“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

Foto do unsplash

Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 – Declaração do Presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders:

“Assim, os discípulos de Jesus respondem à palavra do mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: sempre que… é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo.

Hoje somos nós que nos perguntamos: quando? A resposta de Jesus é: você está certo, você não está, você não fez isso.

O nosso mar é novamente um mar de morte e as nossas costas não são uma terra de salvação mas areia e rocha que recebem corpos sem vida. A Europa unida, construída com resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda dos portões de Auschwitz, hoje perde cada vez mais credibilidade sem poder salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, não se trata de um acidente ou de uma tragédia aleatória, trata-se de responsabilidades concretas: decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás dos pronunciamentos das circunstâncias ou atrás de uma política externa míope que pensa poder evitar os desvios do desespero. Na realidade, uma clara opção política de não salvação já foi implementada.

As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar a agir pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar a confiar em Deus e hoje devemos dar um passo mais além, é uma questão de unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e dentro da Comunidade Européia para garantir acessos legais e seguros, apoio às ONGs que salvam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo de não de bloquear as saídas ou deter os migrantes em verdadeiros campos de detenção, mas de garantir um sistema de apoio ao desenvolvimento, acolhimento e socorro. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este propósito.

Todos os crentes se deparam com a Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará o momento de fazer um balanço e não será possível responder: quando?”


E quando foi que te vimos estrangeiro e te acolhemos?1

É assim que os discípulos de Jesus respondem à palavra do Mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: ‘Quando foi…’ é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo.

Hoje somos nós que fazemos a pergunta: quando foi? A resposta de Jesus é: você está certo, não.

O nosso mar é novamente um mar de morte, e as nossas costas não são uma terra de salvação mas sim areia e rocha recebendo corpos sem vida. Uma Europa unificada, construída através da resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda das portas de Auschwitz, perde hoje cada vez mais credibilidade por não conseguir salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, isto não é um acidente ou uma tragédia do acaso, são responsabilidades concretas: Decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás de declarações circunstanciais ou de uma política externa míope que pensa poder evitar partidas desesperadas. Na realidade, já houve uma escolha política clara de não poupar.

As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar agindo pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar confiando em Deus e hoje devemos dar um passo a mais, é unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e na Comunidade Européia para garantir vias legais e seguras de acesso, apoio às ONGs que resgatam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo não de bloquear partidas ou deter migrantes em verdadeiros campos de refugiados, mas de garantir um sistema solidário de desenvolvimento, hospitalidade e resgate. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este objetivo.

Todos os crentes se colocam diante da Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro, e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará a hora do ajuste de contas e não será possível responder: quando será?

1 Mateus 25:38 – Nova Versão Revisada da Bíblia


Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI)

As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; entretanto, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O que está acontecendo em Lampedusa

O que está acontecendo em Lampedusa

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Um pequeno barco, transportando 42 migrantes, colidiu com as rochas do Vallone delle Acque, em Lampedusa. É o que lemos hoje nas agências de notícias. O grupo, composto por 14 mulheres e 5 menores, foi resgatado pelos homens da CP324 e 327 barcos patrulha da Guarda Costeira. O barco, que partiu de Sfax às 6h do último domingo, afundou. Os migrantes, originários de Gâmbia, Camarões, Mali, Costa do Marfim e Chade, foram todos levados para o hotspot do distrito de Imbriacola. Nestas horas as pessoas no interior da estrutura seriam, sempre segundo fontes da imprensa, mais de 1.200, face a uma capacidade de 350 lugares sentados. Nos últimos dias, houve numerosos desembarques em Lampedusa, um corpo chegou, vários desaparecidos, como contam os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, neste post no Facebook . E apenas alguns dias atrás, uma menina de alguns meses morreu dentro do hotspot. “O Mediterrâneo ainda é um lugar onde as pessoas morrem, uma das rotas mais perigosas do mundo – declara marta bernardini, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – . Como igrejas protestantes, há anos construímos corredores humanitários, uma maneira segura de levar as pessoas à Itália, mas queremos continuar dizendo que as pessoas também devem ser salvas no Mediterrâneo com a ajuda de ONGs ou, em qualquer caso, de uma organização europeia de defesa do mar. resgate, que o acolhimento deve ser digno para todos aqueles que chegam à Itália e que, além dos corredores humanitários, também devem ser garantidos outros acessos legais e seguros. A Europa deve assumir a sua responsabilidade, cuidar de quem continua a viajar em busca de um futuro melhor, que o próprio Ocidente não permite que seja garantido nos locais de onde fogem”. ...

Ler artigo
Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Representantes da eco-comunidade pedem "desarmamento climático". Assembleia 2022, Nápoles Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 - A assembleia bienal de ecocomunidades, que acaba de ser concluída em Nápoles, juntou-se à campanha pelo "desarmamento climático" por ocasião do Dia Internacional para prevenir a exploração do meio ambiente na guerra e conflito armado. Além disso, outras 4 igrejas luteranas aderiram ao processo “eco” da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), promotora da iniciativa. Estas são as igrejas de Merano, Gênova, Florença e Nápoles. Pedimos um comentário ao coordenador do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, após os três dias em Nápoles. Lacquaniti expressou sua satisfação com a entrada das novas comunidades e com o resultado da conferência, repleta de reflexões e propostas. Programada para 2023, uma série de conferências sobre trabalho e meio ambiente. A bienal de eco-comunidades “Entre presenças online e físicas, participaram cerca de 40 pessoas no primeiro dia e cerca de 30 no segundo dia. Também estamos muito felizes que alguns grupos tenham deixado temporariamente os trabalhos da Assembleia para participar da marcha pela paz em 5 de novembro, também realizada em Nápoles”, disse Lacquaniti. O coordenador destacou as excelentes ideias teológicas que brotaram das intervenções do Kirsten Thielepastor luterano e vice-reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e da Hanz Gutiérrezteólogo e professor da Faculdade Adventista de Teologia. Kirsten Thiele falou, entre outras coisas, da ética cristã como a ética da gratidão. Além disso, do conceito de "preservação", uma vez que a salvaguarda da criação "não é tarefa exclusiva de Deus, mas exige que o homem respeite e proteja, guarde, mantenha e conserve o que Deus criou". Não só a teologia, mas também a filosofia, quando Thiele fala em “Tornar o motivo corporal cosmológica e ecologicamente fecundo, para a coexistência de todas as criaturas”, sugerindo a ideia de um “organismo” que interliga Deus, a humanidade e o criado. Lacquaniti continua: “Tanto Thiele quanto Gutierrez chamaram a atenção para a relação entre os seres humanos e a criação. Em particular, falamos sobre a visão antropocêntrica que, apesar de nossas boas tentativas, sempre permanece decisiva para provocar um desequilíbrio. Gutierrez abordou o tema da alteração do artigo 9º da Constituição. O que restará para as gerações futuras? Falamos de recursos, mas não mencionamos os direitos precisos do meio ambiente, que permanecem implícitos”. Gutierrez também introduziu a eco-teologia de Jurgen Moltmann. Falando do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, sublinhou que Deus “se limita”, no sentido de que limita o seu poder de se aproximar do homem. O homem deve fazer o mesmo com a criação. Precisamos de uma conversão ecológica No segundo dia, Maria Elena Lacquaniti continua, focada nas questões da transição energética e na necessidade de uma conversão ecológica e uma corajosa transição para a sustentabilidade, que deve ser feita imediatamente. “Analisamos alguns dados – explica Lacquaniti – e ficamos surpresos com o fato de, por exemplo, ter havido um aumento significativo da produção de energia a partir de fontes renováveis ​​nos últimos dois anos, mas isso não corresponde a uma diminuição dos combustíveis fósseis. Por que? Como se a consciência de um fosse corrigida, mas um continuasse com o consumo habitual do outro”. Das eco-comunidades vem o convite ao comportamento consciente e crítico. O objetivo é dar sentido à sustentabilidade, que deve se basear em três princípios cardeais: proteção ambiental, equidade e economia justa. “Não basta aumentar as renováveis, é preciso reduzir os combustíveis fósseis e mudar o consumo, senão esses princípios não serão cumpridos”, comenta Lacquaniti. …a terra está lá, mas você não pode vê-la Emanuele De Gasperis em seu relatório ele deu um panorama sobre sustentabilidade e o número de habitantes do planeta. Antigamente era criado para comer, mas hoje é "produzido" para comer. O conceito de produção tem impactos no ambiente e nos animais, com uma vertente ética que também, mas não só, diz respeito ao bem-estar animal. Basta pensar, relata Lacquaniti, que a vida útil de um frango orgânico é estimada em 80 dias, enquanto a de um frango em produção industrial é de 30 dias. “Não é com 50 dias de diferença que podemos ficar com a alma em paz” observa a coordenadora da GLAM, que no entanto convida a uma maior sensibilidade sobre que tipo de consumidores queremos ser. De Gasperis também falou das chamadas "fazendas caipiras", uma expressão um tanto romântica ingênuo que lembra a imagem de galinhas alegres ciscando no terreiro, imagem distante da realidade de enormes gaiolas em bateria onde a terra está ali, mas não se vê. Morrendo pela justiça ambiental Foto: Wiki Commons Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Costa O tema de como a agricultura industrial também se cruza com as guerras em curso que não vemos, nos levou a lembrar aqueles que morreram para proteger o meio ambiente. Entre eles, o jornalista Dom Phillips e o ativista brasileiro Bruno Pereira, assassinado em junho no Brasil enquanto investigava apropriações de terras de povos isolados. A Amazônia está em risco, consumida por políticas gananciosas que ameaçam levá-la a um colapso irreversível. “Contamos com Lula – diz Lacquaniti -, que escreveu em seu programa de governo que pretende proteger a Amazônia. O mundo está pendurado. Pensando na América Latina, na Amazônia, mas também no resto do mundo e na própria Itália, estamos falando de percentuais muito altos de extinção de animais silvestres e perda de biodiversidade (dados do WWF)”. Futuro e presente, entre o trabalho e o ambiente A coordenadora do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, conclui com uma nota de otimismo: “A relação com as eco-comunidades é esplêndida. Querem estar e manter-se em contacto, querem informar-se e participar num trabalho sistemático sobre estas temáticas, de forma constante e contínua. Um bom sinal e um bom começo para os próximos dois anos, até à próxima Assembleia. Para 2023 já planejamos uma série de iniciativas sobre trabalho e meio ambiente”. Eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica na Itália há cerca de 30 candidatos ao diploma GLAM, de um grupo de mais de cem simpatizantes. ...

Ler artigo
Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Roma (NEV), 12 de maio de 2022 – O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, está entre os signatários da campanha “Estamos prontos, e vocês?”. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. A lei permitiria que homens e mulheres muito jovens que cresceram e estudaram na Itália por anos adquirissem a cidadania italiana. A campanha foi lançada no dia 9 de maio pelo Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania. Em apenas três dias a iniciativa já ultrapassou os 500 membros. Entre os signatários, além de Garrone, também: Manuela Vinay (Chefe do Escritório Otto per Mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodista e Valdense). Annapaola Carbonato (Secretária Nacional da Federação da Juventude Evangélica da Itália - FGEI). Além disso, assinaram professores, chefes de instituições, cultura e jornalismo. Para assinar, conecte-se ao site Baixe o comunicado de imprensa: 05_12_PRESS_RELEASE_ESTAMOS PRONTOS PARA VOCÊ A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) e seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, há muito se unem e apoiam várias iniciativas da sociedade civil para o reconhecimento da cidadania para filhos de imigrantes ou que cresceram na Itália e apenas para os ius. Entre elas, a campanha da Itália também está. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.