“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”

“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”

Foto Anna Kolosyuk – Unsplash

Roma (NEV), 26 de maio de 2021 – Uma conferência telemática ecumênica inspirada no versículo de João 15, 12: “Amai-vos como eu vos amei”. É a realizada de 28 a 29 de maio. Proposto pelo Movimento dos Focolares, é um congresso internacional pela unidade dos cristãos. O pai também está entre os convidados Ioan Sauca, secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Além disso, espera-se que o cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

Os números e modalidades da conferência

Traduções em inglês, francês, espanhol, português, italiano, alemão e outros idiomas. 12 alto-falantes. Várias sessões agendadas, incluindo momentos de oração e testemunhos inter-religiosos.

Links:

A contribuição do Movimento dos Focolares ao caminho ecumênico

A contribuição do Movimento dos Focolares para o caminho ecumênico é descrita na apresentação do evento: “Sessenta anos de diálogo e vida entre cristãos de várias Igrejas nos convidam a refletir e compartilhar a rica experiência de comunhão e luz suscitada pelo carisma da unidade . Este carisma dado por Deus Clara Lubich oferece-se como contribuição ao caminho pelo qual rezou Jesus: ‘que todos sejam um, para que o mundo creia’ [cf. Gv 17,21]”.

A Conferência acontece no 60º aniversário do “One” Centro para a Unidade dos Cristãos, fundado por Chiara Lubich em 26 de maio de 1961.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Roma (NEV), 5 de setembro de 2019 - Da Noruega à Itália para uma discussão sob a bandeira do ecumenismo, diálogo, boas práticas para olhar para o futuro das igrejas. Hoje, quinta-feira, 5 de setembro, uma delegação ecumênica de dez expoentes da Igreja Luterana e da Igreja Católica foi convidada à Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. No centro do encontro não estavam apenas os temas teológicos, mas também uma troca sobre as questões sociais mais quentes da Europa. «Estes dias de encontro na Itália – explicou Einar Tjellesecretário-geral do Conselho para as Relações Internacionais e Ecumênicas da Igreja da Noruega – são uma experiência de intercâmbio muito positiva, para discutir temas teológicos e religiosos, mas também projetos concretos». A FCEI apresentou ao grupo norueguês, acompanhada para a ocasião pelo reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau e de Cordelia VitielloVice-Presidente do Consistório e Representante Legaldo CELI, as atividades realizadas no âmbito do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, e em particular a experiência dos corredores humanitários. «Ficamos muito positivamente impressionados com este projeto - continuou Tjelle - e discutimos como realizar uma atividade conjunta de lobby, em nossos respectivos governos e dentro das instituições europeias, para implementar este caminho de corredores humanitários para refugiados ». O pastor Heiner Bludau esclareceu que existe uma “sensibilidade comum e vários desafios a compartilhar: jovens, migrantes são duas dessas questões sobre as quais queremos ter uma voz comum, como federações de igrejas”. Durante a visita à Itália, a delegação norueguesa – que já havia estado em Roma em 2012 – prevê diversos encontros com a Comunidade de Sant'Egidio, a Caritas e outras realidades do mundo católico e não católico. ...

Ler artigo
Comprimidos de Karlsruhe

Comprimidos de Karlsruhe

Foto de Marcelo Schneider Karlsruhe (NEV), 1º de setembro de 2022 – Uma espécie de Fórum Social Mundial*, das igrejas, mas não só. Esta pode ser a primeira impressão, para iniciantes, ça va sans dire, andando esses dias em Karlsruhe, Alemanha, a meio caminho entre Estrasburgo e Stuttgart. Milhares de pessoas de todo o mundo, crentes e leigos, reuniram-se na 11ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. Uma vitrine para ONGs, associações, sociedade civil e realidades engajadas em várias capacidades de justiça social, direitos das pessoas, meio ambiente... Mas também um caldeirão de personalidades e pessoas, nacionalidades e povos, papéis e línguas faladas. Aqui está uma primeira – e obviamente muito parcial – visão geral. Karlsruhe, cidade da lei (e descanso…) “Karlsruhe – ele explica Dorothee Mack, um pastor protestante que depois de anos de serviço pastoral na Igreja Valdense e Metodista de Milão mudou-se para a cidade de Baden-Württemberg - literalmente significa "descanso de Charles". Porque foi fundada após o descanso de um marquês, Carlo Guglielmo, que depois de um passeio a cavalo nesta zona, sonhou com um castelo. Desse sonho surgiu o desejo de ter um castelo como o de Luís XIV em Versalhes: assim nasceu Karlsruhe, em 1715. Primeiro com a construção do castelo na sua forma atual e depois com todas as estradas que partem daqui, em forma de leque ". Hoje a cidade é reconhecida como a capital do direito, como sede do Tribunal Constitucional alemão. Pela paz entre as duas Coreias Cem milhões de assinaturas pela reconciliação e paz entre as duas Coreias. O Conselho Nacional de Igrejas da Coréia ( também está presente com um estande de informações e alguns voluntários que promovem uma petição e uma coleta de assinaturas para uma solução e uma evolução pacífica das relações entre Pyongyang e Seul. De fato, no próximo ano marcará o septuagésimo aniversário do armistício de paz que pôs fim à guerra da Coreia de 27 de julho de 1953. O objetivo, como mencionado, é recolher cem milhões de assinaturas "contra a guerra" entre as duas Coreias até 2023, "para uma transição da para a paz" e a criação de uma península coreana e de um mundo "livre de armas nucleares". A campanha tem como título Fim da guerra da Coréiapara mais informações: en.endthekoreanwar.net. Por uma Índia sem castas (e pela interseccionalidade das lutas) O pastor Chandran Paul Martin vem da Índia e trabalha para a Igreja Evangélica Luterana na América. O estande onde o encontramos se chama “casta expulsa” (jogo de palavras que significa “expulsar a casta” mas também “marginalizado”, ed). Ele se refere a um sistema, o de castas na Índia, “totalmente opressor, social, econômico, mais antigo que todas as religiões. As castas dividem as pessoas em categorias e hierarquias e nós – os párias – não pertencemos a nenhuma delas. Lutamos por justiça até dentro das igrejas porque não podemos seguir a Cristo e praticar castas; você não pode ser cristão e apoiar o racismo. Não podemos apoiar o patriarcado, não podemos apoiar nenhuma forma de sexismo. O corpo de Cristo é um corpo que fala de inclusão. Pedimos ao CMI e a todo o movimento ecumênico que olhem para a interseccionalidade da justiça”. Eles pedem um compromisso mais forte das igrejas, contra todas as formas de racismo. E ao Conselho Mundial de Igrejas, em particular, para "incluir o problema das castas" em seu programa e agenda, com referência e citação em declaração pública entre as emitidas pelo CMI. Para mulheres afrodescendentes em todo o mundo a pastora Barbarann ​​​​Brelnd Paween dos Estados Unidos é representante da rede ecumênica de empoderamento Pan-Africano das Mulheres de Fé, que promove o workshop intitulado "Justiça, paz, amor & Ubuntu". Sobre o que é isso? “Trabalhamos para a organização e ofortalecimento de mulheres afrodescendentes e africanas em todo o mundo. Queremos educar todas as mulheres e nossos filhos, e nossas comunidades, de todos os continentes. Queremos mudar a narrativa sobre o papel da mulher afrodescendente na sociedade e na história." O seminário realiza-se no dia 6 de setembro a partir das 17 e pode inscrever-se em Ainda sobre questões de gênero, inúmeras atividades foram dedicadas ao #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência. E ainda, sobre mulheres e feminismos, um banquete entre os presentes no Brunnen (espaços onde decorrem atividades culturais, espetáculos e espectáculos), pertence à Associação Internacional de Mulheres Pastoras, que “promove, encoraja e celebra a mulher no ministério cristão”, ou seja, a ordenação de mulheres. Da Espanha a pastora Marta López Ballalta é delegada da Igreja Evangélica Espanhola. Para Ballalta, a Assembleia do CMI "é um espaço que abre os olhos para as situações em muitas partes do mundo, para a complexidade e amplitude do que acontece longe de nós, uma oportunidade para conhecer diferentes formas de pensar, mesmo aquelas que não estão em harmonia com as nossas, mas que conduzem a um diálogo muito interessante. Espero que seja uma oportunidade de abrir portas e contactos, de poder partilhar diferentes realidades”. Quanto aos desafios das igrejas na Espanha, “a laicidade: defendemos uma sociedade laica na qual a igreja é uma opção. Mas há um laicismo incompreendido pela sociedade, que tende a esconder a religião, o fato de haver um comprometimento da fé em muitos âmbitos. Sobre as migrações, sejam elas climáticas ou causadas por guerras, devemos ser como igrejas capazes de nos comprometermos com todos – para todos. O mundo é complexo, existem muitas religiões e crenças, devemos saber nos comprometer com essa complexidade, respeitando as peculiaridades de cada um”. Em relação aos direitos LGBTQI+, “são desafios importantes para nossas comunidades e igrejas. Pelo menos na Espanha é uma questão crucial, mas sobre a qual as igrejas ainda não fizeram o suficiente”. Grupos de trabalho ecumênicos Também se iniciaram os trabalhos de vários grupos temáticos, dos quais participam também membros da delegação italiana presente em Karlsruhe. “Hoje apresentei o resultado do grupo de trabalho conjunto entre a Igreja Católica e o Conselho Ecumênico de Igrejas – explica o pároco valdense Michael Charbonnier – , um grupo de cerca de vinte pessoas que, entre uma assembleia e outra, prosseguem uma reflexão comum entre estas duas entidades. É um grupo de trabalho consultivo, portanto não decisório, mas que orienta o trabalho e a discussão sobre temas considerados de importância comum, produzindo documentos para estes dois órgãos, que os auxiliam no seu posterior compromisso. Por exemplo, nos últimos sete anos, o grupo trabalhou em dois importantes documentos teológicos, um sobre a construção da paz, outro sobre o tema das migrações e o acolhimento dos migrantes nas igrejas. Ambos provaram ser extremamente atuais”. Vozes da fronteira: a esperança do Mediterrâneo, as laranjas de Rosarno À tarde, entre as numerosas atividades à margem da assembléia, realizou-se um seminário sobre a experiência do Mediterranean Hope (MH), o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e, em particular, sobre as atividades no Piana di Gioia Tauro. O coordenador do projeto participou da oficina para MS, marta bernardini, Fiona Kendall e a operadora em Rosarno Ibrahim Diabate. No centro do encontro esteve a venda de laranjas da cadeia de abastecimento "Etika", promovida pelo MS em conjunto com a Sos Rosarno, com os testemunhos da Igreja da Escócia e da Igreja da Vestfália, que organizaram uma rede de distribuição de produtos cítricos que respeitem os direitos dos trabalhadores e dos trabalhadores ambientais. *ed. para os mais jovens, os Fóruns Sociais Mundiais são reuniões anuais nascidas do movimento antiglobalização (o chamado “no global”); a primeira aconteceu em Porto Alegre, em 2001. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Vamos recomeçar com você.  Para libertar homens e mulheres da violência

Vamos recomeçar com você. Para libertar homens e mulheres da violência

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – “Vamos começar de novo com você” é um projeto da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). É uma série de encontros de reflexão e formação contra a violência. “Nos últimos anos – escreveu o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liona carta de apresentação do projeto, antes da pandemia - inúmeras iniciativas foram desenvolvidas com o objetivo de envolver homens, meninos e meninas na luta contra a violência de gênero, tanto nacional quanto internacionalmente, mas na Itália o envolvimento do gênero masculino contra a violência contra mulheres ainda está dando pequenos passos”. Hoje em Gravina começa uma nova etapa dessa jornada. “Vamos recomeçar contigo” é um projeto articulado enraizado nos vários territórios, onde especialistas e operadores da área são chamados a confrontar apontamentos. A programação também inclui apresentações teatrais, encontros e depoimentos. O conceito subjacente é que uma nova aliança entre os gêneros é necessária. Para esta aliança, é necessário que cada pessoa se sinta diretamente interpelada: por um lado, é necessário ajudar as mulheres a estarem presentes e ativas nestas questões. Por outro lado, todo homem deve ser sensibilizado. A violência masculina contra a mulher também é um problema masculino. Não só de quem pratica a violência, mas também de quem a tolera, de quem a esconde, de quem a ignora ou, de alguma forma, a aprova tacitamente. Gabriela Lio, presidente da FDEI fala “A violência contra a mulher é transversal – declara a pastora Gabriela Lio -. Em todos os lugares encontramos peculiaridades, mas a violência perpassa todas as classes sociais, religiões, origens. Existem, no entanto, algumas características específicas. A situação das mulheres, de certa forma, varia de região para região”. Em Nápoles, por exemplo, Lio se refere a jovens que entendem a relação de “noivado” de forma disfuncional. “Os centros antiviolência nos contaram sobre meninas que expressam descontentamento se seus namorados não batem nelas ou as tratam mal. Alguns viriam a desejar ser mantidos dentro de casa. Segundo algumas dessas meninas, a ideia é que se o menino não se comportar assim, 'então ele não me ama'”. Os centros anti-violência trabalham na prevenção, mesmo com raparigas de 12, 13 anos, para que este tipo de “modelo”, que se baseia na aprovação de comportamentos que podem conduzir a delitos, não se torne um destino obrigatório. Nem para meninos nem para meninas. O risco é prender ambos os sexos em uma espiral de violência e dependência tóxica. Uma figura que não apareceu em nenhum outro lugar, explica o presidente Lio, é a dos feminicídios entrelaçados com os atos da Camorra. Exemplo disso é a morte inocente do adolescente de 14 anos Annalisa durante, que ocorreu em Forcella em 27 de março de 2004 durante um confronto armado entre membros de clãs rivais. A FDEI envolveu a associação que leva o seu nome. “Visitamos o local onde Annalisa Durante foi assassinada. Poderíamos ter ido a muitos outros lugares, porque os casos são tristemente numerosos”, diz o pároco. O Hospital Evangélico de Gênova, que está na vanguarda em muitos pontos de vista, foi envolvido na etapa relacionada. Os hospitais apresentam-se como locais privilegiados de educação, também no futuro. “É importante saber o que pode acontecer, para preparar a equipe do pronto-socorro. Precisamos envolver as associações associadas nos territórios. E criar caminhos para os atores da violência. Só assim podemos intervir, escutar, restabelecer um caminho de consciência. Às vezes o grito é muito alto e você não sabe o que dizer. Conhecer permite entender em que fase da espiral da violência as mulheres se encontram”, volta a propor Gabriela Lio. Um ponto importante, sublinhado por oradores de centros anti-violência, tanto em Nápoles como em Florença, é o seguinte: “Muitas pessoas foram positivamente afetadas pelo fato de as termos convidado a falar. Porque isso nunca acontece. Normalmente as Associações são convidadas a ouvir (na prefeitura, em cursos com a polícia). Escolhemos uma política de 'mulher para mulher'. Dialogar com quem trabalha no campo”. A violência de gênero, continua Lio, “é revelada. Existe na migração, existe quando se fala de refugiados, existe no setor de acolhimento, existe na fronteira… A violência se expressa no tráfico de pessoas, mas também no trabalho. E isso também é violência." Onde estão os homens? Há uma grande participação de homens principalmente no teatro. Esta também é uma forma de criar novos laços, novas relações. E novas visões. “Em Florença estávamos no jardim dedicado a Michelle Noli – finaliza Gabriela Lio -. Conhecemos a mãe e o pai de Michela, Massimo Noli E Paula Alberti, e compartilhamos um momento de poesia e oração. Foi um testemunho muito tocante. Assumimos um compromisso com esses pais e com todas as mulheres vítimas de violência. Pretendemos contribuir com sua campanha para reivindicar uma lei contra a sonegação de conhecimento. A intenção é estabelecer uma espécie de obrigação de denúncia como a que existe, por exemplo, nas escolas em casos de suspeita de maus-tratos e abuso de menores. Tem gente que sabia do risco, e não falou. Precisamos de uma lei anticonspiração". O 5º Troféu 'Corri per Michela' será realizado no domingo, 15 de maio, em sua memória e para aumentar a conscientização sobre a violência contra as mulheres. "Vamos começar com você" envolve muitas redes e muitas mulheres, inclusive Bárbara Caviglia E Lúcia Tubito presidente do Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB). Em Gravina. O projeto envolve as igrejas de Puglia e Basilicata. Está previsto um espectáculo, “O amor… não agüenta tudo”, com o patrocínio do Teatro Vida. Haverá um momento memorial para uma mulher batista, uma imigrante argentina, que morreu durante o confinamento de câncer. Devido ao covid, não foi possível dar-lhe uma despedida fúnebre. Também trabalharemos a importância da linguagem inclusiva, com uma mesa redonda em conjunto com as associações locais, inclusive no plural Masculino. Domingo, adoração. Vamos recomeçar com você “Trabalhar nas causas sociais e culturais da violência de gênero, para sermos portadores de mudança e, portanto, com possibilidade de sensibilizar para intervir, influenciar e transformar as situações de violência de gênero. Construir relações e práticas diferentes das do domínio no contexto em que nos encontramos. Para testemunhar a nossa fé”. Passos passados ​​e futuros O projeto já envolveu Nápoles, juntamente com mulheres e pastores adventistas e luteranos (1 a 3 de abril). Gênova, com o Hospital Evangélico Internacional (8 a 9 de abril) e com mulheres anglicanas. Florença com a colaboração de teólogos protestantes (5-6 de maio), no Instituto de Teologia da União Italiana das Igrejas Cristãs Adventistas do Sétimo Dia (UICCA). Aqui participaram os alunos de teologia, com a presença também dos professores. Em seguida, será a vez de Milão (27 a 28 de maio) e, finalmente, de Roma (junho) com a participação do Exército de Salvação (EdS). Para saber mais: O serviço de vídeo em HopeMedia. Os pastores e teólogos falam Elizabeth Green E Lídia Maggi, da Igreja Batista; Letizia Tomassone da Igreja Valdense; E Corinne Lanoirprofessor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.