Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, lemos no site chiesavaldese.org, está “próxima das populações síria e turca violentamente afetadas pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”.

A Tavola Valdese, “sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir ainda que com meios extraordinários para o compromisso a favor das intervenções de ajuda às populações afectadas pelo sismo, decidiu destinar quinhentos mil euros, obtidos junto do Otto fundos para mil destinados anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para o estabelecimento de um Fundo especial destinado a este fim.

“Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas – declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – tentaremos obter ajuda adequada e eficaz, mesmo nos territórios menos expostos à atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”.

O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências ao pastor Najla Kassab do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e do Líbano, bem como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo
Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib. Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril. O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana. O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG). foto interfilme Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça). 13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”. PEQUENA PALESTINA / Journal d'un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83' As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial. INTERFILM A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo
Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d'Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar) Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Na véspera da Semana da Liberdade, entrevistamos o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Daniele Garrone. A Semana acontece próximo ao dia 17 de fevereiro, data do aniversário da concessão dos direitos civis aos valdenses, em decorrência da Carta-Patente expedida pelo rei Carlo Alberto, em 1848. Algumas semanas depois, os mesmos direitos foram concedidos aos Judeus. Seu mandato como Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália começou há pouco mais de três meses, juntamente com o novo Conselho. Do ponto de vista organizacional e programático, que são as moradas do triénio que vos espera? Como é comum em nossas igrejas, não se é chamado a ocupar determinados cargos com base em um programa: as linhas de trabalho indicadas nos estatutos e "atualizadas" pelos mandatos da assembléia. A assembléia, duas vezes ao ano, debate e verifica o andamento da Federação. Nesse sentido, nosso estilo de trabalho é fortemente "parlamentar". Continuaremos a realizar nossos esforços em vários setores. Os corredores humanitários, que tiveram uma extensão significativa com o apoio dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores; os projetos dentro da Mediterranean Hope, incluindo a assistência aos desembarques em Lampedusa e as iniciativas de apoio aos trabalhadores na planície de Rosarno e contra a contratação ilegal. Nesses setores, o apoio que recebemos continua e até se estende, aqui na Itália, de igrejas membros da Federação, como da União Budista Italiana, mas também de igrejas irmãs e organizações no exterior. Além disso, continua o trabalho de reflexão sobre questões importantes para o debate público em nosso país, em particular sobre a liberdade religiosa. Vamos intensificar a atividade de investigação e mobilização sobre as questões da liberdade religiosa (que deve ser igual para todos, sem privilégios e discriminações) e da laicidade, a começar pelas escolas públicas. Em breve publicaremos um volume sobre “populismo e religiões” resultante de uma série de webinars que criamos com parceiros de igrejas irmãs na Europa e América. Cuidaremos da comunicação não só sobre as atividades da Federação, mas sobre a realidade e as posições das igrejas protestantes na Itália. Outro setor fundamental é o da conscientização sobre a proteção do planeta. Oferecemos ferramentas para o ensino da Bíblia em nossas comunidades, mas também na esfera cultural. Apesar dos grandes obstáculos colocados pela pandemia - por exemplo tivemos de adiar a grande "assembléia geral" que de três em três anos oferece a oportunidade de conhecer, discutir e interagir com o espaço público - não reduzimos as iniciativas, mesmo que tudo esteja mais complicado é difícil. A Federação é um conjunto de igrejas protestantes com diferentes histórias e diferentes estruturas. Na sua opinião, quais são os aspectos mais criativos e desafiadores para as igrejas e comunidades federadas neste momento histórico? A Federação é um laboratório importante para o que é uma ideia tipicamente protestante, a da unidade na diversidade. É possível acordar em assembléia, decidir juntos compromissos comuns e falar a uma só voz sem esse homólogo ou obscurecer as diferenças. As diferenças históricas e organizacionais não superam a fé comum e não impedem compromissos compartilhados. Recebemos tudo isso como herança preciosa, mas também como vocação. Devemos valorizá-la ainda mais nestes tempos em que parece que as identidades devem ser gritadas em vez de discutidas e em que a diversidade é temida quando não contrariada. A teologia e a pastoral são elementos que se entrelaçam cotidianamente no trabalho e na vida dos crentes, tanto na esfera diaconal, quanto profissional e existencial. O que você acha? Em todas as áreas da vida, e cada uma delas é sustentada e orientada pela vocação, é preciso pensar na fé e a fé suscita perguntas, leva-nos a refletir. Não na solidão, porque há a dimensão da oração, de se expor ao Outro, e do outro como nós, que - de fora de nós - pode nos fazer reverberar aquela Palavra que não encontramos em nós mesmos, que pode compartilhe os fardos conosco. Pensamento, oração, consolo mútuo. Como disse Lutero mutuum colloquium et consolatio fratrum et sororum: diálogo mútuo e consolação entre irmãos e irmãs. Nos próximos dias, mais aprofundamentos sobre o tema da liberdade e sobre os encontros agendados para o dia 17 de fevereiro. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.