O G20 das religiões – Nevada

O G20 das religiões – Nevada

Foto de Joshua Eckstein, unsplash

Roma (NEV), 13 de setembro de 2021 – O “G20 das religiões”, o Fórum Inter-religioso, está em andamento em Bolonha, no qual numerosos líderes políticos, ministros, membros de igrejas e, entre eles, também vários representantes das comunidades protestantes de todo o mundo.

Qual é o significado desta nomeação – que o NEV lhe contará mais nos próximos dias, através de entrevistas a alguns dos protagonistas?

“Esse G20 de religiões – explica o professor Paulo Naso, coordenador da comissão de estudos de diálogo e integração da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que moderou esta tarde uma sessão temática sobre migrantes e refugiados – confirma a ideia de que o diálogo inter-religioso vai além das fronteiras das religiões. Ou seja, torna-se pré-requisito essencial para a construção de políticas de inclusão, integração e proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, pede-se também um novo empenho às comunidades de fé, chamadas a sair de seus particularismos para dar vida a projetos concretos de acolhida e integração, como, por exemplo, os corredores humanitários. Mas numa época em que os direitos fundamentais são violados em tantas partes do mundo e grupos inteiros são perseguidos por motivos de natureza política, religiosa ou de gênero, seria realmente importante um compromisso compartilhado pelas várias comunidades de fé para, ao contrário, afirmar a importância da uma plataforma comum para defender os direitos de todos os homens e mulheres”.

A cerimônia de encerramento do fórum está marcada para amanhã, terça-feira, 14 de setembro, às 16h, no Palazzo Re Enzo, na capital da Emilia. Participará o Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghiserá presidido por Romano Prodiex-presidente da Comissão Europeia, com as saudações finais, entre outras, do Cardeal e Arcebispo de Bolonha, Mateus Maria Zuppi. eles vão intervir Elly Schlein, Vice-presidente da Região Emilia-Romagna; Rav Richard Di SegniRabino Chefe de Roma; Mohamed Abdel-SalamSecretário Geral da Comissão Superior da Fraternidade Humana; Najla Kassab AbouusawanPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; Bernard SpitzPresidente dos Assuntos Europeus e Internacionais da MEDEF; Antonio Tajaniex-presidente da Comissão Europeia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

Torre Pellice, casa valdense Roma (NEV), 25 de maio de 2021 – Após a paralisação do ano passado, o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses retorna em 2021. Uma edição particular que acontecerá em modo telemático e reduzido de 22 a 25 de agosto de 2021. Assim foi anunciado, e a notícia é anunciada hoje no site chiesavaldese.org, pelo moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trottaem carta às igrejas na qual explica como "ao final de um rigoroso processo de verificação e consulta alargada, decidiu-se privilegiar o método capaz de oferecer maiores garantias e, portanto, também a tranquilidade de todos os participantes, sem distinção de áreas geográficas e outras condições pessoais”. Em Torre Pellice, na província de Turim, local onde normalmente ocorre o Sínodo, apenas a Sede, a Comissão de Exame e, com vários tempos e métodos, os membros do Conselho Valdense e das Comissões Administrativas que respondem no Sínodo de trabalho deles. Uma escolha que envolverá um trabalho organizacional significativo e o desenvolvimento de competências técnicas e organizacionais que permanecerão como uma aquisição útil também para o futuro. Além disso, muito antes do Sínodo, será adquirida experiência no campo quanto à organização das assembléias locais e de circuito e, sobretudo, das conferências distritais que, exceto uma, serão todas realizadas remotamente. "Confiamos na ajuda do Senhor para preservar o que todos consideramos essencial em nosso modo de ser Igreja - escreve o moderador às igrejas - com o olhar voltado para a vocação de anúncio e serviço no tempo presente que o Espírito Santo não cessa de dirigem-se a nós, para empenhar as nossas energias e recursos com alegria, coerência e sentido de responsabilidade”. A sessão sinodal será aberta com o culto inaugural presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche Domingo, 22 de agosto, às 10h, no templo da Torre Pellice, durante o qual pôde ser realizada a consagração de um pároco e de um diácono. A habitual noite pública às segundas-feiras, marcada para 23 de agosto, também será mantida. ...

Ler artigo
Função pública, rankings publicados

Função pública, rankings publicados

John Schnobrich, unsplash Roma (NEV), 21 de abril de 2022 – Já foram publicados os rankings das seleções dos projetos de Serviço Público Universal da Organização da Diaconia Valdense - Comissão Sinodal para a Diaconia e das instituições parceiras de acolhimento. No site no endereço constam os nomes das pessoas que participaram da seleção, com as respectivas pontuações. Dois em particular serão os jovens que prestarão seu serviço como voluntários para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, em particular em Roma, para o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI. O lançamento dos projetos está previsto para 27 de junho “mas será confirmado após verificações e aprovação da Secretaria de Políticas de Juventude e da Universalidade”, diz o site. artigo anteriorEntrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da ItáliaPróximo artigoSobre crimes de guerra Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador. O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias. "Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico", disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”. “Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”. Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria. Falando sobre o tema principal da conferência, "Os justos crescerão como o cedro no Líbano" (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente. “Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas. “Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele. A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.