Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

A Assembleia, depois de ter sido adiada em 2020 devido à pandemia, chega agora no meio de uma guerra que pensávamos que nunca mais veríamos na Europa: quanta força é preciso para proclamar a esperança ao mundo de hoje?

É preciso força extra. A mera força de cada um ou de todos está exposta ao risco da angústia e do medo, sobretudo para os idosos e para uma geração de jovens e adolescentes fortemente provada pelos últimos dois anos e que vê o seu futuro definitivamente roubado com a guerra. Precisamos da força que vem do Senhor Jesus que, antes de experimentar a Paixão, disse aos seus seguidores: “No mundo tereis tribulações; mas coragem, eu venci o mundo” (João 16:33). Aqui está o encorajamento e a força de que precisamos: o dom do Senhor à Igreja e ao mundo, a força da esperança viva, a luz do Evangelho que brilha nas trevas, apesar de tudo, que recria as esperanças mortas que a pandemia sobretudo a guerra. eles produzem e fortalecem.

A Assembleia terá que examinar várias questões relativas à estrutura administrativa e à “máquina da igreja”: podemos citar as principais?

Eu menciono três. A primeira diz respeito ao efeito da pandemia na vida comum das igrejas, que as viu sofrer muito após o fechamento forçado de locais de culto e, posteriormente, na manutenção de frequência assídua aos cultos. Estamos preocupados com a parte mais fragilizada das comunidades que tem tido dificuldade com a modalidade remota e que entretanto ficaram descontentes com a igreja, principalmente nas igrejas menores. A segunda diz respeito ao andamento do plano de cooperação entre as igrejas da União, que lamentavelmente registou um decréscimo significativo no período de dois anos da pandemia que impacta diretamente as necessidades e exigências da União sobretudo em termos de sustentabilidade do a missão interna nas suas diversas declinações, a começar pelo inadiável fortalecimento dos Dicastérios (Teologia, Evangelização e Igrejas internacionais). A terceira questão diz respeito à atribuição às associações regionais de maior dignidade institucional, de forma a torná-las, no âmbito da cooperação entre as igrejas da UCEBI, um instrumento de referência territorial das igrejas locais para um vínculo institucional mais estreito e eficaz, a fim de expressar a unidade da fé no nível organizacional, implementar uma linha comum de testemunho e serviço, cultivar a esperança do cumprimento do reino de Deus.

Face a esta nomeação, a Comissão Executiva propôs às igrejas um documento de estudo, “A tarefa da UCEBI”, que foi debatido localmente e em conferências para macro-áreas. Trata do tema da pluralidade, que já existe dentro da União entre as igrejas, nas igrejas, entre os irmãos e irmãs da igreja, entre os ministros e as ministras. Como e por que o desafio da pluralidade deve ser vivido hoje?

A pluralidade nas igrejas deve ser vivida como comunidades plurais participativas nas quais as pessoas, com suas diferenças geográficas, étnicas, de gênero, culturais, teológicas e éticas, possam confrontar suas expectativas e perspectivas e compartilhar, no caminho comum da fé, a busca do Reino de Deus também sobre temas que distinguem o Batismo, como direitos humanos, direitos civis, direitos comunitários. Todos os direitos atravessados ​​por diferentes concepções éticas e teológicas para a formação cultural e histórica. O desafio da pluralidade deve ser vivido hoje mais do que nunca porque é urgente opor um mundo de solidariedade e igualdade a um mundo regido pelo regime de separação de nações, povos, etnias, culturas, credos, visando atingir os interesses de os poderosos orientados para a realização do bem comum da humanidade e a salvaguarda da criação. Os frutos deste regime de separação dos povos manifestam-se hoje na guerra de agressão contra a Ucrânia. No que diz respeito à pluralidade de ministérios, ao lado do ministério pastoral, hoje existem outros ministérios dentro da União. Neste caso, o desafio da pluralidade deve ser enfrentado promovendo a colaboração de pastores e pastoras, ministros e ministros, incentivando o trabalho em equipe entre pessoas que possuem habilidades diferentes e que sabem trabalhar juntas. Trata-se de uma reforma do modelo pastoral, dos ministros da UCEBI.

Este ano haverá uma sessão conjunta da Assembléia convocada com o Sínodo Valdense e Metodista: quais são as expectativas?

Cerca de 15 anos após o último Assembléia/Sínodo (AS), foi certo e bom ter aprofundado, através dos quatro webinars realizados em preparação para a próxima AS, os principais temas envolvendo reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses. Aqui ressalto antes de tudo a necessidade de melhorar a colaboração territorial fortalecendo-a, iniciando um processo de maior sensibilização dos respectivos sistemas de referência, capaz de tornar a colaboração sistêmica e baseada em projetos específicos para o testemunho evangélico comum no território, e não , como muitas vezes aconteceu, uma colaboração territorial simplesmente ocasional e não suficientemente motivada pelas necessidades de crescimento da igreja e desenvolvimento do testemunho no território. Outra expectativa importante diz respeito à formação de ministros e pastoras cuja formação acadêmica acreditamos deva fortalecer tanto o estudo da teologia prática (em particular, a relação de ajuda, o estabelecimento de novas igrejas, o desenvolvimento e transformação das comunidades, a evangelização) quanto o estudo da música e da hinologia.

Há algum tempo as igrejas na Europa precisam lidar com uma sociedade e uma cultura cada vez menos envolvidas no testemunho cristão: que novas ferramentas podem adquirir?

A pandemia devolveu-nos uma forma de participação em cultos e estudos bíblicos, mas também em conferências temáticas intimamente ligadas aos temas da fé, o que revoluciona o conceito de igreja local, entendida como igreja geograficamente definida e delimitada pelo local de residência dos participantes. Testemunhamos uma expansão virtual da igreja local durante a pandemia. Desta forma, alcançamos pessoas que nunca teriam cruzado o limiar de nossos locais de culto. Uma das ferramentas é, portanto, representada precisamente pela presença da igreja sui mídia social. No entanto, a esses novos métodos de comunicação devem ser adicionadas novas habilidades na formação de ministros, especialmente na área de missão e evangelização. Como se lê no relatório do Dicastério para a Evangelização: “não faltam sinais de esperança onde se está disposto a ‘ousar mudar pela fé’, equilibrando os acentos da estrutura à pessoa, da igreja local à universal , da palavra à escuta, do sermão ao encontro, do livro ao vídeo, do púlpito à mesa ou à webcam, num percurso policêntrico, onde os espaços de oração, de cuidado das almas, de testemunho pessoal e de partilha, também através dos novos media, reclamam um papel maior”.

Como você vivenciou seu mandato em nível pessoal?

Procurei cumprir o mandato presidencial em espírito de oração, experimentando nas diversas dificuldades quotidianas a importância do apoio da Comissão Executiva e da colaboração do pessoal dos gabinetes. Na solidão não faltava a ansiedade pelas expectativas e pela vida comum das igrejas, sobretudo quando atravessadas por graves conflitos ou ameaças externas. Assim como havia preocupações com a saúde de pastores e pastoras. As maiores alegrias eram as decorrentes das visitas às igrejas, nas quais, mesmo com a cumplicidade convivial dos ágapes, os laços de fraternidade e sororidade se fortaleciam na profundidade e beleza da comunhão em Cristo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

COP27.  Clima, a situação é difícil.  O que podemos “dar em troca”?

COP27. Clima, a situação é difícil. O que podemos “dar em troca”?

Foto FLM/Albin Hillert Roma (NEV), 17 de novembro de 2022 – No site da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Peter Pavlovic* assinar um estudo sobre justiça econômica e ecológica. Reproduzimos a tradução abaixo. O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) confirma que as emissões totais de gases de efeito estufa aumentaram, apesar de todos os esforços, no período 2010-2019, mais do que em qualquer década anterior. A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), em andamento no Egito, visa colmatar a lacuna de credibilidade no processo decorrente do Acordo de Paris e a falta de confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para empreender esse processo. Ambos os lados estão olhando para a mudança climática de diferentes perspectivas. Os países desenvolvidos o veem como uma oportunidade de mudança, os países em desenvolvimento o veem como o momento em que os países ricos devem reconhecer que seu bem-estar foi amplamente alcançado nas costas do mundo pobre e menos desenvolvido. Eles esperam que os países ricos paguem um preço justo pelo bem-estar de que desfrutam e que contribuam significativamente, compensando financeiramente o sofrimento que os impactos das mudanças climáticas trouxeram para as partes do mundo que não os causaram e, finalmente, para permitir um caminho em direção a uma futuro justo, equitativo e sustentável para todos. O aquecimento global em curso e os impactos cada vez mais devastadores das mudanças climáticas fornecem ampla razão para admitir que o tempo está se esgotando. Como expressou um dos líderes mundiais: “O objetivo de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau, conforme acordado em Paris, ainda está vivo, mas está em terapia intensiva”. Em resposta aos impactos devastadores das mudanças climáticas que afetam pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo, a presidência da COP27 lançou uma “Agenda de Adaptação” de Sharm El Sheikh, com o objetivo de melhorar a resiliência dos 4 bilhões de pessoas que vivem nas comunidades mais vulneráveis. Este é o primeiro plano global para um conjunto de ações compartilhadas necessárias até o final desta década para reduzir o impacto das mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, é cada vez mais reconhecido que uma parte significativa do esforço para reduzir a mudança climática deve depender da diminuição da demanda do consumidor nos países desenvolvidos. Os relatórios do IPCC sugerem que a mudança comportamental precisa ser mais estudada. A ciência estima que as estratégias nessa área (a da demanda do consumidor) têm o potencial de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40-70%. Igrejas e religiões têm um papel a desempenhar. Para a maioria das pessoas no mundo, a religião é um dos principais fatores que determinam seus padrões de vida. O papel das igrejas em enfatizar o conceito do mundo como uma criação, que não é nossa propriedade, é mais importante do que nunca. À luz das alterações climáticas, as palavras do Salmo 24: "Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele habitam", a propósito da pergunta suscitada no Salmo 116: "O que retribuo ao Senhor toda a sua generosidade para comigo?” eles exigem uma nova compreensão de justiça e equidade. As igrejas devem elaborar esse entendimento com novo vigor e determinação. *Peter Pavlovic é pastor, faz parte do CEC e da European Christian Network for the Environment (ECEN). Além disso, ele é membro da equipe ecumênica liderada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) na COP27 no Egito. Foto Valter Hugo Muniz/CEC Ainda hoje, durante a COP27, foi realizada uma oração ecumênica entre outras coisas. Hospedado pelo Patriarcado Copta Ortodoxo, Diocese de South Sinai, foi realizado na Catedral do Céu em Sharm el-Sheikh. Tema: “Ó Senhor, contempla a obra das tuas mãos”. Na foto, o Metropolitano Seraphim Kykkotis Zimbábue. Além disso, o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) lançou recentemente uma Declaração sobre a COP27, chamando-a de "uma oportunidade crítica" para revisar o roteiro para um amanhã sustentável. Na Declaração, o CMI observa que existem comunidades e nações que já lidam com os impactos catastróficos da mudança climática, mas cujos apelos urgentes não foram atendidos por outros membros da comunidade internacional. ...

Ler artigo
O “Tempo da Criação” na Europa e no mundo

O “Tempo da Criação” na Europa e no mundo

Roma (NEV), 25 de julho de 2019 – O período litúrgico conhecido como “Tempo da Criação” é celebrado de 1º de setembro a 4 de outubro em um número crescente de igrejas, na Europa e no mundo. A ideia original remonta a 1989, quando o Patriarca Ecumênico Dimitrios ele sugeriu que o primeiro dia do ano ortodoxo, precisamente 1º de setembro, fosse considerado um dia "de proteção ao meio ambiente". A Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997 lançou as bases para expandir a proposta e a Rede Cristã Européia para o Meio Ambiente (ECEN) exortou as igrejas a adotar um "Tempo da Criação" estendendo-o até 4 de outubro, o de Francisco de Assis. A celebração deste "tempo litúrgico", que se realiza através da oração, do culto cristão e de outras iniciativas, foi também endossada pela 3ª Assembleia Ecuménica Europeia em Sibiu, em 2007, que recomendou a sua dedicação "à oração pela protecção da Criação e à a promoção de estilos de vida sustentáveis ​​que revertam o curso do nosso comportamento que tem causado as mudanças climáticas". Finalmente, em 2015 Papa Francisco introduziu o dia 1º de setembro como o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação na Igreja Católica, em linha com o que a Conferência Episcopal Italiana (CEI) já vinha fazendo na Itália desde 2006. "Por toda a Europa, assim como em cada vez mais outras partes do mundo, os cristãos preparam materiais litúrgicos sobre o tema da criação", diz o site ECEN, que coleta esses materiais para disponibilizá-los às igrejas e comunidades para uso durante o Tempo de Criação e ao longo do ano. Um novo site em vários idiomas (inglês, francês, italiano, espanhol, português, polonês) também coleta os compromissos que estão sendo organizados em todo o mundo. Em junho, vários líderes religiosos anglicanos, ortodoxos, protestantes e católicos assinaram uma carta-convite para celebrar o Tempo da Criação 2019, que este ano tem como título “A teia da vida: a biodiversidade como bênção de Deus”. “Nos unimos como uma só família em Cristo com espírito ecumênico, reconhecendo que a criação é doada a todos nós e que somos chamados a compartilhar a responsabilidade de sua proteção”, diz o documento. Os signatários lamentam a extinção de várias espécies, para as quais "as criaturas de Deus estão desaparecendo da Terra ... De insetos humildes a mamíferos majestosos, de plâncton microscópico a árvores imponentes" e pedem que uma voz unida seja levantada este ano na ocasião a cúpula climática da ONU em setembro, o Sínodo Católico sobre a Amazônia em outubro e a conferência climática da ONU em novembro. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) preparou, como de costume, um dossiê com materiais bíblicos e litúrgicos para o Tempo da Criação. O documento pode ser baixado clicando no seguinte título: “Na sociedade de Deus não há desperdício. Questionado pela prioridade das alterações climáticas". ...

Ler artigo
o pacifismo de Dorothee Sölle, em 25 de março em Florença

o pacifismo de Dorothee Sölle, em 25 de março em Florença

Roma (NEV), 22 de março de 2023 - Dorothee Solle nasceu em 30 de setembro de 1929 em Colônia. Ela foi definida como uma teóloga da libertação, uma teóloga da liturgia política, uma teóloga sentinela, mas também se poderia dizer de sua paciente mística, resistente, revolucionária, poetisa e militante pacifista. É sobre a sua figura, no vigésimo aniversário da sua morte, que as intervenções da mesa redonda pública organizada pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), no seio do seu XIII Congresso que terá lugar em Florença no próximos dias, vai girar. Encontro no sábado, 25 de março, às 18h, no grande salão do Gould Institute, na via de' Serragli, 49. Título: “Misticismo e resistência: o pacifismo de Dorothee Sölle como opção de vida resistente”. Com Alice Bianchi, Fabrício Bosina, Letizia Tomassone. Moderado Elena Ribetrepórter da agência de notícias Nev. Teólogo evangélico, Sölle também estudou filosofia e literatura. Foi ela quem cunhou o termo “Cristofascismo”. Foi dele também a intuição de uma chamada “hermenêutica da fome”, onde a fome significa fome de pão, fome dos pobres, mas também fome de sentido e de espiritualidade. Entre os escritos de Sölle, lembramos "o choro silencioso”, um volume sobre figuras místicas de todas as religiões: hinduísmo, judaísmo, islamismo, cristianismo… emblemas da espiritualidade entre os quais provavelmente poderíamos incluir a própria Sölle hoje. E também "Trabalhar e amar" publicado na Itália por Claudiana; "Sofrimento"; “Paciência Revolucionária” (poemas). Abaixo está o panfleto. A mesa redonda é organizada pela FDEI em colaboração com a Faculdade Valdense de Teologia em Roma, livraria Claudiana Florence, com a contribuição de fundos Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.