O G20 das religiões – Nevada

O G20 das religiões – Nevada

Foto de Joshua Eckstein, unsplash

Roma (NEV), 13 de setembro de 2021 – O “G20 das religiões”, o Fórum Inter-religioso, está em andamento em Bolonha, no qual numerosos líderes políticos, ministros, membros de igrejas e, entre eles, também vários representantes das comunidades protestantes de todo o mundo.

Qual é o significado desta nomeação – que o NEV lhe contará mais nos próximos dias, através de entrevistas a alguns dos protagonistas?

“Esse G20 de religiões – explica o professor Paulo Naso, coordenador da comissão de estudos de diálogo e integração da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que moderou esta tarde uma sessão temática sobre migrantes e refugiados – confirma a ideia de que o diálogo inter-religioso vai além das fronteiras das religiões. Ou seja, torna-se pré-requisito essencial para a construção de políticas de inclusão, integração e proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, pede-se também um novo empenho às comunidades de fé, chamadas a sair de seus particularismos para dar vida a projetos concretos de acolhida e integração, como, por exemplo, os corredores humanitários. Mas numa época em que os direitos fundamentais são violados em tantas partes do mundo e grupos inteiros são perseguidos por motivos de natureza política, religiosa ou de gênero, seria realmente importante um compromisso compartilhado pelas várias comunidades de fé para, ao contrário, afirmar a importância da uma plataforma comum para defender os direitos de todos os homens e mulheres”.

A cerimônia de encerramento do fórum está marcada para amanhã, terça-feira, 14 de setembro, às 16h, no Palazzo Re Enzo, na capital da Emilia. Participará o Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghiserá presidido por Romano Prodiex-presidente da Comissão Europeia, com as saudações finais, entre outras, do Cardeal e Arcebispo de Bolonha, Mateus Maria Zuppi. eles vão intervir Elly Schlein, Vice-presidente da Região Emilia-Romagna; Rav Richard Di SegniRabino Chefe de Roma; Mohamed Abdel-SalamSecretário Geral da Comissão Superior da Fraternidade Humana; Najla Kassab AbouusawanPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; Bernard SpitzPresidente dos Assuntos Europeus e Internacionais da MEDEF; Antonio Tajaniex-presidente da Comissão Europeia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2020 - A Comunidade Valdense de Verona, no dia em que recorda a concessão de direitos civis aos valdenses e judeus com a Carta Real Patente anexada ao Estatuto Albertino, a primeira Carta Constitucional italiana, expressa sua solidariedade e proximidade com a comunidade judaica de Verona. "Os recentes acontecimentos em Verona, a proposta de batizar uma rua com o nome de Giorgio Almirante, os cantos racistas dos torcedores de futebol, os chapéus com a estilização de Hitler e o crescente ressurgimento do anti-semitismo nos preocupam", diz o comunicado do Conselho de a Igreja Valdense de Verona assinada pela pastora Laura Testa. “Acreditamos que não é possível esquecer os crimes hediondos e atrozes ocorridos durante o Holocausto e que a Memória dos Horrores é indispensável para que fique um alerta claro para que tais crimes nunca mais voltem a acontecer”. A Comunidade Valdense espera também que, como em outras cidades da Europa e do mundo, também em Verona se possa estabelecer “um Museu da Memória ou uma instalação permanente como advertência e memória perpétua”. ...

Ler artigo
COP27.  Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

COP27. Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

Imagem de arquivo, evento #FridayForFuture 2019 - Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) foi concluída. Realizada em Sharm el-Sheikh, no Egito, a conferência parece ter dado alguns passos à frente e muitos passos para o lado. Em suma, não difere muito das sessões anteriores em Paris e Glasgow. "A COP 27, observando o comportamento e os discursos dos grandes do mundo, não traz nada de novo", declarou Maria Elena Lacquaniti. Lacquaniti é coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Comportamentos que se repetem, como o da China que consegue sempre fugir aos compromissos formais. Compromissos irrisórios, como o assumido pela América pela voz de seu presidente (depois dos anos anteriores de obscurantismo). $ 150.000.000 para os esforços de adaptação da África não parece ser um grande salto de generosidade em comparação com o quanto a América dá em armas e ajuda a uma única nação como a Ucrânia. Além disso, como denuncia o jovem ativista ugandense Vanessa Nakatenão pode ser muito eficaz uma conferência onde há proibição de manifestação e a liberdade de expressão crítica é amordaçada”, continuou Lacquaniti. Dar espaço aos países em desenvolvimento do “G77” Alguns sinais, no entanto, chegaram. "Apesar destas iniciativas pouco promissoras, o positivo é que o fundo de perdas e danos foi constituído e está a cargo de uma comissão de transição que, até ao final de 2023, vai comunicar quem terá de pagar e a quem - voltou a referir. o coordenador do GLAM –. O que é um pouco questionável é que o Egito vai liderar esse comitê, que ainda não respeitou os acordos feitos pessoalmente na COP de Paris e que tem um dos campos de gás mais importantes. Mais positivo ainda é que cada vez mais espaço (e Deus me livre se for o contrário) está sendo dado aos representantes do G77, países em desenvolvimento e vulneráveis, liderados pelo ministro paquistanês Sherry Rehman que conseguiu obter, com o apoio da UE, a compensação histórica". A voz dos vulneráveis ​​que tira a máscara dos grandes poluidores O papel feminino é fundamental, segundo Lacquaniti: “Mais uma mulher foi aplaudida de pé. O primeiro-ministro de Barbados Mia Mottley, que mostrou, contas em mãos, que um imposto de 10% sobre os lucros de grandes empresas de combustíveis fósseis contribuiria com US$ 37 bilhões para o financiamento climático, apenas nos primeiros nove meses de 2022”. E concluiu: “Tenho vontade de dizer que a voz dos vulneráveis ​​está cada vez mais forte e a máscara está caindo da cara dos grandes poluidores, atacados por baixo, por políticos e ativistas que lutam com seu próprio povo para dar uma voz para todos os países frágeis devido à pobreza e à vulnerabilidade climática. São, sem dúvida, vencedores. Agora cabe-nos trabalhar para que o que conseguimos seja bem sucedido, estando vigilantes e trabalhando (parece um leitmotivmas não é) com todas as forças à nossa disposição, individual e coletivamente". Compromisso juvenil: pelas igrejas, pelo clima Muitas organizações religiosas participaram dos trabalhos, com iniciativas paralelas e como observadores. Da Itália foi registrado Irene Abbraembaixador do clima do Conselho Metodista Europeu, bem como representante da campanha global Climate YES liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Em uma extensa reportagem sobre Riforma.it, Irene Abra escreve: “Além dos jovens do constituição das Nações Unidas é importante sublinhar a presença de vários activistas de Clima SIM. […] anglicanos verdesFederação Luterana Mundial, Christian Aid, Tearfund, All Africa Conference of Churches e ActAlliancefizeram um grande trabalho no Egito, assim como nas diferentes confissões religiosas". A COP27, explica o jovem ativista, “concluída após inúmeras interrupções e adiamentos do plenário”. Um empurra e puxa representativo das dificuldades que esta nomeação enfrenta há anos. “A decisão final da COP27 não é das mais satisfatórias e às vezes parece muito generalista e nada ambiciosa”, diz Irene Abra. De fato, apesar da criação do Provisão para perdas e danos (Perda e Danos), “importante ponto de inflexão” ao colocar na agenda política mundial, pela primeira vez, a questão da assistência financeira a favor dos países em desenvolvimento “para salvar e reconstruir as infraestruturas físicas e sociais devastadas por fenômenos meteorológicos extremos”, há ainda muito a fazer. Depois, há a questão do “financiamento climático”, um dos objetivos que faltam nesta COP. E o "buraco na água" dos compromissos nacionais, atualizado por 33 países em 200. Faltam 167 nações. Assim como faltam os compromissos de redução de combustíveis fósseis e os de mitigação. Leia a reportagem de Irene Abra no Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.