Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Capa da Revisão Anual do WCC 2021. Foto: WCC

Roma (NEV), 4 de maio de 2022 – “Não devemos ter medo, não devemos nos desesperar quando vemos o que está acontecendo em nosso mundo hoje, mas enfrentá-lo com coragem”. Com estas palavras, Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), apresenta o relatório anual da organização, publicado ontem, 3 de maio, no site oikoumene.org.

Em particular, o texto traça o compromisso das igrejas protestantes pela paz na Ucrânia, de 24 de fevereiro até hoje.

“Tendo visto o impacto do conflito nos rostos dos refugiados que chegam aos países vizinhos e estando cientes da situação e dos perigos para os civis ainda presos e incapazes de fugir, enfatizamos fortemente a necessidade urgente de corredores humanitários eficazes e seguros para permitir a população para fugir dos combates”, continua a nota.

Antes da escalada do conflito na Ucrânia, em 2021, a comunidade do Conselho Mundial de Igrejas “reuniu-se em oração de forma inédita”, prossegue Sauca, referindo-se às mudanças impostas pela pandemia.

“Acredito que Deus ouviu nossas orações. Pedimos a Deus coragem e sabedoria. Confiávamos na promessa de Deus de vencer qualquer coisa que surgisse em nosso caminho. E passamos por muita coisa. Perdemos muitas pessoas na família ecumênica devido ao Covid19 e além. Em meio a essa tristeza, talvez até por causa dessa tristeza, cresceu um novo compromisso de compaixão ativa uns pelos outros. Se a pandemia atingiu todas as regiões do nosso planeta, também revelou nossa inesperada vulnerabilidade e interdependência”, conclui o secretário-geral do CMI.

Aqui o texto completo do relatório anual do Concílio Ecumênico.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

é preciso manter a antevisão do olhar

é preciso manter a antevisão do olhar

Foto Elvis Bekmanis - Unsplash Roma (NEV), 16 de maio de 2022 – Existem remédios para o mal, o terror, as emergências, a dor? Nós perguntamos Frederico Vercellone, Professor de Estética na Universidade de Torino e Presidente do Centro Cultural Protestante. Vercellone moderou a reunião final da conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia”, realizada recentemente na capital piemontesa. “Como reconhecer e vencer o mal? Existe a capacidade intelectual e ética de olhar além da emergência contínua. É preciso manter a antevisão do olhar”, diz Federico Vercellone. É um processo que afeta tanto a política quanto a cultura, segundo o professor. “Não devemos nos deixar cegar todas as vezes pela crise atual, por mais grave que seja, mas sim ver a concatenação de causas e efeitos. As consequências. O contexto”, continua Vercellone. Talvez precisemos de “uma política capaz de observar quanto e como mudam os hábitos das pessoas. Como as necessidades mudam. Precisamos de verde, de tempo, ainda que estejamos numa época em que o tempo livre aumenta num espaço cada vez menos rico. Devemos nos insinuar nesses espaços e direcionar as perguntas das pessoas que caminham, ou deveriam caminhar, rumo à felicidade e ao desejo. Com o objetivo de realmente entender o que eles querem, por que e como. Mantendo a complexidade diante dos olhos”. O discurso não se aplica apenas à política. Também deveria se aplicar às religiões: “Estamos surpresos que as igrejas estejam vazias. No entanto, como disse o teólogo Paulo rico, os cristãos estão muito abaixo de seus deveres. Se você se torna o corpo de Cristo, deve compartilhar a violência. Nisso, da nossa parte, há uma certa fragilidade a ter em conta”. citações de Vercellone Charlotte Klonk e o livro deleTerror. Wenn Bilder zu Waffen werden” (Ed. Fischer, 2017), sobre imagens de terror que assumem o poder das armas. A representação do terror nos impressiona. No entanto, diz Vercellone, "o mais chocante não são as imagens fotográficas ou de vídeo, mas os esboços feitos em 1800 por testemunhas oculares emocionalmente condicionadas". O risco, diante da exasperação do mal, é o do vício. Vercellone, portanto, retoma não apenas o conceito de uma "política do desejo", mas também o de uma "ecologia da imagem". Novamente, pensando na obra de Klonk, precisamos de uma “revisão dos aspectos edificantes ou tóxicos” de nossa convivência com as imagens”. Temos que decidir com o que queremos viver e o que rejeitar. O professor ainda fala sobre a conferência e menciona outro livro, o de Lucas Savarino E Paolo Vineis "A saúde do mundo: meio ambiente, sociedade, pandemias" (Feltrinelli, 2021). Vinais e Savarino abordaram o tema da epidemia “como um elemento um tanto crônico de nosso tempo, também fortemente ligado à crise ambiental. Intervir na questão ambiental - diz Vercellone - é uma prioridade. Diante das crises gravíssimas da covid e das guerras, estamos tão sobrecarregados com as contingências que não conseguimos enxergar além da perspectiva de curto alcance das emergências. Mas o mundo não para. Se não percebemos a crise ambiental em curso, somos míopes. Devemos nos concentrar na complexidade dos problemas e não nos deixar cegar pela urgência. Devemos aprender a intervir nos fatores fundamentais. Do contrário, e não digo isso por cinismo, mas eticamente, viveremos uma crise perene, sem perspectivas”. As outras intervenções Vercellone volta a resumir alguns conceitos que surgiram durante a conferência: “Existe a possibilidade de reconhecer o mal como covardia ou como a incapacidade dos indivíduos de assumir responsabilidades e riscos, como ilustrado Pepino Ortoleva. Falando do Antropoceno, Christoph Wulf ele relatou como o mundo da arte é sensível a essa questão. Teólogos e filósofos falam pouco com artistas. E os artistas quase têm medo de usar palavras com este mundo. Em vez disso, seria importante criar vínculos, evidências dessa transformação que está ocorrendo na comunidade, em torno de valores a serem redefinidos”. Houve também as intervenções do pastor valdense Sérgio Manácapelão hospitalar e formador de cuidados clínicos e pastorais Enzo Bianchi sobre o enigma do mal na história do cristianismo. Dos teólogos Fulvio Ferrario e Eric Noffke. Ainda, Ariel Di Porto sobre as declinações do mal na tradição judaica. Swamini Hamsananda Giri sobre Dharma, adharma e a finitude do mal. John Balcet sobre o mercado, o poder e o mal na economia. Clare Simonigh sobre a lógica do mal na cultura visual e na mídia. O debate final, moderado pelo próprio Vercellone, contou com a participação de Simon Strong sobre “Qual é o sentido de falar sobre o mal hoje?”. Cláudio Ciancio sobre “Remoção e reconhecimento do mal". Daniele Garrone sobre "Como falar do mal sem simplificações e sem argumentar". Carlo Galli: sobre “Que mal para que política?”. Falou-se da manipulação da dor, do mal como ausência de regras, dos aspectos jurídicos, políticos e econômicos das desigualdades e injustiças, da espiritualidade e da ética. Mauro Belcastro, Maria Bonafede, Paolo Ribet e o próprio Vercellone moderaram A conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia” aconteceu de 5 a 7 de maio em Turim. Esta conferência nasceu de uma intuição do pastor Paulo RibetPresidente do Comitê Científico do Centro Cultural Protestante de Turim. Para saber mais Na página do FaceBook do Centro Cultural Protestante de Turim: as gravações da conferência, os comentários em vídeo dos protagonistas dos três dias e muito mais. Clique aqui. Abaixo, o comentário de Federico Vercellone. Abaixo do vídeo, o artigo de Emmanuela Banfo no Riforma.it Leia o artigo de Emmanuela Banfo em Riforma.it: A doença é combatida, os doentes são curados ...

Ler artigo
Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Anne Frank e Etty Hillesum, dois diários comparados

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – Os diários de dois extraordinários escritores e testemunhas da Shoah, Anne Frank E Etty Hillesum, estará no centro de uma iniciativa para o Dia da Memória, que se celebra a 27 de janeiro. A sessão pública, que contará com a presença do Prof. Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, e Lia Tagliacozzoescritor, acontecerá em Roma, na igreja metodista na via XX Settembre 122, às 18h30. Para saber mais: ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.