Casais inter-religiosos e casamento.  A lei é igual para todos?

Casais inter-religiosos e casamento. A lei é igual para todos?

Foto de Fancy Crave – Unsplash

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – O pastor batista Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), participou da apresentação do volume “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje”.

Ligando as considerações dos palestrantes, o pastor falou sobre dois assuntos. A primeira, pelo facto de não termos certos dados estatísticos, e de muitos casais mistos casarem apenas no Concelho e não realizarem casamentos inter-religiosos.

“Isso depende da situação muito desfavorável de algumas religiões presentes na Itália, que não têm um entendimento com o Estado – disse o pastor Lio -. Portanto, mesmo em relação aos casamentos mistos, falta igualdade de direitos, apesar de estarmos em um estado inter-religioso”.

O segundo aspecto diz respeito às pessoas sem cidadania que, continua o pároco, “não aparecem, mesmo que estejam na Itália há muitos anos e, portanto, possam ser cidadãos italianos. Se fossem reconhecidos como tais, a lei italiana também seria aplicável em casamentos mistos entre pessoas de religiões diferentes. Em vez disso, atualmente eles encontram dificuldades, porque têm que apresentar documentos a serem produzidos em seu país de origem, onde esses documentos ainda estão presos a uma posição misógina e patriarcal de relações. Na Argélia, por exemplo, para casar é preciso pedir autorização ao pai para celebrar o casamento e, se o pai já não existir, ao irmão. Se não houver irmão, ao cunhado. Portanto, essas situações atropelam o direito da pessoa de poder celebrar um casamento, tanto secular quanto religioso”.

O livro aborda vários temas, desde aspectos religiosos a dados estatísticos, passando por testemunhos. Sobre isso, comenta novamente Gabriela Lio, “muitos têm se concentrado nos testemunhos de casamentos mistos de forma positiva. A forma como criaram os filhos, a relação com a fé e com a diversidade, também celebrada em família. Respeito pela fé do outro, do outro. No entanto, a Itália carece de uma lei sobre liberdade religiosa e não há acordos com algumas expressões religiosas presentes no país – mesmo numericamente significativas, como o Islã. Por detrás desta situação, representada de forma tão feliz (pois é justo que se apresentem realidades interessantes e funcionais de casais inter-religiosos), existe na verdade um grande sofrimento. Sofrendo com a falta de liberdade e a impossibilidade de poder casar como gostaria e expressar-se livremente com a própria fé, mesmo no casamento. Sem falar no fenômeno das crianças contestadas”.

O livro “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje” é editado por Maria Rosa Ardizzone, Frances Baldini, Roman Bogliaccino (Palombi Editora, 2022). Foi apresentado no último dia 7 de fevereiro na Universidade LUMSA de Roma. O projeto editorial nasceu do encontro entre a Fundação Beato Federico Ozanam – San Vincenzo De Paoli (Ente Morale Onlus) com a rede Donne di Fede in Dialogo de Religiões pela Paz Itália e “do desejo comum de investigar como a família muda hoje à luz de uma sociedade globalizada e o quanto a presença de diferentes religiões pode afetar as uniões matrimoniais e conseqüentemente a educação dos filhos”, diz o convite para a apresentação. E ainda: “O livro tem uma intenção informativa e visa investigar, por meio de contribuições de natureza sociológica, pedagógica e jurídica, as causas e os efeitos de uma mudança social ligada à família. A pesquisa é enriquecida pela visão das religiões, com as contribuições de representantes religiosos, que oferecem um ponto de vista verdadeiramente único sobre os limites e oportunidades dos casamentos inter-religiosos. O volume também inclui testemunhos diretos de casais que vivem um casamento inter-religioso e de filhos nascidos em casamentos inter-religiosos”.

Para maiores informações

– Fundação Ozanam: [email protected];
– Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália: [email protected].

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

As lições de Rosarno – Nev

As lições de Rosarno – Nev

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Um ano após a abertura do primeiro albergue social em Piana di Gioia Tauro, chamado Dambe sabe, a "casa da dignidade", a FCEI relança o seu compromisso com o acolhimento digno dos trabalhadores migrantes que trabalham na agricultura. Por isso, o Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas visitou Rosarno nos últimos dias. "O albergue social - explica o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone – é simplesmente uma casa digna e equipada onde os migrantes possam viver e estabelecer a sua residência: a alternativa mais realista aos campos de contentores ou aos guetos insalubres e humilhantes em que muitos deles são forçados a viver. Os migrantes residentes no albergue – continua Garrone – contribuem para a gestão da casa, onde também são realizados programas de integração e orientação. Agora queremos expandir esta experiência e alargá-la a outros territórios - acrescenta o presidente da FCEI - na convicção de que estamos a propor um modelo replicável e sustentável que muda a qualidade de vida tanto dos migrantes como dos italianos residentes no mesmo território. Tanto mais num contexto marcado pela exploração, pelos interesses da grande distribuição que impõe preços, pelo trabalho não declarado e pelas condições de vida desumanas dos trabalhadores confinados em verdadeiros guetos, por vezes construídos com dinheiro público, que geram degradação e alimentam racismo”. Segundo o pastor metodista Pedro Ciaccio “Rosarno é uma metáfora para a Itália, um deserto do qual as pessoas querem sair. Vimos, nos dias passados ​​na Planície, quanto há para fazer e quanto pode ser feito. Vimos as condições absurdas em que vivem os migrantes e também a pobreza de uma agricultura que deveria ser muito rica. Mas Rosarno não é uma peça separada da Itália. De forma concentrada e paradoxal, neste local parecem ocorrer e revelar-se todos os problemas do nosso país: desde as dificuldades dos trabalhadores em encontrar casa, em ganhar o que é justo e necessário para viver, em constituir família, até os muitos problemas burocráticos e a um mercado que muitas vezes não é justo, mas que não se diz ser o único mercado possível. Os projetos do MH procuram demonstrar que é possível uma economia diferente, inserida no modelo atual, mas sustentável, onde todos os sujeitos possam extrair dignidade de seu trabalho”. “Uma experiência que me enriqueceu – explicou o conselheiro luterano Maria Antonieta Caggiano -, tenho visto operadores entusiasmados em assumir seu trabalho. Foram muitos momentos emocionantes. Fiquei impressionado com os testemunhos, pessoas corajosas em querer quebrar uma certa cultura deste lugar e esperança. A acolhida que têm em um lugar onde se constitui uma família é um grande testemunho da fé evangélica. Trago para casa grandes emoções, fiquei emocionado, principalmente depois de ver as cidades de tendas onde vivem muitos jovens... Mas é uma motivação para melhorar aquela situação, fazer de tudo para que eles possam ter uma vida melhor”. Também para o representante do Exército de Salvação, Luca Longo, foi "Um fim de semana bastante exigente em termos de conhecimento e emoções, um desafio pessoal, porque se depara com uma realidade - que já tinha vivido na Sicília, noutros campos e "guetos" - o berço da civilização que ainda temos tão triste situações de privação social e condições de vida intoleráveis. Vimos em primeira mão as muitas realidades que colaboram. Agora, quando vir uma laranja de Rosarno, verei pessoas, rostos, vidas e histórias que sempre estarão em minhas orações”. Para Free Ciuffreda, valdense, médico: “Foram dias intensos nos quais percebemos que este projeto não quer lidar com uma emergência, mas com um problema estrutural que a Itália e a sociedade devem assumir. Nossas igrejas estão fazendo isso, com testemunhos e atividades que vão além do contingente. Queremos gritar à política que este fenómeno - a exploração do trabalho - é epocal e devem ser disponibilizados todos os recursos úteis para o resolver, incluindo aqueles que estão à margem, os "invisíveis" que garantem a cobrança, em Rosarno de frutas cítricas e, em geral, os vegetais e os alimentos que comemos são ricos para nós. De aspectos que parecem quase simples, derivam raciocínios muito complexos que devem nos fazer refletir sobre o que queremos fazer com nossa sociedade e nosso compromisso como igrejas evangélicas na Itália”. Sara Comparatti, battista, disse: “Fundamental da nossa metodologia é trabalhar em colaboração com as pessoas que vivem na área, porque baixar as coisas de cima não funciona. Temos tido uma experiência extraordinária disso, com os nossos operadores que têm um conhecimento muito profundo desta realidade, sem eles não teríamos conseguido nada do que foi feito. Nossas igrejas colaboram com o Sos Rosarno há vários anos comprando laranjas solidárias: ver onde e como isso acontece, conhecer sua história, me impressionou muito, cada um de nós trará o que entende de volta para nossas comunidades de origem, tentando desenvolver este caminho. Uma forma de concretizar a proximidade que não é uma forma de assistência, mas uma participação num projeto, numa visão. E depois há os guetos… Tentar ajudar essas pessoas “a sair da escuridão” é o mínimo que um crente pode fazer. Para nós, protestantes, a fé não pode ser dissociada da ética: "faça o bem à cidade em que você está". E Rosarno, que é uma “concentração” das contradições da Itália, pode ser também um laboratório, para nos ajudar a entender que existem alternativas. Como aconteceu com os corredores humanitários, há alguns anos, quando pela primeira vez apostamos neste instrumento, que se tornaram agora um modelo e um exemplo reconhecido em toda a Europa e fora dela”. Como, à sua maneira, também poderia acontecer com o albergue Dambeso. ...

Ler artigo
Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2020 - A conferência internacional anual sobre estudos do Metodismo, organizada pelo Centro de Documentação Metodista (CDM) em colaboração com o Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Universidade Sapienza de Roma, tem como título “Os limões católicos. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” e acontecerá na quarta-feira, 12 de fevereiro, na Faculdade de Letras e Filosofia de Sapienza, a partir das 10h (Sala de Paleografia, 2º andar, seção de história e paleografia medieval). Mirella Manocchio, presidente da OPCEMI "O título desta conferência quer expressar o encontro e o embate, o diálogo acalorado também do ponto de vista teológico, social e cultural na Itália na virada dos últimos dois séculos - declarou o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pastora Mirella Manocchio – . O metodismo se insere nessa época, dialogando justamente com a cultura católica e com o catolicismo como instituição. Investigaremos os aspectos particulares do compromisso metodista em vários campos, como fizemos no ano passado sobre os temas de justiça social e direitos civis, na Itália, na Europa, na África e nos Estados Unidos e cujas atas acabam de ser publicadas por Carocci . O recorte histórico e político sobre o metodismo primitivo nos fará compreender o papel dos metodistas no debate travado pelo mundo protestante com a Igreja Católica”. A conferência representa, disse Manocchio, “uma etapa importante. Existem aspectos inexplorados ou pouco explorados do Metodismo e a ideia com o CDM é voltar aos documentos e investigar essa história, refazê-la de forma mais extensa e exaustiva junto com especialistas em teologia, filosofia e história. Esta conferência abre de forma concreta este caminho, ao qual se seguirão outros momentos de encontro e envolvimento de uma comissão científica, para dar vida a uma história do metodismo na Itália”. A jornada de estudo inclui uma primeira sessão, que será aberta pelo Diretor do Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Sapienza, Gaetano Lettiericom Silvana Nitti, Diretora do CDM e pela própria presidente da OPCEMI, pastora Mirella Manocchio. Entre os temas da manhã, o contexto histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX, a questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915, as estratégias do metodismo inglês e americano para a Itália. À tarde, após o lanche, discutiremos os metodistas italianos e a maçonaria no início do século XX, o "perigo protestante" e a polêmica católica antiprotestante entre a era liberal e o regime, a questão religiosa nas relações ítalo-americanas e a formação da classe dominante metodista na Itália unida, com o caso da escola Monte Mario. Numerosos convidados italianos e estrangeiros. A conferência é aberta a todos, mas agradecemos a confirmação do secretariado do MDL. 6 créditos estão previstos para pastores metodistas e valdenses e para diáconos registrados. “A conferência pretende reconstruir as visões e os projetos estratégicos para a Itália do metodismo inglês e americano nas décadas entre os séculos XIX e XX – lê-se no programa -. Os estudos existentes, alguns dos quais editados pelo CDM, ajudam-nos a delinear uma cultura metodista e a posicionar-se sobre o que se poderia definir como os 'limes católicos', limiar de um embate teológico mas também social e cultural com o catolicismo. Neste contexto, a conferência centrar-se-á em algumas alianças das primeiras gerações metodistas, nomeadamente com a maçonaria”. Consulte o programa completo e faça download da Brochura da Conferência 2020 ...

Ler artigo
batistas.  Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 14 de agosto de 2013 – Será antes de tudo uma celebração que trará os batistas italianos a Roma de 5 a 8 de setembro para celebrar os 150 anos de presença de suas igrejas na Itália. “Em outubro vamos organizar uma conferência histórica com cunho acadêmico. Agora, porém, queremos dar espaço à alegria de estarmos juntos, à fraternidade, à gratidão por aqueles que nos precederam nesta história que nos trouxe até hoje desde 1863”, explica o pastor Raffaele Volpe, presidente da Associação Cristã Evangélica União Batista da Itália (UCEBI). “Isso não significa que não haverá momentos de reflexão”, aponta Volpe, apresentando um programa de encontros que faz um levantamento dos principais desafios que as igrejas batistas estão enfrentando atualmente em nosso país. O Festival Baptista que se realizará no GB Taylor Institute no bairro Centocelle de Roma incluirá, de facto, conferências e entrevistas públicas, workshops, concertos e apresentações teatrais sobre os mais variados temas: acolhimento de estrangeiros e imigração; a "igreja verde" e o meio ambiente; as relações entre as diferentes gerações; o mundo da prisão; relacionamentos com valdenses e metodistas e com outros evangélicos. Tudo sob a bandeira do arco-íris batista. “O mundo batista é um mundo plural – acrescenta Volpe – unido por um mínimo denominador comum além do qual podemos desfrutar da rica diversidade de cada um”. Uma mensagem que as igrejas batistas não querem trazer apenas em suas celebrações, mas também em seu testemunho evangélico na sociedade italiana. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.