9 de maio.  Dia da Europa dedicado ao ambiente e à solidariedade

9 de maio. Dia da Europa dedicado ao ambiente e à solidariedade

Roma (NEV), 5 de maio de 2021 – 9 de maio é o Dia da Europa. Em vários países realizam-se eventos e iniciativas para esta ocasião. A rede “Juntos pela Europa” está promovendo uma videoconferência na Itália na qual o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro.

A iniciativa é dedicada à criação e à humanidade. De facto, intitula-se “Pela Terra e pelo Homem” e foi criado com o apoio de vários grupos, de Roma a Trento, Milão, Palermo e outros.

A Videoconferência (em Zoom e ligação YouTube a partir das 17h45, a partir das 18h), vê o relato de Luigino Bruni, Professor de Economia Política na LUMSA em Roma. O título de sua palestra é: “De uma Ecologia Integral a uma Economia Solidária”. Em seguida, siga as intervenções de Jonut Radu (Ortodoxo Romeno), do Monsenhor Marco Gnavie o pastor Luca Maria Negro.

O flyer da iniciativa abre com uma série de citações, que representam as premissas e expectativas dos organizadores: “Por uma Europa solidária. Dizemos Sim à Criação, defendendo a natureza e o meio ambiente. Dizemos sim a uma economia justa. À Responsabilidade para com toda a sociedade, à solidariedade com os pobres e marginalizados. E à paz”. Estas são algumas das palavras-chave do evento.

“A solidariedade – que significa ‘todos juntos’ – será o cimento que une os povos e os Estados”

Robert Schuman

“Queremos trabalhar com todos os homens e mulheres, com as instituições e com todas as forças sociais e políticas – lê-se na apresentação -. Juntos queremos colocar-nos ao serviço da Paz e da Unidade que são os fundamentos da Europa de hoje”.

Para informação:

www.together4europe.org

*Ampliação:

**Ao vivo no youtube:

Finalmente, a videoconferência conta com o patrocínio da representação da Comissão Europeia na Itália.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, nesta manhã, domingo, 10 de abril de 2022 - Em março, em nossa nota mensal sobre o caminho para a unidade dos cristãos, destacamos como a guerra na Ucrânia representa um retrocesso dramático para o movimento ecumênico, já que as várias igrejas às vezes têm avaliações diametralmente opostas. Ele se expressou em termos semelhantes no jornal A República de 21 de março, o fundador da comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi: “Com esta guerra, o ecumenismo entre as Igrejas, que já atravessa um inverno, fica ainda mais ferido e desmentido»”. “O que já não pensávamos ser possível para os cristãos – escreve Bianchi – aconteceu: uma guerra foi sagrada e a religião foi invocada como justificativa para o conflito. Em frentes opostas, as Igrejas sucumbiram à tentação do nacionalismo e quando religião e nacionalismo se cruzam, a mistura é explosiva”. Hoje continuamos no mesmo tema, citando algumas das recentes posições assumidas pelas igrejas sobre o conflito. A primeira é positiva: é a declaração conjunta do Conselho das Conferências Episcopais (Católicas) da Europa (CCEE) e da Conferência das Igrejas Europeias (KEC), que inclui protestantes, anglicanos e ortodoxos (mas não os russos ortodoxos, que suspenderam sua participação por anos). “A religião – lê-se no texto – não pode ser usada como meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. O segundo texto é mais problemático: é a Declaração da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE). Embora com aspectos muito equilibrados, este documento inclina-se para a questão do fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando: "Reconhecemos as decisões que os Estados tomaram para oferecer apoio à Ucrânia através do fornecimento de equipamento defensivo"; o que quase soa como uma inoportuna "bênção protestante" do trabalho dos governos ocidentais. Nestes dias, um grupo de evangélicos italianos está lançando um apelo pedindo ao CPCE que reconsidere esta posição. Por fim, acaba de ser divulgado um dossiê muito útil, porque compara as diferentes posições que existem, dentro das igrejas, justamente sobre a questão de saber se é ou não apropriado fornecer armas à Ucrânia. Publicado por Com Nuovi Tempi e editado pelo prof. Fulvio Ferrario da Faculdade Valdense, o dossiê “Guerra, paz, justiça”, como explica o curador, “visa ajudar aqueles que buscam o mandamento de Deus rezando e pensando; quer estimular quem não se contenta com citações bíblicas usadas como chave de fenda para atingir quem pensa diferente, mas sabe que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer acompanhar quem se sente ensurdecido pela sloganmas sente sua vontade chantagista e pretende resistir a ela". ...

Ler artigo
20 anos da Carta Ecumênica.  Promover a paz e a justiça

20 anos da Carta Ecumênica. Promover a paz e a justiça

Foto CEC/Nikos Kosmidi Roma (NEV), 12 de abril de 2021 – “As desigualdades sociais e econômicas exigem a transformação de nossas atitudes e estruturas.” lê a declaração ecumênica conjunta emitida hoje. A declaração, assinada pelo pároco Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), e pelo cardeal Ângelo Bagnascopresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), chega por ocasião do 20º aniversário da Carta Ecumênica. A Carta representa um dos pilares do ecumenismo a nível europeu e reúne as igrejas protestante, católica e ortodoxa. “As contínuas ameaças à democracia e ao ambiente natural exigem uma atenção renovada à vida inteira – continua a declaração -. O ressurgimento de conflitos armados e ataques terroristas em algumas partes do continente nos últimos anos exige arrependimento, perdão e justiça”. Igrejas “redefinindo seu ministério em meio à pandemia do COVID-19”. Krieger e Bagnasco escrevem novamente, convidando-nos a rezar "para que todos sejam um". “dqueremos ser instrumentos dessa unidade. E nos comprometemos novamente a fortalecer a comunhão eclesial por meio da oração e da ação comuns. Ao mesmo tempo em que oferecemos nosso serviço ao mundo pela promoção da justiça e da paz”, concluem. O "Carta Ocumênica. Orientações para a crescente cooperação entre as Igrejas na Europa”, foi assinado em 2001 pelos presidentes da CCEE e da CEC. Documento fundamental do ecumenismo, este ano celebra seus primeiros 20 anos. 22 de abril. celebração on-line No âmbito das comemorações deste aniversário, o CCEE e o CEC organizam um momento ecuménico online no dia 22 de abril de 2021, das 19h00 às 20h30 (CEST). No evento, intitulado "Seja alegre na esperança, paciente no sofrimento, perseverante na oração” (inspirado no versículo da Carta aos Romanos 12.12), todas as igrejas e parceiros ecumênicos estão convidados. Para a ocasião, entre outras coisas, será publicado um livrinho ecumênico. Disponível para download gratuito nos sites da CCEE e CEC, estará disponível em inglês, francês, alemão e italiano. A publicação é destinada às igrejas e pode ser utilizada durante todo o ano nas comemorações locais. Para participar do evento é necessário se inscrever no seguinte link: Você pode acompanhar a transmissão ao vivo no YouTube no seguinte link: Aqui está o texto da Declaração Conjunta. Lá Charta Oecumenica. vocêum desafio para as igrejas Por ocasião do 10º aniversário da Carta, o jurista valdense Gianni Longpresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no momento da assinatura, comentou o documento. “A Carta Ecumênica é um documento que encoraja e desafia as igrejas. Em alguns casos, fruto de compromissos entre diferentes posições, a Carta Ecumênica fez com que as três famílias confessionais cristãs do continente reconhecessem coisas muito importantes. O direito à liberdade religiosa dos indivíduos e de outras confissões. O repúdio ao nacionalismo e ao racismo. O reconhecimento de uma relação especial que liga os cristãos aos judeus. A importância do diálogo com o Islã e outras religiões. Embora a sua aplicação tenha sido desigual nas várias nações europeias, é de grande valor o facto de todos os cristãos do continente terem subscrito estas afirmações”. Aqui o texto da Carta Ecumênica em italiano, Inglêsem Francês e em Alemão. ...

Ler artigo
Pietro Martire Vermigli e sua “febril atividade reformadora”

Pietro Martire Vermigli e sua “febril atividade reformadora”

Roma (NEV), 4 de outubro de 2019 – O ciclo de três conferências “Influências italianas na reforma de Zurique” foi aberto na Suíça na última quarta-feira, promovido pela Igreja Evangélica Valdense de Zurique de língua italiana com o generoso apoio da Igreja Cantonal de Zurique. A iniciativa foi patrocinada pelo Instituto Cultural Italiano do Consulado Geral de Zurique e várias instituições e organizações italianas na Suíça se associaram. Um público atento e interessado compareceu ao primeiro encontro, organizado pelo professor emérito Emidio Campique se concentrou na figura daquele que ele mesmo define como um dos "pais fundadores do protestantismo reformado": Pedro Mártir Vermigli. Pietro Mariano Vermigli, explicou o professor Campi em seu relatório, nasceu em Florença em 8 de setembro de 1499, um ano após o martírio de Jérôme Savonarola. foi a mãe Maria Fumantina para lhe ensinar latim. Introduzido aos estudos humanísticos, Vermigli fez seus votos mudando seu nome para Pietro Martire. Empreendeu estudos filosóficos e patrísticos em várias localidades italianas e em 1525 tornou-se sacerdote. Em 1526 ele recebeu um doutorado em teologia. Ele estudou hebraico e outras línguas "caldeus", aramaico, siríaco e etíope. Ele abordou o pensamento de Erasmo e dos reformadores transalpinos, em particular Bucer e Zwingli. Após uma série de transferências e depois de ser acusado de propagar ideias heréticas, foi transferido para Lucca, como prior do mosteiro de San Frediano, onde criou o que pode ser considerado a primeira escola teológica reformada da Itália. Ameaçado, não se deixou obrigar a renunciar às suas crenças e fugiu da Itália. Era 1542, e o Papa Paulo III acabara de instituir a Inquisição Romana. No exílio, Vermigli mudou-se para Estrasburgo, para Oxford e finalmente para Zurique, animado pelo que Campi define como uma "vocação inabalável para o ministério doutoral" e uma "atividade febril de reforma". Em 1548, em estreita colaboração com o arcebispo de Canterbury Thomas CranmerVermigli trabalhou para convocar um conselho de todas as igrejas evangélicas da Europa. Do teólogo florentino, Emidio Campi argumenta que pertence ao humanismo italiano e à Reforma italiana, assim como naturalmente à Reforma européia. De Pietro Martire Vermigli, o estudioso traçou o quadro histórico, formativo e teológico em um ensaio de dez páginas acompanhado de uma bibliografia de mais de 50 textos para estudo posterior. Ensaio que esperamos ver em breve publicado. A agência AISE observou que "existem muitos estudos sobre o que os protestantes suíços deram livremente aos italianos a partir do século XVI, por outro lado, há poucas pesquisas sobre o que a Suíça protestante recebeu do refugiado italiano, tanto em nos campos econômico e científico e cultural. Talvez precisamente por isso, no âmbito do 5º centenário da Reforma de Zurique, a Igreja Evangélica Valdense de Zurique, de língua italiana, promoveu o ciclo de conferências dedicadas a três figuras de "exilados italianos que deixaram um traço característico na história da a Igreja Reformada de Zurique". A próxima conferência (24 de outubro) verá Luca Bascheraprofessor da Universidade de Zurique, fala sobre o famoso pregador Bernardino Ochinoprimeiro pastor da igreja reformada de língua italiana em Zurique, fundada em 1555. A terceira e última conferência (31 de outubro) terá curadoria de Stephanie Salvadoripesquisador da Universidade de Göttingen, e ilustrará a figura de Isabella Besignnobre engajada no trabalho diaconal de acolhida aos exilados. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.