Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa hoje em Roma, no Hotel Villa Aurelia.
Uma vez cumprido formalmente a constituição do “parliamentino” luterano, prevista no
No início da tarde, entraremos no centro do debate com o relatório do Presidente do Sínodo, Wolfgang Pradera que se seguirão os relatórios do Consistório e do Reitor cessante, Heiner Bludau.
Em seguida, será a vez dos cumprimentos do Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas em
Itália, Daniele Garroneo primeiro convidado entre vários esperados para os próximos dias.
Uma sessão, a XXIII, que verá a eleição do Reitor e do Vice-Reitor do CELI
previsto para sábado, 30 de abril.
Após o período de pandemia, portanto, o Sínodo Luterano volta a se reunir ao vivo, em Roma.
Para Wolfgang Prader, 47, presidente do Sínodo, a nomeação deste ano é
particularmente relevante porque “estamos mais uma vez na condição de nos encontrarmos em presença […] para discutir e debater após a sessão do ano passado teve que ser realizada online”. Os sinodais, mais de 50, como aponta o vice-presidente do sínodo Ingrid Pfrommer“eles são escolhidos pelas 15 comunidades luteranas presentes na Itália, e terão a tarefa de discutir as várias resoluções e propostas apresentadas, votando a seguir e participando das eleições para a renovação dos mandatos sinodais”.
Entre as atividades programadas para esta XXIII sessão, uma mesa redonda, amanhã, 29
abril, moderado pelo vice-reitor Kirsten Thiele, que terá como tema “liberte-se para a liberdade”. Com a participação de representantes do mundo protestante europeu: Michael
Hubner (Secretário Geral da Federação Mundial Martin Luther), Leon Novak (Bispo da Igreja Evangélica da Confissão Augusta na Eslovênia), Gerhild Herrgesell (Conselheiro Eclesiástico para o desenvolvimento da Igreja Evangélica Austríaca) e Olaf Wassmuth (Chefe do Departamento de Turismo do Sul da Europa e Exterior da Igreja Evangélica Alemã).
O Sínodo Luterano representa, portanto, como afirma uma nota do CELI, “uma importante oportunidade não só religiosa, mas de confronto e debate com os fermentos teológicos, sociais e culturais que animam as sociedades europeias no atual momento histórico, oferecida em comparação com a empresa italiana”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mulheres de fé.  Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Mulheres de fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Roma (NEV), 30 de setembro de 2020 - A conferência organizada pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC) intitulada "Mulheres de Fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina". A presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pastora, participa Gabriela Lio. A conferência faz parte do "Projeto Saber" dedicado ao estudo das minorias religiosas na Itália e das diferentes formas como estas últimas se inserem no contexto social italiano. O objetivo é promover o diálogo e a troca de experiências através dos testemunhos de alguns representantes de diferentes religiões, comprometidos com a promoção e proteção dos princípios fundamentais da dignidade do homem e da mulher. As organizadoras escrevem no convite da iniciativa: “As mulheres de fé desempenham um papel vital não apenas dentro de suas respectivas comunidades religiosas, mas também na sociedade multicultural e multirreligiosa de hoje”. A conferência, anteriormente adiada devido às disposições da emergência do coronavírus, será realizada em plataforma digital no dia 5 de outubro de 2020, das 16h30 às 19h. Para participar, cadastre-se no seguinte link: PLANO 16h30 Saudações Sen. Valéria Fedeli Pedro Nocita Presidente Honorário do Centro de Estudos LIREC Apresentar e moderar Raffaella DiMarzio Diretor do Centro de Estudos LIREC CAIXAS DE SOM Gabriela Lio Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) Mariangela Fala Presidente da Fundação Maitreya e da Mesa Inter-religiosa de Roma Paula Cavallari Professor de história e filosofia, promoveu o Observatório Inter-religioso contra a violência contra as mulheres (OIVD) do qual é presidente. Swamini Hamsananda Ghiri Freira hindu e vice-presidente da União Hindu Italiana França Coen Co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista e vice-presidente da Religiões pela Paz seção italiana. Elizabeth Nistri Presidente da Federação Feminina para a Paz Mundial-Itália Susana Giovannini Membro da Igreja Pentecostal Betel e do Grupo de Diálogo Inter-religioso pela Paz de Cosenza Marisa Iannucci Islamologista e ativista de direitos humanos. presidente da ônus vitalício. Os parceiros do evento são: a Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a revista Consciência e Liberdade, o Observatório Inter-religioso sobre a Violência contra a Mulher (OIVD) e a Federação Feminina para a Paz no Mundo-Itália (WFWP). ...

Ler artigo
liberdade também significa pensar criticamente

liberdade também significa pensar criticamente

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - O bispo luterano Margot Kässmann ela era secretária-geral do Kirchentag. Em 2009 ela foi a primeira mulher eleita presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Embaixadora do Jubileu da Reforma EKD de 2012 a 2017, ela foi bispa da maior igreja regional evangélica luterana da Alemanha. Mãe de quatro filhas, publicou recentemente, por ocasião do seu sexagésimo aniversário, o volume "Schöne Aussichten auf die besten Jahre - Belas perspectivas para os melhores anos". Margot Kässmann Em entrevista ao site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), o bispo Käßmann declara: “Liberdade significa assumir responsabilidades, e para mim liberdade também significa o dever de pensar criticamente”. “Em nossa sociedade orientada para o dinheiro, temos que defender valores como caridade, responsabilidade para com os outros, solidariedade e comunidade. A Igreja cria tudo isso. Mas a Igreja também deve ser autocrítica, tantas faltas acumulou ao longo dos anos e séculos”. Sobre as relações entre católicos e protestantes, Käßmann continua: “Não gostaria de UMA igreja, mas gostaria de poder celebrar a comunhão juntos, oficialmente”. Leia a entrevista completa com Margot Käßmann no site do CELI. O Kirchentag nasceu por iniciativa de um grupo de protestantes alemães que, em 1949, após os terríveis anos da Segunda Guerra Mundial, imaginaram um grande fórum cristão aberto à sociedade, à política e aos temas espirituais. A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) instituiu esse tipo de Congresso com a ideia de “reunir pessoas que estão questionando a fé cristã. Reúna os cristãos protestantes e fortaleça-os em sua fé. Incentivar a responsabilidade na Igreja, capacitar o testemunho e o serviço no mundo e contribuir para a comunhão do Cristianismo mundial”. ...

Ler artigo
Escuta, diagnóstico e tratamento

Escuta, diagnóstico e tratamento

Imagem retirada do flyer do curso "Escuta, diagnóstico e tratamento" com o pároco valdense Sergio Manna, organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano - maio de 2023 Roma (NEV), 18 de maio de 2023 – Acaba de terminar em Roma o curso “Escuta, diagnóstico e tratamento” com o pastor valdense Sérgio Maná. Especialista em "Educação pastoral clínica" (CPE), Manna é capelão clínico e supervisor certificado no Faculdade de Supervisão Pastoral e Psicoterapia. O curso, que decorreu nas instalações da igreja valdense na via IV novembro - a mais antiga da capital, fundada após o rompimento da Porta Pia - foi organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano. “É um módulo de três dias que venho propondo há vários anos – explica Sergio Manna -. Existem cursos no hospital, obrigatórios para os nossos alunos de teologia (os pertencentes ao CPE), mas há algum tempo surgiu a necessidade de organizar cursos dirigidos aos leigos das comunidades, a pessoas que tenham a intenção de realizar um trabalho voluntário serviço, aos chamados visitantes locais, aos diáconos... Pensemos, por exemplo, nos Consistórios. Outrora, na visão reformada, o Consistório era imaginado mais do que um órgão administrativo como um colégio de anciãos e anciãs com a função de cuidar da comunidade. Um papel que ainda hoje pode e deve ser valorizado”. O curso decorre cerca das 9h às 17h, com intervalo para almoço, durante três dias. Isso é treinamento básico. Primeiro dia: o que é ouvir? O primeiro dia é inteiramente dedicado ao tema da escuta. “O que é a escuta empática? Como as palavras e emoções nos ajudam a entender e reconhecer o que a pessoa está vivenciando? O primeiro passo é simplesmente ouvir. Depois, a gente se aprofunda no assunto para entender como aprender a arte de curar”, diz o pastor. Por exemplo, trabalhamos em verbatim. Uma espécie de transcrição anônima, em forma de linguagem direta e com total respeito à privacidade das pessoas envolvidas, de uma visita pastoral efetivamente realizada. A situação é relida, reproduzida, analisada. “Proponho 7 casos – diz Sergio Manna -. Em cada um deles, há uma pessoa dizendo uma determinada frase. Portanto, convido você a discutir o que essa pessoa está dizendo e sentindo, trabalhamos cada palavra, tentando parafrasear e devolver o conteúdo emocional. A segunda parte do exercício consiste em escolher, com base na sua própria interpretação, o que pode dizer à pessoa em questão. Proponho respostas possíveis, que são muitas. Se nenhuma das frases for convincente, peço que outras sejam propostas”. Pontualmente, Manna nos conta novamente, “acontece que quem participa do curso se identifica com a situação em questão e responde com base no que sente, ao invés de reconhecer as emoções e palavras da pessoa cujas necessidades estamos analisando” . Um caso clássico é o de uma pessoa que fica zangada porque os filhos não a visitam. Quando perguntado: "Como essa pessoa se sente?" alguns respondem: “ele se sente culpado”. Não, diz Manna, “essa pessoa está com raiva. É uma emoção mais difícil de administrar e reconhecer, mas na verdade é raiva. Devemos entender que a raiva é uma das emoções básicas dos seres humanos e devemos tentar descobrir o que fazer com ela. Tenha raiva e não peque, diz o apóstolo Paulo, como que para nos lembrar que essa emoção não deve ser reprimida, mas controlada”. Segundo dia: diagnóstico pastoral e espiritual O segundo dia de formação centra-se no tema do diagnóstico: “Todo mundo fala de pastoral e de cuidado espiritual, mas quase ninguém fala de diagnóstico, pastoral ou espiritual. Eu trabalho neste conceito porque é uma coisa muito importante. Tudo bem se um médico nos desse uma cura sem fazer um diagnóstico? Não. A mesma coisa vale no cuidado das almas”, afirma o pároco. São referidos dois modelos, um dos quais desenvolvido pela psicóloga Paul Willem Pruyser em meados dos anos 70. Pruyser, autor entre outras coisas do livro “O ministro como diagnosticador”, fala de pastores e sacerdotes em um “novo cativeiro babilônico”, retomando a linguagem de Lutero. “O risco é de imitar as línguas. Algumas variáveis ​​têm como conotação termos que derivam da espiritualidade, com origem bem mais antiga que o nascimento da psicanálise e da psiquiatria – argumenta Manna -. Alguns psiquiatras tratam a questão da fé como se pertencesse a uma patologia. Em um registro médico de um paciente que pode ter revelado sua fé, observou-se que este paciente tinha 'a estranha fantasia' de que Jesus era seu 'salvador pessoal'. Os psiquiatras subestimam a contribuição positiva da fé no processo de cura, assim como os capelães às vezes não levam suficientemente a sério os aspectos psicológicos". Outro elemento importante do curso é representado pela análise das ferramentas de cuidado. Ferramentas de cuidado que são “nossas e dos pacientes – especifica o pároco -. Recursos espirituais, orações, leituras, escrituras. E muitos outros, que talvez pertençam a um universo religioso que não é necessariamente o meu, por exemplo os ícones para um crente ortodoxo, mas que devem ser valorizados”. Terceiro dia: cuidado espiritual dos moribundos A terceira parte enfoca o cuidado espiritual dos moribundos, seus familiares e queridos doadores. Também esta seção do curso consiste em uma parte teórica e depois de um trabalho sobre textualmente ligado a experiências concretas. Uma experiência a repetir O curso contou com a participação de 25 pessoas das diversas comunidades pertencentes à Consulta que, recordamos, congrega valdenses, metodistas, batistas, adventistas, luteranas e a comunidade evangélica francófona de Roma. Entre eles, visitantes, alguns simpatizantes das igrejas e também dois psicólogos. “Temos recebido um feedback muito positivo”, comentou o pastor Winfrid Pfannkuche que, juntamente com sua esposa Nadia Delli Castellicuidou da logística e hospitalidade da igreja valdense na via IV novembro. “Acho que é uma experiência a ser repetida, e talvez repetida ciclicamente – continuou Pfannkuche – especialmente em uma cidade como Roma. A ideia era nos encontrarmos, no pós-covid, para sair do egocentrismo, dos entrincheiramentos. Reabrir aos outros, fazê-lo juntos também em chave ecumênica, pelo menos entre os protestantes, e recuperar a atenção para o que está ao nosso redor, no território, na cidade. Há muito a ser feito para refazer os laços comunitários. As visitas têm prioridade, mas tem se tornado difícil realizá-las, às vezes até atrapalhadas. Dez, vinte anos atrás, as pessoas esperavam a visita do pastor, ela era considerada fundamental. Agora algo mudou, na confiança, na confidência, nos hábitos. Encontros como este, podemos realmente dizer, são… maná no deserto”. O interesse por este curso demonstra a capacidade e o desejo de ser comunidade, de querer ser e (re)construir-se como povo protestante em Roma. “Roma é a cidade mais protestante da Itália – repetiu o pastor Pfannkuche, parafraseando Paulo rico -. Roma, porém, vive uma fase de forte desintegração e abandono. Vemos também um forte reflexo do que acontece a nível social nas igrejas, cujo potencial nem sempre é bem aproveitado. Da transformação da mentalidade em relação à evangelização, à fuga da cidade; do turismo de massas ao desamor por um centro histórico agora pano de fundo de tudo menos do passado. Ir à igreja longe de casa tornou-se cansativo. Por isso, como equipe pastoral valdense e metodista, estamos trabalhando para criar relacionamentos, mesmo na diáspora, mesmo no esforço 'elitista' de ser uma minoria. Dar vida a uma formação transversal que une as realidades de diferentes igrejas em Roma é algo excepcional. Temos que caminhar nessa direção”. Este curso é gratuito para as comunidades e está disponível para todas as igrejas da Itália. Já foram realizadas edições, por exemplo, na Puglia, Roma, Bérgamo e Milão. Ao final do treinamento é emitido um certificado. O flyer do curso: brochura CPE VISITORS Roma2023def Para informações: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.