O G20 das religiões – Nevada

O G20 das religiões – Nevada

Foto de Joshua Eckstein, unsplash

Roma (NEV), 13 de setembro de 2021 – O “G20 das religiões”, o Fórum Inter-religioso, está em andamento em Bolonha, no qual numerosos líderes políticos, ministros, membros de igrejas e, entre eles, também vários representantes das comunidades protestantes de todo o mundo.

Qual é o significado desta nomeação – que o NEV lhe contará mais nos próximos dias, através de entrevistas a alguns dos protagonistas?

“Esse G20 de religiões – explica o professor Paulo Naso, coordenador da comissão de estudos de diálogo e integração da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que moderou esta tarde uma sessão temática sobre migrantes e refugiados – confirma a ideia de que o diálogo inter-religioso vai além das fronteiras das religiões. Ou seja, torna-se pré-requisito essencial para a construção de políticas de inclusão, integração e proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, pede-se também um novo empenho às comunidades de fé, chamadas a sair de seus particularismos para dar vida a projetos concretos de acolhida e integração, como, por exemplo, os corredores humanitários. Mas numa época em que os direitos fundamentais são violados em tantas partes do mundo e grupos inteiros são perseguidos por motivos de natureza política, religiosa ou de gênero, seria realmente importante um compromisso compartilhado pelas várias comunidades de fé para, ao contrário, afirmar a importância da uma plataforma comum para defender os direitos de todos os homens e mulheres”.

A cerimônia de encerramento do fórum está marcada para amanhã, terça-feira, 14 de setembro, às 16h, no Palazzo Re Enzo, na capital da Emilia. Participará o Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghiserá presidido por Romano Prodiex-presidente da Comissão Europeia, com as saudações finais, entre outras, do Cardeal e Arcebispo de Bolonha, Mateus Maria Zuppi. eles vão intervir Elly Schlein, Vice-presidente da Região Emilia-Romagna; Rav Richard Di SegniRabino Chefe de Roma; Mohamed Abdel-SalamSecretário Geral da Comissão Superior da Fraternidade Humana; Najla Kassab AbouusawanPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; Bernard SpitzPresidente dos Assuntos Europeus e Internacionais da MEDEF; Antonio Tajaniex-presidente da Comissão Europeia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Cinema na Praça está de volta

O Cinema na Praça está de volta

Roma (NEV), 1º de junho de 2022 - De 3 de junho a 31 de julho, volta a Roma "Il Cinema In Piazza", o evento com entrada gratuita todas as noites às 21h15, distribuído entre o centro e os subúrbios, organizado pela Associazione Little America , agora em sua oitava edição. Este verão, o festival de cinema ao ar livre acontecerá na Piazza San Cosimato em Trastevere, no Parque Cervelletta em Tor Sapienza e no Parque Monte Ciocci em Valle Aurelia. Uma edição que cresce em termos de países representados (dos Estados Unidos ao Japão, das Filipinas ao Chile) e convidados de todo o mundo: "No palco, ou melhor, nos palcos - explica Valério CarocciPresidente da Pequena América – nomes do calibre de vão subir Wes Anderson, David Mamet, Pawel Pawlikowski, Kiyoshi Kurosawa, Work Diaz, Fanny Ardant, Volker Schlöndorff, Ladj Ly, Jan Komasa, Wolfgang Becker, Iram Haq, Michael Radford, Cristian Mungiu, Mathieu Kassovitz. Uma presença, deles, que é sinal de uma necessidade renovada por parte dos autores de um contacto direto com os espectadores, depois da paragem imposta pela pandemia”. Juntamente com os convidados internacionais, muitos também os italianos, que vão animar "Il Cinema in Piazza": Pietro Castellitto, Valerio Lundini, Carlo Verdone, Francesca Archibugi, Serena Dandini, Stefania Sandrelli, Bebe Vio, Martin Castrogiovanni, Dori Ghezzi, Luca Marinelli, Francesca Serafini, Giordano Meacci, Valentina Bellè, Anna Pavignano, Don Ciotti, Marco Tullio Giordana, Alessandro Redaelli E Ruggero Melis e Antonio Rezza E Flavia Mastrella, Micaela Ramazzotti, Paolo Virzì, Esmeralda Calabria, Francesco Piccolo, Luca Bigazzi E PARAScanio Celestini. Para inaugurar o evento, na sexta-feira, 3 de junho, na Piazza San Cosimato, a projeção de "I Predatori", estreia atrás das câmeras de Pedro Castellito (melhor roteiro no Festival de Cinema de Veneza na seção Orizzonti, David di Donatello de melhor novo diretor), na presença do autor e do apresentador, autor e comediante Valério Lundini. A inauguração do Parque Cervelletta, na quinta-feira, 9 de junho, é confiada a uma noite - em colaboração com a revista Confronti - na qual as famílias dos Giulio Regeni E Mário Paciolla. A intenção é "refletir sobre os lados obscuros do poder e relembrar suas vítimas", graças também à exibição, pela primeira vez em tela grande na Itália, de "O Dissidente", documentário de Bryan Fogel dedicado à figura do jornalista Jamal Khashoggi. No palco, junto com o advogado Alessandra Ballerini, alguns representantes da sociedade civil que há muito estão próximos das famílias, incluindo Ascânio Celestini e o jornalista e sindicalista Joseph Giulietti. Na sexta-feira, 8 de julho, na Piazza San Cosimato, será exibido o documentário "Lybia: No Escape From Hell" do jornalista e documentarista Sara Creta, que relata as condições dos migrantes presos em campos de detenção na Líbia. Organizado em conjunto com Confronti e Médicos Sem Fronteiras, no palco, além do diretor e editor da revista mensal Cláudio Paravatioperadora da Msf e Michael Magokprotagonista do documentário, além de testemunha direta do que está acontecendo naquele país. Embora seja uma história de empoderamento feminino contada no filme "O que as pessoas vão dizer" de Iram Haq, exibido na sexta-feira, 1º de julho, durante uma noite na Piazza San Cosimato, mais uma vez organizado em colaboração com a revista Confronti. Noite em que, juntamente com o realizador, estará presente o jornalista e mediador cultural Ejaz Ahmad e o pesquisador e escritor Giorgia Serughettiespecialista em questões de gênero, teoria política e migrações. Estão programadas duas homenagens, em primeiro lugar aquela dedicada ao Pier Paolo Pasolinimais um elemento nas comemorações do centenário do nascimento do intelectual: quinta-feira, 23 de junho, no Parco della Cervelletta, o diretor Marco Túlio Giordana em diálogo com Don Ciotti em torno de uma das obras-primas do poeta-diretor, "O Evangelho segundo Mateus". E então, na presença de Dori Ghezzi, Luca Marinelli, Valentina Bellè, Francesca Serafini E Giordano Meaccia exibição da versão cinematográfica de "Fabrizio De André - Principe libero", quinta-feira, 16 de julho, para recordar o grande cantor e compositor genovês. Aqui o programa completo da revista. Cinema in Piazza acontece sob o patrocínio do Parlamento Europeu e do Ministério da Cultura, com o apoio do Ministério das Políticas da Juventude, da Região do Lácio, do Organismo Regional RomaNatura, da Câmara de Comércio de Roma e com o patrocínio da capital Roma cidade. O projeto é possível, entre outros patrocinadores, graças à contribuição do Otto per Mille da Igreja Valdense. A Confronti é o media partner da edição de 2022. ...

Ler artigo
Estamos prontos, e você?

Estamos prontos, e você?

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – “Estamos prontos e vocês?” é a campanha lançada hoje pela revista e centro de estudos Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania, para pedir que a lei da cidadania, conhecida como "Ius Scholae", seja votada no Parlamento até o final da legislatura. Os signatários da campanha acreditam que “chegou a hora de as forças políticas que se disseram a favor da lei, muitas vezes fazendo dela uma bandeira, tomarem as providências necessárias para serem coerentes com os compromissos assumidos”.A campanha começa com uma carta aberta ao Primeiro-Ministro, Mario Draghi, e às forças políticas que compõem o governo dispostas a votar a lei. Entre os primeiros signatários Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Após o lançamento, a campanha de recolha de assinaturas vai continuar com o objetivo de envolver o maior número possível de cidadãos. O apelo diz: "Pedimos que nos ouçam e dêem o passo que há anos hesitam em dar: aprovar uma lei que nos reconheça como seus concidadãos, irmãs e irmãos de uma República que na sua Constituição reconhece os direitos fundamentais direitos de todos os cidadãos "sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais" (Art.3)". “Aguardamos a resposta da política – declararam os promotores da campanha –, mas não apenas com as declarações de circunstância: desta vez esperamos que a lei seja agendada no Parlamento o mais rapidamente possível e levada a votação. No dia que a gente votar, aí a gente vai fazer uma grande festa na praça com todo mundo, inclusive os políticos. Até então, permanecemos vigilantes e esperando." A lei, se entrasse em vigor, permitiria que homens e mulheres muito jovens, que cresceram e estudaram na Itália durante anos, adquirissem a cidadania italiana. “Centenas de milhares de pessoas, de estudantes, à espera de poder dar o seu contributo para o crescimento do país como cidadãos; e nós com eles”, concluíram os promotores. Você pode se inscrever na campanha acessando o site www.noisiamoprontievoi.it. ...

Ler artigo
Trabalhar.  Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

Trabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

9 de janeiro, Mannheim (Alemanha). “Rumo a uma digitalização sustentável”. Encontro do caminho para o bem-estar nas sociedades e locais de trabalho digitalizados promovido pela rede “Church Action on Labor and Life” - Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Roma (NEV), 12 de janeiro de 2023 – O seminário intitulado "Rumo a uma digitalização sustentável" foi realizado em 9 de janeiro em Mannheim, Alemanha. A reunião representa um passo fundamental na jornada de bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados promovidos pela web “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Da Itália participou do encontro Antonella Visintin, da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O seminário, segundo de dois, conclui o projeto Erasmus+ promovido pelo CALL e é apoiado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e cofinanciado pela União Europeia. A rede CALL, constituída em 2010 no seio do mesmo KEK, propõe desde 2017 uma reflexão sobre os efeitos da digitalização na sociedade e nos locais de trabalho. “Este tema é muito dinâmico do ponto de vista tecnológico, mas também como um desafio para a sociedade” lê-se no relatório final do seminário. Trabalho, ética, economia. Uma trama para o bem-estar social “A vida na Europa continua a ser marcada por crises financeiras, económicas, sociais e de emprego. Estas realidades dizem respeito a muitas pessoas e famílias na Europa, incluindo as pessoas que compõem as Igrejas membros da CEC – escreve a rede CALL -. A CEC monitora as políticas europeias voltadas para a superação dessas crises”. O ponto de vista é o da fé: “Vamos refletir sobre como nossa experiência e nossas tradições teológicas podem contribuir para uma política europeia socialmente inclusiva e sustentável. O KEK abordou a questão do trabalho e suas implicações econômicas e sociais desde o ponto de vista da teologia cristã, apoiando também o trabalho de nossa rede” continua o relatório. Para os anos de 2022 e 2023, a rede CALL recebeu financiamento para um projeto ERASMUS+ da educação de adultos sobre a ética da digitalização sustentável em uma abordagem global. Essa abordagem considera aspectos sociais, ecológicos e econômicos. O projeto é liderado pela Igreja Luterana da Finlândia e Alemanha. Abriu com uma conferência em Estrasburgo (França) e envolveu vários atores, incluindo representantes do Parlamento Europeu. Rumo à digitalização sustentável Nos últimos anos, o CALL já havia promovido uma série de webinars, os “CALL Talks”, sobre aspectos técnicos e teórico-éticos; da transição digital do trabalho e da vida; ao teletrabalho; até a sustentabilidade em TI. Em 2020, o CALL também emitiu uma declaração sobre a incerteza e o agravamento da desigualdade durante a pandemia do COVID-19. O documento denuncia a brecha social digital caracterizada pela aceleração das capacidades digitais, por um lado, e a exclusão de muitas pessoas, por outro. As duas oficinas, uma em Helsinki e a segunda em Mannheim, definiram o processo de criação de “uma bússola ética para a digitalização sustentável em três níveis: ecologia, economia e relações sociais. O processo organizou-se num diálogo dirigido a políticos, autoridades, empresas, sindicatos e decisores de diferentes níveis, bem como organizações eclesiásticas”, escreve novamente a rede CALL. Que termina com o relato de algumas boas práticas de empresas e iniciativas locais das igrejas (por exemplo a campanha para um sustento digital na Alemanha) e outros projetos, apresentados e discutidos numa perspetiva ética. As diretrizes éticas "Rumo à digitalização sustentável" sairão posteriormente do seminário de Mannheim. Para saber mais sobre a rede CALL, clique abaixo: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.