Trabalhe Conosco.  A Federação de Igrejas Protestantes está procurando 2 recursos

Trabalhe Conosco. A Federação de Igrejas Protestantes está procurando 2 recursos

Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2023 – A Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) está procurando 2 recursos para o setor administrativo e o setor de planejamento. Você tem até 20 de fevereiro para enviar sua inscrição.

A FCEI reúne quase todas as denominações “históricas” do protestantismo italiano (Batista, Metodista, Valdense, Luterana, Exército de Salvação) e algumas igrejas da área pentecostal-carismática. As atividades da FCEI vão desde a educação à hospitalidade, passando pelas relações com o Estado, comunicação, estudos sobre ecumenismo, diálogo, integração e meio ambiente. Entre seus projetos também o programa de refugiados e migrantes “Mediterrâneo Esperança” e os corredores humanitários.

Abaixo, os requisitos necessários e o endereço de e-mail para envio de currículo.


PESQUISA DE COLABORAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO

A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) procura colaborador/horas para o setor administrativo.

Atividades planejadas

  • Lançamento contábil, primeira nota, reconciliações bancárias, gerenciamento de cronograma de fornecedores;
  • Relatórios de projetos;
  • Suporte à gestão de pessoas, comunicação ANPAL, usabilidade do INPS, tramitação de certificações únicas;
  • Apoio administrativo em geral

Habilidades e requisitos necessários:

  • Formação/licenciatura em economia administrativa;
  • Experiência em gestão contábil;
  • uso de software de contabilidade;
  • Excelentes conhecimentos de Excel e do pacote Office em geral;
  • Bom conhecimento das atividades e realidade das igrejas protestantes;
  • Rigor, capacidade de organização do trabalho de forma autónoma e em equipa, respeito pelos prazos.

SEDE das atividades: Roma.

DISPONIBILIDADE: 12 meses, a partir de 1 de março de 2023.

Para se candidatar, envie seu currículo para [email protected] até 20 de fevereiro.


BUSCA DE COLABORAÇÃO PARA O DESIGN

Atividades planejadas:

  • Elaboração das apresentações narrativas dos projetos (Oito por mil fundos, financiamento de igrejas estrangeiras, FAMI, projetos de fundos privados, …);
  • Relatórios narrativos do projeto – em andamentoe finais;
  • Orçamentação do projeto;
  • Relatórios de projetos;
  • Relatórios financeiros finais dos projetos;
  • Planejamento anual de projetos e verificações em andamento.

Habilidades e requisitos necessários:

  • Formação/graduação na área social, gestão de projetos, terceiro setor;
  • Experiência em planejamento do terceiro setor e entidades sem fins lucrativos;
  • Bom conhecimento das atividades e realidade das igrejas protestantes;
  • Boas habilidades de comunicação escrita e oral para interagir com parceiros, credores e produzir documentação analítica;
  • Excelentes conhecimentos escritos e orais de inglês e italiano; o conhecimento de outras línguas é preferencial;
  • Rigor, capacidade de organização do trabalho de forma autónoma e em equipa, respeito pelos prazos.

SEDE das atividades: Roma.

DISPONIBILIDADE: 12 meses, a partir de 1 de março de 2023.

Para se candidatar, envie seu currículo para [email protected] até 20 de fevereiro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tempo de religião católica e alternativa.  Um manual protestante

Tempo de religião católica e alternativa. Um manual protestante

Roma (NEV/CS02), 18 de janeiro de 2023 – O "Sportello Scuola Laicita Pluralismo" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) preparou um documento com as respostas às perguntas mais frequentes sobre a inscrição e a opção de não usar o ensino da religião católica (IRC). De facto, as famílias e os alunos são chamados, até ao final de janeiro, a fazer a escolha dos institutos e cursos de estudo para o ano letivo 2023/2024. “Não menos relevante é a escolha de fazer uso ou não do ensino da religião católica (IRC) – escreve o Sportello FCEI na introdução do documento -. O crescente número de alunos (mais de um milhão segundo dados ministeriais, ed) que optam por não recorrer ao ensino religioso confessional e as significativas dificuldades em encontrar informações claras sobre como exercer esse direito, tornam necessário esclarecer que a FCEI pretende proporcionar às famílias e pessoas, evangélicas e não". Para tanto, algumas orientações estão disponíveis no site da FCEI com as chamadas FAQs (Perguntas Frequentes). No documento é possível encontrar instruções e informações para a escolha, mas também soluções para quem pretende mudar de opção durante o ano ou de um ano para o outro. São também ilustradas as obrigações das escolas e da direção escolar que, por lei, devem sempre e em qualquer caso garantir o direito de não se valerem do ensino da religião católica. Por fim, o operacional responde tanto em casos de discrepâncias e/ou ilegitimidade das fichas, quanto sobre o que acontece se pais e alunos optarem pelo estudo individual ou pela chamada “disciplina alternativa”. A jurisprudência, por exemplo, já estabeleceu que o direito constitucional à liberdade religiosa e de consciência prevalece sobre as necessidades organizacionais das escolas. A escolha de uma das 4 alternativas possíveis (actividades lectivas, investigação e estudo com ou sem acompanhamento de docentes, não frequência da escola durante o horário do IRC) como escreve a secretária: "é necessária, mas a sua activação pela escola é obrigatório". Além disso, o manual explica: “não há um número mínimo de alunos necessário para a ativação da hora disciplinar alternativa. E o aluno não tem obrigação de ficar na aula para fazer a matéria alternativa enquanto o restante da turma faz a hora de religião”. No extenso debate sobre as notas do IRC no boletim, o Sportello reitera que “nenhuma vantagem adicional se adquire com a frequência da aula de religião em termos de créditos escolares”. No entanto, a questão ainda é motivo de debate. Atualmente, a frequência da disciplina alternativa, como o IRC, entra em jogo na avaliação mais ampla que inclui atividades extracurriculares, faltas, qualidade de comprometimento do aluno. O vademecum foi elaborado pelo consultor jurídico da FCEI, avv. Ilaria Valenzi. O Balcão Escolar de Laicismo e Pluralismo da FCEI está sempre disponível para apoiar as famílias no processo de escolha e em relação a problemas específicos. A recepção pode ser contatada a qualquer momento no endereço de e-mail [email protected]. Outras perguntas frequentes e outros conteúdos úteis serão gradualmente divulgados no site da FCEI. Para saber mais Leia os artigos do NEV sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas. ...

Ler artigo
Segundo dia do Sínodo Luterano, “Liberdade e responsabilidade”

Segundo dia do Sínodo Luterano, “Liberdade e responsabilidade”

Roma (NEV), 29 de abril de 2022 – Após o primeiro dia, com o culto de abertura e a saudação de Daniele Garrone, presidente da FCEI, a terceira sessão da XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália concentrou-se hoje em relatórios, moções e uma mesa redonda sobre o tema "liberados à liberdade". Após a intervenção do tesoureiro, Jens Ferstla discussão centrou-se na relação entre os recursos para o funcionamento da Igreja e a perspetiva de envolvimento futuro em diversas atividades eclesiásticas, administrativas e diaconais. Precisamente sobre este último, iniciou-se uma reflexão sobre o compromisso social e diaconal da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Um empenho que se expressa tanto na participação em numerosas iniciativas locais como em projetos de envolvimento mais amplo e exigente: por exemplo na gestão do Hospital Evangélico de Nápoles, Villa Betania; o Hospital Evangélico Internacional de Gênova; mas também em termos de acolhimento de migrantes e refugiados ucranianos na sequência do conflito em curso. “A diaconia do CELI – confirmou Cordelia Vitiellodo Consistório - é uma ponte de relação não só com a sociedade italiana, com as partes mais frágeis que nela vivem, mas também e sobretudo a resposta à vocação evangélica que nos é dirigida de nunca desviar o olhar de quem sofre, de quem está sozinho, de quem é vítima da violência ou da guerra e no cuidado da criação". A fala do representante estrangeiro da Igreja Evangélica Alemã (EKD), Frank Kopania, confirmou o desejo de igual colaboração com o CELI, especialmente no trabalho pastoral. O expoente da EKD sublinhou “a solidariedade que une a Igreja Luterana às Igrejas alemãs e que hoje encontra motivos renovados para continuar rentável”. O #Sinodolutheran2022 See More acaba de aprovar os trabalhos do Consistório. @nev_it @adistait @Riforma_it pic.twitter.com/Lmgmw1m8jt — CeliTWEET (@CeliTWEET) 29 de abril de 2022 Pela manhã, entre outras intervenções, a do moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. A sessão do Sínodo Luterano será retomada amanhã, 30 de abril, com saudações do diretor do escritório nacional para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana, Juliano Savina E KG Haubelt do Sínodo da Igreja Evangélica da Baviera. À tarde, as eleições para a renovação do Reitor e Vice-Reitor do CELI. ...

Ler artigo
Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 - A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema "As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra". “O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”. A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que "não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da 'economia de comunhão', mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes" e falou sobre como fazer uma "escolha preferencial a favor dos pobres". Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, "Economia de Francesco". Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que "não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado", mas também um fosso de visão, entre "uma forma 'europeia', nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego" . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de "um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova. Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense. Quinta-feira 25 de julho um dia sobre "O Deus dos pobres" com a mesa redonda "Somos mendigos isso é verdade", com Anna Foada Universidade "La Sapienza" de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico. Baixe a programação completa clicando AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.