Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, “enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”.

A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é “a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste… Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: “Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas” e – devo acrescentar – a diversas confissões – “os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo”, apesar de sua diversidade.

O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, “desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

Roma (NEV), 15 de novembro de 2019 - Uma conferência ecumênica de estudos sobre o tema dos migrantes e das religiões. O Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) o promove novamente este ano, juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália. O evento acontecerá de segunda-feira, 18, a quarta-feira, 20 de novembro, no hotel Mercure na viale Eroi di Cefalonia, em Roma. O tema central da iniciativa será para esta edição "migrantes e religiões": queremos fazer um discurso positivo sobre a imigração - lê-se na apresentação do evento - evitando falsos des e apenas debates negativos, destacando o valor do imigrantes que se encontram em nosso país e também a contribuição que as religiões, em suas diversas expressões, dão para tornar possível a convivência na diversidade”. Pelo quarto ano consecutivo, o encontro, que contará com a presença de estudiosos e expoentes das diversas denominações cristãs, que inicialmente foi um momento de enfrentamento da CEI, tem caráter ecumênico. "Migrantes e religiões" será aberto na segunda-feira 18, após saudações de don Juliano Savinadiretor da UNEDI – CEI e a apresentação do Monsenhor Stefano Russosecretário-geral da CEI, a partir de um relatório sobre o tema principal do encontro, com as intervenções de Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH), programa de migrantes e refugiados da FCEI e da Andrew Riccardi, fundador da Comunidade de S. Egídio. Terça-feira 19 será a vez de várias oficinas temáticas: da hospitalidade à prisão, aos direitos, das comunidades à relação entre as mulheres e o mundo religioso. Entre os inúmeros grupos de trabalho, o compromisso do MH será explorado em particular num painel ad hoc, “Construindo a hospitalidade”, no qual participarão como oradores marta bernardinioperadora da Mediterranean Hope, e Daniela Pompeiachefe da Comunidade de Sant'Egidio para serviços aos imigrantes. “O tema da conferência ecumênica nacional deste ano – comenta Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que falará no momento conclusivo da conferência, quarta-feira, 20, às 12h – é altamente atual: por um lado, será uma questão de reafirmar, como igrejas, nosso sim ao acolhimento imigrantes e, por outro, refletir sobre a urgência do diálogo inter-religioso em uma sociedade que se tornou plural também do ponto de vista das fés”. Aqui o programa completo do evento: Programma_MigrantieReligioni ...

Ler artigo
“Trataram-nos bem” em Lampedusa

“Trataram-nos bem” em Lampedusa

A história que acabamos de ouvir, neste texto dos Atos, poderia ser quase uma descrição perfeita das viagens pelo Mediterrâneo que empreendem desesperadamente tantos irmãos e irmãs que fogem de guerras e perseguições. Vamos repassar isso. Na história temos um grupo de homens que, precisamente nestas águas entre a Grécia e Malta, durante a travessia, são apanhados por uma terrível tempestade e durante dias - a história diz duas semanas - permanecem à mercê do mar e do mau clima. A bordo deste barco temos três grupos diferentes de homens: os soldados, os marinheiros e os prisioneiros. Entre os prisioneiros está também o apóstolo Paulo, que deve comparecer perante o imperador em Roma. Durante a viagem, dada a situação desesperadora que vivem há dias, surgem inúmeros momentos de tensão e conflito. Para se salvar, os marinheiros tentam escapar em botes salva-vidas e, posteriormente, os soldados querem matar os presos para evitar que eles escapem também. Em suma, parece haver pânico e confusão, mas Paolo consegue várias vezes restaurar a esperança e manter o grupo unido. A única maneira de nos salvar, diz ele, é nos salvar todos juntos. E então, finalmente, o continente, a salvação, o local de desembarque. Todos eles chegam em terra, sãos e salvos. E aqui está o versículo da nossa semana: "Eles nos trataram com bondade." Os náufragos são imediatamente recebidos com muita gentileza, inesperada como lemos em outras traduções. Essa bondade desloca os homens que um momento antes enfrentavam a fúria, a violência, o medo, a desconfiança. A bondade, portanto, traz imediatamente os náufragos de volta à sua condição de humanos. Este é o momento da verdadeira chegada. "O local de desembarque traz consigo a esperança, pois o "proda" é um local fácil de atracar, consente a chegada e acolhe[1]”. A palavra bondade, portanto, também poderia ser substituída pela palavra humanidade[2]: “Trataram-nos com humanidade”. E esta humanidade redescoberta e salva é imediatamente reunida em torno de uma fogueira. Aqui as pessoas param, sentam-se e formam um círculo. Nesta circularidade (que já havia acontecido uma vez durante a travessia no momento de partir o pão juntos) as hierarquias são superadas, não há mais soldados, marinheiros, prisioneiros, mas pessoas que se salvaram juntas. Nesta circularidade superam-se os desequilíbrios de poder e os conflitos, olha-se nos olhos e descobre-se no Outro a própria condição humana. Desta hospitalidade inesperada, que com a sua força apaga a violência da viagem, na circularidade do reconhecimento do Outro, nasce tanta vitalidade. De fato Paulo, nos versículos seguintes, fará várias curas aos enfermos da ilha de Malta. Aqui a circularidade continua: conforme recebo, dou. E nessa história, primeiro você tem que passar pela tempestade, pelo conflito, depois você tem que saber receber, saber ser acolhido e, só então, você pode dar, retribuir. Foi Deus quem nos amou primeiro. O que esta história nos diz hoje? Vamos voltar ao início. Essa jornada assustadora e desesperada parece muito semelhante àquelas que fazem parte de nossa história hoje. Em vez de soldados, marinheiros e prisioneiros, temos milícias, traficantes de pessoas, a chamada guarda costeira líbia e pessoas que fogem em busca de uma vida diferente, em busca de uma esperança, em busca de uma chance. A travessia torna-se um pesadelo, a salvação parece inalcançável – “Durante vários dias não se via o sol nem as estrelas, e a tempestade tornava-se cada vez mais forte. Toda a esperança de nos salvar já estava perdida”, diz o texto. A tempestade da história, com toda a sua violência e fúria, hoje, porém, não é um estado da atmosfera, uma expressão da força da natureza. A tempestade hoje é feita por portas fechadas – ou portos – por leis que a negam em vez de defender a vida. A tempestade hoje é um sistema que permite que as pessoas morram no mar, nos desertos, nos campos de concentração da Líbia. A violência da tempestade de hoje é mais sutil, porque imobiliza as pessoas nas fronteiras, deixando-as em estado de abandono e privação, que as transforma em "mortos-vivos"[3]em seres humanos ainda vivos, mas desprovidos de seu caráter humano a quem é negada a capacidade de agir. O acto de desembarcar, ou de ser acompanhado por uma embarcação de uma ONG, não basta para salvar os náufragos de hoje, não basta para resistir àquela tempestade. Quantas vezes também esta ilha é um lugar de chegada, uma terra de salvação. Mas se criamos a tempestade com nossas leis, com nossas escolhas políticas e econômicas, precisaremos de muito mais do que um píer para pisar. Precisamos saber lidar com a "bondade", precisamos devolver a humanidade a toda uma parte do mundo que, ao contrário, desumanizamos para justificar nossa violência e nossa ganância. Você precisa saber sentar em círculo, quebrar as diferenças de poder e olhar o Outro nos olhos. Precisamos nos reconhecer no Outro e no Outro. Por trás da violência de deixar morrer nossos irmãos e irmãs, está latente a ideia de que eles são um pouco menos humanos do que nós, um pouco menos pessoas, portanto tendo um pouco menos de direito de escolher para onde ir e que vida querem. Mas como cristãos temos outro olhar, certo? Deus não foi feito homem por meio de Jesus Cristo? Não foi Deus quem primeiro quebrou essa hierarquia, essa distância? E Jesus, em sua corporeidade, não representa toda a humanidade, com igual dignidade e liberdade? O próprio Jesus nos ensina a ir ao encontro do Outro para nos reconhecermos. Fá-lo através de figuras marginalizadas, fá-lo através das mulheres, dos pobres, dos doentes. Jesus cruza continuamente as linhas entre puro/impuro, sagrado/profano, escravo/mestre, pobre/rico, vida/morte[4]. A história de Atos nos mostra o quanto estamos, todos juntos, literalmente no mesmo barco, tanto na tempestade quanto no local de desembarque. Todos na história temem por suas vidas, e quando você acredita que tudo está perdido, quando pensa que não há mais esperança, quando parece que não vê o horizonte, a única forma de superar essa crise é se juntar aos seus companheiros de viagem. E em Cristo somos todos viajantes juntos! Paulo nos diz que para nos salvarmos devemos permanecer juntos, como iguais, fortalecendo-nos e nos redescobrindo na humanidade do Outro. Na introdução do SPUC deste ano lemos: “Esta história interpela-nos como cristãos que enfrentamos juntos a crise migratória: somos coniventes com forças indiferentes ou acolhemos com a humanidade, tornando-nos assim testemunhas do amor de Deus por cada pessoa? […] Nos caminhos tempestuosos e nos encontros fortuitos da vida, a vontade de Deus para a Igreja e para toda a humanidade atinge o seu cumprimento; como Paulo proclamará em Roma, a salvação de Deus é para todos (Atos 28:28). E, portanto, irmãos e irmãs, ou somos livres e livres juntos (estamos seguros e seguros juntos) ou somos escravos e escravas juntos[5]. Amém. [1] Vanessa Ambrosecchio (2020), tp24.it. [2] Luca M. Negro (2020), nev.it. [3] Mbembe A. (2003), necropolíticaem “Culturas Públicas”. [4] Verde E. (2007), O Deus sem limitesClaudiana, Turim. [5] Solnit R. (2017), Os homens me explicam as coisas. Reflexões sobre a opressão masculinaPonte delle Grazie, Milão. ...

Ler artigo
Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – O dia do rei em que os americanos homenageiam o líder mais conhecido do movimento pelos direitos civis dos EUA foi estabelecido em 1983, sob a presidência de Ronald Reagan. E isso já é um fato paradoxal porque a história não reconhece ao ex-ator de filmes de faroeste um papel particular na ação política em prol da população afro-americana; pelo contrário, o eixo estratégico das suas políticas sociais estava orientado para o desmantelamento das medidas assistenciais adoptadas durante os anos da presidência de Johnson, que produziram resultados importantes em termos de crescimento económico das minorias étnicas. Mas o movimento que há tempos reclamava o reconhecimento de King e do que ele representava já tinha uma consistência própria e Reagan optou por não se opor a ele, acabando por apoiá-lo e reivindicando assim o mérito de uma opção fortemente simbólica pela unidade de todos americanos. O dia do Rei, celebrado no dia do seu nascimento, acabou assim por cicatrizar algumas feridas que se arrastavam desde os turbulentos anos 60 mas também cristalizar a figura do pastor baptista e líder político no cliché domesticado e tranquilizador de herói nacional da não-violência e do interracial coexistência. Ao longo dos anos, esta operação produziu celebrações cada vez mais corais mas também simplificou uma figura complexa que deve ser lembrada não só pela sua lealdade à América e aos seus princípios, mas também pela sua capacidade de mobilizar um movimento de massas que denunciava a traição flagrante e violenta violação dos direitos humanos fundamentais por um sistema que, superada a segregação, permaneceu racista, ou seja, baseado em comportamentos e convenções que condenavam os afro-americanos a ocupar os degraus mais baixos do sistema social. A contabilidade pesada, por exemplo, ainda hoje registra muitos afro-americanos na prisão e poucos na faculdade. Os anos de Obama na Casa Branca criaram a ilusão de ótica de uma reviravolta e fortaleceram a esperança de um país que teve forças para se redimir de seu pecado original, o racismo. Isso não aconteceu e, com essa janela democrática fechada, a América tem que lidar – de novo! – com aquele demônio que assombra a credibilidade e sustentabilidade de suas políticas sociais. King continua a aparecer em lápides e monumentos, bem como no Mall em Washington, onde fez seu famoso discurso de 1963. eu tenho um sonho. Mas ele aparece cada vez mais sozinho, heroizado e domesticado na narrativa reconfortante de um país reconciliado que essencialmente superou sua divisão racial. Não é assim, e o desafio da coesão social, no mínimo, agravou-se com o aumento da população hispânica e dos imigrantes africanos e asiáticos. King era o homem da não-violência, é claro, mas também de uma denúncia radical e desestabilizadora do equilíbrio de poder na sociedade americana. E vale lembrar que ele não foi morto no momento de sua maior fama, mas, ao contrário, quando se viu isolado e desacreditado por suas lutas contra a guerra do Vietnã e contra a pobreza de milhões de americanos, brancos e preto. Celebrar o sonho de uma sociedade reconciliada e livre do racismo é certo e útil, mas apenas se você tiver a coragem moral e civil de reconhecer que esse sonho não se tornou realidade. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.