“Precisamos de um passo decisivo das igrejas”

“Precisamos de um passo decisivo das igrejas”

Foto tirada de

Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 – “Hoje podemos nos perguntar onde estamos no caminho sem fósseis e quanto fazemos para cumprir nossos compromissos a esse respeito”. Com estas palavras o coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Maria Elena Lacquaniticomenta as recentes notícias em que a ENI anunciou um lucro operacional para 2022 que ascende a colossais 20,4 mil milhões de euros.

Os lucros mais altos de todos os tempos e mais que o dobro em relação a 2021, de acordo com a Associação ReCommon e o Greenpeace Itália, que declaram “ultrajante que as empresas de petróleo e gás obtenham lucros recordes enquanto o planeta queima”.

“Chegou a hora de dar um passo decisivo, também aceitando os convites que vêm de vários quadrantes do mundo católico: trabalhar juntos para que as igrejas se tornem comunidades de energia” continua Lacquaniti. E conclui: “A GLAM está aí e coloca-se à disposição das igrejas para contribuir para esta mudança, com informação, apoio e também com os objetivos alcançados por algumas das eco-comunidades do setor energético”.

Entre os sinais que vão nessa direção, da parte católica, está a exortação do Monsenhor Filipe Santorobispo de Taranto, que, dirigindo-se a mais de 25.000 paróquias, disse: “Queremos que as comunidades dos fiéis em todas as paróquias italianas se tornem comunidades de energia” (Fonte: Repubblica, 14 de fevereiro de 2023).

Em 2017, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) propôs à Federação aderir à campanha para desinvestir no financiamento fóssil “No fóssil”. A FCEI, em Junho do mesmo ano, decidiu apoiar a campanha, levando também a mensagem por ocasião da nomeação “All 4 the green” em Bolonha.

GLAM e eco-comunidades

A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Suíço.  Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Suíço. Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Rita Famos, recém-eleita presidente do ESRB Roma (NEV/voceevangelica.ch), 2 de novembro de 2020 – a pastora Rita Famosa ela é a primeira mulher a liderar uma grande comunidade de fé na Suíça. O sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) elegeu esta manhã seu presidente durante sua sessão ordinária de outono. Famos, candidato apresentado pela Igreja Reformada de Zurique, obteve 47 votos (a maioria absoluta foi de 40 votos) no primeiro turno. O novo presidente permanecerá no cargo até 2022 e poderá se reeleger por mais quatro anos. Para o teólogo evangélico romano Isabelle Graesslé, outro candidato, recebeu 25 preferências. O Sínodo do ESRB ocorreu digitalmente em cumprimento às medidas anti-Covid. Rita Famos, 54, concorreu à presidência há dois anos. Ativa na igreja reformada por quase trinta anos, ela também presidiu a cerimônia ecumênica que reafirmou o reconhecimento mútuo do batismo por todas as igrejas cristãs na Suíça (Riva San Vitale, abril de 2014). Na época, Rita Famos era presidente da Comunidade Operária de Igrejas Cristãs na Suíça. De 2013 até o presente, ele chefiou o departamento que coordena o setor de cuidado pastoral da igreja cantonal reformada de Zurique. Para mais informações, leia o artigo de Paulo Tognina em voceevangelica.ch ...

Ler artigo
Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Roma (NEV), 2 de janeiro de 2022 - 27 de maio de 1988 Desmond Tutu ele era um convidado da Faculdade Valdense de Teologia. O arcebispo anglicano da Cidade do Cabo esteve em Roma juntamente com uma delegação sul-africana que incluía algumas das figuras mais importantes na luta contra o apartheid: o pároco Frank Chicanena época Secretário-Geral do Conselho Sul-Africano de Igrejas (SACC), o Metodista Virgínia Gcabashevice-presidente da SACC, o pároco Sol Jacob. A delegação, recebida anteriormente no Vaticano, reuniu-se com alunos, professores e representantes das igrejas evangélicas italianas da Faculdade Valdense. O professor fez as honras na ocasião Paulo rico que, em entrevista concedida ao programa de rádio Culto evangélico neste domingo, 2 de janeiro, relembrou aquele acontecimento. Abaixo, uma versão da entrevista preparada para a agência NEV/Notícias Evangélicas. Professor Ricca, o que você aprendeu dessa reunião? Paulo rico Lembro-me de muitas coisas, principalmente da alegria que acompanhou todo o encontro. O que me pressionava naquele momento era que nossos estudantes de teologia conhecessem pessoalmente esse protagonista da fé cristã de nosso tempo. E isso certamente aconteceu durante o encontro oficial com os representantes das igrejas evangélicas italianas, mas sobretudo aconteceu à noite na Faculdade, quando convidamos Tutu para jantar. Ele veio e jantou com professores e alunos. Foi um grande jantar que, recordo, terminou com uma canção: levantamo-nos e cantámos juntos Nós devemos superar o hino de Martin Luther King. Foi um grande jantar e uma grande festa; uma alegria, poder encontrar um homem daquela estatura que mostrava claramente como é possível estar plenamente inserido nas lutas do mundo, proclamando uma clara confissão da fé cristã. Qual foi a mensagem que Tutu e os outros membros da delegação sul-africana trouxeram? Um cartaz dos tempos do apartheid na África do Sul Sublinharam essencialmente dois aspetos: a necessidade de justiça social e o fim do apartheid como sistema iníquo. Ainda me lembro de Sol Jacob, que foi um dos presentes, que disse que o apartheid não podia ser corrigido, tinha que ser abolido. Aqui, esta foi de certa forma a mensagem geral da reunião. Existem distorções na sociedade que não podem ser corrigidas, devem ser abolidas. O único remédio é radical, como em certas doenças que não se curam com canudos; em vez disso, precisamos intervir de forma radical. E assim é também no corpo da sociedade contemporânea. E esta mensagem foi sustentada por uma confissão de fé muito viva. Uma luta pela afirmação dos direitos humanos, mas partindo da mensagem da liberdade que Cristo dá ao ser humano. Deus é o libertador que nos liberta não só do apartheid, mas de todos os pecados, de todos os males internos e sociais. Na sua opinião, que legado Desmond Tutu deixa? A biblioteca da Faculdade Valdense O maior legado, a meu ver, está na proposta que Tutu fez de criar, após a queda do regime do apartheid, uma comissão chamada 'Verdade e Reconciliação' para reunir as vítimas e perpetradores dos terríveis anos de segregação. O que significou o estabelecimento dessa comissão? Ele quis dizer que não existe perdão barato. O perdão costuma ser tratado como uma mercadoria barata; em vez disso, o barato não é perdão 'criativo', ou seja, um perdão que criar Nova Condição. Perdão criativo é apenas o que passa pelo arrependimento e reconhecimento de culpa. Se não reconheces a tua culpa, não há perdão possível, pelo menos ao nível das relações pessoais. Assim, a ideia de que não há perdão barato parece-me ser o grande contributo de Desmond Tutu para todo o enorme problema das faltas sociais ou políticas, e da necessária reconciliação que, no entanto, tem um preço: o reconhecimento da culpa. Tutu foi muito firme em manter este ponto após a tragédia do apartheid que ceifou inúmeras vidas. Não há pecado, seja social ou pessoal, que não possa ser perdoado, tudo pode ser perdoado desde que haja reconhecimento de culpa. ...

Ler artigo
Corredores humanitários, 97 refugiados afegãos chegaram hoje a Roma

Corredores humanitários, 97 refugiados afegãos chegaram hoje a Roma

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 23 de fevereiro de 2023 – Hoje, quinta-feira, 23 de fevereiro, um grupo de 97 refugiados afegãos chegou do Paquistão como parte do programa Corredores Humanitários implementado pela Caritas Italiana (em nome da CEI - Conferência Episcopal Italiana), FCEI (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália), Mesa Valdense e Comunidade de Sant'Egidio. Esta última chegada também é feita com base nos protocolos assinados com o governo italiano em novembro de 2021, para um total de 1200 pessoas que fugiram do Afeganistão e foram acolhidas na Itália por igrejas e sociedade civil. Os cidadãos afegãos que chegaram serão acolhidos em várias dioceses, igrejas, comunidades, de norte a sul, e em particular no Trentino-Alto Ádige, Vêneto, Lombardia, Piemonte, Toscana, Lácio, Puglia e Calábria. São famílias e pessoas solteiras, algumas das quais se reunirão na Itália com parentes que já moram há algum tempo em nosso país. O instrumento dos corredores humanitários tem garantido a fuga de contextos de guerra e graves violações de direitos a requerentes de asilo, refugiados e pessoas vulneráveis ​​que de outra forma nunca teriam conseguido chegar ao território europeu. Vestir Marco Pagniello, diretor da Caritas Italiana, explica que "além do tipo de intervenção assegurada (Corredores Humanitários, Corredores Universitários, evacuações humanitárias, acolhimento de emergência), o compromisso da Caritas foi implementar um sistema de acolhimento e integração cujo fulcro eram as comunidades. De facto, desde o início, as famílias, as paróquias e os institutos religiosos têm garantido a necessária assistência a quem chega ao nosso país”. Isso foi possível graças ao projeto APRI (dos quatro verbos do Papa "Acolher, Proteger, Promover, Integrar") que permitiu ao longo do tempo enfrentar com eficácia e competência estes importantes desafios, sensibilizando as comunidades envolvidas sobre o real valor de hospitalidade. Envolver o território e as comunidades - continua o diretor da Caritas Italiana - significa fornecer aos cidadãos as ferramentas para compreender e acompanhar um fenômeno complexo como a migração, sem passar por ela, ajudando assim a mudar sua percepção e, portanto, a narrativa: o migrante não é mais o estranho que entra em nossa casa, mas uma pessoa frágil com um nome e uma história que merecem tanto consideração quanto respeito”. Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, declara: “Hoje damos as boas-vindas a essas famílias afegãs, mulheres, homens, crianças que estão deixando para trás um país onde os direitos são pisoteados todos os dias. Eles terão a chance de reconstruir suas vidas na Itália, na Europa, e para nós é um privilégio acompanhá-los nessa jornada. Esperamos, perante uma situação de emergência que infelizmente continua a poder continuar a acolher e estamos prontos para o fazer, confirmemos o nosso compromisso”. E acrescenta: “Ao mesmo tempo, acreditamos que a comunidade internacional deve se responsabilizar pelo que está acontecendo no Afeganistão, pelas violações dos direitos humanos, especialmente das mulheres e meninas. O que lemos todos os dias, enfim, a negação do direito à educação, é intolerável. Nossos pensamentos para as pessoas que ficaram naquele país. Acreditamos que é importante para a Europa acolher outras pessoas em perigo, através dos corredores humanitários e de todas as outras ferramentas disponíveis, e ao mesmo tempo trabalhar para restaurar a paz e os direitos da população afegã”. “Numa época de esquecimento das guerras e suas trágicas consequências, não esquecemos o sofrimento dos afegãos”, declara o presidente da Comunidade de Sant'Egidio, marco impagliazzo. “Hoje começa uma nova vida para muitas famílias, seguras na Itália, graças aos corredores humanitários, fruto da colaboração virtuosa entre instituições e sociedade civil que mostra o quanto é possível salvar vidas humanas, acolher e integrar. Com a chegada de hoje, esgota-se a cota de acolhimento estabelecida para Sant'Egidio no protocolo assinado em 4 de novembro de 2021 com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. A nossa Comunidade está pronta para acolher outras pessoas e esperamos que as instituições alarguem o protocolo, de forma a responder ao sofrimento, em particular, de muitas mulheres afegãs”. O projeto dos corredores humanitários é financiado em grande parte pelo Otto per mille Valdensian, o sistema de recepção é garantido pela Waldensian Diaconia. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.