Despatriarcar o nome de Deus

Despatriarcar o nome de Deus

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – A sessão ecumênica de Camaldoli está na metade de seu curso. A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) dá a notícia em nota à imprensa. Na noite de terça-feira no claustro da igreja do mosteiro celebrou-se o culto de Santa Cena com a pregação da pastora Ilenya Goss, da Igreja Valdense de Mântua, animada por pastores, pastores e leigos e leigas de várias igrejas reformadas italianas. Estiveram presentes na assembleia os monges da comunidade camaldulense que acolhem a sessão na casa de hóspedes do mosteiro. “A Palavra nos constitui como uma assembléia que escuta”, disse Goss em seu sermão sobre a passagem final do Evangelho de Mateus em que Jesus convoca os discípulos antes de se separarem definitivamente, com a promessa “estou sempre com vocês, até o fim do idade “presente”. No mandato dado aos discípulos, geralmente definido como missionário e voltado para a conversão, na realidade existe um espírito completamente diferente, disse o pároco. “Jesus diz” vá para discípulo”: viver a vida de discípulo e chamar os outros a viver como discípulos, a entrar em relação com o Mestre. Fazer discípulos passa de discípulos para discípulos, mas apenas um é o Mestre. Somos chamados a compartilhar o dom recebido sem possuí-lo”. No final, uma arrecadação foi arrecadada e doada a um projeto para crianças em dificuldade em Burkina Faso através do irmão Enzo Biemmi.

A entrevista em streaming foi realizada na quarta-feira por sabina baralde Turim, com o teólogo valdense Paulo ricoligado de Roma, e o teólogo católico da Coordenação Teológica Italiana (Cti) Christine Simonelli, presente em Camaldoli na Sala del Landino. As perguntas iam além do título do encontro “Pai nosso que estais no céu”: como dizer Deus hoje”: qual é a relação entre a crescente necessidade de serenidade e paz e a busca de Deus, como resolver a dicotomia entre a dramática acontecimentos do mundo e o desejo de felicidade, o que significa fazer teologia nas periferias existenciais, qual a maior contribuição que as teologias femininas podem trazer à busca de Deus.

Para Paolo Ricca “buscar a Deus significa buscar a paz e a serenidade. Não devemos acreditar que a busca da paz seja evasiva, uma operação egoísta, mas vital. Claro que a busca de Deus não é só isso, mas também é isso. Não precisamos ter medo de buscar a Deus buscando essas coisas.” O pastor disse considerar o desejo de felicidade compatível na perspectiva reconciliada do mundo destinado à transfiguração. Nos tempos modernos, a felicidade foi incluída como um direito na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776. Na Bíblia, a felicidade é uma dádiva, não um direito. O Sermão da Montanha que diz “bem-aventurados”, isto é, felizes, está ligado ao Reino de Deus. A busca da felicidade em meio aos dramas cotidianos é legítima porque em tudo isso o Reino se aproximou.

Para Cristina Simonelli, ex-presidente do CTI, viver, como viveu por vinte e cinco anos, em um acampamento cigano “foi uma expansão de fronteiras. Reconhecer a todos como filhos, filhas, pais e mães. Não vivi como alternativa, não consigo distinguir minha vida, a graça que recebi por ter meus pés ali e a teologia da mulher. Um dos motivos de eu ter ido foi: “Quero testar se o ‘Pai Nosso’ vale”. Não me fiz a pergunta do pai e da mãe, mas do ‘nosso’. Eu vivi como uma promessa cumprida. Esse aspecto da oração do ‘Pai Nosso’ foi importante, uma palavra profética”.

A contribuição das teologias femininas em busca de Deus Simonelli a define com três elementos emprestados de um livro de sua colega Elisabeth Green: adulteração, profundidade, respeito. “A adulteração não é apenas perturbadora, mas também liberta as pessoas e as Escrituras. Respeito profundo pela Tradição sem deixar nada firme, capotando. Por respeito e obediência a adulteração, ou seja, abrir tudo e tentar liberar tudo. Liberte-se, passe pelos tratados teológicos e pela Escritura”.

Da oração do “Pai Nosso” o teólogo sublinhou que na versão de Mateus ela é introduzida pelo convite a não fazer como os pagãos, a não desperdiçar palavras. Uma poluição de palavras ocorreu na nomeação do pai que tem sido usada ao longo dos séculos para justificar o poder e o patriarcado. “Todo o poder no céu e na terra foi dado a Jesus, não a nós.” A palavra pai pode ser mantida, mas acompanhada de mãe. “É importante despatriarcar. A proclamação do evangelho eAbba falado por Jesus diz como entender pai e mãe. Pai não é o nome de Deus, mas é figura de relação, origem da vida e guarda, paterna e materna. Não queremos substituir a mãe pelo pai. Mantemos ambos, mantemos a complexidade das diferenças entre homens e mulheres e também entre confissões. Poderemos afirmar a riqueza da comunhão como diferenças reconciliadas e reconvertidas pelo verme originário da hierarquia”.

À tarde, os participantes da sessão subiram até a Sagrada Ermida para uma visita guiada pelo prior. A noite foi dedicada à memória do fundador do Sae, Maria Vingianicom depoimentos da neta Francesca Vingiani e de colaboradores e colaboradoras.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

igrejas européias.  Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

igrejas européias. Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

Roma (NEV), 6 de julho de 2020 - Haverá também o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroentre os palestrantes da 7ª edição da "Escola de verão" sobre direitos humanos organizada pela Conferência das Igrejas da Europa (KEK) juntamente com a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). O título desta edição, que decorrerá de 7 a 10 de julho de 2020 em modo online, é: “Os desafios para os direitos humanos em tempo de covid-19”. O Presidente Negro participará da primeira sessão do segundo dia, quarta-feira, 8 de julho, sobre o tema dos desafios para as igrejas da CEC no momento do coronavírus, especificamente na área de liberdade de religião ou crença e outras direitos fundamentais. “Nos países democráticos da Europa – lê-se no programa da manhã – a democracia, os direitos humanos e o estado de direito são administração ordinária. Em tempos normais, o direito à liberdade de religião ou crença é um dado adquirido pela maioria das pessoas na Europa. Durante a pandemia, os governos europeus reagiram de várias maneiras, limitando o direito à liberdade de religião ou crença. Algumas tradições, como a ortodoxa (relativa à prática milenar da "colher compartilhada" para receber a comunhão), levantaram questões sobre se a comunhão é uma fonte de saúde ou doença. Em algumas tradições protestantes, a adaptação a novas formas de culto tem se mostrado difícil”. Em 3 webinars, diferentes igrejas do CEC apresentarão suas experiências e reações, em relação à liberdade de religião ou crença, e como vários países europeus tentaram derrogar as normas de direitos humanos, para investigar as consequências. O pároco da EKD moderará o debate Patrick Schnabel com Kieryn Wurtsda Federação Batista Europeia (EBF). Além do pastor Luca Negro, que participará pela Itália, estará presente o pastor Christian KriegerPresidente do CEC, da França; Emanuel-Pavel Tavala Da Romênia; o bispo da Igreja Evangélica Católica Apostólica Lusitana de Portugal Jorge Pina CabralPresidente do Conselho Português das Igrejas Cristãs (COPIC), o pároco Daniel Topalskida Igreja Metodista Unida na Bulgária. A Escola de Verão CEC sobre Direitos Humanos ocorre em um local europeu diferente a cada ano. Este ano decorrerá em modo online devido à pandemia de covid-19. Esta escola de verão é implementada com contribuições das igrejas membros do CEC e apoiada pela Arquidiocese Ortodoxa Grega de Tiateira e Grã-Bretanha. Baixe o programa completo aqui: ...

Ler artigo
Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
No Sínodo o encontro dos “ex-jovens” da FGEI

No Sínodo o encontro dos “ex-jovens” da FGEI

Torre Pellice (TO), 25 de agosto de 2022 – “Tínhamos 20 anos nos anos 80, 30 anos nos anos 90. Todas e todos diferentes *mas com algo que nos unia e ainda nos une: a busca da fé, capaz de incluir a todos*, vivida no protestantismo histórico e a busca da justiça global. Os resultados depois de tantos anos parecem poucos, mas a caminhada nos tornou testemunhas de esperança”. A pastora valdense de Milão escreveu em um post no Facebook Daniela DiCarloteólogo, comentando a foto com um grupo de "ex-jovens" pertencentes à Federação Juvenil Evangélica da Itália, que se reuniram nestes dias por ocasião da Assembleia do Sínodo em Torre Pellice. “Depois de tantos anos foi possível graças à Assembleia-Sínodo que pudemos encontrar pessoas que foram muito ativas e militantes na FGEI a partir dos anos 1970, portanto várias gerações que se reuniram. Foi muito emocionante, tinha gente que eu não via há quarenta anos, porque nos perdemos de vista ou porque estamos distantes geograficamente. E foi bom não só relembrar todo o caminho percorrido juntos, mas também descobrir que esse vínculo ainda nos mantém unidos, nos motiva a ser atuantes nas igrejas, cada um à sua maneira. Cada um faz coisas diferentes, tem quem está nos conselhos das igrejas, nos consistórios, tem quem fica responsável por abrir e fechar as dependências, mas continuamos todos muito ativos nas igrejas”. Era também um espaço muito político…” Certamente, e afinal o slogan “Outro mundo é possível” foi o que nos manteve unidos mesmo estando dispersos. Mas essa esperança ainda existe." Pastora Daniela Di Carlo A FGEI é uma federação formada por jovens de toda a Itália. De fato, o nome vem da "Federação da Juventude Evangélica na Itália" e tem como objetivo reunir jovens e moças que reconhecem em sua vocação o testemunho de fé em Jesus Cristo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.