“Fratelli tutti”, uma reflexão ecumênica e de gênero sobre a Encíclica

“Fratelli tutti”, uma reflexão ecumênica e de gênero sobre a Encíclica

Foto: Albin Hillert/WCC

Roma (NEV), 5 de março de 2021 – A perspectiva de gênero na Encíclica do Papa Francisco. O assunto foi discutido em um webinar realizado no último dia 3 de março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, que contou com a presença da secretária-geral adjunta do Conselho Mundial de Igrejas, professora Isabel Apawo Phiri. O site do Conselho Mundial de Igrejas dá a notícia.

Phiri refletiu anteriormente sobre as restrições linguísticas associadas à palavra “fraternidade” como uma linguagem patriarcal, argumentando que a outra frase encontrada no subtítulo da encíclica, “amizade social”, ajuda a preencher a lacuna linguística.

“Do ponto de vista teológico cristão, acho significativo o uso da palavra ‘amizade’, especialmente em um contexto inter-religioso”, disse ele.

O segundo elemento que emergiu da análise do subsecretário do KEK é que “Fratelli tutti” busca preencher a lacuna entre a visão teológica e a vontade política. “Uma das ideias importantes deste documento é inspirar uma nova visão de fraternidade e amizade social que não fique no nível das palavras”, afirmou. “Essa lacuna entre nossas palavras e nossas decisões deve se tornar uma prioridade das instituições religiosas”.

O ambiente atual do COVID-19 exacerbou as desigualdades de gênero globalmente, continuou Phiri. “De muitas maneiras, o documento oferece ao mundo uma nova oportunidade de tornar realidade nossas esperanças de um mundo de justiça e igualdade”, disse ele. “Assim, nos tornamos o que os cristãos chamam de comunidade de iguais.”

O webinar foi organizado pela União Mundial das Organizações Femininas Católicas e pelo Pontifício Conselho para a Cultura em colaboração com o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas reformadas em todo o mundo.  Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Igrejas reformadas em todo o mundo. Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Banco de Imagens - CMCR Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) lançou um “processo de discernimento”. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". A próxima “roda de partilha” realiza-se hoje, quarta-feira, dia 24 de fevereiro, a partir das 15h00 (CET). “A ideia do círculo de partilha – escreve o CMCR – é manifestar-se sobre temas de particular urgência no contexto da pandemia da COVID-19 e das injustiças a que ela expõe. A intenção é gerar ideias sobre como a Comunhão, em todos os níveis, deve responder à crise”. Racismo, autoritarismo e nacionalismo Esta sessão centrar-se-á nas apresentações do CMCR-Europa e do processo RAN (racismo, autoritarismo e nacionalismo). Representantes das igrejas reformadas europeias falarão partindo deste conceito: “Não tenha medo em tempos de pandemia”. A pandemia tem um impacto econômico especialmente nos mais pobres. “As igrejas – prossegue o CMCR – são chamadas a reconsiderar o papel que podem desempenhar nas sociedades secularizadas, transmitindo uma mensagem profética sobre temas como o Estado de direito e a democracia, as normas sanitárias e a proteção dos pobres”. Os palestrantes do processo RAN abordarão o aumento crescente e muitas vezes violento de ideologias racistas. Tais ideologias, argumenta a Comunhão, são frequentemente alimentadas por discursos nacionalistas. “As forças de direita, alimentadas por ideologias racistas e quase fascistas, têm-se afirmado tanto na vida política como na política em muitas partes do mundo”, denuncia o CMCR. Na conversa, será dada voz às comunidades vítimas da racialização ao redor do mundo, explorando as conexões entre racismo, autoritarismo e nacionalismo. Entre os pilares, as teologias da vida nos movimentos populares, que oferecem “a possibilidade de resistência e transformação”. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo
Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

A pousada de Torre Pellice (Turim) Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 - As casas e pensões valdenses não estão fechando devido à Covid, mas estão "relançando". De fato, as estruturas foram convertidas, em muitos casos, nas últimas semanas, justamente para se adaptar à nova situação ligada à emergência sanitária, às restrições de viagens, mas também para reagir ao colapso do setor do turismo. Contribuindo ativamente para ajudar as pessoas mais vulneráveis. Eles escreveram e explicaram Elisa Ambrosoni E Daniel del Priore dias atrás em um post no site e redes sociais das pousadas e casas valdenses. As casas valdenses, como também havíamos noticiado aqui no NEV, haviam reaberto em junho. Após o verão, em virtude das várias DPCMs, da segunda onda, do lockdown e da divisão da Itália em zonas, uma nova parada para o setor de turismo. Daniele Del Priore, diretora da área de acolhimento da Diaconia Valdense, não nega o momento de extraordinária dificuldade: “Os funcionários dos albergues e pousadas estão em fundo de demissão, antecipado pela Diaconia Valdense. O orçamento deste ano é fortemente negativo. E lembramos que as receitas das pensões apoiam a atividade solidária da Diaconia”. Mas diante da crise, "resiliência". “Como também no primeiro bloqueio, nos ouvimos. A vontade de ouvir as necessidades dos territórios e das pessoas faz parte da nossa missão”. Daí, portanto, a escolha de reformular a oferta. “O Foresteria Valdese de Torre Pellice, em colaboração com o ASL Torino 3, será utilizado como um hotel de saúde que acolhe pessoas positivas, assintomáticas e autónomas. A Waldensian Foresteria em Florença colocou à disposição do Gould Institute uma ala do Palazzo Salviati para que os menores que testem positivo para Covid-19, ou que apresentem sintomas, possam usufruir de um amplo espaço dedicado”, lê-se no detalhe no site do casas valdenses. No que diz respeito à Casa Cares, na Toscana, “estão em curso negociações com a Cruz Vermelha Italiana para que a estrutura possa acolher os migrantes que entram no nosso país, que necessitam de passar por um período de quarentena antes de serem assumidos pelo Estado italiano”. A Vallecrosia House Vallecrosia “reservou alguns quartos e uma parte do grande parque privado para migrantes em trânsito para a França: são principalmente famílias, em todo caso pessoas que precisam extremamente de descanso. Esta iniciativa nasceu da colaboração entre as casas valdenses e a Área de Migrantes da Diaconia Valdense, com o apoio e apoio das Igrejas Valdenses de Ponente Ligure. Mesmo em Florença, antecipa del Priore, “estamos pensando em destinar nossa estrutura a um local onde menores em situação de dificuldade, acolhidos nas comunidades protegidas da cidade, possam passar quaisquer períodos de quarentena”. Tudo isso sob a égide de uma necessidade de socialização e sociabilidade. “O desejo – conclui a pessoa de contacto – é o regresso à normalidade, para todos, não só para as pessoas que são sempre faladas nos media. Penso nos mais novos, por exemplo, na necessidade de estarem juntos, de estarem próximos. A mensagem que queremos dar é de esperança: o distanciamento físico não exclui a proximidade social”. Para quem deseja informações sobre as estruturas individuais e sua disponibilidade, é aconselhável entrar em contato diretamente com a casa ou pousada, usando os dados de contato disponíveis no site casevaldesi.it e nas redes sociais. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Vamos, em um futuro próximo

Sínodo Luterano. Vamos, em um futuro próximo

Roma (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – A quarta sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi concluída com o serviço religioso de 1º de maio em Catania.Um Sínodo participativo e animado que reacendeu a percepção de como é importante para os luteranos na Itália não apenas debater sobre o fato de serem igreja hoje, mas também sobre o papel que o CELI deve ter no espaço público, diante de pequenas e grandes temas que preocupam as sociedades modernas: a mudança climática, a relação com o meio ambiente, a violência das guerras. Durante uma sugestiva meditação de frente para o mar de Siracusa, o Decano do CELI, pároco Carsten Gerdes, questionou: “Em todo o mundo, cada vez mais pessoas vivem em cidades, em centros industriais. Entre o asfalto e o concreto, circulam em caixas de lata climatizadas e, das garagens subterrâneas, passam direto para o shopping. Quem conhece a esteira apenas como um movimento e, após meia hora de uso, está sempre na mesma academia, percebe menos as mudanças no ambiente natural. Será que as pessoas deveriam voltar a viver em aldeias, no interior, a cultivar pequenas hortas, para ver claramente o quanto a Natureza à nossa volta mudou?” Os Sínodos, por mais complexos, ricos e envolventes, buscam não apenas respostas para a Igreja hoje, mas questões que possam levá-la adiante, em um futuro próximo.Não há respostas simples, fáceis e definitivas para um Sínodo. Carsten Gerdes explicou: “Acho que sempre é preciso que as pessoas façam perguntas para fazer uma mudança. […] Acho que isso dá certo sobretudo quando muitas dessas pessoas, anteriormente, já fizeram perguntas na mesma direção, questionaram posições, ficaram inquietas”. A variedade das intervenções, as numerosas participações de convidados e delegações, a própria escolha de organizar um Sínodo nacional não só em Roma, mas também nos territórios, e este ano na Sicília, é expressão da vontade de pesquisar, de questões que merecem encontrar tempo e espaço para serem ouvidos e compartilhados. Leia a entrevista com o Reitor: Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana Leia a entrevista com o vice-reitor: Kirsten Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem Curiosidade: a campanha oito por mil da Igreja Evangélica Luterana na Itália foi apresentada durante o Sínodo. A campanha terá como tema principal o lema do capítulo 5 do Evangelho de Mateus: “vós sois o sal da terra”. A hashtag será de fato #siamosale e a campanha estará acessível a partir de 8 de maio no site www.ottopermilleluterano.org. O CELI usa os oito por mil para iniciativas sociais e humanitárias, principalmente voltadas para a Itália. Participa, com projetos próprios, no desenvolvimento social e cultural dos territórios onde se situam as suas comunidades e, através do apoio a projetos online, apoia iniciativas a favor das pessoas mais fragilizadas, minorias discriminadas, migrantes. Para saber mais: O especial do NEV sobre o Sínodo Luterano 2023. Os materiais oficiais do CELI: comunicados de imprensa, fotos, vídeos, etc…, ainda disponíveis aqui por alguns dias (Sínodo 2023). FORMA. A Igreja Evangélica Luterana na Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.