sim ao salário mínimo, não à exploração

sim ao salário mínimo, não à exploração

Ümit Yıldırım, unsplash

Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense reunido nestes dias em Torre Pellice, na província de Torino, aprovou esta manhã por ampla maioria uma documento sobre questões trabalhistas.

O texto exorta para que não haja “trabalhadores pobres”, pede o reconhecimento de um salário mínimo e sublinha os direitos de quem trabalha. Uma postura contra a privatização e as desigualdades econômicas, em nome da proteção do emprego, igualdade tributária, garantias sociais e ambientais, políticas migratórias e igualdade de oportunidades. Um parágrafo também é dedicado à segurança no trabalho e luta contra o trabalho preto e cinza.

“O trabalho é, na compreensão da fé evangélica, uma realidade fundamental da existência humana na liberdade e na dignidade – lê-se no documento -. É também um elemento fundamental da participação democrática, conforme reconhecido pela Constituição italiana”.

AQUI O TEXTO COMPLETO DO DOCUMENTO: Sinodovaldese22_lavoro


Para mais informações sobre o Sínodo:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mirella Manocchio é a nova presidente da Federação de Mulheres Evangélicas

Mirella Manocchio é a nova presidente da Federação de Mulheres Evangélicas

Saiu a recém-eleita presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), a pastora metodista Mirella Manocchio. A pastora batista Gabriela Lio, à direita. Roma (NEV), 27 de março de 2023 – O pastor metodista Mirella Manocchio ela é a nova presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Manocchio recebe o bastão do pastor batista Gabriela Liopresidente cessante. A eleição ocorreu no âmbito do XIII Congresso da FDEI que terminou ontem em Florença. Em breve, uma análise aprofundada e a entrevista do NEV com Mirella Manocchio. Mirella Manocchio é pastora da igreja metodista na via XX Settembre em Roma. Graduado em Ciência Política e Teologia. Ex-presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), entre suas funções está também a de coordenadora da Comissão Batista, Metodista e Valdense (BMV) para culto e liturgia e membro da Comissão (Metodista e Valdense)” famílias, casamento, casais, parentalidade”. Nascida em 1976 a partir de um Congresso interdenominacional dos movimentos de mulheres das igrejas batista, metodista e valdense, a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres empenhadas em “dar testemunho da libertação de Cristo para toda criatura humana, com particular referência à condição da mulher na Igreja e na sociedade” (Estatuto, art. 2). Lá FDEI baseia-se no trabalho voluntário e visa levar a reflexão sobre o papel da mulher para as igrejas e estimular a participação da mulher evangélica na vida da igreja e da sociedade.Em 1998 o FDEI decidiu expandir para outras organizações de mulheres na área evangélica (Luterana, Adventista, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). O órgão de ligação entre os grupos da FDEI é o "News", publicado a cada três meses como encarte do semanário evangélico "Reforma". Lá FDEI produz também os "Quaderni", onde são publicadas as actas das conferências nacionais e regionais e das colónias de férias. Por ocasião da transição do segundo para o terceiro milênio, o FDEI ela elaborou o "Manifesto da Mulher Protestante", um documento para o diálogo entre mulheres e homens. Em 2000 inaugurou o Arquivo Feminino no arquivo do Centro Cultural de Torre Pellice (Turim).Por alguns anos o FDEI publica o caderno dos "16 dias de combate à violência", leituras, reflexões, dados e propostas de ação para cada dia de 25 de novembro, Dia Mundial contra a Discriminação Feminina, a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. ...

Ler artigo
Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Felix Mooneeram, unsplash Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Nos últimos dias, três diretores iranianos foram presos: Mohammad Rasoulof, Mostafa Aleahmad E Jafar Panahi. A Interfilm, uma organização internacional que promove júris ecumênicos em vários festivais de cinema, juntou-se ao coro de vozes que protestam contra essas prisões. “O Irão é um país líder na criação de cinema de arte contemporânea e estes realizadores de renome internacional têm apresentado os seus trabalhos em todos os grandes festivais do mundo – lê-se na nota divulgada pela Interfilm -. Mohammad Rasoulof ganhou o Prêmio Ecumênico na Berlinale 2020 pelo filme O diabo não existe. Jafar Panahi recebeu o Prêmio Signis-Wacc de Direitos Humanos em 2014 por seu filme Taxi Tehran”.Signis e Interfilm, que formam júris ecumênicos "para promover uma cultura de paz, unem forças para denunciar este ataque à criação artística e à livre circulação de cineastas que sempre defenderam a sabedoria e a resiliência do povo iraniano e que permitiram que o mundo conhecer melhor este país de tradições artísticas milenares". A Interfilm foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico Signis, ele organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. ...

Ler artigo
Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Religiões do G20, Peacock (CMCR): “Unidos contra as desigualdades”

Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – O G20 Interfaith Forum 2021 terminou ontem com a cerimônia final com a presença do Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghi. Com mais de 370 participantes, o G20 das Religiões reuniu delegados de 70 países em Bolonha para 32 sessões de trabalho. 160 palestrantes, 94 políticos e diplomatas, 50 autoridades religiosas e 93 especialistas chegaram à capital da Emilia-Romagna "com o objetivo de construir um espaço de encontro e diálogo, estimulando o debate sobre o tema no centro do Fórum", disse o Time Curar”, consta na nota de encerramento do evento. Philip Vinod PavãoSecretário-Geral Interino de ProgramasComunhão Mundial das Igrejas Reformadas Entrevistamos alguns desses líderes de igrejas, com foco particular na representação evangélica internacional. O primeiro é Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), professor de teologia e diácono da Igreja do Norte da Índia. Quais foram suas primeiras impressões sobre o trabalho do Fórum? É importante que haja encontros inter-religiosos deste tipo entre as várias comunidades de fé, ocasiões como esta de discussão para apresentar uma agenda muito clara e concreta sobre o que estamos pedindo ao G20. No entanto, acho que alguns dos pedidos e deliberações são muito “conservadores”, talvez pudéssemos ser mais enfáticos sobre o que queremos, principalmente como comunidade de fé. Em quais questões você acha que precisamos de mais ênfase, mais coragem? Em particular sobre dois itens da ordem do dia. A primeira é a crise climática: que é real e, portanto, requer uma pergunta mais profunda e clara sobre ações concretas de combate às mudanças climáticas e voltadas para a proteção da criação. Em segundo lugar, no que diz respeito às desigualdades econômicas, também ligadas a este momento de crise: deve haver indicadores muito claros de como vamos atuar nessa frente. Seria preciso pedir um imposto para os mais ricos. As igrejas reformadas sempre estiveram comprometidas com a questão de gênero, justiça econômica e ecológica, começando com a Confissão de Acra em 2004. Como esse compromisso continua? Sobre a justiça econômica, problematizamos a confissão de Acra em uma nova arquitetura financeira e econômica internacional, um programa colaborativo, implementado em conjunto com o Conselho Mundial de Igrejas, a Federação Luterana Mundial, o Conselho Metodista Mundial, o Conselho Mundial de Missões. Nesta campanha, estamos trabalhando em dois níveis. A primeira diz respeito à atividade de defesa o que fazemos com nossas igrejas, que representam cerca de meio bilhão de pessoas em todo o mundo, especialmente para organizações financeiras internacionais e as Nações Unidas, tanto para democratizar essas instituições, quanto para exortá-las a trabalhar para o bem das massas, em todo o mundo , em vez de servir aos interesses de alguns. Em 2019 lançamos uma campanha fiscal, o #ZacTax, o projeto Zaqueu, pela tributação justa, que continua e continua recebendo apoios e assinaturas. Estamos pedindo um imposto sobre grandes fortunas, um imposto sobre transações financeiras e um específico contra as mudanças climáticas. As indústrias poluidoras têm de pagar um imposto ad hoc. Assim como acreditamos que as empresas e indivíduos que ganharam muito dinheiro durante a pandemia devem ser tributados, com um imposto único que pode, por exemplo, contribuir para um serviço de saúde global universal. Grandes multinacionais, como Amazon e Google, aumentaram seus ganhos durante esta crise, agora têm que contribuir. Finalmente, pedimos fundos para um sistema abrangente de reparações pelos danos da escravidão e do colonialismo. Falando de ecumenismo e diálogo, quais são os principais desafios que você enfrenta? Para ser honesto, no momento o ecumenismo parece estar muito focado na situação da unidade da Igreja. Isso é importante, claro, há pessoas que parecem crescer em suas próprias tradições denominacionais sem perder o foco na visão mais ampla de um horizonte ecumênico. Mas, enquanto se dão esses passos rumo à unidade, creio que também é importante nos perguntarmos: "O que nos une?" E acho que a resposta é, principalmente neste momento em que a pandemia revelou tanta desigualdade no mundo, que devemos nos unir em prol da justiça para todos. Como as igrejas reagiram à pandemia de Covid19 e tudo o que ela envolveu? As igrejas individuais são muito ocupadas e ativas, localmente, em todo o mundo. Tanto para disseminar informações e aumentar a conscientização sobre saúde, quanto com outros tipos de intervenções, por exemplo nos EUA, onde há uma grande demanda por assistência médica universal, ou em outros países da Ásia, duramente atingidos pela crise econômica após o bloqueio , com apoio para trabalhadores migrantes e pessoas que não tiveram acesso a bens de uso diário. Temos apoiado algumas dessas iniciativas por meio de pequenas doações. Tanto para o lado "prático", mas para nós da comunidade reformada, este é realmente um momento apocalíptico. Apocalipse no sentido bíblico: ou seja, não um grande desastre, mas uma revelação do que está acontecendo, das desigualdades pré-existentes, a realidade é revelada. Usamos muito essa linguagem do “novo normal”, mas o que estamos tentando trazer à tona é que o que é normal é muito avassalador para tantas pessoas. Assim, na vida cotidiana, por exemplo, na língua que falamos, na forma como organizamos nosso mundo, o patriarcado está arraigado: até mesmo usando a palavra "humanidade (humanidade)” exclui metade do mundo. Então o que é “normal” muitas vezes não é bom, é um espaço onde ocorre a opressão. Queremos outro mundo, não um novo normal, mas algo radicalmente diferente. Para nós esta visão é teológica. A entrada neste novo espaço faz-se através do sacramento da comunhão, que é também um momento simples, uma refeição. Mas comer juntos não é mais possível em tempos de pandemia. Assim, devemos também simbolicamente regressar a um lugar onde nos possamos sentar à mesa, reconhecendo que todas as mesas são espaços sagrados, não só as da igreja, mas também as das salas de reunião onde são tomadas decisões que influenciam – e devem proteger – a vida dos pessoas. Com a renovação dos votos batismais, morremos para a velha vida e ressuscitamos para uma nova, em um novo espaço transformado onde há fartura para todos. Migrantes e a situação afegã: o que as igrejas reformadas estão fazendo? Trabalhamos em estreita colaboração com a Comissão das Igrejas para a Migração na Europa e com todas as realidades das Igrejas envolvidas, em particular nestas questões. Nossas igrejas na Grécia e na Itália estão ainda mais "na vanguarda" da hospitalidade. Em escala global, então, fomos até a fronteira entre os EUA e o México, em El Paso, vimos como as pessoas estavam sendo paradas na fronteira e em Washington apoiamos as iniciativas de nossas igrejas, também em termos de advocacy. Também gastamos na crise em Mianmar, Líbano e Síria. No que diz respeito ao Afeganistão, onde, no entanto, não há igrejas-membro e, portanto, não temos uma "voz" direta, pedimos e continuamos a pedir um compromisso para proteger a população. Em geral, no que diz respeito à questão da migração, na minha opinião, houve uma mudança marcante nos últimos anos: a Europa foi muito mais acolhedora no passado do que agora. Até o Covid19 tem sido usado de alguma forma como um meio, um pretexto para fechar ainda mais as fronteiras e não deixar as pessoas migrarem. Os migrantes costumam ser vistos como propagadores. Então, acho que a pandemia trouxe um retrocesso em termos de direitos dos migrantes. Ao mesmo tempo, sabemos que muitas de nossas igrejas têm oferecido hospitalidade e acolhimento, ou seja, estão tentando fazer a sua parte. Recordemos, por exemplo, o caso da igreja protestante na Holanda que conseguiu evitar a expulsão de uma família de refugiados, continuando a celebrar um culto durante dias. Por um ano não haverá novo secretário geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, mas a responsabilidade será compartilhada por um secretariado coletivo. Essa estrutura pode se tornar uma nova expressão de liderança? Mudamos de organização e agora estamos trabalhando em uma secretaria geral coletiva, onde trabalhamos três juntos, depois de quatro anos fui secretário executivo de justiça e testemunho (Pastor Chris Ferguson, secretário-geral cessante, terminou o seu mandato após sete anos no passado dia 31 de agosto, ed.). Essa nova forma coletiva de organização também significa que as decisões serão mais coletivas. Estamos tentando trabalhar com discernimento e consenso, e todas as decisões são tomadas coletivamente. Portanto, também estamos nos movendo em direção a uma nova forma de liderança, que acreditamos ser verdadeiramente reformada. Infelizmente, persiste um problema de gênero e representação feminina, do qual estamos cientes. Isso precisa mudar, e esperamos fazer isso muito em breve, na verdade." A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) reúne mais de 225 igrejas protestantes em mais de 110 países. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.