Casais inter-religiosos e casamento.  A lei é igual para todos?

Casais inter-religiosos e casamento. A lei é igual para todos?

Foto de Fancy Crave – Unsplash

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – O pastor batista Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), participou da apresentação do volume “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje”.

Ligando as considerações dos palestrantes, o pastor falou sobre dois assuntos. A primeira, pelo facto de não termos certos dados estatísticos, e de muitos casais mistos casarem apenas no Concelho e não realizarem casamentos inter-religiosos.

“Isso depende da situação muito desfavorável de algumas religiões presentes na Itália, que não têm um entendimento com o Estado – disse o pastor Lio -. Portanto, mesmo em relação aos casamentos mistos, falta igualdade de direitos, apesar de estarmos em um estado inter-religioso”.

O segundo aspecto diz respeito às pessoas sem cidadania que, continua o pároco, “não aparecem, mesmo que estejam na Itália há muitos anos e, portanto, possam ser cidadãos italianos. Se fossem reconhecidos como tais, a lei italiana também seria aplicável em casamentos mistos entre pessoas de religiões diferentes. Em vez disso, atualmente eles encontram dificuldades, porque têm que apresentar documentos a serem produzidos em seu país de origem, onde esses documentos ainda estão presos a uma posição misógina e patriarcal de relações. Na Argélia, por exemplo, para casar é preciso pedir autorização ao pai para celebrar o casamento e, se o pai já não existir, ao irmão. Se não houver irmão, ao cunhado. Portanto, essas situações atropelam o direito da pessoa de poder celebrar um casamento, tanto secular quanto religioso”.

O livro aborda vários temas, desde aspectos religiosos a dados estatísticos, passando por testemunhos. Sobre isso, comenta novamente Gabriela Lio, “muitos têm se concentrado nos testemunhos de casamentos mistos de forma positiva. A forma como criaram os filhos, a relação com a fé e com a diversidade, também celebrada em família. Respeito pela fé do outro, do outro. No entanto, a Itália carece de uma lei sobre liberdade religiosa e não há acordos com algumas expressões religiosas presentes no país – mesmo numericamente significativas, como o Islã. Por detrás desta situação, representada de forma tão feliz (pois é justo que se apresentem realidades interessantes e funcionais de casais inter-religiosos), existe na verdade um grande sofrimento. Sofrendo com a falta de liberdade e a impossibilidade de poder casar como gostaria e expressar-se livremente com a própria fé, mesmo no casamento. Sem falar no fenômeno das crianças contestadas”.

O livro “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje” é editado por Maria Rosa Ardizzone, Frances Baldini, Roman Bogliaccino (Palombi Editora, 2022). Foi apresentado no último dia 7 de fevereiro na Universidade LUMSA de Roma. O projeto editorial nasceu do encontro entre a Fundação Beato Federico Ozanam – San Vincenzo De Paoli (Ente Morale Onlus) com a rede Donne di Fede in Dialogo de Religiões pela Paz Itália e “do desejo comum de investigar como a família muda hoje à luz de uma sociedade globalizada e o quanto a presença de diferentes religiões pode afetar as uniões matrimoniais e conseqüentemente a educação dos filhos”, diz o convite para a apresentação. E ainda: “O livro tem uma intenção informativa e visa investigar, por meio de contribuições de natureza sociológica, pedagógica e jurídica, as causas e os efeitos de uma mudança social ligada à família. A pesquisa é enriquecida pela visão das religiões, com as contribuições de representantes religiosos, que oferecem um ponto de vista verdadeiramente único sobre os limites e oportunidades dos casamentos inter-religiosos. O volume também inclui testemunhos diretos de casais que vivem um casamento inter-religioso e de filhos nascidos em casamentos inter-religiosos”.

Para maiores informações

– Fundação Ozanam: [email protected];
– Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália: [email protected].

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Mme Agnes Abuom, moderadora do Comité central du Conseil œcuménique des Églises Foto: Ivars Kupcis/COE Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Em seu discurso de abertura na sessão do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) ontem, 9 de fevereiro, a moderadora Agnes Abuomrefletiu sobre os destaques dos últimos oito anos, lembrando as vítimas relacionadas ao COVID-19 e celebrando a esperança gerada pela 11ª Assembleia do Conselho, a ser realizada em Karlsruhe, na Alemanha.“No que diz respeito ao movimento ecumênico, houve uma ampliação e aprofundamento do diálogo” – disse -. Aprofundamos os diálogos bilaterais, que são uma intercomunhão, mas também ampliamos o número de grupos com os quais nos relacionamos, como o movimento pentecostal”. O moderador então analisou o caminho percorrido pelas igrejas diante e durante a pandemia. “A maioria das pessoas, graças a Deus, entendeu a necessidade de continuarmos nossas atividades online. Temos tomado decisões online e, a meu ver, essa mudança está nos levando a uma direção muito positiva."Abuom disse que encontrou um espírito de coesão, trabalho em equipe, coleguismo e apoio nas comunidades e igrejas evangélicas. “A pandemia dividiu as pessoas e certamente exacerbou os conflitos existentes. Por isso o tema “O amor de Cristo conduz o mundo à reconciliação e à unidade” é divino”, concluiu. artigo anteriorEntrevista com Daniele Garrone, Presidente da Federação das Igrejas Protestantes na ItáliaPróximo artigoFrança. Candidatos ao Eliseu pressionados pelos protestantes Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo.  O compromisso valdense e metodista

2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo. O compromisso valdense e metodista

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo (WAAD) é celebrado todos os anos em 2 de abril, um evento que vê o compromisso concreto do Otto per Mille da Igreja Valdense em primeiro plano: na verdade, existem mais de 100 projetos que são apoiados financeiramente todos os anos graças às assinaturas dos contribuintes italianos. “Como uma Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense, e como crentes, ele comenta Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense, estamos empenhados em estar a serviço dos mais vulneráveis: os fundos Otto per Mille nos permitem, portanto, apoiar muitas associações (muitas vezes compostas por pais) que agem para oferecer crianças e para as meninas, uma chance de uma vida melhor. Os projetos dedicados a crianças e adolescentes autistas preocupam-se principalmente com a possibilidade de oferecer oportunidades de socialização para aumentar a autoestima e fortalecer o caminho para a autossuficiência, começando pelas pequenas coisas do dia a dia”. Entre as iniciativas mais significativas relacionadas com o mundo do autismo, o Centro BUM em Pinerolo, na província de Turim, também com sede em Grugliasco, é gerido diretamente pela Diaconia Valdense: "Em acordo e em rede com a ASL e os Serviços Sociais , explica Loretta Costantino, Responsável do Centro, oferecemos projetos de intervenção multidisciplinares para crianças e jovens dos seis aos 12 anos. Graças ao Otto per Mille, podemos ajudar financeiramente as famílias que utilizam serviços não contratados, garantindo o acompanhamento específico dos vários projetos e promovendo a formação contínua e fundamental do pessoal. O apoio de Otto per Mille também nos permite implementar redes territoriais para a criação de novos projetos voltados para a conscientização de uma comunidade inclusiva e aberta à convivência das diferenças”. A Igreja Valdense, a União das Igrejas Metodistas e Valdenses, contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e em o mundo. O Otto per Mille pode ser doado por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo
Proteção ambiental e biodiversidade na Constituição.  Um ano depois

Proteção ambiental e biodiversidade na Constituição. Um ano depois

Foto retirada de www.ilviaggiodellacostituzione.it/ Roma (NEV), 21 de fevereiro de 2023 – Um ano após a introdução das emendas aos artigos 9 e 41 na Constituição, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) publica um ad hoc documento. No texto, o GLAM exorta a não perder a fé na autoridade deste instrumento de garantia democrática e equidade social (a Constituição), “em várias partes esvaziado e dobrado à interpretação liberal da sociedade que dominou estas últimas décadas. Saber que a integração dos dois artigos da Constituição desejada há um ano une a Itália a tantos países europeus é um incentivo para conceber uma coexistência reconciliada com o resto da criação e o meio ambiente e estar vigilantes também como cristãos e como igrejas escreve GLAM . Talvez mais se esperasse. Sobretudo no que diz respeito aos objetivos de mitigação das alterações climáticas, parando o consumo do solo, reduzindo os poluentes atmosféricos - especialmente no Vale do Pó -, florestando, melhorando as condições do gado, ou ampliando os espaços livres da presença humana e devolvidos às espécies selvagens. Atenção e vigilância, prossegue GLAM, devem também recair sobre os processos de Avaliação de Impacto Ambiental (EIA) e Avaliação Ambiental Estratégica (AAE), muitas vezes pautados por interesses distantes dos princípios constitucionais. "Em teoria, os acréscimos aos artigos 9º e 41º deveriam acelerar a transição para as energias renováveis, as autorizações para centrais eólicas e fotovoltaicas e a legislação sobre comunidades energéticas" lê-se no documento, que por fim sublinha que "a fiscalização do cumprimento da Constituição pressupõe uma correcta funcionamento dos três poderes do Estado em que assenta a democracia, mas num tempo de excepções e emergências é difícil servir os interesses das gerações mais novas, optar por preservar a possibilidade de um futuro". Leia o documento GLAM: Proteção ambiental e biodiversidade na Constituição um ano depois. Na agenda Na quarta-feira, 22 de fevereiro, às 10h, na Biblioteca Casanatense de Roma, a Aliança Italiana para o Desenvolvimento Sustentável (ASviS) convida você para o encontro "Constituição, meio ambiente e gerações futuras: um ano depois, onde estamos?", precisamente por ocasião da o primeiro aniversário da obtenção de “um dos seus resultados mais importantes, nomeadamente a inclusão na Constituição do princípio da 'justiça intergeracional' na base do conceito de desenvolvimento sustentável”. O evento pretende ser uma oportunidade para refletir com representantes das instituições e da sociedade civil sobre as consequências da reforma constitucional aprovada quase por unanimidade em fevereiro de 2022. Uma reforma que, segundo a ASviS, “acelera o ritmo de implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas e não pode deixar de provocar importantes mudanças nas políticas e no comportamento dos agentes econômicos, sociais e institucionais". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.