Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia)

Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 – Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes.

Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que “ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários.” Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória.

“O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca.

“Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC.

Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Foto Michael C/Unsplash Roma (NEV), 16 de setembro de 2022 – Para o Tempo da Criação 2022, o Ministério de Música da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) propõe dois novos hinos. Criado por Virgínia Mariani, integram o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”, o Dossiê GLAM contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e insights. Os dois hinos propostos por Virginia Mariani são intitulados "E Deus vê" e "Sua criação". Entrevistamos o autor para descobrir como surgiram os hinos e aprender mais sobre o ministério de música. Quem é Virgínia Mariani? Eu sou um moça 50 anos que cresceu entre escola, piano, igreja batista e também igreja valdense na província de Taranto. Uma cidade esplêndida, que eu mesmo estou aprendendo a conhecer cada vez mais e que, infelizmente, continua degradada, feia, poluída, maculada pela indústria siderúrgica, que monopolizou sua economia desde os anos 60. Taranto não é valorizado. Poderia ser, por exemplo, como a última cidade espartana e, portanto, a Magna Grécia. Assim como Mottola, uma cidade no topo de uma colina onde moro agora. Aqui ensino Literatura há 21 anos. Também dedico aulas, projetos, iniciativas e reuniões públicas ao território, ao meio ambiente e à Criação, ao respeito por todas as criaturas, tendo como referência primeiro a Agenda 2020 agora 2030. [L’Agenda 2030 è l’attuale quadro di riferimento globale delle Nazioni Unite. Essa definisce 17 Obiettivi di sviluppo sostenibile da raggiungere entro il 2030, articolati in 169 sotto-obiettivi, ndr]. “E Deus vê”: sobre o que é este hino? "E Deus vê" nasceu durante a pandemia, graças ao concurso organizado pela Mesa Valdense. Nesse contexto, o hino recebeu menção especial. Canta uma humanidade que esqueceu que recebeu toda a Criação como dom e sob custódia, uma humanidade que ainda não cresce em responsabilidade e brinca com as vidas. Fala também de Deus que, vendo então que tudo era "bom e belo", ainda vê sempre o que somos e o que fazemos ou deixamos de fazer. A música termina com a exortação para discernir agora e em todos os momentos o que é certo fazer. Louvar, sim, com cantos e orações, mas antes de tudo com nossas existências individuais e com nosso testemunho. Baixe aqui o texto e a partitura: E Deus vê “Sua criação”. Aqui a música é livremente inspirada no Minueto 1 de Bach, o “músico teólogo”como definiu o jurista e musicólogo Gianni Long em 1997. Porquê esta escolha? Esse Minueto é uma das primeiras peças que você aprende ao estudar piano. Com o tempo, percebi que muitas vezes isso tocava em minha mente. Então, como na Reforma as melodias das canções populares se tornaram hinos, pensei, com a colaboração de M° Iannitti Piromallo na adaptação, transformar uma peça de Bach, precisamente o "músico teólogo" protestante, numa curta canção dedicada a Deus e à sua Criação, citando os elementos da natureza, quase como uma novela de Francisco de Assis. A ideia é transmitir confiança em Jesus e no poder inspirador do Espírito Santo, por exemplo, na gestão dos conflitos e desafios da vida quotidiana. Baixe o texto e a partitura aqui: Sua Criação Há muito tempo o Ministério de Música da UCEBI está empenhado em trazer a música para o dia a dia, não só na igreja, nas liturgias, mas também em outros contextos. Agora ele traz sua contribuição para o Tempo da Criação 2022. Podemos dizer que este é o começo de uma jornada, também para o futuro? Comecei uma certa colaboração com o Ministério desde o seu início, antes mesmo de participar das reuniões do Grupo de Animação Teológica (GRANT) e do Grupo de Música Evangélica (GRUME) com Charles Lella. Não sou músico, no entanto gosto muito de animar momentos de culto ou momentos dedicados às crianças. Também trago essa paixão pela música e pelo canto para a escola, por exemplo. Então, sim, tenho certeza que nesse futuro, que sempre já está presente no olhar que devemos ter ao viver a promessa e a presença do Reino dos Céus, o caminho continuará também na experimentação musical. O Ministério da Música da UCEBI O Ministério de Música da UCEBI tem uma longa história, que passa também pela esfera federativa (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália -FCEI-) para depois se tornar, em 2012, um Ministério específico instituído pela Assembleia Geral da UCEBI. Existe agora uma verdadeira descrição do trabalho, que inclui, entre outras coisas, visitas e seminários de atualização em igrejas de música cristã e litúrgica, cursos de formação, multimédia, eventos e colaborações. Dentre elas, destacamos as atividades com a Comissão Batista-Metodista e Valdense de Culto e Liturgia (CCL). Temporada da Criação 2022 Para a Temporada da Criação, além do Dossiê, a GLAM também produziu uma série de insights sobre a água, a seca e o entorno. Todos os materiais podem ser baixados nas páginas dedicadas ao Tempo da Criação 2022. Eles podem ser usados ​​por todas as pessoas interessadas em celebrar este período litúrgico ecumênico que acontece em todo o mundo entre 1º de setembro e 4 de outubro. ...

Ler artigo
#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 - Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em Lampedusa como sinal de boas-vindas. Um momento ecumênico de oração acontecerá na ilha siciliana na próxima sexta-feira, 24 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando. Ele falará pela Federação das Igrejas Evangélicas na Itália marta bernardiniWaldensian, operador do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, que trabalhou alguns anos na ilha. “Pela terceira vez – declara Marta Bernardini – estamos organizando um evento ecumênico em Lampedusa para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Todos os anos procuramos oferecer não só um momento de oração e reflexão, mas também uma oportunidade de envolver as pessoas. Em 2019, por exemplo, distribuímos folhetos com frases a partir do tema escolhido, que foi “Tente ser verdadeiramente justo”, notas que por sua vez os participantes da oração deveriam deixar ou endereçar a alguém”. Este ano, o tema "Eles nos trataram com bondade" foi escolhido pelas Igrejas de Malta e é retirado de uma passagem dos Atos do Apóstolo Paulo, que conta como ele foi acolhido pelos malteses. "Eles propõem o naufrágio de Paulo nos capítulos 27 e 28 do livro de Atos - explica a pastora valdense maria bonafede em Riforma.it hoje - , do navio em que o apóstolo Paulo é um dos prisioneiros que os centuriões romanos devem trazer para Roma, naquelas mesmas águas dos naufrágios dos últimos anos. Um naufrágio de 276 pessoas, incluindo marinheiros que são contrabandistas, e estão prontos para escapar do barco para se salvar, votando todos os outros até a morte; os prisioneiros, incluindo Paulo, que seriam julgados em Roma; os soldados, centuriões romanos, que planejam matar todos os prisioneiros para não deixá-los escapar, exceto um deles que tomou o apóstolo sob sua proteção e que, para salvar Paulo, evita o massacre dos outros e insta todos se joguem do navio que entretanto encalhou num banco de areia: primeiro os que sabem nadar, depois os outros que se agarram aos destroços do navio. "E assim aconteceu que todos chegaram sãos e salvos à terra" (27, 44). O autor do texto bíblico registra que havia 276 naquele navio, um número verdadeiramente grande de pessoas, um número semelhante aos dos últimos anos, nas mesmas costas, nas mesmas rochas”. Assim, as migrações estão no centro da reflexão ecumênica de 2020, um fio vermelho que liga Malta à outra ilha, local de desembarque de muitas pessoas, ambas envolvidas diariamente no acolhimento daqueles que são obrigados a seguir a rota marítima para fugir da Líbia ou de outros países do outro lado do Mediterrâneo. "Para nós é muito significativo - explica Marta Bernardini - organizar e promover este evento ecumênico em Lampedusa, um lugar que é precisamente o emblema da acolhida dos migrantes e, infelizmente, também dos naufrágios de tantas mulheres, crianças, homens que morreu no Mediterrâneo. É também uma forma de testemunhar a nossa presença na ilha, onde estamos envolvidos desde 2014 com o observatório das migrações e onde tentamos, todos os dias, colocar em prática aquela “gentileza” com quem desembarca na ilha. Um momento importante, junto com o aniversário de 3 de outubro, da obra ecumênica que realizamos em Lampedusa com dom Carmelo la Magra“. Amanhã, sábado 18, em Cagliari, para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, haverá outro encontro com marta bernardiniintitulado "Viagem, desembarque e hospitalidade: práticas ecumênicas". ...

Ler artigo
“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

foto de Patrick Tomasso, de unsplash.com EVENTO CANCELADO Roma (NEV), 15 de fevereiro de 2020 – “Em termos simples. Novas e velhas palavras para superar a raiva e redescobrir o diálogo” é o título do encontro anual da Diaconia Valdense que acontecerá em Florença no sábado, 14 de março. O evento é organizado pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD), o Conselho Valdense, a Faculdade Valdense de Teologia e a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI) e acontecerá no Instituto Gould na via de'Serragli 49. O programa do dia, ainda em fase de finalização, inclui uma meditação inicial do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottaseguido de um painel de discussão com Fulvio Ferrario sobre "Kurt Marti: palavra bíblica, palavra poética” e Cláudio Marazzini, sobre "Palavras que incluem, palavras que excluem". Uma performance seguirá David Riondino“Jogos de palavras (perigosos)”. A reflexão que se propõe, lemos na circular da Mesa valdense n.3, de 13 de fevereiro, "quer sugerir como é importante investir nas palavras, velhas e novas, para que o empobrecimento da linguagem não torne nos feios e para que se tornem uma ferramenta adequada para transformar a raiva expressa pela sociedade em um diálogo frutífero e redescobrir o valor libertador do conflito, especialmente se vivido corretamente". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.