carta de jovens protestantes e católicos

carta de jovens protestantes e católicos

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina hoje. A Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI) e a Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) assinam um documento que representa o caminho comum dos jovens, em nível ecumênico.

“Os desafios que tivemos de enfrentar ao longo do ano passado e no limiar deste recém-começado nos lembram o chamado que Jesus Cristo nos dirige a sermos unidade e agirmos juntos com uma urgência cada vez maior” escrevem FGEI e FUCI.

Agradecendo “pelos frutos e passos partilhados no caminho do caminho ecuménico”, os jovens e as jovens dos dois movimentos cristãos sublinham a alegria da partilha, que “nos leva a olhar em frente com esperança e com uma visão mais ampla, reconhecendo que ainda
há muitos passos a dar: ainda há muitas motivações, os momentos que levam a uma separação ou a uma comunhão de forma, mas não de espírito. O encontro que lança as bases do diálogo teológico e da cooperação como trabalhadores na vinha do Senhor ainda precisa ser trabalhado e vivido”.

O tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, «permanecei no meu amor: dareis muito fruto» (Jo 15,5-9), continua a carta, «convida-nos a reconhecer, para além do teológico, histórico e eclesiológico que nos caracterizam, a unidade do batismo como comum
fonte da fé.
Por isso, de fato, nos sentimos desafiados e desafiados a um chamado comum ao discipulado, vendo na comunhão fraterna e na troca de lugar para amadurecê-la e confirmá-la diariamente”.

O documento enfoca a Palavra, a conversão, o acolhimento e o apoio mútuo. E, novamente, a criação: “poder cuidar dela, percebendo que fazemos parte de um projeto maior que nós”.

O documento conclui com estas palavras: “O ritmo que marca estes oito dias nos convida a olhar e tomar consciência dessa parte desconhecida e inesperada que a pandemia do Covid-19 colocou diante de nós: a morte, o sofrimento, a desconfiança e o medo invadiram nossas vidas, mas sabemos que não podemos isolá-los, mas que devemos reconectá-los a todos aqueles aspectos de impotência e dificuldade real que foram expostos. Nossas comunidades têm
redescobriu a fragilidade da existência, mas também a vulnerabilidade dos vínculos sociais, a precariedade dos sistemas econômicos e de saúde, a fragilidade das estruturas políticas e sociais.
Limites estruturais diante dos quais não queremos encalhar, mas que queremos trazer para a força transformadora da oração, começando por reconhecer o nosso papel nesta crise. Mas confiamos que podem ser também os lugares de onde partir para uma nova realidade para viver e uma nova consciência da proteção do bem supremo. Como ramos da única videira na qual somos chamados e somos chamados a viver, para juntos podermos dar fruto e vivê-lo em vista da reciprocidade e da caridade. Este poderia ser outro trecho de estrada para compartilhar? Concordamos em responder ‘sim’”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 – Como é ter uma mãe pastora? ele disse isso Sophie Bouchard, há alguns dias, segunda-feira, 28 de setembro, no programa noturno "Tutto su mia madre", transmitido de segunda a sexta-feira às 20h25 no Rai Tre. No centro do episódio está a história de Sofia e sua mãe, pastora da igreja valdense em Milão Daniela DiCarlo. “Foi uma boa ocasião, estamos ambos felizes com o resultado – explica Sofia Bouchard, assistente social, da região valdense - . Ambos reservados, decidimos juntos participar deste projeto e contar um ao outro. Espero, no pouco tempo disponível, ter representado nosso relacionamento, nossas vidas, e também a “normalidade” de ser valdense e filha de pastora”. Precisamente nos vales valdenses, a jovem escolheu viver: “Decidi criar raízes aqui, onde estão as raízes da minha família”, e onde também estão as origens e a história da comunidade valdense. A vida nos vales valdenses foi um dos elementos centrais do documentário, “seguindo a biografia de minha mãe”: o compromisso após o terremoto de Irpinia, a vocação, a relação, posteriormente concluída, com o pai de Sofia. “Na igreja valdense o divórcio é aceito, faz parte da realidade da vida, das contradições humanas”, explica o pastor no documentário. Até ao quotidiano de uma mulher cuja vida “é tão complexa como a de todas as trabalhadoras”. Mas a docu-ficção também foi uma oportunidade de contar ao mundo dos valdenses. “Queria lembrar o grande exemplo de Gianna Sciclone, a primeira mulher que presidiu um culto e que em 1988 também revolucionou a linguagem, tornando-a inclusiva – por exemplo, usando pela primeira vez o termo “ministra”. Um ponto de inflexão que causou discussão, na época, e que antecipou o debate atual sobre gênero, também sobre igualdade linguística. O pessoal é político, dizia um lema feminista. Assim “Não foi fácil colocar de alguma forma a nossa experiência na rua, mas a minha filha Sofia foi muito corajosa e aceitou com entusiasmo esta possibilidade. Então filmamos no final de agosto e faltam poucos dias para a exibição”, conta Daniela Di Carlo. Um episódio que despertou grande interesse e muitas opiniões positivas, principalmente dentro da comunidade valdense. “Estou muito feliz, muitas pessoas me escreveram, tudo para nos parabenizar e agradecer. Acho que eles apreciaram especialmente meu testemunho de fé, que evidentemente pode ser prestado mesmo de maneira leve, e o sentimento entre mim e minha filha. Várias mães valdenses entraram em contato comigo, que têm um caminho semelhante ao meu, mas também liguei para três pessoas de outras confissões que gostariam de se aproximar da comunidade valdense, uma senhora em Rimini, um menino em Milão ... Acho que esta “propaganda” é positiva, com valor cultural, para representar uma comunidade, fora de uma descrição quase folclórica em que por vezes há o risco de cair”. Um eco que também pode ser uma oportunidade para refletir sobre a forma de comunicar “lá fora”. “No bar, na banca de jornal, eles me reconhecem, me chamam de “senhora pastora”, é legal. Mas estou particularmente feliz que tantas pessoas da comunidade protestante tenham me agradecido por este simples e espontâneo testemunho de fé. Evidentemente há também uma crescente urgência de poder contar e comunicar a nossa fé, na consciência de que sim, pode-se dizer “coisas normais” mesmo sendo valdenses. É aquele linguagem comum também pode ser usada para falar de Lutero“. Aqui o episódio de "Tudo sobre minha mãe" estrelado por Daniela Di Carlo e Sofia Bouchard. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo
Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

O Arcebispo Anglicano de Canterbury Justin Welby, a Secretária Geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o Secretário Geral Adjunto para Relações Ecumênicas Luteranas, Dirk Lange. Foto: Lambeth Conference/Richard Washbrooke Roma (NEV), 5 de agosto de 2022 – Como definimos o objetivo da unidade visível para nossas igrejas, como comunhões cristãs mundiais? Podemos encontrar um caminho a seguir, caminhando juntos em direção a uma visão compartilhada? Ou “apenas nos afastamos e esperamos que o outro se pareça conosco?”. Estas são as perguntas feitas pelo secretário-geral da Federação Luterana Mundial (FLM), Anne Burghardtaos bispos e bispos da Comunhão Anglicana e aos representantes de outras comunhões cristãs mundiais reunidos na 15ª Conferência de Lambeth em andamento em Canterbury, Inglaterra. Sob a liderança do Arcebispo de Canterbury Justin Welby, mais de 650 líderes anglicanos de todo o mundo se reuniram de 26 de julho a 8 de agosto. Sobre o tema "A Igreja de Deus para o mundo de Deus: caminhando, ouvindo e testemunhando juntos", os líderes anglicanos estão discutindo a missão e as prioridades da Comunhão Mundial para a próxima década. O Secretário-Geral Adjunto para as Relações Ecuménicas da FLM, Dirk Lange, falou da acolhida recebida e do grande empenho de diálogo em curso em Canterbury. “Todos os dias, na oração, nos pequenos grupos de estudo da Bíblia e nas sessões de diálogo, os participantes vão descobrindo um caminho de unidade e reconciliação tanto para a Igreja como para o mundo”. Estamos no nono dia da Conferência, dedicado à unidade dos cristãos e às relações inter-religiosas. Burghardt juntou-se a oradores das tradições católica romana, ortodoxa grega, anglicana e pentecostal, que compartilharam perspectivas sobre as dimensões doutrinária, espiritual e de justiça social da jornada ecumênica. Esta Conferência de Lambeth ocorre pouco mais de um século após o Apelo de Lambeth de 1920, observou Burghardt. O Apelo pedia "um Cristianismo reunificado". O secretário luterano refletiu sobre a definição de unidade, “à qual todos ansiamos”, mas que “nem sempre é fácil de definir”. Décadas de diálogo, disse ele, ajudaram a moldar essa definição, incluindo uma das principais declarações sobre a unidade da Assembléia de Nova Delhi do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1961. Reafirmando a importância do "ecumenismo espiritual", Burghardt sublinhou que "a liturgia e a oração podem fazer-nos mudar de opinião, remodelar-nos, reorientar-nos de maneira diferente uns para com os outros e para com o mundo sofredor". No entanto, a oração e a reflexão teológica, disse ele, devem permanecer intimamente ligadas à diaconia e ao testemunho público. E perguntou se chegou o momento de “abrir um novo marco hermenêutico para nossa reflexão doutrinal e teológica”, à luz da solidariedade com o próximo sofredor e com as dificuldades da criação. Unidade visível, acrescentou, “não significa necessariamente unidade institucional. Pelo contrário, é koinonia entre nossas igrejas”, como afirma o documento do CMI “A Igreja rumo a uma visão comum”. E citou uma série de documentos e acordos entre as igrejas. Graças a esses acordos, disse Burghardt, "as tradições são compartilhadas entre as várias famílias eclesiais", mantendo "seus 'sotaques' espirituais e teológicos particulares". A noção de “consentimento diferenciado”, desenvolvida no diálogo luterano-católico romano, “vai na mesma direção”, acrescentou, e levou à assinatura da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação em 1999, agora afirmada por cinco comunhões mundiais (Luterana, Católica, Anglicana, Metodista e Reformada). Esta declaração de consenso, disse o líder mundial dos luteranos, “procura ser implementada a nível local. As comunidades vizinhas, em vez de viver isoladas ou cuidar apenas de si mesmas, se voltam umas para as outras para anunciar Jesus, para compartilhar Jesus, para se comprometer no mundo por amor a Jesus e para fazer isso juntos”. Nesta dinâmica ecumênica, concluiu, "evangelizamos, [….] mas nós o fazemos juntos, não para o bem da Igreja, mas para dar a conhecer a imensurável bondade de Deus e a boa intenção de Deus para todas as pessoas e toda a criação”. Nos restantes dias do encontro, os líderes das Igrejas Anglicanas, juntamente com os participantes ecuménicos, continuarão a explorar o que significa a unidade visível e como ela já é vivida na hospitalidade, no discipulado generoso e no testemunho comum do Evangelho no mundo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.