. Esta área revela a complicada trama de falar de Deus hoje, numa época em que não somos os únicos a falar de Deus. Os cristãos são vivamente convidados a não se retirarem deste diálogo, lugar privilegiado para testemunhar o amor, a fé e a esperança em Deus. Artigo por Pedro Ciaccio. Leia em Chiesavaldese.org O CCPE nasceu em torno do Concorde assinado em 1973 em Leuenberg. Promove um modelo voltado para a ampliação do ecumenismo baseado no lema “unidade na diversidade reconciliada”. Tem mais de 100 igrejas membros em toda a Europa (com seus respectivos braços sul-americanos) representando mais de 50 milhões de pessoas: luteranas, reformadas, unidas, metodistas, que graças ao Acordo de Leuenberg reconhecem seus respectivos ministérios e sacramentos. A declaração de 1973 acabou efetivamente com a divisão entre as igrejas luterana e reformada que durou mais de 450 anos. A Igreja Valdense também pertence ao CCPE. Para mais informações www.leuenberg.eu. ...

Ler artigo
Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Roma (NEV), 7 de outubro de 2022 - Em vista do XX Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado em 10 de outubro, a Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) relança a campanha global Coalizão Mundial. Este dia, explica a ACAT, “une o movimento abolicionista global. Também mobiliza a sociedade civil, líderes políticos, advogados, opinião pública para apoiar o apelo à abolição universal da pena de morte. O dia encoraja e consolida a consciência política e geral do movimento global contra a pena de morte". Vinte anos de mobilização mundial se passaram. Agora “é o momento de considerar e celebrar as conquistas que o movimento abolicionista alcançou. Agora, mais do que nunca, os atores abolicionistas devem continuar trabalhando pela abolição completa da pena de morte em todo o mundo, para todos os crimes”. No dia 10 de outubro de 2022, ainda ilustra a organização cristã, o Dia Mundial será dedicado à reflexão sobre a relação entre o recurso à pena de morte e a tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos e degradantes. “Os tipos de tortura e outros maus-tratos sofridos durante a longa espera pela pena de morte são vários e numerosos – continua ACAT -. A tortura física ou psicológica foi aplicada em muitos casos durante os interrogatórios para extrair confissões de crimes graves. O fenômeno do corredor da morte contribui para o declínio psicológico de longo prazo na saúde de uma pessoa. As duras condições de vida no corredor da morte contribuem para a deterioração física. Uma possível antecipação da data da execução causa angústia. Por fim, os métodos de execução causam uma dor insuportável aliada ao sofrimento vivenciado pelos familiares e pessoas que têm relações próximas com o executado”. Outro aspecto, muitas vezes subestimado, é o da discriminação com base no sexo, gênero, condição social, idade, orientação sexual, status de minoria religiosa e étnica e muito mais. Estas discriminações, que atingem pessoas mesmo fora dos contextos restritivos, podem “agravar ainda mais o tratamento cruel, desumano e degradante de pessoas condenadas à morte” conclui a ACAT. A PENA DE MORTE EM NÚMEROS(Estatísticas da Anistia Internacional) 110 estados aboliram a pena de morte para todos os crimes. 7 estados aboliram a pena de morte para crimes comuns. 27 estados são na prática abolicionistas. 55 estados ainda aplicam a pena de morte. Os 5 países que mais executaram no mundo em 2021 são, na ordem: China, Irã, Egito, Arábia Saudita e Síria. 28.670 pessoas foram condenadas à morte em todo o mundo no final de 2021. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica. Cometida contra a tortura e a pena de morte, ela trabalha ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os Direitos Humanos. Fundada formalmente na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. ACAT adere à Federação Internacional FIACAT. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.