carta de jovens protestantes e católicos

carta de jovens protestantes e católicos

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina hoje. A Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI) e a Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) assinam um documento que representa o caminho comum dos jovens, em nível ecumênico.

“Os desafios que tivemos de enfrentar ao longo do ano passado e no limiar deste recém-começado nos lembram o chamado que Jesus Cristo nos dirige a sermos unidade e agirmos juntos com uma urgência cada vez maior” escrevem FGEI e FUCI.

Agradecendo “pelos frutos e passos partilhados no caminho do caminho ecuménico”, os jovens e as jovens dos dois movimentos cristãos sublinham a alegria da partilha, que “nos leva a olhar em frente com esperança e com uma visão mais ampla, reconhecendo que ainda
há muitos passos a dar: ainda há muitas motivações, os momentos que levam a uma separação ou a uma comunhão de forma, mas não de espírito. O encontro que lança as bases do diálogo teológico e da cooperação como trabalhadores na vinha do Senhor ainda precisa ser trabalhado e vivido”.

O tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, «permanecei no meu amor: dareis muito fruto» (Jo 15,5-9), continua a carta, «convida-nos a reconhecer, para além do teológico, histórico e eclesiológico que nos caracterizam, a unidade do batismo como comum
fonte da fé.
Por isso, de fato, nos sentimos desafiados e desafiados a um chamado comum ao discipulado, vendo na comunhão fraterna e na troca de lugar para amadurecê-la e confirmá-la diariamente”.

O documento enfoca a Palavra, a conversão, o acolhimento e o apoio mútuo. E, novamente, a criação: “poder cuidar dela, percebendo que fazemos parte de um projeto maior que nós”.

O documento conclui com estas palavras: “O ritmo que marca estes oito dias nos convida a olhar e tomar consciência dessa parte desconhecida e inesperada que a pandemia do Covid-19 colocou diante de nós: a morte, o sofrimento, a desconfiança e o medo invadiram nossas vidas, mas sabemos que não podemos isolá-los, mas que devemos reconectá-los a todos aqueles aspectos de impotência e dificuldade real que foram expostos. Nossas comunidades têm
redescobriu a fragilidade da existência, mas também a vulnerabilidade dos vínculos sociais, a precariedade dos sistemas econômicos e de saúde, a fragilidade das estruturas políticas e sociais.
Limites estruturais diante dos quais não queremos encalhar, mas que queremos trazer para a força transformadora da oração, começando por reconhecer o nosso papel nesta crise. Mas confiamos que podem ser também os lugares de onde partir para uma nova realidade para viver e uma nova consciência da proteção do bem supremo. Como ramos da única videira na qual somos chamados e somos chamados a viver, para juntos podermos dar fruto e vivê-lo em vista da reciprocidade e da caridade. Este poderia ser outro trecho de estrada para compartilhar? Concordamos em responder ‘sim’”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – O dia do rei em que os americanos homenageiam o líder mais conhecido do movimento pelos direitos civis dos EUA foi estabelecido em 1983, sob a presidência de Ronald Reagan. E isso já é um fato paradoxal porque a história não reconhece ao ex-ator de filmes de faroeste um papel particular na ação política em prol da população afro-americana; pelo contrário, o eixo estratégico das suas políticas sociais estava orientado para o desmantelamento das medidas assistenciais adoptadas durante os anos da presidência de Johnson, que produziram resultados importantes em termos de crescimento económico das minorias étnicas. Mas o movimento que há tempos reclamava o reconhecimento de King e do que ele representava já tinha uma consistência própria e Reagan optou por não se opor a ele, acabando por apoiá-lo e reivindicando assim o mérito de uma opção fortemente simbólica pela unidade de todos americanos. O dia do Rei, celebrado no dia do seu nascimento, acabou assim por cicatrizar algumas feridas que se arrastavam desde os turbulentos anos 60 mas também cristalizar a figura do pastor baptista e líder político no cliché domesticado e tranquilizador de herói nacional da não-violência e do interracial coexistência. Ao longo dos anos, esta operação produziu celebrações cada vez mais corais mas também simplificou uma figura complexa que deve ser lembrada não só pela sua lealdade à América e aos seus princípios, mas também pela sua capacidade de mobilizar um movimento de massas que denunciava a traição flagrante e violenta violação dos direitos humanos fundamentais por um sistema que, superada a segregação, permaneceu racista, ou seja, baseado em comportamentos e convenções que condenavam os afro-americanos a ocupar os degraus mais baixos do sistema social. A contabilidade pesada, por exemplo, ainda hoje registra muitos afro-americanos na prisão e poucos na faculdade. Os anos de Obama na Casa Branca criaram a ilusão de ótica de uma reviravolta e fortaleceram a esperança de um país que teve forças para se redimir de seu pecado original, o racismo. Isso não aconteceu e, com essa janela democrática fechada, a América tem que lidar – de novo! – com aquele demônio que assombra a credibilidade e sustentabilidade de suas políticas sociais. King continua a aparecer em lápides e monumentos, bem como no Mall em Washington, onde fez seu famoso discurso de 1963. eu tenho um sonho. Mas ele aparece cada vez mais sozinho, heroizado e domesticado na narrativa reconfortante de um país reconciliado que essencialmente superou sua divisão racial. Não é assim, e o desafio da coesão social, no mínimo, agravou-se com o aumento da população hispânica e dos imigrantes africanos e asiáticos. King era o homem da não-violência, é claro, mas também de uma denúncia radical e desestabilizadora do equilíbrio de poder na sociedade americana. E vale lembrar que ele não foi morto no momento de sua maior fama, mas, ao contrário, quando se viu isolado e desacreditado por suas lutas contra a guerra do Vietnã e contra a pobreza de milhões de americanos, brancos e preto. Celebrar o sonho de uma sociedade reconciliada e livre do racismo é certo e útil, mas apenas se você tiver a coragem moral e civil de reconhecer que esse sonho não se tornou realidade. ...

Ler artigo
Mulheres da Palavra em Vicenza.  O ministério do pastor, diácono e pregadores

Mulheres da Palavra em Vicenza. O ministério do pastor, diácono e pregadores

Roma (NEV), 18 de agosto de 2020 – Apresentação do livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, publicado por Nerbini na série “Teologhe & teologie”. Na apresentação do livro, editado pelo pároco Letícia Tomassone, o pároco da Igreja Evangélica Metodista de Pádua intervirá Danielle Santoroo teólogo Dario Viviane a própria Tomassone. Mulheres da palavra. Pastor, diácono e mulheres pregadoras no protestantismo italiano É “um livro multifacetado que ilustra o panorama das diferentes experiências de mulheres que vivem o seu ministério ‘ordenado’ nas Igrejas evangélicas históricas da Itália, mais de 50 anos após a ordenação dos primeiros pastores”, lê-se na página do Facebook do evento. Uma oportunidade para “reconhecer a diferença de gênero na relação com a Palavra pregada e com a pastoral, e fazer crescer todas as Igrejas na reflexão sobre o ministério da mulher”. A participação no evento é gratuita e mediante reserva (pelo telefone 0444 321018 ou por mensagem Whatsapp - sem ligações - 347 0652236). Em cumprimento das disposições anti-covid em vigor, o acesso ao claustro é permitido com máscara, higienização das mãos e no cumprimento do distanciamento físico. O controle de temperatura aleatório será possível. Para mais informações acesse o evento no Facebook. A apresentação é organizada por Livraria São Paulo Vicenza em colaboração com oEscritório de Peregrinação da Diocese de Vicenza. Para mais informações, leia a versão completa da entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio "Culto evangélico" da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. ...

Ler artigo
#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

Foto de Pietro Romeo/Reforma Roma (NEV), 24 de agosto de 2023 – #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência, no Sínodo Valdense, hoje, quinta-feira, 24 de agosto. As deputadas reunidas e reunidas na Torre Pellice (Turim) usaram o distintivo de mobilização e uma peça de roupa preta, como símbolo da luta contra a violência de género. Leia mais: Acabar com a violência contra as mulheres #ThursdaysinBlack é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), para tornar visíveis histórias sobre violação como arma de guerra, injustiça de género, abuso, violência e para tornar visíveis a resiliência e os esforços das mulheres. A campanha foi inspirada nas Mães da Plaza de Mayo em Buenos Aires, nas Mulheres de Preto em Israel e na Palestina, nas mulheres de Ruanda e da Bósnia. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.