Consulta Metodista.  Redescubra espaços de ação, ecologia e música

Consulta Metodista. Redescubra espaços de ação, ecologia e música

Mirella Manocchio

Roma (NEV), 25 de maio de 2022 – Pedimos à pastora Mirella Manocchio, presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), para nos falar sobre os temas e propostas de trabalho da Consulta Metodista que será realizada de 27 a 29 de maio. Após dois anos de pandemia, as igrejas metodistas voltarão a se reunir presencialmente no Centro Ecumene de Velletri, na província de Roma.

“A Consulta Metodista – diz Manocchio – é sempre o momento para as igrejas metodistas na Itália refletirem sobre algumas questões que dizem respeito à vida das próprias igrejas, mas de maneira mais geral ao contexto social, econômico e político em que nos encontramos vivendo. . Este ano, em particular, inspiramo-nos na trágica situação que vivemos, uma situação de guerra e de fortes contrastes. Abrimos o relatório da Comissão Permanente com uma reflexão sobre a importância de redescobrir a complexidade de viver e relacionar-se, ao contrário de quem quer simplificar qualquer tipo de relação e a oposição ‘ou estás comigo ou estás contra mim’. O que está acontecendo no coração da Europa é mais um conflito, além dos tantos que estão presentes no mundo. Isso nos toca talvez mais pela proximidade e porque faz retroceder o relógio da história. Aqui, a partir disso, procuramos ver o que acontece nas relações dentro da sociedade, mas também dentro das nossas próprias igrejas. É necessária uma reflexão, para que o diálogo, a relação aberta e sincera entre as pessoas volte a ser central. A partir do nosso específico, da visão cristã. E, portanto, do amor, da compaixão”.

Ecologia, música, ação, arrecadação de fundos

O Comitê Permanente da OPCEMI propôs quatro oficinas de aprofundamento, sobre questões relacionadas tanto com os eventos atuais quanto com a vida da comunidade. Manocchio explica: “Teremos um workshop sobre compromisso ecológico e justiça climática, um sobre animação musical, um sobre ação diaconal e outro sobre arrecadação de fundos”.

A oficina de animação musical pretende “recuperar a tradição dos hinos metodistas e protestantes. Além disso, tente entender como trabalhar dentro das comunidades também em hinos modernos, usando essa linguagem universal que é a música. Música é entusiasmo. Permite que as novas gerações se sintam mais envolvidas no culto. A ideia é criar um grupo de animadores e animadoras que trabalhem nas várias igrejas locais”. Será também uma forma “de dar a conhecer o projeto de animação musical até a quem não frequentou os seminários realizados nestes dois anos. E quem sabe se apaixonar por essa área”.

A oficina de ação social, prossegue o presidente, abordará “um dos elementos fundamentais, e de certa forma também tradicionais, da visão testemunhal da fé metodista. Não estamos falando apenas de ação social como diaconia, mas também como evangelização. No sentido de uma ação missionária da Igreja, que se dirige de modo particular aos que estão à margem da sociedade”.

Segue-se um workshop sobre angariação de fundos: “Pode-se perguntar o que é que a angariação de fundos tem a ver com os temas mais ligados à vida da Igreja e com o compromisso de evangelização, testemunho e missão. No entanto, as questões econômicas nos preocupam. Para operar na área, precisamos de locais adequados e possibilidades econômicas adequadas. É importante que as comunidades tenham oportunidade de desenvolver atividades, de tornar os locais de culto e convívio mais habitáveis ​​e utilizáveis. É uma forma de empoderar as comunidades para continuarem sendo protagonistas”.

Ecumenismo, internacionalidade, colaborações

Claro que não faltarão os outros temas principais das Consultas, diz Mirella Manocchio, “em particular os aspectos do ecumenismo e das relações internacionais, que para nós são sempre um aspecto muito importante para a Comissão Permanente e para a vida do nosso igrejas”.

Após dois anos de reuniões virtuais, o presidente conclui: “Esperamos poder ter este tempo adequado para refletir e discutir juntos os desenvolvimentos futuros. Pelo trabalho dentro da União das Igrejas Metodistas e Valdenses, tendo em vista o Sínodo que finalmente voltará a atender em agosto. E também em vista da Assembleia do Sínodo, com as igrejas batistas”.

Centro Ecumeno, Velletri (RM)

O Centro Ecumeno de Velletri (Roma)

O Presidente Manocchio dedica um pensamento especial ao local onde será realizada a Consulta Metodista, o Centro Evangélico “Ecumene” de Velletri, na província de Roma. Um ponto de referência para as igrejas metodistas e “para todos aqueles que vêem em ação pela reconciliação, a paz, a proteção da criação e a justiça entre os povos e os indivíduos o testemunho que as igrejas são chamadas a dar” como afirma o Estatuto do Centro .

“Estamos felizes por poder reunir-nos na presença do Ecumene, no renovado centro, onde foram realizadas várias obras entre as quais a reconstrução de dois edifícios, a eliminação de barreiras arquitectónicas e melhorias de menor impacto ecológico, incluindo uma instalação fotovoltaica sistema . Esperamos que este seja um sinal positivo para nossas comunidades. A de poder reapropriar-se de um tempo e de um lugar que podem de facto continuar a ser uma forja de novas ideias. Para devolver ímpeto e entusiasmo às nossas pequenas realidades locais. Esperamos que assim aconteça, neste regresso à presença, depois de dois anos em que o ecrã nos obrigou de alguma forma a reduzir ao osso as discussões, as reflexões e sobretudo os momentos de troca, que são o mais importante para a nossa Consulta. Que não é uma assembléia decisória, como o Sínodo, mas é um lugar de encontro onde podem nascer novos projetos, como aconteceu nos últimos anos”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

foto de Clément Dellandrea, unsplash Roma (NEV), 20 de maio de 2021 – Uma carta ao Presidente da Comissão Europeia Ursula Von Der Leyen pela American Waldensian Society, para pedir um maior empenho em favor do acolhimento dos migrantes. “Nós escrevemos para vocês como americanos que têm laços profundos e duradouros com a Europa e em particular com os cristãos italianos. […] valorizamos os valores europeus de tolerância, inclusão e abertura a estrangeiros. Como descendentes de imigrantes da Europa, adoramos a ideia europeia, expressa por Emma Lázarofilha de judeus portugueses, em seu poema para a Estátua da Liberdade no porto de Nova York, que diz: “… me dê seu cansaço, seus pobres, suas massas amontoadas desejando respirar livremente, o miserável refugo de sua costa fervilhante. Envie-me os sem-teto, sacudidos pela tempestade". Muitas dessas "massas amontoadas" acabaram se tornando a espinha dorsal da sociedade americana", diz a carta, assinada em particular por Carol Bechteldiretoria executiva, Brad Lewispresidente e Duncan Hansoncoordenador de comunicação da North American Waldensian Society. “Tememos que esta antiga visão de acolher os migrantes, trazida pelos nossos antepassados ​​da Europa para os Estados Unidos, esteja agora a morrer em ambos os lados do Atlântico. Vimos o sofrimento dos migrantes que tentam cruzar o Mediterrâneo em direção à ilha de Lampedusa - continuam os valdenses - e quantos deles perdem a vida antes mesmo de chegar às costas da Europa. Mas também estamos dolorosamente cientes da situação dos migrantes que tentam atravessar o Mar Egeu para Lesbos, bem como de outros migrantes que tentam entrar na Europa através do enclave espanhol de Ceuta e ainda outros expulsos à força da Hungria. Não podemos ver nada desse sofrimento sem pensar também na angústia indescritível dos migrantes que tentam entrar em nosso país pela fronteira sul”. Em particular, os valdenses americanos pedem à UE “que apoie a criação de novos corredores humanitários para que os migrantes mais vulneráveis ​​possam entrar na Europa de forma legal e segura; exortar os Estados-Membros da UE a aumentarem as suas quotas nacionais de reinstalação ao abrigo do Pacto Global das Nações Unidas sobre Refugiados e da Estratégia Trienal sobre Reinstalação e Vias Complementares; facilitar o processo de realocação de migrantes da Itália e de outros países da linha de frente, para que todos os Estados-Membros da UE tenham sua parcela justa de responsabilidade europeia compartilhada para receber migrantes; desenvolver um plano de ação abrangente da UE que considere a migração global não como uma emergência, mas como um processo normal e de longo prazo que requer estratégias de cooperação, integração e inclusão social”. Por último, uma referência ao discurso do Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli do último dia 25 de fevereiro no Conselho Europeu, que “expressa perfeitamente nossa oração pela Europa e pelos Estados Unidos: “Não podemos voltar ao mundo em que estávamos antes da pandemia. Precisamos de mais democracia, mais solidariedade, mais Europa”. ...

Ler artigo
Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Roma (NEV), 4 de julho de 2022 – A “Escola para a Democracia”, promovida pela Valdensian Cultural Center Foundation e pelo Waldensian College, em colaboração com a Sapienza University, teve início ontem em Torre Pellice, nos vales valdenses, na província de Torino de Roma, Departamento de História Antropologia Religiões Artes Entretenimento, o Centro de Estudos Comparados, a Escola Política Tullio Vinay e a Comissão de Estudos da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. O senador foi o convidado do primeiro dia de posse Louis Manconique em seu discurso falou dos "direitos como elemento essencial de toda democracia", referindo-se ao direito à liberdade de pensamento, ao direito à proteção da pessoa - lembrando Stefano Cucchi – até o direito a um fim de vida digno. “Falando aos valdenses e com os valdenses. O protestantismo como religião da modernidade: o Espírito sopra onde se afirma a autonomia da consciência individual e a autodeterminação do sujeito”, escreveu Manconi posteriormente em um post. Hoje, 4 de julho, primeiro dia de estudos, com o MEP Lia Quartapelle E Marcos Ventura, da Universidade de Siena, intitulado "A soberania pertence ao povo". Aqui o programa completo da iniciativa, que se prolonga até 9 de julho. O projeto “Escola para a Democracia” foi criado para “criar um espaço de estudo e investigação para que as palavras voltem a ser expressões para contrariar as falsas verdades que geram impulsos racistas, soberanos e totalitários”, como se afirma na apresentação da iniciativa. ...

Ler artigo
SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

Foto de Laura Caffagnini Roma (NEV), 26 de julho de 2019 - A sessão de formação ecumênica 2019 na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis termina amanhã com o tema "Deus escolheu os pobres aos olhos do mundo (Tg 2, 5) . As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”, uma espécie de pesquisa ecumênica em duas edições, organizada pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Ontem o foco foi o “Deus dos pobres”. Durante uma celebração ecumênica envolvendo cerca de 200 participantes, migrantes, refugiados, sem-teto, mães que perderam seus filhos no Mediterrâneo e no deserto, prisioneiros em campos de detenção, que ainda estão no caminho para escapar da pobreza extrema. O tema do Deus dos pobres foi apresentado na manhã de meditação bíblica do padre bolonhês Mateus Prodi que comentou a passagem do Evangelho de Lucas sobre o chamado do rico Zaqueu, na verdade um pobre que procura ver Jesus ao entrar em Jericó. A seguir, conforme informa o comunicado da SAE, uma mesa redonda inter-religiosa cujo título foi inspirado em uma frase de Martinho Lutero: “Somos mendigos, isso é verdade”. Uma mesa para quatro vozes: judaica, Anna Foa, com intervenção remota; católico, Stephanie Monti; valdense, Paulo rico; muçulmano, Yassine Lafram. O teólogo valdense Paolo Ricca, decano do ecumenismo na Itália, relata novamente a SAE, comentando sobre Martinho Lutero, ele se deteve sobre a pobreza no sentido existencial, encontrando três sentidos para a afirmação do reformador: “Somos mendigos de sentido porque temos dificuldade de compreender . Tudo está envolto em mistério. Quanto mais prossigo e menos sei, mais o mistério se torna mais espesso. No final da vida, só Deus poderá iluminar o mistério”. Um segundo significado da frase de Lutero segundo Ricca é que o cristão é pobre em poder. Deus é o Deus dos pobres de poder, mas não no sentido mundano da palavra poder. Aqui está a ambivalência do discurso bíblico sobre o futuro. Por um lado, o próprio Jesus diz: “Todo o poder me foi dado”. Também é verdade que está escrito "Vocês receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês". E mesmo antes disso ele chamou seus discípulos para si e deu-lhes poder para expulsar os espíritos malignos. A outra promessa impressionante de Jesus mencionada por João é sobre o perdão dos pecados. Por outro lado, Jesus diz: "Sem mim nada podeis fazer". Estamos totalmente desamparados. Como sair dessa contradição? Ricca observa: “Não temos poder, mas temos o Espírito Santo e a Palavra, esta é a dialética. Não podemos fazer nada e podemos fazer tudo. Somos mendigos do poder de Deus em nós, estamos de mãos vazias”. Finalmente, “somos mendigos de graça, porque não temos mérito. A fé chegou até nós misteriosamente, 'contra' nós. Fomos levados cativos pela Palavra de Deus e aqui estamos. E nossas boas obras – como a zedaqah da qual falamos – foram preparadas por Deus para praticarmos. Os gestos de amor são uma iniciativa de Deus que nos introduz no reino da gratuidade onde já não há vanglória, arrogância ou orgulho. Porque 'aquele que se gloria, glorie-se no Senhor'”. Leia o comunicado de imprensa completo AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.