Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

A Assembleia, depois de ter sido adiada em 2020 devido à pandemia, chega agora no meio de uma guerra que pensávamos que nunca mais veríamos na Europa: quanta força é preciso para proclamar a esperança ao mundo de hoje?

É preciso força extra. A mera força de cada um ou de todos está exposta ao risco da angústia e do medo, sobretudo para os idosos e para uma geração de jovens e adolescentes fortemente provada pelos últimos dois anos e que vê o seu futuro definitivamente roubado com a guerra. Precisamos da força que vem do Senhor Jesus que, antes de experimentar a Paixão, disse aos seus seguidores: “No mundo tereis tribulações; mas coragem, eu venci o mundo” (João 16:33). Aqui está o encorajamento e a força de que precisamos: o dom do Senhor à Igreja e ao mundo, a força da esperança viva, a luz do Evangelho que brilha nas trevas, apesar de tudo, que recria as esperanças mortas que a pandemia sobretudo a guerra. eles produzem e fortalecem.

A Assembleia terá que examinar várias questões relativas à estrutura administrativa e à “máquina da igreja”: podemos citar as principais?

Eu menciono três. A primeira diz respeito ao efeito da pandemia na vida comum das igrejas, que as viu sofrer muito após o fechamento forçado de locais de culto e, posteriormente, na manutenção de frequência assídua aos cultos. Estamos preocupados com a parte mais fragilizada das comunidades que tem tido dificuldade com a modalidade remota e que entretanto ficaram descontentes com a igreja, principalmente nas igrejas menores. A segunda diz respeito ao andamento do plano de cooperação entre as igrejas da União, que lamentavelmente registou um decréscimo significativo no período de dois anos da pandemia que impacta diretamente as necessidades e exigências da União sobretudo em termos de sustentabilidade do a missão interna nas suas diversas declinações, a começar pelo inadiável fortalecimento dos Dicastérios (Teologia, Evangelização e Igrejas internacionais). A terceira questão diz respeito à atribuição às associações regionais de maior dignidade institucional, de forma a torná-las, no âmbito da cooperação entre as igrejas da UCEBI, um instrumento de referência territorial das igrejas locais para um vínculo institucional mais estreito e eficaz, a fim de expressar a unidade da fé no nível organizacional, implementar uma linha comum de testemunho e serviço, cultivar a esperança do cumprimento do reino de Deus.

Face a esta nomeação, a Comissão Executiva propôs às igrejas um documento de estudo, “A tarefa da UCEBI”, que foi debatido localmente e em conferências para macro-áreas. Trata do tema da pluralidade, que já existe dentro da União entre as igrejas, nas igrejas, entre os irmãos e irmãs da igreja, entre os ministros e as ministras. Como e por que o desafio da pluralidade deve ser vivido hoje?

A pluralidade nas igrejas deve ser vivida como comunidades plurais participativas nas quais as pessoas, com suas diferenças geográficas, étnicas, de gênero, culturais, teológicas e éticas, possam confrontar suas expectativas e perspectivas e compartilhar, no caminho comum da fé, a busca do Reino de Deus também sobre temas que distinguem o Batismo, como direitos humanos, direitos civis, direitos comunitários. Todos os direitos atravessados ​​por diferentes concepções éticas e teológicas para a formação cultural e histórica. O desafio da pluralidade deve ser vivido hoje mais do que nunca porque é urgente opor um mundo de solidariedade e igualdade a um mundo regido pelo regime de separação de nações, povos, etnias, culturas, credos, visando atingir os interesses de os poderosos orientados para a realização do bem comum da humanidade e a salvaguarda da criação. Os frutos deste regime de separação dos povos manifestam-se hoje na guerra de agressão contra a Ucrânia. No que diz respeito à pluralidade de ministérios, ao lado do ministério pastoral, hoje existem outros ministérios dentro da União. Neste caso, o desafio da pluralidade deve ser enfrentado promovendo a colaboração de pastores e pastoras, ministros e ministros, incentivando o trabalho em equipe entre pessoas que possuem habilidades diferentes e que sabem trabalhar juntas. Trata-se de uma reforma do modelo pastoral, dos ministros da UCEBI.

Este ano haverá uma sessão conjunta da Assembléia convocada com o Sínodo Valdense e Metodista: quais são as expectativas?

Cerca de 15 anos após o último Assembléia/Sínodo (AS), foi certo e bom ter aprofundado, através dos quatro webinars realizados em preparação para a próxima AS, os principais temas envolvendo reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses. Aqui ressalto antes de tudo a necessidade de melhorar a colaboração territorial fortalecendo-a, iniciando um processo de maior sensibilização dos respectivos sistemas de referência, capaz de tornar a colaboração sistêmica e baseada em projetos específicos para o testemunho evangélico comum no território, e não , como muitas vezes aconteceu, uma colaboração territorial simplesmente ocasional e não suficientemente motivada pelas necessidades de crescimento da igreja e desenvolvimento do testemunho no território. Outra expectativa importante diz respeito à formação de ministros e pastoras cuja formação acadêmica acreditamos deva fortalecer tanto o estudo da teologia prática (em particular, a relação de ajuda, o estabelecimento de novas igrejas, o desenvolvimento e transformação das comunidades, a evangelização) quanto o estudo da música e da hinologia.

Há algum tempo as igrejas na Europa precisam lidar com uma sociedade e uma cultura cada vez menos envolvidas no testemunho cristão: que novas ferramentas podem adquirir?

A pandemia devolveu-nos uma forma de participação em cultos e estudos bíblicos, mas também em conferências temáticas intimamente ligadas aos temas da fé, o que revoluciona o conceito de igreja local, entendida como igreja geograficamente definida e delimitada pelo local de residência dos participantes. Testemunhamos uma expansão virtual da igreja local durante a pandemia. Desta forma, alcançamos pessoas que nunca teriam cruzado o limiar de nossos locais de culto. Uma das ferramentas é, portanto, representada precisamente pela presença da igreja sui mídia social. No entanto, a esses novos métodos de comunicação devem ser adicionadas novas habilidades na formação de ministros, especialmente na área de missão e evangelização. Como se lê no relatório do Dicastério para a Evangelização: “não faltam sinais de esperança onde se está disposto a ‘ousar mudar pela fé’, equilibrando os acentos da estrutura à pessoa, da igreja local à universal , da palavra à escuta, do sermão ao encontro, do livro ao vídeo, do púlpito à mesa ou à webcam, num percurso policêntrico, onde os espaços de oração, de cuidado das almas, de testemunho pessoal e de partilha, também através dos novos media, reclamam um papel maior”.

Como você vivenciou seu mandato em nível pessoal?

Procurei cumprir o mandato presidencial em espírito de oração, experimentando nas diversas dificuldades quotidianas a importância do apoio da Comissão Executiva e da colaboração do pessoal dos gabinetes. Na solidão não faltava a ansiedade pelas expectativas e pela vida comum das igrejas, sobretudo quando atravessadas por graves conflitos ou ameaças externas. Assim como havia preocupações com a saúde de pastores e pastoras. As maiores alegrias eram as decorrentes das visitas às igrejas, nas quais, mesmo com a cumplicidade convivial dos ágapes, os laços de fraternidade e sororidade se fortaleciam na profundidade e beleza da comunhão em Cristo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Experimente a Ceia do Senhor juntos

Experimente a Ceia do Senhor juntos

Roma (NEV), 24 de setembro de 2018 - A apresentação do volume "Viver juntos a Ceia do Senhor" será realizada no sábado, 29 de setembro, editada pela Coordenação Milanesa 9 de março e pelo pároco batista Ângelo Reginato. "Este é o sentido do nosso profundo desejo de partir não só a Palavra, mas também o Pão: oferecer a um mundo que constrói muros e teme o testemunho de um convite gratuito dirigido a todos, sem autorização de residência e sem comissões ministeriais, para participar e partilhar o dom do seu amor», lê-se na primeira página do livrinho publicado pela o relógio de sol no colar páginas outras. O livro reúne reflexões, documentos e esperanças de crentes no Evangelho, de diversas confissões, que desejam celebrar juntos a memória da ceia do Senhor. Eles participam da apresentação, que tentará responder à pergunta se é possível trilhar um caminho comum Mira Bozzinio presidente da Fundação Arché José Bettoniresponsável pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Milão Elza Ferrario e O próprio Angelo Reginato, pároco da Igreja de Lugano. Encontro às 9h30 em Milão no Corso Garibaldi 116, na sala da biblioteca paroquial, seguido de debate. Existem várias iniciativas ecumênicas sobre hospitalidade eucarística, como por exemplo a do grupo "Spezzare il pane", que promove a hospitalidade eucarística desde 2011, para criar uma rede de intercâmbio de informações e experiências. ...

Ler artigo
Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Luteranos e católicos comemorarão juntos o 500º aniversário da excomunhão de Lutero

Luteranos e católicos comemorarão juntos o 500º aniversário da excomunhão de Lutero

Roma (NEV), 24 de janeiro de 2020 – A Federação Luterana Mundial (FLM) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) decidiram, durante sua reunião anual conjunta em 14 de janeiro em Genebra, recordar em conjunto o 500º aniversário da excomunhão de Lutero , ocorrido em 1521. O Secretário-Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar-se com um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.