Despatriarcar o nome de Deus

Despatriarcar o nome de Deus

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – A sessão ecumênica de Camaldoli está na metade de seu curso. A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) dá a notícia em nota à imprensa. Na noite de terça-feira no claustro da igreja do mosteiro celebrou-se o culto de Santa Cena com a pregação da pastora Ilenya Goss, da Igreja Valdense de Mântua, animada por pastores, pastores e leigos e leigas de várias igrejas reformadas italianas. Estiveram presentes na assembleia os monges da comunidade camaldulense que acolhem a sessão na casa de hóspedes do mosteiro. “A Palavra nos constitui como uma assembléia que escuta”, disse Goss em seu sermão sobre a passagem final do Evangelho de Mateus em que Jesus convoca os discípulos antes de se separarem definitivamente, com a promessa “estou sempre com vocês, até o fim do idade “presente”. No mandato dado aos discípulos, geralmente definido como missionário e voltado para a conversão, na realidade existe um espírito completamente diferente, disse o pároco. “Jesus diz” vá para discípulo”: viver a vida de discípulo e chamar os outros a viver como discípulos, a entrar em relação com o Mestre. Fazer discípulos passa de discípulos para discípulos, mas apenas um é o Mestre. Somos chamados a compartilhar o dom recebido sem possuí-lo”. No final, uma arrecadação foi arrecadada e doada a um projeto para crianças em dificuldade em Burkina Faso através do irmão Enzo Biemmi.

A entrevista em streaming foi realizada na quarta-feira por sabina baralde Turim, com o teólogo valdense Paulo ricoligado de Roma, e o teólogo católico da Coordenação Teológica Italiana (Cti) Christine Simonelli, presente em Camaldoli na Sala del Landino. As perguntas iam além do título do encontro “Pai nosso que estais no céu”: como dizer Deus hoje”: qual é a relação entre a crescente necessidade de serenidade e paz e a busca de Deus, como resolver a dicotomia entre a dramática acontecimentos do mundo e o desejo de felicidade, o que significa fazer teologia nas periferias existenciais, qual a maior contribuição que as teologias femininas podem trazer à busca de Deus.

Para Paolo Ricca “buscar a Deus significa buscar a paz e a serenidade. Não devemos acreditar que a busca da paz seja evasiva, uma operação egoísta, mas vital. Claro que a busca de Deus não é só isso, mas também é isso. Não precisamos ter medo de buscar a Deus buscando essas coisas.” O pastor disse considerar o desejo de felicidade compatível na perspectiva reconciliada do mundo destinado à transfiguração. Nos tempos modernos, a felicidade foi incluída como um direito na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776. Na Bíblia, a felicidade é uma dádiva, não um direito. O Sermão da Montanha que diz “bem-aventurados”, isto é, felizes, está ligado ao Reino de Deus. A busca da felicidade em meio aos dramas cotidianos é legítima porque em tudo isso o Reino se aproximou.

Para Cristina Simonelli, ex-presidente do CTI, viver, como viveu por vinte e cinco anos, em um acampamento cigano “foi uma expansão de fronteiras. Reconhecer a todos como filhos, filhas, pais e mães. Não vivi como alternativa, não consigo distinguir minha vida, a graça que recebi por ter meus pés ali e a teologia da mulher. Um dos motivos de eu ter ido foi: “Quero testar se o ‘Pai Nosso’ vale”. Não me fiz a pergunta do pai e da mãe, mas do ‘nosso’. Eu vivi como uma promessa cumprida. Esse aspecto da oração do ‘Pai Nosso’ foi importante, uma palavra profética”.

A contribuição das teologias femininas em busca de Deus Simonelli a define com três elementos emprestados de um livro de sua colega Elisabeth Green: adulteração, profundidade, respeito. “A adulteração não é apenas perturbadora, mas também liberta as pessoas e as Escrituras. Respeito profundo pela Tradição sem deixar nada firme, capotando. Por respeito e obediência a adulteração, ou seja, abrir tudo e tentar liberar tudo. Liberte-se, passe pelos tratados teológicos e pela Escritura”.

Da oração do “Pai Nosso” o teólogo sublinhou que na versão de Mateus ela é introduzida pelo convite a não fazer como os pagãos, a não desperdiçar palavras. Uma poluição de palavras ocorreu na nomeação do pai que tem sido usada ao longo dos séculos para justificar o poder e o patriarcado. “Todo o poder no céu e na terra foi dado a Jesus, não a nós.” A palavra pai pode ser mantida, mas acompanhada de mãe. “É importante despatriarcar. A proclamação do evangelho eAbba falado por Jesus diz como entender pai e mãe. Pai não é o nome de Deus, mas é figura de relação, origem da vida e guarda, paterna e materna. Não queremos substituir a mãe pelo pai. Mantemos ambos, mantemos a complexidade das diferenças entre homens e mulheres e também entre confissões. Poderemos afirmar a riqueza da comunhão como diferenças reconciliadas e reconvertidas pelo verme originário da hierarquia”.

À tarde, os participantes da sessão subiram até a Sagrada Ermida para uma visita guiada pelo prior. A noite foi dedicada à memória do fundador do Sae, Maria Vingianicom depoimentos da neta Francesca Vingiani e de colaboradores e colaboradoras.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

23 de abril.  Igrejas e visões de mundo, a União Batista relança seu futuro

23 de abril. Igrejas e visões de mundo, a União Batista relança seu futuro

46ª Assembleia Geral da União Evangélica Batista Cristão da Itália (UCEBI), 23 de abril de 2022. Um momento da liturgia da manhã Pomezia (NEV/CS10), 23 de abril de 2022 – A mesa redonda sobre "Igrejas e visões do mundo: 'O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça' (Martin Luther King)”. As intervenções estão previstas Alexandre Portelli, Igiaba Scego, Raffaele Volpe, Silvia Rapisarda; moderado Alberto Annarilli. O encontro é organizado no âmbito do 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), a decorrer em Pomezia (Roma) até 25 de abril. A mesa redonda representa o momento “público” que acompanha o trabalho programático das igrejas pertencentes à UCEBI. O trabalho da Assembleia – atualização A Assembleia está discutindo os trabalhos do Comitê Executivo e definindo compromissos futuros. Nesta tarde trabalhamos em grupos temáticos: pluralidade de ministérios e igrejas locais. Missão interna e pregação. Dinâmicas de violência e guerra nas igrejas e na sociedade. Solidariedade das igrejas. Intercultura. Entre o destaques da Assembleia houve a apresentação de três jovens ministros de adoração: Francesca Brigapároco probatório em Lentini (Siracusa); Simone De Giuseppeem julgamento em Gravina e Altamura na cidade metropolitana de Bari e Nicolau Laricchio, em julgamento em Rovigo. As eleições para os novos órgãos sociais estão marcadas para amanhã. Além disso, está prevista a aprovação de uma moção programática. Transforme a visão, transforme as ações. A pregação de Francesca Litigio Francesca Litigio abriu o dia de hoje com um sermão que costurou com fio vermelho a transfiguração de Jesus, do Evangelho de Lucas, o visconde de Italo Calvino, o realismo mágico e a história do batismo em geral, a partir da igreja de Lentini, na Sicília. Uma história de fé que perdura até hoje. “A visão da glória de Deus estava presente nos dias em que nossas igrejas trabalhavam para construir espaços para meninos e meninas órfãos da guerra ou filhos de famílias muito pobres para criá-los – disse Litigio -. A visão da glória de Deus esteve presente nos dias em que marchamos juntos contra a militarização de nossas terras, a apropriação de mísseis e a posse de armas. Ela esteve presente nas cidades onde nossas irmãs e irmãos construíram redes de solidariedade para mulheres vítimas de abuso, de violência, vítimas de prostituição. E quando tivemos a coragem de ir mais longe no nosso horizonte e começamos a partilhar os nossos frutos com os homens e mulheres do Zimbabwe”. O jovem ministro também mencionou Martin Luther King, pastor batista e ganhador do Prêmio Nobel da Paz: “Pensamos muito em King e sim, naquele momento, naquele movimento, aquelas pessoas foram inundadas com a glória de Deus, podendo acreditar na transformação mesmo em meio ao impossível e que visão, essa fé é o que deu a ele e a todo o movimento a força para continuar! Hoje: O capitalismo que alimenta as guerras na Síria, no Iêmen, na Ucrânia, quebra a glória de Deus no mundo. A mais infame miséria da pobreza dos rejeitados em fuga sufoca a glória de Deus.A violência do patriarcado contra as mulheres destrói a glória de Deus.O esquecimento dos corpos afogados no Mediterrâneo traz trevas sobre a glória de Deus. As imagens brutais de mortos inocentes tentam sufocar o sopro vital do Espírito que fala da glória de Deus através de nós”. As batalhas, segundo Litigio, ainda não acabaram. “Se não formos nós a juntar as peças, a acreditar na capacidade do amor de Deus para transfigurar a realidade, quem o fará?”. A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta saúda a 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) Saudações e mensagens institucionais Entre os convidados que trouxeram suas saudações, o moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta e don Juliano SavinaDiretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI). O Diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana, P. Giuliano Savina, saúda a 46ª Assembleia Geral da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI) Além disso, esta manhã a delegada da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) falou, Laura Nittie o secretário da Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI), Annapaola Carbonato. Ontem, porém, eles trouxeram suas saudações, assim como o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) Daniele Garronetambém presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Mirella Manocchioo presidente da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) Stephen Paris e o presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP) carmim napolitano. ...

Ler artigo
Federação das Igrejas Evangélicas, novo Presidente e Conselho eleitos

Federação das Igrejas Evangélicas, novo Presidente e Conselho eleitos

Roma (NEV/CS28), 30 de outubro de 2021 – A XX Assembleia da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) elegeu hoje, sábado, 30 de outubro, o novo presidente e o novo Conselho da FCEI. Daniele Garrone O novo presidente é Daniele Garronenascido em 1954, pastor valdense, desde 1988 professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense, ex-membro do Conselho da FCEI nos últimos três anos. Além do presidente, o Conselho é composto por: Richard Kofi Ampofo (Metodista), Maria Antonieta Caggiano (luterana), Pedro Ciaccio (Metodista), Free Ciuffreda (valdense), Sara Comparatti (batista), Luca Longo (Exército da Salvação). “Por um lado, as tarefas da Federação são dadas e as linhas de compromisso definidas – declara Daniele Garrone -. Teremos que "dar conta da esperança que há em nós" (1 Pedro 3:15), "abrir a boca em favor do mudo, em defesa de todo o desamparado" (Prov 31:8), "buscar o bem da cidade" (Jr 29.7). É o que tentamos fazer com a nossa reflexão e com a nossa testemunhocom o serviço e projetos para i migrantesnossa presença no espaço públicoo compromisso com eu direitos e para proteção deambiente. Trata-se de continuar este caminho, em tempos difíceis, para as nossas igrejas e para o país, guiados por uma visão que não é uma fantasia nossa, mas um dom que recebemos”. Hoje, sábado, 30 de outubro, a eleição foi realizada na igreja luterana da via Sicilia, em Roma, na sequência da constituição da XX Assembleia da FCEI e da primeira reunião do novo Conselho da FCEI. Pela manhã também foi realizada uma mesa redonda pública, intitulada "Diferentes vozes, desafios comuns", da qual participaram Emanuela Del ReRepresentante Especial da UE para o Sahel, Daniele GarroneFaculdade Valdense de Teologia, Shahrzad Houshmand Zadehteólogo muçulmano, Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade de S. Egidio, Yassine Laframpresidente da União das comunidades e organizações islâmicas na Itália (UCOII), Marco TarquínioDiretor de vir, Lia Tagliacozzoescritor e jornalista (vídeo mensagem), Cláudio ParavatiDiretor de comparar, como moderador do debate. A reunião foi encerrada com uma meditação do presidente cessante da FCEI, pároco Luca Maria Negro. A Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), nascida em 1967, é uma estrutura aberta, a serviço de todo o evangelicalismo italiano. Reúne as denominações “históricas” do protestantismo italiano e algumas igrejas da área pentecostal-carismática. No geral, uma população de cerca de 65.000 pessoas.Os membros fundadores da FCEI são a União Batista Evangélica Cristã (UCEBI), a Igreja Valdense, a Igreja Metodista, a Igreja Luterana, a comunidade ecumênica de Ispra-Varese (posteriormente incorporada à Igreja Luterana). Nos anos seguintes à sua fundação, o Exército de Salvação, a Comunhão das Igrejas Livres, a Igreja Apostólica Italiana e a comunidade da Igreja de Santo André da Escócia se juntaram à Federação. Também participam da Federação como “observadores” a União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) e a Federação das Igrejas Pentecostais (FCP); enquanto a Igreja Cristã de Rho (MI) é um "membro aderente". ...

Ler artigo
Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Li-An Lim, não salpique Roma (NEV), 5 de julho de 2022 – Em novembro de 2021, um grupo de jovens ativistas se reuniu durante a COP26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em Glasgow, para explorar possibilidades de trabalho conjunto rumo à COP27 a ser realizada no Egito. Durante estes encontros, explicam os promotores, “percebeu-se um forte sentido de energia e entusiasmo em juntar esforços para ter um maior impacto nas questões relacionadas com a justiça climática”. Este grupo de ativistas de várias denominações, organizações e países reunia-se regularmente para dar forma à campanha “Clima SIM”. “Como jovens ativistas climáticos cristãos, com idades entre 18 e 30 anos, sentimos a necessidade de responsabilizar os líderes políticos pelas decisões e promessas feitas na COP26. Ao nos unirmos, queremos compartilhar nossas preocupações ambientais e aprofundar o vínculo comum de nossa fé. Queremos criar uma comunidade climática jovem ecumênica global, que incluirá representantes do Norte e do Sul globais. Refletiremos sobre COPs anteriores (Cúpulas do Clima da ONU) e COY (Conferência do Clima para Jovens) e falaremos conjuntamente com uma voz global para representantes políticos sobre o que acreditamos que precisa ser feito no futuro. Queremos criar uma plataforma ecumênica global da juventude sobre o clima, incluindo representantes de todos os continentes, do Norte global e do Sul global”, explica ele. Irene Abbragerente de projetos internacionais na Itália, ex-pessoa de contato do projeto Young Methodist para a COP26. Em preparação para a COP27 que este ano será realizada no Egito, em Sharm El-Sheikh, de 7 a 18 de novembro de 2022, na qual se espera a participação do Climate YES, a coordenação da campanha está organizando eventos em todos os continentes: Europa, África, Ásia, Ilhas do Pacífico, América do Norte e América do Sul. Nos dias 16 e 17 de setembro de 2022 (o programa seguirá em breve), o evento nacional italiano será realizado em Milão, na Chiesa del Carmine, que será conectado simultaneamente com os outros eventos que ocorrerão na Europa e na África. O evento ecumênico envolve o envolvimento de organizações juvenis evangélicas e católicas e estará aberto à participação intergeracional e leiga. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.